Edição Público Lisboa

Es­ta­do de emer­gên­cia já foi as­sun­to en­tre Cos­ta e Mar­ce­lo

- Só­nia Sa­pa­ge so­nia.sa­pa­ge@pu­bli­co.pt Politics · António Costa · Natal

“Tra­ta-se de uma ma­té­ria que tem si­do apre­ci­a­da nas con­ver­sas com o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca” — a fra­se, so­bre o pos­sí­vel regresso do país ao es­ta­do de emer­gên­cia, foi pro­fe­ri­da por Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa ao Ex­pres­so e com­pro­va que o as­sun­to es­tá na agen­da do Pre­si­den­te e do pri­mei­ro-mi­nis­tro.

O se­ma­ná­rio con­ta que quan­do An­tó­nio Cos­ta dis­se, em Bru­xe­las, es­pe­rar que a si­tu­a­ção “não te­nha de che­gar ao pon­to em que o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca te­nha de vol­tar a de­cla­rar o es­ta­do de emer­gên­cia”, o as­sun­to já ti­nha si­do abor­da­do en­tre am­bos, mais do que uma vez.

Na re­a­li­da­de, nem um nem ou­tro es­tão en­tu­si­as­ma­dos com es­sa pos­si­bi­li­da­de — têm-na re­jei­ta­do, aliás, com ve­e­mên­cia —, mas o fac­to de os nú­me­ros es­ta­rem nu­ma tra­jec­tó­ria as­cen­den­te há vá­ri­as se­ma­nas é fon­te de pre­o­cu­pa­ção. Na sexta-feira, em Al­jus­trel, Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa co­lo­cou mes­mo uma “li­nha ver­me­lha”: o dia em que os mor­tos atin­gi­rem vá­ri­as de­ze­nas por dia. “Is­so en­tão se­ria ul­tra­pas­sar a li­nha ver­me­lha”, dis­se o Pre­si­den­te.

Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa acres­cen­tou que “nin­guém de­se­ja es­sa si­tu­a­ção” e que, pa­ra já, é pre­ci­so “ver o efei­to das no­vas re­gras nas pró­xi­mas se­ma­nas”. Con­tu­do, dis­se: “As pes­so­as têm de pen­sar que se is­to ar­ran­ca num ga­lo­pe, se há um agra­va­men­to bru­tal da si­tu­a­ção, que não de­se­ja­mos e es­pe­ra­mos que não acon­te­ça, se is­so acon­te­cer, o que ti­ver de ser de­ci­di­do se­rá de­ci­di­do, em graus pro­gres­si­vos de in­ter­ven­ção.”

O que o Pre­si­den­te en­ten­de por graus pro­gres­si­vos de in­ter­ven­ção co­me­ça no uso de más­ca­ra na via pú­bli­ca em zo­nas de gran­de cru­za­men­to de pes­so­as (co­mo ele pró­prio já faz há vá­ri­os me­ses) e ter­mi­na na de­cla­ra­ção do es­ta­do de emer­gên­cia. Pe­lo meio fi­cam so­lu­ções que po­dem ser adop­ta­das co­mo o re­co­lher obri­ga­tó­rio en­tre de­ter­mi­na­das ho­ras da noi­te em cer­tas re­giões ou o en­cer­ra­men­to da ac­ti­vi­da­de co­mer­ci­al a par­tir de uma de­ter­mi­na­da ho­ra.

O Pre­si­den­te tam­bém já aler­tou pa­ra a pos­si­bi­li­da­de de ajus­tar o Na­tal das fa­mí­li­as, re­du­zin­do os par­ti­ci­pan­tes nos con­ví­vi­os. E o pró­prio pri­mei­ro-mi­nis­tro ex­pli­cou, na en­tre­vis­ta ao PÚ­BLI­CO, que o seu Na­tal se­rá di­fe­ren­te. “Na mi­nha fa­mí­lia tam­bém já nos or­ga­ni­zá­mos pa­ra nos con­se­guir­mos di­vi­dir e es­tar se­pa­ra­da­men­te uns com os ou­tros. É uma fa­mí­lia pe­que­na, é mais fá­cil”, con­fes­sou.

Na mes­ma oca­sião, An­tó­nio Cos­ta cla­ri­fi­cou que tu­do fa­rá pa­ra evi­tar que te­nha de ser im­pos­ta no Na­tal a proi­bi­ção que foi im­pos­ta na Pás­coa de as pes­so­as saí­rem do con­ce­lho. “Bom, se ti­ver de ser, se­rá, mas não de­ve­mos fa­zer tu­do pa­ra pre­ve­nir is­so? Se to­dos nós cum­prir­mos as re­gras, con­se­gui­re­mos ge­rir es­ta pan­de­mia sem ne­ces­si­da­de de dar pas­sos dra­má­ti­cos”, dis­se.

Tan­to Pre­si­den­te co­mo pri­mei­ro-mi­nis­tro en­ten­dem que es­te ain­da é o mo­men­to de al­te­rar os com­por­ta­men­tos in­di­vi­du­ais, mas não des­car­tam a pos­si­bi­li­da­de de tu­do fa­zer pa­ra ven­cer a pan­de­mia. “Eu dis­se, no 5 de Ou­tu­bro, que o que se en­ten­der que tem de ser de­ci­di­do se­rá de­ci­di­do”, lem­brou Mar­ce­lo ao Ex­pres­so.

An­tó­nio Cos­ta, na en­tre­vis­ta ao PÚ­BLI­CO, tam­bém re­co­nhe­ceu que tu­do fa­rá pa­ra evi­tar me­di­das dra­má­ti­cas, ape­sar de não ex­cluir que a re­a­li­da­de pos­sa im­por um no­vo con­fi­na­men­to. “Eu acho que es­ta­mos na fa­se das me­di­das ge­rais de res­pon­sa­bi­li­za­ção in­di­vi­du­al”, dis­se, as­su­min­do que, an­tes de se avan­çar no sen­ti­do de ele­var as res­tri­ções, ain­da fal­ta ca­da por­tu­guês fa­zer a sua par­te, obe­de­cen­do às re­gras.

 ??  ?? Mar­ce­lo dis­se que a “li­nha ver­me­lha” se­rá o dia em que os mor­tos atin­gi­rem vá­ri­as de­ze­nas por dia
Mar­ce­lo dis­se que a “li­nha ver­me­lha” se­rá o dia em que os mor­tos atin­gi­rem vá­ri­as de­ze­nas por dia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal