Edição Público Lisboa

Lei de Ba­ses do Cli­ma: um con­tra­to in­ter­ge­ra­ci­o­nal com a sociedade ci­vil

- Luís Lei­te Ra­mos, Hu­go Car­va­lho, Bru­no Coim­bra Climate Change · Society · Ecology · Politics · Mary J. Blige · Portugal · Social Democratic Party · European Union · Assembly of the Republic

As al­te­ra­ções cli­má­ti­cas não co­nhe­cem ida­des, gé­ne­ro, ide­o­lo­gi­as ou fron­tei­ras. São um pro­ble­ma glo­bal que con­vo­ca à ação de to­dos, sob pe­na de ver de­sa­pa­re­cer o pla­ne­ta que co­nhe­ce­mos e o país de que tan­to gos­ta­mos.

A po­lí­ti­ca am­bi­en­tal tem um per­cur­so de dé­ca­das em Por­tu­gal: um per­cur­so que o PSD co­me­çou em 1987, com a pri­mei­ra Lei de Ba­ses do Am­bi­en­te, que se fez de po­lí­ti­cas, mas so­bre­tu­do de pes­so­as, em­pre­sas, es­co­las, or­ga­ni­za­ções e sociedade ci­vil. Foi es­se per­cur­so que per­mi­tiu pro­mo­ver uma ges­tão cor­re­ta de re­sí­du­os, ter águas bal­ne­a­res lim­pas, cri­ar re­ser­vas eco­ló­gi­cas, as­se­gu­rar o abastecime­nto de água e de sa­ne­a­men­to a ní­vel na­ci­o­nal, dar os pri­mei­ros pas­sos na re­co­lha se­le­ti­va e na re­ci­cla­gem, e am­bi­ci­o­nar a des­car­bo­ni­za­ção, a eco­no­mia e o cres­ci­men­to ver­de e a po­lí­ti­ca cli­má­ti­ca a ní­vel na­ci­o­nal.

Ora é pre­ci­sa­men­te nes­ta úl­ti­ma — na po­lí­ti­ca cli­má­ti­ca — que re­si­de um gran­de de­sa­fio, que te­mos abra­ça­do co­mo uma cau­sa glo­bal, por sa­ber que, pa­ra ter­mos su­ces­so, te­re­mos de so­li­da­ri­a­men­te im­pul­si­o­nar a li­de­ran­ça da União Eu­ro­peia nes­te cam­po, mas tam­bém por sa­ber­mos que es­ta­mos par­ti­cu­lar­men­te ex­pos­tos aos efei­tos das al­te­ra­ções cli­má­ti­cas, que sen­ti­mos já de for­ma con­sis­ten­te na nos­sa re­a­li­da­de atu­al, se­ja na su­bi­da do ní­vel do mar e na ero­são cos­tei­ra, se­ja na de­ser­ti­fi­ca­ção dos nos­sos ter­ri­tó­ri­os, nos ca­da vez mais co­muns fe­nó­me­nos de se­ca ex­tre­ma e se­ve­ra, ou nos re­cor­ren­tes in­cên­di­os flo­res­tais.

Tra­ze­mos pa­ra es­se de­sa­fio o de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel, a res­pon­sa­bi­li­da­de in­tra e in­ter­ge­ra­ci­o­nal, a trans­ver­sa­li­da­de das po­lí­ti­cas, o co­nhe­ci­men­to e a ci­ên­cia, a trans­pa­rên­cia, a neu­tra­li­da­de fis­cal, o con­cei­to de po­lui­dor/uti­li­za­dor-pa­ga­dor e a co­o­pe­ra­ção in­ter­na­ci­o­nal, por­que to­dos são par­te de um qua­dro ju­rí­di­co de ba­se da po­lí­ti­ca do cli­ma.

Cri­ar um Con­se­lho pa­ra a Ação Cli­má­ti­ca, in­de­pen­den­te do poder po­lí­ti­co e de­di­ca­do à aná­li­se e ava­li­a­ção das al­te­ra­ções cli­má­ti­cas e da po­lí­ti­ca do cli­ma e su­jei­to a obri­ga­ções de re­por­te pe­ran­te a As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca; fi­xar por ato le­gis­la­ti­vo as me­tas na­ci­o­nais de re­du­ção de emis­sões de GEE; de­sen­vol­ver um por­tal da ação cli­má­ti­ca; obri­gar o Go­ver­no a pro­du­zir um re­la­tó­rio anu­al so­bre o es­ta­do do cli­ma, a olhar a des­pe­sa pú­bli­ca do pon­to de vis­ta do seu im­pac­te cli­má­ti­co, ou mo­ti­var a ban­ca e de­mais agen­tes eco­nó­mi­cos a op­tar pe­lo ca­pi­ta­lis­mo cons­ci­en­te nos seus in­ves­ti­men­tos, são al­gu­mas das me­di­das que pro­po­mos nu­ma pe­ça fun­da­men­tal a su­pe­ra­ção des­te de­sa­fio: uma Lei de Ba­ses do Cli­ma.

Uma lei que re­co­nhe­ça que os agen­tes da ação cli­má­ti­ca são os ci­da­dãos, o Es­ta­do central, as re­giões au­tó­no­mas, as au­tar­qui­as, as en­ti­da­des com fun­ções de re­gu­la­ção da ati­vi­da­de eco­nó­mi­ca, as or­ga­ni­za­ções não go­ver­na­men­tais de am­bi­en­te (ONGA), as en­ti­da­des par­ti­cu­la­res e que crie um qua­dro ge­ral da sua co­la­bo­ra­ção, en­vol­vi­men­to e com­pro­mis­so. Es­sa é a pro­pos­ta que apre­sen­ta­mos ago­ra pa­ra que a pos­sa­mos dis­cu­tir com a sociedade an­tes de a sub­me­ter­mos, dan­do voz e es­pa­ço a to­dos os que pos­sam dar um pou­co de si nes­te com­ba­te. Um con­tra­to en­tre to­dos, a bem das pró­xi­mas ge­ra­ções: um con­tra­to in­ter­ge­ra­ci­o­nal com a sociedade, que pos­sa ser va­lo­ri­za­do na dis­cus­são e na ne­go­ci­a­ção par­la­men­tar en­tre os vá­ri­os par­ti­dos que co­lo­que o país, sem­pre, em pri­mei­ro lu­gar. Só as­sim po­de­re­mos ven­cer es­te enor­me de­sa­fio.

Por­tu­gal exis­tia an­tes de nós, e vai con­ti­nu­ar a exis­tir de­pois de de­sa­pa­re­cer­mos. Ga­ran­tir que os nos­sos fi­lhos po­dem co­nhe­cer o país e o mun­do co­mo nós tam­bém co­nhe­ce­mos de­pen­de do tra­ba­lho que fa­ze­mos in­di­vi­du­al­men­te, mas es­sen­ci­al­men­te do tra­ba­lho que po­de­mos fa­zer co­mo co­mu­ni­da­de. Por nós, te­mos con­tra­to as­si­na­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal