Edição Público Lisboa

A ex­cep­ção das pe­que­nas sa­las in­de­pen­den­tes

- Ro­dri­go No­guei­ra ro­dri­go.no­guei­ra@pu­bli­co.pt Movies · Lisbon · Venice · Luchino Visconti · Ingmar Bergman · Mary J. Blige · Lucrecia Martel · Jane Campion · Paris · Porto · Futebol Clube do Porto · Paulo Branco · Ida Lupino · Marguerite Duras · Chantal Akerman · Teresa Villaverde

Nem to­dos os cinemas es­tão em cri­se. Al­gu­mas sa­las pe­que­nas e in­de­pen­den­tes, tra­di­ci­o­nal­men­te ori­en­ta­das pa­ra um pú­bli­co fi­el de ci­né­fi­los que não de­pen­de tan­to dos úl­ti­mos block­bus­ters ame­ri­ca­nos, até es­tão a pros­pe­rar. É o ca­so do Me­deia Ni­mas, por exem­plo. Paulo Bran­co é pe­remp­tó­rio: nos úl­ti­mos anos, es­te ci­ne­ma do Sal­da­nha, em Lis­boa, nun­ca es­te­ve tão bem. Te­ve, nes­te ano de pan­de­mia, “mais es­pec­ta­do­res do que em qual­quer um dos úl­ti­mos cin­co anos”, e is­to con­tan­do com os qua­se três me­ses em que es­te­ve en­cer­ra­do. “Mes­mo com to­das as exi­gên­ci­as”, con­ta o pro­du­tor e exi­bi­dor ao PÚ­BLI­CO, re­fe­rin­do-se às ac­tu­ais me­di­das de se­gu­ran­ça, a sa­la es­tá de boa saú­de.

O Ni­mas, que se tor­nou a sa­la prin­ci­pal da Me­deia desde que o Mo­nu­men­tal fe­chou portas, es­tá, acres­cen­ta ain­da o do­no da sa­la, “a fa­zer uma mé­dia de 1200 pes­so­as por semana, com qua­tro ses­sões e a ca­pa­ci­da­de re­du­zi­da a 50%”. Ses­sões es­go­ta­das são fre­quen­tes, até com al­gu­ma an­te­ce­dên­cia. A pou­co me­nos de uma semana da es­treia, há uma ses­são de Lis­ten, a lon­ga-me­tra­gem de Ana Ro­cha de Sou­sa que foi mui­to ga­lar­do­a­da es­te ano no Fes­ti­val de Ve­ne­za, que já es­tá “pra­ti­ca­men­te es­go­ta­da”.

Ou­tro filme que tem fei­to su­ces­so na sa­la lis­bo­e­ta é um no­vo res­tau­ro di­gi­tal do clás­si­co O Le­o­par­do, de Lu­chi­no Vis­con­ti. “Es­go­tou qua­tro ses­sões, lá te­nho de fa­zer mais uma, não pos­so dei­xar pes­so­as de fo­ra”, co­men­ta Paulo Bran­co. E há pú­bli­co de “to­das as fai­xas etá­ri­as”, ga­ran­te. “Não é só uma pro­gra­ma­ção pa­ra a ci­ne­fi­lia”, in­sis­te, tam­bém in­clui no­vi­da­des co­mo Da Eter­ni­da­de, de Roy An­ders­son, no meio de re­tros­pec­ti­vas dedicadas a au­to­res co­mo Aki­ra Ku­ro­sawa ou Ing­mar Berg­man, ou de ci­clos co­mo As Mu­lhe­res da Câ­ma­ra de Fil­mar, que es­tá a pas­sar fil­mes de no­mes im­por­tan­tes co­mo Do­rothy Arz­ner ou Ida Lu­pi­no, bem co­mo de Lu­cre­cia Mar­tel, Mar­gue­ri­te Du­ras, Chan­tal Aker­man, Te­re­sa Vil­la­ver­de ou Ja­ne Cam­pi­on.

Com más­ca­ra, sem pi­po­cas

Paulo Bran­co acre­di­ta que não é só a pro­gra­ma­ção “in­ven­ti­va” que cha­ma pú­bli­co às sa­las in­de­pen­den­tes. No Ni­mas, diz, as pes­so­as “sen­tem­se re­al­men­te em se­gu­ran­ça”: “a más­ca­ra é obri­ga­tó­ria o tem­po to­do”, já que não há pi­po­cas e co­mi­da, “o hall não é uti­li­za­do, a bi­lhe­tei­ra dá pa­ra a rua, não é no in­te­ri­or”. “Há mui­tos anos” que Paulo Bran­co não ti­nha “tan­to pra­zer” a pro­gra­mar uma sa­la, e tam­bém há mui­to que não pas­sa­va tan­to tem­po

“nu­ma sa­la de ci­ne­ma” co­mo o que pas­sa nes­te mo­men­to no Ni­mas “a des­co­brir no­vos fil­mes e a se­guir uma pro­gra­ma­ção te­má­ti­ca”. Lem­bra-lhe a sa­la de ci­ne­ma que di­ri­giu em Pa­ris no fi­nal dos anos 70, a Ac­ti­on Ré­pu­bli­que. “Fe­liz­men­te não te­mos de pro­gra­mar 14 sa­las num mul­ti­plex”, diz, ad­mi­tin­do, no en­tan­to, que “é um ris­co” fa­zer uma pro­gra­ma­ção men­sal.

O Ci­ne­ma Trin­da­de, no Por­to, tam­bém tem es­ta­do “es­tá­vel”, des­cre­ve Amé­ri­co San­tos, res­pon­sá­vel pe­las duas sa­las da Bai­xa. “Os nú­me­ros va­ri­am ou di­mi­nu­em de acordo com as estreias, mas já atin­gi­mos uma re­gu­la­ri­da­de in­te­res­san­te ao ní­vel de afluên­cia de pú­bli­co. A gran­de al­te­ra­ção vem do la­do da pro­gra­ma­ção, com a in­tro­du­ção de vá­ri­os ci­clos te­má­ti­cos”, con­ta. De 1 a 7 de Ou­tu­bro, por exem­plo, o Trin­da­de te­ve 924 es­pec­ta­do­res.

 ??  ?? As duas sa­las do Ci­ne­ma Trin­da­de, no Por­to, têm man­ti­do um pú­bli­co es­tá­vel desde a re­a­ber­tu­ra
As duas sa­las do Ci­ne­ma Trin­da­de, no Por­to, têm man­ti­do um pú­bli­co es­tá­vel desde a re­a­ber­tu­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal