Edição Público Lisboa

Agri­cul­tu­ra aper­ta o cer­co a pra­ga que des­trói o oli­val

Por­tu­gal ten­ta con­tro­lar avan­ço da Xy­lel­la fas­ti­di­o­sa, uma pe­ri­go­sa bac­té­ria pa­to­gé­ni­ca

- Agri­cul­tu­ra Car­los Di­as Biology · European Politics · Ecology · Politics · European Union · Vila Nova de Gaia · European Commission · Portugal · Santa Maria · Porto · Futebol Clube do Porto · Aveiro · Mary J. Blige · Este · European Parliament · France · Italy · Spain · United States of America · Iran · Netherlands · Holland · United States National Academy of Sciences · Greece · Europe · Como · Gondomar · Maia · Matosinhos · São João da Madeira · Valongo · Spanish National Research Council · Castelo de Paiva

A pro­gres­si­va dis­per­são da bac­té­ria de qua­ren­te­na Xy­lel­la fas­ti­di­o­sa, na União Eu­ro­peia (UE), obri­gou a Di­rec­ção-Ge­ral de Ali­men­ta­ção e Ve­te­ri­ná­ria (DGAV) a “im­ple­men­tar pro­ce­di­men­tos e me­di­das de pro­tec­ção fi­tos­sa­ni­tá­ria adi­ci­o­nais” às que tem vin­do a apli­car desde que a pra­ga sur­giu no ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal, em Ja­nei­ro de 2019, na fre­gue­sia de Avin­tes, no con­ce­lho de Vi­la No­va de Gaia.

Tan­to a evo­lu­ção da do­en­ça na UE co­mo os co­nhe­ci­men­tos ci­en­tí­fi­cos e da ex­pe­ri­ên­cia en­tre­tan­to ad­qui­ri­da de­ter­mi­na­ram a re­vi­são do Re­gu­la­men­to de Exe­cu­ção 2020/1201 da Co­mis­são Eu­ro­peia, de 14 de Agos­to. As­sim, foi re­vo­ga­da a le­gis­la­ção an­te­ri­or re­la­ti­va à apli­ca­ção das me­di­das fi­tos­sa­ni­tá­ri­as es­ta­be­le­ci­das pa­ra “evi­tar a sua in­tro­du­ção e dis­per­são no ter­ri­tó­rio da União da bac­té­ria de qua­ren­te­na Xy­lel­la fas­ti­di­o­sa”. A pre­o­cu­pa­ção que sus­ci­ta a pro­gres­si­va ex­pan­são da do­en­ça impôs “ac­tu­a­li­za­ção da zo­na de­mar­ca­da” no Nor­te de Por­tu­gal, on­de es­tá iden­ti­fi­ca­da a pre­sen­ça de uma das bac­té­ri­as pa­to­gé­ni­cas mais pe­ri­go­sas do mun­do.

A 3 de Ju­nho úl­ti­mo, atra­vés de pu­bli­ca­ção em Diá­rio da Re­pú­bli­ca, a DGAV di­zia que a bac­té­ria Xy­lel­la fas­ti­di­o­sa foi con­fir­ma­da em “se­te no­vos lo­cais” de Vi­la No­va de Gaia, San­ta Maria da Feira e Por­to, ra­zão pe­la qual de­li­mi­tou 13 con­ce­lhos pa­ra evi­tar a pro­pa­ga­ção. Fo­ram en­tão de­fi­ni­das no­vas “zo­nas-tam­pão” nos con­ce­lhos de Cas­te­lo de Pai­va, Es­pi­nho, Gon­do­mar, Maia, Matosinhos, Oli­vei­ra de Aze­méis, Ovar, Pa­re­des, Por­to, San­ta Maria da Feira, São João da Ma­dei­ra, Valongo e Vi­la No­va de Gaia, abran­gen­do os dis­tri­tos do Por­to e Avei­ro.

A ac­tu­a­li­za­ção do re­gu­la­men­to co­mu­ni­tá­rio, efec­tu­a­da em Agos­to e cu­ja re­gu­la­men­ta­ção foi pu­bli­ca­da na úl­ti­ma semana em Diá­rio da Re­pú­bli­ca, de­ter­mi­na que a zo­na de­mar­ca­da pa­ra no­vos sur­tos da bac­té­ria pas­se a com­pre­en­der as áre­as in­fec­ta­das de­fi­ni­das por um raio de 50 me­tros em redor dos ve­ge­tais on­de se­ja de­tec­ta­da a do­en­ça e a zo­na-tam­pão tem de ter pe­lo me­nos 2,5 qui­ló­me­tros de raio, cir­cun­dan­do as zo­nas in­fec­ta­das.

De en­tre as me­di­das que de­vem ser apli­ca­das pa­ra a er­ra­di­ca­ção da Xy­lel­la fas­ti­di­o­sa, pa­ra além da de­li­mi­ta­ção da zo­na on­de se­ja iden­ti­fi­ca­da a bac­té­ria, des­ta­ca-se a des­trui­ção, ime­di­a­ta, dos ve­ge­tais in­fec­ta­dos e dos res­tan­tes da mes­ma es­pé­cie. Nos lo­cais on­de se­ja de­cla­ra­da a do­en­ça, fi­ca proi­bi­da a plan­ta­ção de ve­ge­tais sus­cep­tí­veis à su­bes­pé­cie da bac­té­ria iden­ti­fi­ca­da até ago­ra em Por­tu­gal, a mul­ti­plex ST7, que se dis­per­sa atra­vés de in­sec­tos em dis­tân­ci­as curtas e pe­lo trans­por­te de plan­tas con­ta­mi­na­das em dis­tân­ci­as lon­gas.

As res­tri­ções es­ten­dem-se à proi­bi­ção do mo­vi­men­to de qual­quer ve­ge­tal pa­ra fo­ra das zo­nas de­mar­ca­das e das zo­nas in­fec­ta­das pa­ra as zo­nas-tam­pão, as­sim co­mo a proi­bi­ção da sua co­mer­ci­a­li­za­ção nas zo­nas de­mar­ca­das, em fei­ras e mer­ca­dos.

Os ve­ge­tais já abran­gi­dos pe­las me­di­das de con­ten­ção so­mam mais de 30 gé­ne­ros e es­pé­ci­es de plan­tas or­na­men­tais e sil­ves­tres, e in­clui so­brei­ros, azi­nhei­ras e oli­vei­ras, etc..

Desde a úl­ti­ma ava­li­a­ção de ris­co, efec­tu­a­da em 2019 pe­lo­aEu­ro­pe­an Fo­od Sa­fety Autho­rity (EFSA), con­cluiu-se que re­sul­ta­dos da in­ves­ti­ga­ção a ní­vel mun­di­al mos­tram que a sis­te­má­ti­ca ten­ta­ti­va de er­ra­di­ca­ção da do­en­ça tra­du­ziu-se “ape­nas na re­du­ção de al­guns efei­tos do de­sen­vol­vi­men­to dos sin­to­mas da in­fec­ção”. Até ao mo­men­to, “não há nenhuma me­di­da de con­tro­lo dis­po­ní­vel pa­ra eli­mi­nar as bac­té­ri­as de uma plan­ta do­en­te em con­di­ções de cam­po”, re­fe­re a EFSA. Es­te or­ga­nis­mo, res­pon­sá­vel por boa par­te dos tra­ba­lhos de acon­se­lha­men­to ci­en­tí­fi­co que pres­ta à Co­mis­são Eu­ro­peia, Par­la­men­to Eu­ro­peu e Es­ta­dos-mem­bros da UE, anun­ci­ou em Abril pas­sa­do a iden­ti­fi­ca­ção de 37 no­vas es­pé­ci­es de plan­tas que fo­ram

adi­ci­o­na­das à lis­ta de hos­pe­dei­ros da Xy­lel­la fas­ti­di­o­sa. A lis­ta já abran­ge 595 es­pé­ci­es de plan­tas sus­cep­tí­veis de se­rem con­ta­mi­na­das pe­la bac­té­ria.

A mai­o­ria dos no­vos hos­pe­dei­ros sa­li­en­ta a EFSA, “es­ta­va na­tu­ral­men­te (não ar­ti­fi­ci­al­men­te) in­fec­ta­da e foi en­con­tra­da em paí­ses da UE (França, Itá­lia, Por­tu­gal e Es­pa­nha) e paí­ses não per­ten­cen­tes à UE (EUA e Irão). Os no­vos hos­pe­dei­ros in­clu­em plan­tas or­na­men­tais, sil­ves­tres e co­mer­ci­ais co­muns.

Por sua vez, uma equi­pa de in­ves­ti­ga­do­res da Uni­ver­si­da­de de Wa­ge­nin­gen, na Ho­lan­da, do Ins­ti­tu­to de Agri­cul­tu­ra Sus­ten­tá­vel (CSIC) e do Ins­ti­tu­to Va­len­ci­a­no de In­ves­ti­ga­ção Agrí­co­la (IVIA), em Es­pa­nha, num es­tu­do pu­bli­ca­do em Abril pe­la Aca­de­mia Na­ci­o­nal de Ci­ên­ci­as dos EUA, de­sen­vol­ve­ram um mo­de­lo bi­o­e­co­nó­mi­co pa­ra cal­cu­lar o pos­sí­vel im­pac­to da Xy­lel­la fas­ti­di­o­sa nos oli­vais eu­ro­peus. E es­ti­mou que a bac­té­ria po­de cau­sar um enor­me im­pac­to na eco­no­mia de Itá­lia, Gré­cia e Es­pa­nha, uma vez que es­ses paí­ses re­pre­sen­tam cer­ca de 95% da pro­du­ção de azei­te na Eu­ro­pa. No ca­so da Itá­lia, o po­ten­ci­al im­pac­to eco­nó­mi­co, num pe­río­do de 50 anos, va­ria en­tre 1,9 e 5,2 mil mi­lhões de eu­ros.

Com efei­to, os in­ves­ti­ga­do­res cons­ta­ta­ram que as áre­as de oli­val em Itá­lia, Gré­cia e Es­pa­nha apre­sen­tam “con­di­ções cli­má­ti­cas não res­tri­ti­vas pa­ra Xy­lel­la fas­ti­di­o­sa” e re­co­nhe­cem que a “área ac­tu­al­men­te afec­ta­da e a quan­ti­da­de de plan­tas hos­pe­dei­ras sem sin­to­mas, mas in­fec­ci­o­sas, que ain­da se des­co­nhe­ce vão di­fi­cul­tar a er­ra­di­ca­ção da do­en­ça.

Ac­tu­al­men­te na UE, a Xy­lel­la es­tá pre­sen­te na Itá­lia, França, Es­pa­nha e Por­tu­gal, nas su­bes­pé­ci­es pau­ca, mul­ti­plex e fas­ti­di­o­sa. Co­mo não há tra­ta­men­to pa­ra o fla­ge­lo, as es­tra­té­gi­as de con­tro­lo apli­ca­das na UE con­cen­tram-se na er­ra­di­ca­ção ou con­ten­ção da do­en­ça por re­mo­ção do hos­pe­dei­ro, con­tro­le de vec­to­res e res­tri­ções à pro­du­ção e mo­vi­men­ta­ção de ma­te­ri­ais ve­ge­tais pa­ra plan­tio.

A al­ter­na­ti­va que pre­co­ni­zam su­ge­re a plan­ta­ção de va­ri­e­da­des re­sis­ten­tes de oli­vei­ras, re­al­çan­do ain­da a ne­ces­si­da­de de for­ta­le­cer a pes­qui­sa nes­te cam­po, acres­ci­da ain­da da apli­ca­ção de me­di­das fi­tos­sa­ni­tá­ri­as, incluindo con­tro­lo de vec­to­res e a eli­mi­na­ção de plan­tas hos­pe­dei­ras da bac­té­ria.

O es­tu­do re­a­li­za­do de­mons­trou ain­da o “con­si­de­rá­vel im­pac­to da bac­té­ria que é es­pe­ra­do em áre­as de oli­val in­ten­si­vo e su­pe­rin­ten­si­vo, in­de­pen­den­te­men­te da ta­xa anu­al de pro­pa­ga­ção”.

Em si­tu­a­ção-li­mi­te con­si­de­ram que a subs­ti­tui­ção de cul­tu­ras de oli­vais por ou­tras é uma hi­pó­te­se que se co­lo­ca fa­ce à gra­vi­da­de da si­tu­a­ção que nes­te mo­men­to se es­tá vi­ver na Eu­ro­pa com a pro­pa­ga­ção da bac­té­ria.

“Não há nenhuma me­di­da de con­tro­lo dis­po­ní­vel pa­ra eli­mi­nar as bac­té­ri­as de uma plan­ta do­en­te em con­di­ções de cam­po” re­fe­re a EFSA

 ??  ?? No­va zo­na-tam­pão tem de ter pe­lo me­nos 2,5 qui­ló­me­tros de raio, cir­cun­dan­do as zo­nas in­fec­ta­das
No­va zo­na-tam­pão tem de ter pe­lo me­nos 2,5 qui­ló­me­tros de raio, cir­cun­dan­do as zo­nas in­fec­ta­das
 ?? DI­O­GO VEN­TU­RA ??
DI­O­GO VEN­TU­RA
 ?? MI­GUEL MANSO ??
MI­GUEL MANSO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal