Edição Público Lisboa

Bo­as no­tí­ci­as? Não há

“Bre­xit”, pan­de­mia e Eu­ro­pa: quan­do se re­co­men­da­ria mai­or pon­de­ra­ção, ten­ta­ção é pa­ra ex­tre­mar po­si­ções

- Te­re­sa de Sou­sa Jor­na­lis­ta. Escreve ao do­min­go te­re­sa.de.sou­sa@pu­bli­co.pt

1.

Tal­vez se­ja pu­ra coin­ci­dên­cia que a agên­cia Mo­ody’s te­nha de­ci­di­do bai­xar o ra­ting de cré­di­to bri­tâ­ni­co no dia em que os lí­de­res eu­ro­peus e o pri­mei­ro-mi­nis­tro bri­tâ­ni­co re­sol­ve­ram ex­tre­mar o bra­ço-de-fer­ro so­bre o acordo de co­mér­cio que de­ve re­gu­lar as re­la­ções en­tre a União Eu­ro­peia e o Rei­no Uni­do. Mas não é um bom si­nal. Pa­ra nin­guém.

Na quinta-feira, os lí­de­res eu­ro­peus reu­ni­ram-se em Bru­xe­las pa­ra de­ci­dir o que fa­zer com as ne­go­ci­a­ções do “Bre­xit”, pra­ti­ca­men­te em pon­to mor­to quan­do se apro­xi­ma a pas­sos lar­gos a da­ta-li­mi­te pa­ra con­se­guir um acordo. To­ma­ram uma po­si­ção du­ra. Re­su­mi­da­men­te, que­rem o acordo, “mas não a qual­quer pre­ço”. Há, na­tu­ral­men­te, di­fe­ren­tes sen­si­bi­li­da­des en­tre os paí­ses eu­ro­peus quan­to ao “pre­ço”, de­pen­den­do do grau de ex­po­si­ção que têm à eco­no­mia bri­tâ­ni­ca. Pa­ra paí­ses co­mo a Ir­lan­da (o ca­so ex­tre­mo), a Bél­gi­ca ou a Ho­lan­da, a ex­po­si­ção é gran­de. A Ale­ma­nha tem no Rei­no Uni­do um mer­ca­do mui­to re­le­van­te pa­ra a sua in­dús­tria au­to­mó­vel. Por­tu­gal es­tá a meio da ta­be­la. A França tem me­nos a per­der. Em ter­mos glo­bais, a Eu­ro­pa con­ti­nen­tal ar­ris­ca 700 mil pos­tos de tra­ba­lho di­rec­ta­men­te de­pen­den­tes das ex­por­ta­ções pa­ra o Rei­no Uni­do, que va­lem 320 mil mi­lhões por ano. Mer­kel es­ta­be­le­ceu o con­sen­so pos­sí­vel nes­ta al­tu­ra: “En­quan­to não ti­ver­mos um acordo, te­mos sem­pre a op­ção de con­si­de­rar co­mo se­ri­am as coi­sas sem ele. Ain­da pen­so que é me­lhor con­se­guir um acordo, mas não a qual­quer pre­ço.” Pa­ra quem co­nhe­ce a chan­ce­ler, há aqui um sé­rio avi­so a Lon­dres. E a res­pos­ta de Lon­dres não se fez es­pe­rar.

No seu ha­bi­tu­al es­ti­lo ra­di­cal, Bo­ris John­son anun­ci­ou aos bri­tâ­ni­cos que se de­vi­am pre­pa­rar pa­ra uma saí­da sem acordo. Nu­ma men­sa­gem te­le­vi­si­va, o pri­mei­ro-mi­nis­tro dis­se que as con­clu­sões da ci­mei­ra eu­ro­peia pa­re­ci­am pôr de la­do um acordo ao es­ti­lo do Ca­na­dá (o acordo mais avan­ça­do da União com um país ter­cei­ro), co­mo ele gos­ta­ria. “Con­cluo que de­ve­mos pre­pa­rar-nos pa­ra, a 1 de Ja­nei­ro, ter­mos uma si­tu­a­ção ao es­ti­lo da Aus­trá­lia.” A Aus­trá­lia não tem ne­nhum acordo co­mer­ci­al com a União Eu­ro­peia. Dei­tou a to­a­lha ao chão, exi­gin­do que a União adop­te “uma mu­dan­ça fun­da­men­tal de abor­da­gem”, que res­pei­te o Rei­no Uni­do co­mo “um país in­de­pen­den­te”.

O seu jo­go po­lí­ti­co em tor­no do “Bre­xit” tem si­do di­fí­cil de in­ter­pre­tar. Pa­ra al­guns, o en­du­re­ci­men­to das po­si­ções bri­tâ­ni­cas é ape­nas uma tác­ti­ca ne­go­ci­al. Pa­ra ou­tros, Bo­ris apos­ta — sem­pre apos­tou — nu­ma saí­da sem acordo. Es­ta úl­ti­ma hi­pó­te­se é su­fi­ci­en­te­men­te ab­sur­da e ar­ris­ca­da pa­ra che­gar a ser cre­dí­vel. Mas, nes­tes tem­pos em que o que nun­ca de­ve­ria ter acon­te­ci­do acon­te­ce, nun­ca se sa­be. As ma­té­ri­as da dis­cór­dia con­ti­nu­am a ser as mes­mas, pas­san­do ago­ra a ên­fa­se pa­ra as pes­cas nas águas ter­ri­to­ri­ais bri­tâ­ni­cas. Man­têm-se al­gu­mas di­fi­cul­da­des na har­mo­ni­za­ção das re­gras das aju­das de Es­ta­do e a eter­na ques­tão ir­re­so­lú­vel do sig­ni­fi­ca­do de uma fron­tei­ra ma­rí­ti­ma no mar da Ir­lan­da pa­ra dis­tin­guir o mer­ca­do úni­co eu­ro­peu do mer­ca­do úni­co bri­tâ­ni­co. Ou se­ja, on­de fi­ca a Ir­lan­da do Nor­te. A qua­dra­tu­ra do cír­cu­lo. Em Lon­dres, mui­tos ana­lis­tas con­si­de­ram que John­son es­tá de­ma­si­a­do en­fra­que­ci­do pe­la for­ma co­mo ge­riu a

2. En­tre­tan­to, a pan­de­mia en­trou fu­ri­o­sa­men­te nu­ma segunda va­ga e a eco­no­mia vol­ta a dar si­nais de tra­va­gem. Os go­ver­nos co­me­çam a es­go­tar o baú de pa­la­vras ne­ces­sá­ri­as pa­ra con­ven­cer ca­da um de nós a de­sem­pe­nhar o seu pa­pel fun­da­men­tal na con­ten­ção do ví­rus. As me­di­das res­tri­ti­vas das li­ber­da­des que te­mos co­mo ad­qui­ri­das são ca­da vez mais con­tes­ta­das. O re­co­lher obri­ga­tó­rio de­cre­ta­do em oi­to ci­da­des de França por Em­ma­nu­el Ma­cron só tem pre­ce­den­te na II Guer­ra ou no au­ge da guer­ra na Ar­gé­lia. A Bél­gi­ca se­guiu-lhe o exem­plo. Em Ber­lim, um tri­bu­nal anu­lou a de­ci­são do bur­go­mes­tre pa­ra o en­cer­ra­men­to dos ba­res e res­tau­ran­tes a par­tir de uma cer­ta ho­ra, ape­sar dos ape­los de An­ge­la Mer­kel pa­ra que to­da a gen­te fa­ça um es­for­ço.

Qua­se to­dos os go­ver­nos fa­zem o pos­sí­vel e o im­pos­sí­vel pa­ra evi­tar no­vo con­fi­na­men­to ge­ral. Não é fá­cil en­con­trar as me­di­das cer­tas na me­di­da cer­ta. Es­ta­mos pe­ran­te uma si­tu­a­ção ab­so­lu­ta­men­te iné­di­ta, de to­dos os pon­tos de vis­ta. Até on­de po­dem os go­ver­nos gas­tar sem se tor­na­rem vul­ne­rá­veis aos mer­ca­dos? A de­ci­são da Mo­odys’ so­bre o ra­ting bri­tâ­ni­co faz par­te de um filme que já vi­mos e do qual não te­mos sau­da­des. Até on­de po­dem os go­ver­nos con­di­ci­o­nar a li­ber­da­de de ca­da um pa­ra de­fen­der a saú­de pú­bli­ca? Ain­da não che­gá­mos ao ca­so ex­tre­mo dos Es­ta­dos Uni­dos, em que usar ou não uma más­ca­ra é uma de­cla­ra­ção po­lí­ti­ca, pa­ra não di­zer uma in­ten­ção de vo­to, mas a con­tes­ta­ção às me­di­das dos go­ver­nos so­bre a li­ber­da­de de ca­da um es­tá a ge­ne­ra­li­zar-se. Quan­do se re­co­men­da­ria a mai­or pon­de­ra­ção, a ten­ta­ção é pa­ra ex­tre­mar po­si­ções.

3. O Con­se­lho Eu­ro­peu foi, ele pró­prio, o re­tra­to da si­tu­a­ção em que to­dos vi­ve­mos. Ur­su­la von der Leyen e a pri­mei­ra-mi­nis­tra fin­lan­de­sa, San­na Ma­rin, aban­do­na­ram os tra­ba­lhos pa­ra en­tra­rem em qua­ren­te­na, por­que es­ti­ve­ram em con­tac­to com pes­so­as in­fec­ta­das. O che­fe do Go­ver­no po­la­co nem che­gou a ir a Bru­xe­las pe­la mes­ma ra­zão.

Jo­sep Bor­rell, o che­fe da di­plo­ma­cia eu­ro­peia, tam­bém em qua­ren­te­na, não pô­de par­ti­ci­par nas dis­cus­sões so­bre vá­ri­as ques­tões de po­lí­ti­ca ex­ter­na, incluindo a Tur­quia ou as re­la­ções com Áfri­ca.

Mas mes­mo com es­ta ex­pe­ri­ên­cia di­rec­ta, não se po­de di­zer que as con­clu­sões da ci­mei­ra te­nham si­do en­tu­si­as­man­tes. As me­tas cli­má­ti­cas fi­ca­ram adi­a­das pa­ra De­zem­bro, gra­ças à opo­si­ção da Po­ló­nia. A co­or­de­na­ção das me­di­das na­ci­o­nais do com­ba­te à pan­de­mia con­ti­nua a ser pra­ti­ca­men­te im­pos­sí­vel. O Con­se­lho Eu­ro­peu fi­cou-se pe­las bo­as in­ten­ções em ma­té­ria de re­co­nhe­ci­men­to mú­tuo dos tes­tes, de har­mo­ni­za­ção dos pe­río­dos de qua­ren­te­na ou da co­or­de­na­ção das fron­tei­ras.

Em pa­no de fun­do, es­te­ve sem­pre a ques­tão ime­di­a­ta mais re­le­van­te de to­das: é pre­ci­so apro­var ur­gen­te­men­te o Fun­do de Re­cu­pe­ra­ção e Re­si­li­ên­cia e o Or­ça­men­to plu­ri­a­nu­al e ain­da não há acordo en­tre o Con­se­lho Eu­ro­peu e o Par­la­men­to Eu­ro­peu (PE). O Pre­si­den­te fran­cês re­su­miu bem a ur­gên­cia: “O mun­do e, em par­ti­cu­lar, os mer­ca­dos fi­nan­cei­ros es­tão a ob­ser­var-nos aten­ta­men­te e al­guns paí­ses têm uma gran­de ne­ces­si­da­de do di­nhei­ro do fun­do.”

An­ge­la Mer­kel, que pre­si­de ao Con­se­lho Eu­ro­peu nes­te se­mes­tre, tem aqui o seu mais pre­men­te de­sa­fio. Tal­vez nin­guém es­te­ja mais bem po­si­ci­o­na­do pa­ra ven­cê-lo. Mas as di­fi­cul­da­des que es­tá a en­con­trar, ape­sar dos seus cré­di­tos e do seu pe­so po­lí­ti­co, são tam­bém um si­nal dos tem­pos. Avi­sou que as ne­go­ci­a­ções com o PE têm de che­gar ra­pi­da­men­te a uma con­clu­são, di­zen­do que ha­via al­gu­ma mar­gem de ma­no­bra, mas ex­cluiu a pos­si­bi­li­da­de de re­a­brir um acordo so­bre o Fun­do e so­bre o Or­ça­men­to, que le­vou cin­co di­as e mui­to de­ses­pe­ro a ne­go­ci­ar no pas­sa­do mês de Ju­lho. O Par­la­men­to quer mais di­nhei­ro em al­gu­mas ru­bri­cas do Or­ça­men­to plu­ri­a­nu­al. Na semana pas­sa­da, re­ti­rou-se das ne­go­ci­a­ções. “Dei­xá­mos mui­to cla­ro ao Par­la­men­to que as dis­cus­sões so­bre o Qua­dro Fi­nan­cei­ro Plu­ri­a­nu­al têm de pro­gre­dir ra­pi­da­men­te por­que [o Or­ça­men­to e o Fun­do] de­pen­dem um do ou­tro.” A chan­ce­ler lem­brou ao pre­si­den­te do PE, Da­vid Sas­so­li, que as de­ci­sões do Con­se­lho Eu­ro­peu são por una­ni­mi­da­de. No PE bas­ta uma mai­o­ria, bas­tan­te mais fá­cil de con­se­guir se hou­ver von­ta­de po­lí­ti­ca dos par­ti­dos mo­de­ra­dos — li­be­rais, so­ci­a­lis­tas e po­pu­la­res.

Mais uma vez, a ques­tão é: até on­de de­ve ir o con­fron­to e o bra­ço-de-fer­ro quan­do os ci­da­dãos eu­ro­peus de­ses­pe­ram pe­ran­te a cri­se pan­dé­mi­ca? Ou, por ou­tras pa­la­vras, co­mo agir em tem­pos ex­tra­or­di­ná­ri­os sem pôr em cau­sa o nor­mal fun­ci­o­na­men­to da de­mo­cra­cia? Eu­ro­peia e na­ci­o­nal.

Até on­de de­ve ir o con­fron­to e o bra­ço-de-fer­ro quan­do os ci­da­dãos eu­ro­peus de­ses­pe­ram?

 ?? JOHN SIBLEY/REU­TERS ??
JOHN SIBLEY/REU­TERS
 ??  ??

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal