Edição Público Lisboa

Uma es­tra­nha cai­xa de cor­reio

A Cai­xa de Cor­reio de Nos­sa Se­nho­ra, de An­tó­nio Ma­ru­jo, é o gran­de li­vro do ano so­bre o fe­nó­me­no re­li­gi­o­so

- Frei Ben­to Do­min­gues O.P.

1.

O li­vro de An­tó­nio Ma­ru­jo A Cai­xa de Cor­reio de Nos­sa Se­nho­ra [1] é, pa­ra mim, o gran­de li­vro do ano so­bre o fe­nó­me­no re­li­gi­o­so, ao des­ven­dar, por uma in­ves­ti­ga­ção iné­di­ta e ri­go­ro­sa, um ar­qui­vo até ago­ra des­co­nhe­ci­do e in­dis­pen­sá­vel pa­ra co­nhe­cer o co­ra­ção que mo­ve os pe­re­gri­nos da mai­or pe­re­gri­na­ção do Oci­den­te.

O au­tor é bem co­nhe­ci­do. In­te­grou o nú­cleo fun­da­dor do PÚ­BLI­CO, on­de es­te­ve até Ja­nei­ro de 2013, sen­do res­pon­sá­vel pe­la in­for­ma­ção re­li­gi­o­sa. É au­tor pre­mi­a­do de vá­ri­as obras no âm­bi­to des­sa vas­ta te­má­ti­ca e di­rec­tor do 7Mar­gens, jor­nal di­gi­tal de­di­ca­do a dar a co­nhe­cer o que acon­te­ce no mun­do das re­li­giões e as for­mas com­ple­xas co­mo mar­ca­ram e mar­cam a história vi­vi­da dos cren­tes.

O seu pro­fun­do co­nhe­ci­men­to da pro­ble­má­ti­ca de Fá­ti­ma já ti­nha si­do bem de­mos­tra­do [2]. En­tre­tan­to, ao pro­cu­rar um te­ma no­vo so­bre a ques­tão re­li­gi­o­sa du­ran­te a Pri­mei­ra Guer­ra Mun­di­al, no que a Por­tu­gal di­zia res­pei­to, re­en­con­trou-se com o se­gre­do dos se­gre­dos de Fá­ti­ma, de um mo­do sur­pre­en­den­te, nar­ra­do por ele pró­prio.

Em 2016, num en­con­tro com jor­na­lis­tas, res­pon­sá­veis do San­tuá­rio de Fá­ti­ma alu­di­ram aos mi­lhões de men­sa­gens que se en­con­tra­vam de­po­si­ta­das no ar­qui­vo e que ti­nham co­me­ça­do a ser tra­ta­das dois anos an­tes. Era uma mi­na inex­plo­ra­da das ex­pres­sões mais in­di­vi­du­a­li­za­das, ge­nuí­nas e vividas da pro­fun­da con­fi­an­ça em Nos­sa Se­nho­ra de Fá­ti­ma. Co­mo diz An­tó­nio Ma­ru­jo, “nes­sas men­sa­gens en­tram to­dos os te­mas: fé e des­cren­ça, amo­res e de­sa­mo­res, saú­de e di­nhei­ro, afec­tos e se­xu­a­li­da­de, es­co­la e ju­ven­tu­de, pais e fi­lhos, Igre­ja e po­lí­ti­ca. E tam­bém, cla­ro, as pre­o­cu­pa­ções com a guer­ra e a paz, com a jus­ti­ça” [3]…

An­tes de con­ti­nu­ar, cumpre-me res­sal­tar a sen­si­bi­li­da­de his­tó­ri­ca e o ex­tre­mo cui­da­do, ma­ni­fes­ta­dos pe­lo San­tuá­rio de Fá­ti­ma, ao ar­qui­var to­do es­se imen­so cor­reio. É al­go ra­ro e es­pan­to­so. É ver­da­de que exis­tia a tra­di­ção de os san­tuá­ri­os con­ser­va­rem os ex-vo­tos, ma­ni­fes­ta­ções de agra­de­ci­men­to pe­las gra­ças re­ce­bi­das, em ex­pres­si­vas pin­tu­ras de ar­te po­pu­lar. Is­to, an­tes da mo­da co­mer­ci­al dos mi­se­rá­veis bo­ne­cos de ce­ra que lhes su­ce­de­ram.

Es­te cor­reio ex­pri­me e tes­te­mu­nha a in­di­vi­du­a­ção afec­ti­va da ex­pe­ri­ên­cia es­pi­ri­tu­al

Ain­da há pou­co tem­po, era fre­quen­te en­con­trar, em mui­tos san­tuá­ri­os, men­sa­gens co­mo­ven­tes de pe­di­dos ur­gen­tes de so­cor­ro e de agra­de­ci­men­to, es­con­di­das de­bai­xo de al­gu­mas ima­gens de san­tas e san­tos de mais con­fi­an­ça. Por in­com­pe­tên­cia de al­guns ir­res­pon­sá­veis, iam pa­rar ao cai­xo­te do li­xo, in­ter­pre­ta­das co­mo me­ros sig­nos da ig­no­rân­cia su­pers­ti­ci­o­sa. Um mí­ni­mo de an­tro­po­lo­gia re­li­gi­o­sa te­ria sal­va­do do­cu­men­ta­ção im­por­tan­te pa­ra a história das men­ta­li­da­des de di­ver­sas épo­cas da nos­sa história co­lec­ti­va.

2. Fei­to es­te pa­rên­te­sis, que po­de­mos en­con­trar no Cor­reio de Nos­sa Se­nho­ra, em Fá­ti­ma?

Co­mo diz, de for­ma sin­té­ti­ca, A. Ma­ru­jo, “ne­le, en­con­tra­mos mui­tos mis­té­ri­os e declaraçõe­s, pe­di­dos de saú­de ou de em­pre­go pa­ra o pró­prio ou ou­tras pes­so­as, amo­res proi­bi­dos e con­fes­sa­dos, cri­mes es­con­di­dos, de­si­lu­sões amo­ro­sas, an­gús­ti­as exis­ten­ci­ais, ora­ções pe­la paz no mun­do e pe­la ‘con­ver­são dos pe­ca­do­res’ ou da Rús­sia, pe­lo fim da guer­ra co­lo­ni­al, na sua di­men­são po­lí­ti­ca (a der­ro­ta dos ‘ter­ro­ris­tas’ ou do ‘co­mu­nis­mo’), ou mais pes­so­al (o regresso de um fi­lho, um na­mo­ra­do, um ne­to mo­bi­li­za­dos)”…

“Se em ca­da men­sa­gem há um mis­té­rio, to­das jun­tas elas re­ve­lam mui­to do que era o país, há pou­cas dé­ca­das, mar­ca­do ain­da pe­lo anal­fa­be­tis­mo, po­bre­za e fal­ta de pro­tec­ção so­ci­al. E re­ve­lam, tam­bém, mui­to do que foi e é im­por­tan­te na vi­da de mi­lhões de portuguese­s e es­tran­gei­ros: os pe­di­dos pa­ra que fi­lhos, ne­tos, noi­vos ou na­mo­ra­dos re­gres­sem da guer­ra, sãos e sal­vos; que o pai dei­xe de ba­ter na mãe; que o ma­ri­do dei­xe a vi­da dis­so­lu­ta; que a mu­lher dei­xe de ser ofen­si­va e acei­te a fa­mí­lia do côn­ju­ge; que os pais se dêem bem; que se con­si­ga o em­pre­go ne­ces­sá­rio; que se en­con­tre um noi­vo ou um na­mo­ra­do de­se­ja­do; que se re­sol­vam pro­ble­mas de saú­de ou se ob­te­nha a pas­sa­gem nos exa­mes pa­ra os quais (pou­co ou na­da) se es­tu­dou…” [4].

Uma apre­sen­ta­ção des­te ti­po, em­bo­ra cons­te do li­vro, se­ria um aten­ta­do con­tra o seu con­teú­do, ex­tre­ma­men­te ri­co e con­cre­to, se fos­se pa­ra subs­ti­tuir a sua in­dis­pen­sá­vel e ín­te­gra lei­tu­ra. Sem es­ta, não se con­se­gue sen­tir o que é a ver­da­dei­ra emo­ção re­li­gi­o­sa dos apai­xo­na­dos de Fá­ti­ma. Es­te cor­reio ex­pri­me e tes­te­mu­nha a in­di­vi­du­a­ção afec­ti­va da ex­pe­ri­ên­cia es­pi­ri­tu­al e que po­de pas­sar des­per­ce­bi­da na mo­vi­men­ta­ção das gran­des pe­re­gri­na­ções.

3. Eu en­jo­ei mui­to ce­do das pre­ga­ções que es­cu­ta­va em Fá­ti­ma pe­la re­pe­ti­ção ob­ses­si­va de al­gu­mas nar­ra­ti­vas as­sus­ta­do­ras dos pas­to­ri­nhos.

Ha­via um gos­to per­ver­so em in­sis­tir nu­ma ori­gi­nal vi­são do In­fer­no, quan­do o mun­do do sé­cu­lo XX se ti­nha trans­for­ma­do em guer­ras in­fer­nais, ati­ça­das por di­a­bos bem co­nhe­ci­dos com far­da mi­li­tar ou sem far­da.

In­sis­tia-se em que Fá­ti­ma era pu­ro Evan­ge­lho, mas o que se pre­ga­va não se pa­re­cia na­da com o da ale­gria do No­vo Tes­ta­men­to.

Per­gun­tei-me mui­tas ve­zes se era pos­sí­vel, aos res­pon­sá­veis pe­la ori­en­ta­ção pas­to­ral de Fá­ti­ma, aban­do­nar es­se rei­no da re­pe­ti­ção pa­ra se in­ter­ro­ga­rem so­bre as po­ten­ci­a­li­da­des, am­bi­gui­da­des e im­pli­ca­ções de uma re­li­gião de mul­ti­dões de pe­re­gri­nos, em re­gi­me de pre­cá­ria au­to­ges­tão. Não se­ria pos­sí­vel tor­nar es­se vas­to mun­do num fo­co de au­tên­ti­ca evan­ge­li­za­ção plu­ral e cul­tu­ral­men­te cri­a­ti­va?

É ver­da­de que ca­da pe­re­gri­no sa­be de si, das ra­zões que o mo­vem, o que vai agra­de­cer e pe­dir pa­ra se­me­ar es­pe­ran­ça nos in­cer­tos ca­mi­nhos da vi­da. Vi­ve­mos, no en­tan­to, num mun­do sem ho­ri­zon­tes de paz, per­di­do em no­vas guer­ras, ódi­os, vi­o­lên­ci­as, po­bre­za e aban­do­no, à mis­tu­ra com po­pu­lis­mos in­sen­sa­tos e re­do­bra­das lu­tas en­tre as gran­des po­tên­ci­as pe­la do­mi­na­ção mun­di­al.

Hen­ri Des­ro­che sus­ten­ta­va que a uto­pia e a es­pe­ran­ça são ir­mãs gé­me­as: na uto­pia, vi­ve a es­pe­ran­ça de uma ou­tra sociedade; na es­pe­ran­ça, vi­ve a uto­pia de um ou­tro mun­do.

A re­li­gião de Fá­ti­ma é ali­men­ta­da por uma ex­tra­or­di­ná­ria voz sub­ver­si­va, ge­nui­na­men­te fe­mi­ni­na, no seio da Igre­ja, que une a uto­pia e a gran­de es­pe­ran­ça [5]: ape­sar de to­das as in­cer­te­zas, de guer­ras e su­as des­trui­ções, o Co­ra­ção ven­ce­rá.

A lu­ta do Pa­pa Fran­cis­co, pa­ra cri­ar uma no­va sen­si­bi­li­da­de que re­co­nhe­ça o lu­gar fun­da­men­tal das mu­lhe­res na Igre­ja, en­con­trou ago­ra, em Fá­ti­ma, um eco po­de­ro­so na pre­ga­ção do no­vo pre­si­den­te da Con­fe­rên­cia Epis­co­pal, D. Jo­sé Or­ne­las: “Acen­tu­ar o fe­mi­ni­no e o ma­ter­no não é ape­nas bus­car um equi­lí­brio de po­de­res ou de in­fluên­ci­as na or­ga­ni­za­ção fun­ci­o­nal da Igre­ja. Tra­ta-se é de mu­dar de pa­ra­dig­ma, de mu­dar o mo­do de pen­sar: o mun­do não é de quem mais man­da, é de quem mais cons­trói a vi­da. A li­de­ran­ça ecle­si­al não es­tá fun­da­da so­bre a ideia de poder, mas na vi­da, no cui­da­do e no ser­vi­ço.”

O con­fi­na­men­to, no San­tuá­rio de Fá­ti­ma, não con­fi­nou a au­dá­cia da pa­la­vra.

[1] An­tó­nio Ma­ru­jo, A Cai­xa de Cor­reio de Nos­sa Se­nho­ra, Te­mas & De­ba­tes, Cír­cu­lo de Lei­to­res, 2020

[2] An­tó­nio Ma­ru­jo e Rui Paulo da Cruz, A Se­nho­ra de Maio, Te­mas & De­ba­tes, 2017

[3] An­tó­nio Ma­ru­jo, A Cai­xa de Cor­reio de Nos­sa Se­nho­ra, p. 9

[4] Con­tra ca­pa

[5] Mag­ni­fi­cat: Lc 1, 46-56

 ?? ADRI­A­NO MIRANDA ??
ADRI­A­NO MIRANDA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal