Edição Público Lisboa

De­pu­ta­da do PS trans­for­ma fal­si­fi­ca­ção em “im­pre­ci­sões”

Hor­ten­se Mar­tins já cor­ri­giu fal­so re­gis­to de em­pre­sa pa­ra ter pro­ces­so ar­qui­va­do pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co

- Jo­sé An­tó­nio Ce­re­jo Socialist Party · Coimbra · Como

“Im­pre­ci­sões no re­gis­to co­mer­ci­al” — es­ta foi a ex­pres­são uti­li­za­da pe­la de­pu­ta­da so­ci­a­lis­ta Hor­ten­se Mar­tins pa­ra jus­ti­fi­car pe­ran­te os ser­vi­ços do Ins­ti­tu­to dos Re­gis­tos e do No­ta­ri­a­do aqui­lo que o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co qua­li­fi­cou co­mo “fal­si­fi­ca­ção”.

Obri­ga­da a rec­ti­fi­car o re­gis­to da em­pre­sa ho­te­lei­ra In­ves­tel, de que é só­cia com o pai e a ir­mã — bem co­mo a pa­gar mil eu­ros ao Es­ta­do, co­mo con­di­ção pa­ra que o pro­ces­so por fal­si­fi­ca­ção de do­cu­men­tos em que era ar­gui­da fos­se sus­pen­so por qua­tro me­ses e de­pois ar­qui­va­do —, a so­ci­a­lis­ta e o pai, igual­men­te ar­gui­do no mes­mo pro­ces­so, apre­sen­ta­ram na Con­ser­va­tó­ria do Re­gis­to Co­mer­ci­al, no fim do mês pas­sa­do, um con­jun­to de do­cu­men­tos em que afir­mam “exis­ti­rem im­pre­ci­sões no re­gis­to co­mer­ci­al” por eles efec­tu­a­do em Mar­ço de 2019, “quan­to à ces­sa­ção de fun­ções da an­ti­ga ge­ren­te Maria Hor­ten­se Nu­nes Mar­tins”.

De acordo com o des­pa­cho do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co que em Ju­nho propôs a sus­pen­são do pro­ces­so (acei­te pe­lo juiz de ins­tru­ção), Hor­ten­se Mar­tins e o pai ti­nham en­tre­ga­do no mes­mo ser­vi­ço do Ins­ti­tu­to dos Re­gis­tos e do No­ta­ri­a­do, em Mar­ço do ano pas­sa­do, uma de­cla­ra­ção “ela­bo­ra­da e as­si­na­da pe­la ar­gui­da” Hor­ten­se, com da­ta de 21 de Ju­nho de 2011, em que es­ta afir­ma­va ter re­nun­ci­a­do à ge­rên­cia da In­ves­tel na­que­la da­ta, “em vir­tu­de de ter dei­xa­do de pres­tar quais­quer ser­vi­ços ou ac­ti­vi­da­des na mes­ma”. No des­pa­cho lê-se tam­bém que “o con­teú­do de tal do­cu­men­to é fal­so no que diz res­pei­to à da­ta da re­nún­cia à ge­rên­cia e seu co­nhe­ci­men­to [pe­lo pai, igual­men­te ge­ren­te], pois que a ar­gui­da exer­ceu a ge­rên­cia da In­ves­tel pa­ra lá da­que­la da­ta e pe­lo me­nos até ao ano de 2013”.

A fac­tu­a­li­da­de em cau­sa “é sus­cep­tí­vel de in­te­grar a prá­ti­ca do cri­me de fal­si­fi­ca­ção de do­cu­men­tos (…) pu­ní­vel com pri­são até cin­co anos”, es­cre­veu ain­da a pro­cu­ra­do­ra, vis­to que os ar­gui­dos “fi­ze­ram uso de tal do­cu­men­to, cu­jo te­or sa­bi­am não cor­res­pon­der à re­a­li­da­de, sa­ben­do que es­te se­ria aver­ba­do ao re­gis­to co­mer­ci­al, agin­do com a in­ten­ção de que do mes­mo vi­es­se a cons­tar a de­so­ne­ra­ção da ar­gui­da Hor­ten­se da ge­rên­cia da re­fe­ri­da sociedade em da­ta an­te­ri­or à ver­da­dei­ra (…) bem sa­ben­do que pra­ti­ca­vam ac­tos proi­bi­dos e pu­ni­dos por lei pe­nal”.

O ob­jec­ti­vo de am­bos, se­gun­do a con­vic­ção ex­pres­sa pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, se­ria o de “pre­ve­nir con­sequên­ci­as des­fa­vo­rá­veis pa­ra a ar­gui­da Hor­ten­se Mar­tins, no­me­a­da­men­te no âm­bi­to de um ou­tro pro­ces­so que es­te­ve pen­den­te” no De­par­ta­men­to de In­ves­ti­ga­ção e Ac­ção Pe­nal de Coim­bra.

Co­mo o PÚ­BLI­CO já no­ti­ci­ou, a ma­gis­tra­da ti­tu­lar do pro­ces­so en­ten­deu que a fal­si­fi­ca­ção aca­bou por não ter “re­le­vân­cia fac­tu­al” na­que­le ca­so e que “o grau de ili­ci­tu­de é mo­de­ra­do”. Por is­so op­tou, con­for­me a lei per­mi­te, pe­la sus­pen­são do pro­ces­so, aten­den­do, en­tre ou­tras coi­sas, à “in­te­ri­o­ri­za­ção da cen­su­ra da con­du­ta” por par­te dos ar­gui­dos.

Re­gis­to mais le­gí­vel

Foi na sequên­cia des­ta de­ci­são ju­di­ci­al, e com o ob­jec­ti­vo de rec­ti­fi­car, con­for­me exi­gi­do pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, a da­ta da re­nún­cia de Hor­ten­se Mar­tins à ge­rên­cia, que os ar­gui­dos en­tre­ga­ram ago­ra no re­gis­to co­mer­ci­al a ac­ta da reu­nião da as­sem­bleia ge­ral da In­ves­tel re­a­li­za­da a 23 de Se­tem­bro na qual se diz que, fa­ce às “im­pre­ci­sões” exis­ten­tes no re­gis­to co­mer­ci­al, “tor­na-se ne­ces­sá­rio tor­ná-lo mais le­gí­vel, pe­lo que fi­ca ex­pres­sa­men­te con­sig­na­do que os efei­tos da re­nún­cia não se pro­du­zi­ram no mo­men­to em que a ge­ren­te co­mu­ni­cou a in­ten­ção à sociedade, mas só a 31 de Ja­nei­ro de 2014”.

Na ac­ta — que é as­si­na­da ape­nas por Jo­a­quim Mar­tins (pai da de­pu­ta­da), mas que foi en­tre­gue jun­ta­men­te com uma de­cla­ra­ção de Hor­ten­se Mar­tins em que es­ta “con­fir­ma” o seu con­teú­do —, afir­ma-se igual­men­te que no re­gis­to efec­tu­a­do no ano pas­sa­do cons­ta que “a re­nún­cia à ge­rên­cia foi fei­ta com co­nhe­ci­men­to à sociedade em 21 de Ju­nho de 2011” e acres­cen­ta-se: “O que, de fac­to, acon­te­ceu.” Con­tu­do, pros­se­gue o do­cu­men­to, “os efei­tos não se pro­du­zi­ram desde lo­go, ten­do a ge­ren­te re­nun­ci­an­te per­ma­ne­ci­do em fun­ções até ao dia 31 de Ja­nei­ro de 2014, du­ran­te o tem­po que foi ne­ces­sá­rio a que a sua saí­da da em­pre­sa não in­ter­fe­ris­se com o fun­ci­o­na­men­to da mes­ma”.

Gra­ças a es­ta ac­ta e à sua con­fir­ma­ção por par­te da de­pu­ta­da Hor­ten­se Mar­tins, já cons­ta no re­gis­to co­mer­ci­al da sociedade, desde 30 de Se­tem­bro, que a sua re­nún­cia à ge­rên­cia ocor­reu em 31 de Ja­nei­ro de 2014 e não em 2011, con­for­me a so­ci­a­lis­ta elei­ta pe­lo cír­cu­lo de Cas­te­lo Bran­co es­cre­ve­ra na de­cla­ra­ção en­tre­gue à con­ser­va­tó­ria há pou­co mais de um ano.

 ?? MA­NU­EL DE AL­MEI­DA/LU­SA ?? Hor­ten­se Mar­tins foi elei­ta de­pu­ta­da nas lis­tas do PS pe­lo cír­cu­lo de Cas­te­lo Bran­co
MA­NU­EL DE AL­MEI­DA/LU­SA Hor­ten­se Mar­tins foi elei­ta de­pu­ta­da nas lis­tas do PS pe­lo cír­cu­lo de Cas­te­lo Bran­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal