Edição Público Lisboa

Pan­de­mia le­va sa­las de ci­ne­ma a mí­ni­mos his­tó­ri­cos

Em Por­tu­gal, a pi­or semana de 2019 te­ve mais pú­bli­co do que a me­lhor des­te ano. Pe­que­nas sa­las re­sis­tem

- Ro­dri­go No­guei­ra

Os tem­pos não es­tão fá­ceis pa­ra quem gos­ta de pas­sar tem­po nu­ma sa­la es­cu­ra a ver fil­mes ro­de­a­do de ou­tros se­res hu­ma­nos — e so­bre­tu­do pa­ra quem vi­ve des­se ne­gó­cio. Ain­da não che­gá­mos ao fim de 2020, mas os ana­lis­tas da con­sul­to­ra Om­dia, ci­ta­dos pe­la re­vis­ta Va­ri­ety, já apon­tam pa­ra uma que­bra de 60-70% nos ren­di­men­tos das sa­las, com per­das na or­dem dos 20 a 31 mil mi­lhões de dó­la­res (17 a 26,5 mil mi­lhões de eu­ros). Por cá, a Nos, a mai­or exi­bi­do­ra e dis­tri­bui­do­ra do país, ad­mi­te que­bras de 70%. Ir ao ci­ne­ma pa­re­ce uma ex­pe­ri­ên­cia ame­a­ça­da de extinção, e é ca­da vez mais pro­vá­vel que, mes­mo de­pois de a pan­de­mia pas­sar, na­da vol­te a ser co­mo era an­tes.

Com sa­las a meio gás por im­po­si­ção le­gal e o gran­de pú­bli­co re­ce­o­so de se apro­xi­mar, ape­sar de to­das as me­di­das pa­ra tor­nar a ex­pe­ri­ên­cia se­gu­ra, o ci­ne­ma é um sec­tor em cri­se pro­fun­da. As estreias dos gran­des block­bus­ters an­glo-sa­xó­ni­cos, dos quais mui­tas sa­las ge­ne­ra­lis­tas de­pen­dem pa­ra fa­zer nú­me­ros de es­pec­ta­do­res con­for­tá­veis, têm si­do su­ces­si­va­men­te adi­a­das. O lan­ça­men­to de Sem Tem­po Pa­ra Mor­rer, o 25.º filme da sa­ga Ja­mes Bond, que foi ro­da­do no ano pas­sa­do e es­tá ago­ra agen­da­do pa­ra Abril, po­de­rá so­frer no­vo atra­so; ou­tros fil­mes

têm-se es­tre­a­do di­rec­ta­men­te no stre­a­ming, uma ten­dên­cia ace­le­ra­da pe­la pan­de­mia. Ain­da há di­as a Dis­ney anun­ci­ou que se pre­pa­ra pa­ra pri­o­ri­zar o seu ser­vi­ço Dis­ney+ em de­tri­men­to das sa­las, e que Soul — Uma Aven­tu­ra Com Alma, o no­vo fil

me da Pi­xar, te­rá a sua es­treia on­li­ne.

A War­ner Bros., por sua vez, adi­ou re­cen­te­men­te Won­der Woman 1984

pa­ra 25 de De­zem­bro, mas é pro­vá­vel que a da­ta vol­te a mu­dar.

A ní­vel glo­bal, pa­re­ce já ine­vi­tá­vel que mui­tas sa­las não so­bre­vi­vam à cri­se. Por cá, desde que os cinemas co­me­ça­ram a re­a­brir, no início de Ju­nho, de­pois de qua­se três me­ses fe­cha­dos, a re­to­ma não tem si­do bri­lhan­te. E não só por­que há me­nos ses­sões e as lo­ta­ções es­tão re­du­zi­das a me­ta­de. Se­ja por me­do ou por fal­ta de fil­mes atrac­ti­vos, as duas me­lho­res se­ma­nas pós-con­fi­na­men­to, de 27 de Agos­to a 2 de Se­tem­bro e de 3 a 9 de Se­tem­bro, ti­ve­ram 107.985 e 109.199 es­pec­ta­do­res, res­pec­ti­va­men­te, se­gun­do o Ins­ti­tu­to do Ci­ne­ma e do Au­di­o­vi­su­al. No pe­río­do ho­mó­lo­go de 2019, os nú­me­ros eram bem di­fe­ren­tes: qua­se 310 mil es­pec­ta­do­res.

E es­ta­mos a fa­lar das me­lho­res se­ma­nas, atí­pi­cas, em par­te por coin­ci­di­rem com a es­treia de Te­net, o mais re­cen­te filme de Ch­ris­topher No­lan, aque­le que, em te­o­ria, iria sal­var o ci­ne­ma mun­di­al — e que, em­bo­ra te­nha ti­do al­gum su­ces­so, não te­ve tan­to quan­to a War­ner Bros. es­pe­ra­va. Até à sua es­treia, os nú­me­ros em Por­tu­gal es­ta­vam a evo­luir, ten­do cres­ci­do dos mo­des­tos 602 que se re­gis­ta­ram quan­do as sa­las co­me­ça­ram a re­a­brir no início de Ju­nho (mes­mo as­sim, um re­gis­to me­lhor do que o dos oi­to es­pec­ta­do­res das úl­ti­mas duas se­ma­nas de Mar­ço, quan­do já ha­via mui­ta gen­te con­fi­na­da e al­guns cinemas ain­da es­ta­vam aber­tos), pa­ra 14.154, na pri­mei­ra semana de Ju­lho, já com as gran­des ca­dei­as de no­vo em fun­ci­o­na­men­to, até aos 65.530 da semana an­te­ri­or a Te­net. De­pois des­se pi­co, e ain­da em Se­tem­bro, os nú­me­ros vol­ta­ram a bai­xar, de qua­se 91 mil es­pec­ta­do­res pa­ra pou­co mais de 60 mil.

Mui­tas sa­las não so­bre­vi­ve­rão à cri­se — mes­mo nal­guns gran­des gru­pos o ce­ná­rio de fe­cho já es­tá a ser pon­de­ra­do

“In­cer­te­za no fu­tu­ro”

A evo­lu­ção ve­ri­fi­ca­da desde o início des­te mês pa­re­ce con­fir­mar a acen­tu­a­da ten­dên­cia des­cen­den­te: a frequên­cia se­ma­nal dos es­pec­ta­do­res vol­tou a su­bir aci­ma dos 70 mil, mas na úl­ti­ma semana já con­ta­bi­li­za­da, a de 8 a 14 de Ou­tu­bro, des­ceu de no­vo pa­ra os 46.159, si­nal de que a evo­lu­ção da pan­de­mia em Por­tu­gal te­rá vol­ta­do a afas­tar o pú­bli­co das sa­las.

An­tó­nio Paulo San­tos é o di­rec­tor exe­cu­ti­vo da FEVIP, a As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa de De­fe­sa de Obras Au­di­o­vi­su­ais, que re­pre­sen­ta al­gu­mas das dis­tri­bui­do­ras na­ci­o­nais, e foi uma dos res­pon­sá­veis pe­la cam­pa­nha #Va­mosAoCi­ne­ma!?, lan­ça­da em Agos­to pa­ra in­cen­ti­var os portuguese­s a vol­ta­rem às sa­las. “Hou­ve al­gu­mas se­ma­nas me­lho­res, a cam­pa­nha sur­tiu al­gum efei­to”, ex­pli­ca ao PÚ­BLI­CO. “Os re­cei­os man­têm-se, ape­sar de não haver uma úni­ca no­tí­cia que apon­te pa­ra um con­tá­gio nu­ma sa­la de ci­ne­ma”, acres­cen­ta.

A fal­ta de con­fi­an­ça dos es­pec­ta­do­res é um dos pro­ble­mas. A ex­ces­si­va de­pen­dên­cia do “pro­du­to in­ter­na­ci­o­nal” é ou­tro. Um filme co­mo 007 — Sem Tem­po Pa­ra Mor­rer “se­ria ex­ce­len­te pa­ra pú­bli­co”, su­bli­nha An­tó­nio Paulo San­tos, lem­bran­do que nou­tros paí­ses, co­mo Es­pa­nha, Itá­lia ou França, a pro­du­ção na­ci­o­nal per­mi­te com­pen­sar a ac­tu­al es­cas­sez de block­bus­ters de Hollywo­od. Ci­ta co­mo exem­plo fil­mes co­mo Pa­dre no Hay Más que Uno 2: La Lle­ga­da de la Su­e­gra, a se­que­la de uma co­mé­dia po­pu­lar que se es­tre­ou no fi­nal de

Ju­lho e te­ve mais de dois mi­lhões de es­pec­ta­do­res no país vi­zi­nho. “Foi o pri­mei­ro filme nos tops. O se­gun­do foi Adú, que tam­bém te­ve um mi­lhão.” Em França, te­rão ti­do efei­to se­me­lhan­te fil­mes co­mo Du­co­bu 3.0 e 10 jours sans ma­man, e, em Itá­lia, To­lo To­lo, de Luca Me­di­ci.

Mas não exis­tem equi­va­len­tes portuguese­s, la­men­ta. Se, no ano pas­sa­do, “hou­ve uma ci­ne­ma­to­gra­fia que per­mi­tia com­ba­ter a au­sên­cia de pro­du­to in­ter­na­ci­o­nal”, es­te ano não há. “Não há [em Por­tu­gal] uma in­dús­tria ca­paz de mo­ver es­pec­ta­do­res. Es­ta­mos a ten­tar en­con­trar so­lu­ções, sob pe­na de haver um crash mui­to gran­de ao ní­vel do em­pre­go e do en­cer­ra­men­to de sa­las”, adi­an­ta. Os pi­cos epi­só­di­cos do início de Se­tem­bro, lem­bra, coin­ci­di­ram com a cam­pa­nha e com a es­treia não só de Te­net, mas tam­bém de Af­ter — De­pois da Ver­da­de, de Ro­ger Kum­ble: “Quan­do há pro­du­to, as pes­so­as vão.”

A pan­de­mia, diz, veio “tra­zer in­cer­te­za no fu­tu­ro”. E avi­sa: “Há mais sa­las que po­dem fe­char do que se pen­sa.” Mais gra­ve ain­da: as “mu­dan­ças de com­por­ta­men­to do con­su­mi­dor”, que a pan­de­mia em­pur­rou ain­da mais pa­ra o stre­a­ming, po­dem ge­rar de­sem­pre­go ge­ne­ra­li­za­do em to­da a in­dús­tria do ci­ne­ma. Al­te­ra­da a di­nâ­mi­ca do mer­ca­do, po­de­rá haver tam­bém cor­tes no in­ves­ti­men­to.

Pa­ra “in­ver­ter” a ten­dên­cia, es­te re­pre­sen­tan­te do sec­tor só vê duas so­lu­ções: “apoi­os es­ta­tais”, que não crê que pos­sa haver, ou vou­chers fi­nan­ci­a­dos pe­lo Es­ta­do e pe­las au­tar­qui­as que ofe­re­çam aces­so gra­tui­to a cinemas ao pú­bli­co es­co­lar e uni­ver­si­tá­rio, por exem­plo. “Au­men­ta­va o pú­bli­co e iam-se bus­car pú­bli­cos no­vos. Se­ria mui­to in­te­res­san­te pa­ra ame­ni­zar efei­tos que adi­vi­nha­mos pou­co felizes nes­ta ac­ti­vi­da­de. Acre­di­to queéa úni­ca ma­nei­ra de man­ter uma ofer­ta de obras ecléc­ti­cas ao po­vo por­tu­guês.”

Se na­da for fei­to, in­sis­te, es­ta­re­mos pe­ran­te o en­cer­ra­men­to de sa­las, mes­mo as de­ti­das pelos “gran­des gru­pos fi­nan­cei­ros”, que já es­ta­rão a pon­de­rar es­se ce­ná­rio. “Man­ter uma sa­la de­cin em aé­ca­rís sim oeéo­pon­to­mais fra­co em ter­mos de cus­to nes­ta área. A dis­tri­bui­ção po­de aguen­tar, a exi­bi­ção não aguen­ta.”

 ??  ??
 ?? MA­NU­EL RO­BER­TO ?? O ne­gó­cio da exi­bi­ção de ci­ne­ma em sa­la en­fren­ta per­das que po­de­rão che­gar aos 26,5 mil mi­lhões de eu­ros, de acordo com as es­ti­ma­ti­vas da con­sul­to­ra Om­dia
MA­NU­EL RO­BER­TO O ne­gó­cio da exi­bi­ção de ci­ne­ma em sa­la en­fren­ta per­das que po­de­rão che­gar aos 26,5 mil mi­lhões de eu­ros, de acordo com as es­ti­ma­ti­vas da con­sul­to­ra Om­dia
 ??  ??

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal