Edição Público Lisboa

Re­co­lher obri­ga­tó­rio, a no­va ar­ma con­tra a co­vid

Paí­ses adop­tam me­di­da pa­ra con­ter con­tá­gi­os sem fe­char eco­no­mi­as. Por­tu­gal po­de se­guir-se?

- Pa­trí­cia Car­va­lho Pa­tri­cia.car­va­lho@pu­bli­co.pt Politics · France · Belgium · António Costa · Lisbon · Portugal · New University of Lisbon · Paris · Mexia, TX · National School of Public Health · University of Lisbon

Quan­do se fa­la ca­da vez mais na pos­si­bi­li­da­de de Por­tu­gal re­gres­sar ao es­ta­do de emer­gên­cia, abre-se tam­bém a pos­si­bi­li­da­de de o país ter re­co­lher obri­ga­tó­rio, à se­me­lhan­ça do que já foi de­cre­ta­do em França ou na Bél­gi­ca. Me­di­da não é re­jei­ta­da por vá­ri­os es­pe­ci­a­lis­tas, em­bo­ra sus­ci­te dú­vi­das

Em França já es­tá em vi­gor, na Bél­gi­ca ar­ran­ca ama­nhã e por cá tam­bém já se fa­la nes­sa pos­si­bi­li­da­de: o re­co­lher obri­ga­tó­rio, uma me­di­da ge­ral­men­te as­so­ci­a­da a si­tu­a­ções de con­fli­to po­de ser o pró­xi­mo pas­so na ten­ta­ti­va de tra­var o au­men­to de ca­sos de co­vid-19, que se tem re­gis­ta­do nas úl­ti­mas se­ma­nas e que se te­me que es­te­ja ain­da mui­to lon­ge do pi­co máximo. E o re­co­lher obri­ga­tó­rio po­de ser apli­ca­do pa­ra uma si­tu­a­ção de pan­de­mia? Os cons­ti­tu­ci­o­na­lis­tas di­vi­dem-se, mas nu­ma coi­sa, en­tre os vá­ri­os es­pe­ci­a­lis­tas ou­vi­dos pe­lo PÚ­BLI­CO, pa­re­ce haver con­sen­so: há que haver uma jus­ti­fif ca­ção cla­ra pa­ra avan­çar por aí.

“A ques­tão central é que te­mos de per­ce­ber por que é que as me­di­das são to­ma­das e, se sou­ber­mos que um nú­me­ro im­por­tan­te de con­tá­gi­os es­tá a acon­te­cer em con­tex­to pós-la­bo­ral, em reu­niões em ca­sa das pes­so­as, em ba­res, en­tão o re­co­lher obri­ga­tó­rio faz sen­ti­do. Mas só nes­se ca­so e eu não sei, por­que não foi di­vul­ga­do, se as ca­dei­as de trans­mis­são es­tão a ocor­rer so­bre­tu­do nes­ses ca­sos.” O re­su­mo é do pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal de Mé­di­cos de Saú­de Pú­bli­ca, Ri­car­do Me­xia, que, lo­go a se­guir, la­men­ta que o com­ba­te à pan­de­mia sur­ja mui­to li­ga­do à im­po­si­ção de res­tri­ções. “Eu es­pe­ro que me­di­das co­mo es­ta se­jam ba­se­a­das em pro­vas, mas, ain­da as­sim, era im­por­tan­te que as me­di­das não se­jam só do la­do das res­tri­ções aos di­rei­tos dos ci­da­dãos e que in­ci­dam mais na ca­pa­ci­da­de de res­pos­ta dos ser­vi­ços de saú­de”, diz.

Car­la Nu­nes, di­rec­to­ra da Es­co­la Na­ci­o­nal de Saú­de Pú­bli­ca, diz que não é ain­da pos­sí­vel an­te­ver se uma si­tu­a­ção em que as pes­so­as pos­sam man­ter a ac­ti­vi­da­de diur­na nor­mal (ir à es­co­la e tra­ba­lhar, fa­zer exer­cí­cio fí­si­co ou ir às com­pras), mas fi­ca­rem proi­bi­das de sair de ca­sa du­ran­te um pe­río­do noc­tur­no a de­fi­nir po­de ser efi­caz na ten­ta­ti­va de tra­var a trans­mis­são do coronavíru­s SARSCov-2. “É tu­do mui­to re­cen­te e qual­quer al­te­ra­ção de com­por­ta­men­to de­mo­ra duas a três se­ma­nas a ter im­pac­to. Só a par­tir daí é que se per­ce­be se co­me­ça a ter efei­tos ou não nos nú­me­ros. Além dis­so, nenhuma me­di­da tem si­do to­ma­da iso­la­da­men­te, os paí­ses têm pro­pos­to vá­ri­as em si­mul­tâ­neo”, diz.

Com ou sem emer­gên­cia?

E, nes­te con­tex­to, é di­fí­cil ava­li­ar o im­pac­to re­al de uma ac­ção con­cre­ta, ex­pli­ca: “Nos es­tu­dos clí­ni­cos só fa­ze­mos uma al­te­ra­ção de ca­da vez. É co­mo quan­do ten­ta­mos per­ce­ber se um be­bé é alér­gi­co a al­gum alimento e só va­mos acres­cen­tan­do um de ca­da vez à sua di­e­ta. Aqui me­xe­mos em vá­ri­as coi­sas ao mes­mo tem­po, o que tor­na mais com­pli­ca­da a ava­li­a­ção” do im­pac­to de ca­da me­di­da.

Do la­do dos cons­ti­tu­ci­o­na­lis­tas, a opi­nião di­vi­de-se so­bre se o re­co­lher obri­ga­tó­rio po­de ser de­cre­ta­do pa­ra uma si­tu­a­ção de pan­de­mia e, se sim, em que con­di­ções te­rá de ser fei­to. Jor­ge Reis No­vais é o mais crí­ti­co e a sua ava­li­a­ção não pou­pa Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa e An­tó­nio Cos­ta. “O pro­ble­ma é que tan­to o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca co­mo o pri­mei­ro-mi­nis­tro não têm mui­ta sen­si­bi­li­da­de pa­ra o cum­pri­men­to de re­gras ju­rí­di­cas, o que é es­tra­nho, por­que são am­bos ju­ris­tas. Mas is­so não os atra­pa­lha mui­to. Se o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca quer mais pro­ta­go­nis­mo, de­cre­ta o es­ta­do de emer­gên­cia; se acha que de­ve ser o Go­ver­no a ter mais pro­ta­go­nis­mo, es­te de­cla­ra a si­tu­a­ção de ca­la­mi­da­de. Mas is­to não de­via ser as­sim”, de­fen­de.

Pa­ra o pro­fes­sor de Di­rei­to Cons­ti­tu­ci­o­nal da Uni­ver­si­da­de de Lis­boa, o país tem re­cor­ri­do à Lei de Ba­ses da Pro­tec­ção Ci­vil “pa­ra uma si­tu­a­ção que não é ade­qua­da”, já que uma pan­de­mia não tem o ca­rác­ter de ca­tás­tro­fe ou aci­den­te gra­ve — al­go mui­to con­ti­do no tem­po —, que po­de le­var a de­cre­tar-se um es­ta­do de aler­ta ou de emer­gên­cia. “O que te­mos é uma emer­gên­cia de saú­de pú­bli­ca, mas a Lei de Ba­ses da Saú­de (LBS) e o Sis­te­ma de Vi­gi­lân­cia de Saú­de Pú­bli­ca (SVSP) não pre­vêem uma si­tu­a­ção des­tas”, re­fe­re. “Há um va­zio le­gis­la­ti­vo que de­via ser pre­en­chi­do e já hou­ve oi­to me­ses pa­ra o fa­zer. De­ve­ria haver uma al­te­ra­ção [da LBS e SVSP] que per­mi­tis­se que, em si­tu­a­ções gra­vís­si­mas co­mo a que atra­ves­sa­mos, pu­des­se haver li­mi­ta­ções de di­rei­tos fun­da­men­tais, sem­pre por ac­to le­gis­la­ti­vo, se­ja lei ou de­cre­to-lei”, de­fen­de.

A pos­si­bi­li­da­de de Por­tu­gal poder vir a ter de con­vi­ver com uma si­tu­a­ção de re­co­lher obri­ga­tó­rio é vis­ta pe­lo cons­ti­tu­ci­o­na­lis­ta nes­ta mes­ma pers­pec­ti­va — é pos­sí­vel avan­çar com a me­di­da, mes­mo sem que se­ja de­cre­ta­do o es­ta­do de emer­gên­cia, mas, in­sis­te Reis No­vais, “re­cor­ren­do a leis que não são ade­qua­das à si­tu­a­ção”.

Se o Pre­si­den­te quer mais pro­ta­go­nis­mo, de­cre­ta o es­ta­do de emer­gên­cia; se acha que de­ve ser o Go­ver­no a ter mais pro­ta­go­nis­mo, es­te de­cla­ra a si­tu­a­ção de ca­la­mi­da­de. Mas is­to não de­via ser as­sim Jor­ge Reis No­vais Cons­ti­tu­ci­o­na­lis­ta

Ti­a­go Duarte, pro­fes­sor da Fa­cul­da­de de Di­rei­to da Uni­ver­si­da­de No­va de Lis­boa, tam­bém de­fen­de que não é ne­ces­sá­rio que se­ja de no­vo de­cla­ra­do o es­ta­do de emer­gên­cia — uma pos­si­bi­li­da­de que já foi ad­mi­ti­da pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e que es­ta­rá a ser dis­cu­ti­da há já al­gum tem­po com o Go­ver­no — pa­ra que se avan­ce com um re­co­lher obri­ga­tó­rio, mas re­cor­da que uma me­di­da des­te gé­ne­ro te­rá sem­pre de ser jus­ti­fi­ca­da e pro­por­ci­o­nal à pri­va­ção de um di­rei­to fun­da­men­tal. “To­das as leis que ve­nham a ser apro­va­das e que res­trin­jam os di­rei­tos fun­da­men­tais dos ci­da­dãos — nes­te ca­so, o de a pes­soa poder cir­cu­lar li­vre­men­te — só se­rão con­for­mes com a Cons­ti­tui­ção, desde lo­go, se fo­rem ne­ces­sá­ri­as pa­ra sal­va­guar­dar ou­tro di­rei­to fun­da­men­tal, que se­rá o di­rei­to à saú­de”, diz.

Pro­por­ção e bom sen­so

O cons­ti­tu­ci­o­na­lis­ta re­al­ça que é es­sen­ci­al que me­di­das des­te gé­ne­ro se­jam “pro­por­ci­o­nais e não ex­ces­si­vas”, pe­lo que um re­co­lher obri­ga­tó­rio só te­rá jus­ti­fi­ca­ção se “se che­gar à con­clu­são de que os gran­des fo­cos de con­tá­gio acon­te­cem à noi­te”.

Já Rui Pe­rei­ra, ju­ris­ta e an­ti­go mi­nis­tro da Ad­mi­nis­tra­ção In­ter­na, tem uma pers­pec­ti­va di­fe­ren­te so­bre a even­tu­a­li­da­de de se avan­çar pa­ra um re­co­lher obri­ga­tó­rio: “Uma me­di­da des­sas só é pos­sí­vel se es­ti­ver­mos em es­ta­do de sí­tio ou em es­ta­do de emer­gên­cia. A sus­pen­são de li­ber­da­de de cir­cu­la­ção que es­tá as­so­ci­a­da ao re­co­lher obri­ga­tó­rio é com­ple­ta­men­te in­cons­ti­tu­ci­o­nal fo­ra des­se con­tex­to”, de­fen­de.

Mas is­so, pa­ra o an­ti­go go­ver­nan­te so­ci­a­lis­ta, não se­rá um im­pe­di­men­to, ca­so se de­ci­da avan­çar por aí, e ex­pli­ca porquê: “Não te­nho gran­des dú­vi­das que nes­ta al­tu­ra o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e o pri­mei­ro-mi­nis­tro já es­tão a pen­sar nes­sa pos­si­bi­li­da­de”, diz.

Pa­ra já, o re­co­lher obri­ga­tó­rio por cau­sa da co­vid-19 foi de­cre­ta­do em França, on­de, du­ran­te qua­tro se­ma­nas, é proi­bi­do an­dar na rua, sem mo­ti­vo de for­ça mai­or, em no­ve ci­da­des (incluindo Pa­ris) en­tre as 21h e as 6h, e na Bél­gi­ca, on­de os ci­da­dãos se­rão im­pe­di­dos de an­dar na rua en­tre a meia-noi­te e as 5h a par­tir de ama­nhã.

 ??  ??
 ??  ?? En­tre as 21h e as 6h, quem an­dar na rua em no­ve ci­da­des fran­ce­sas, en­tre as quais Pa­ris, tem de apre­sen­tar mo­ti­vo de for­ça mai­or ou se­rá mul­ta­do
En­tre as 21h e as 6h, quem an­dar na rua em no­ve ci­da­des fran­ce­sas, en­tre as quais Pa­ris, tem de apre­sen­tar mo­ti­vo de for­ça mai­or ou se­rá mul­ta­do
 ?? GON­ZA­LO FUENTES/REU­TERS ??
GON­ZA­LO FUENTES/REU­TERS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal