Edição Público Lisboa

A re­vol­ta das mu­lhe­res de Be­ja por to­ma­rem ba­nho ves­ti­das

Há qua­se seis dé­ca­das, as mu­lhe­res re­sis­ti­ram aos con­di­ci­o­na­lis­mos im­pos­tos pe­lo an­ti­go re­gi­me e a “cer­tos con­cei­tos de pu­dor” e con­se­gui­ram que fos­se fei­ta a mais be­la pis­ci­na do Alen­te­jo

- História Car­los Di­as Setubal · Lisbon · European Union · Mary J. Blige · European Investment Bank · Beja

No dia 30 de Mar­ço de 1962, um gru­po de 114 mu­lhe­res de Be­ja con­se­guiu que fos­se pu­bli­ca­do nas pá­gi­nas do en­tão Diá­rio do Alen­te­jo (DA) um ma­ni­fes­to ar­ris­ca­do pa­ra a época. Re­cla­ma­vam, com ba­se num lé­xi­co au­da­ci­o­so, a cons­tru­ção de uma pis­ci­na. A au­dá­cia foi co­ro­a­da de su­ces­so e, ho­je, aque­la que foi con­si­de­ra­da a mais be­la da re­gião e que se tor­nou um sím­bo­lo de um iné­di­to mo­vi­men­to fe­mi­nis­ta es­tá em obras.

Mas que ma­ni­fes­to foi es­se que con­se­guiu bu­lir com a le­tar­gia e o me­do que ma­ni­e­ta­va a co­mu­ni­da­de, e num con­tex­to em que a pa­la­vra fe­mi­nis­mo ain­da era des­co­nhe­ci­da pa­ra a es­ma­ga­do­ra mai­o­ria dos ci­da­dãos ou era evi­ta­da pelos mais es­cla­re­ci­dos?

Num tem­po em que era proi­bi­do rei­vin­di­car, a co­mu­ni­da­de alen­te­ja­na de­sen­ca­de­ou um for­te mo­vi­men­to po­pu­lar e o diá­rio re­gi­o­nal re­ve­lou-se um veí­cu­lo im­por­tan­te na mo­bi­li­za­ção das pes­so­as pa­ra ma­te­ri­a­li­zar a cons­tru­ção do equi­pa­men­to que per­mi­tis­se, aos ci­da­dãos “es­bra­se­a­dos, um re­fri­gé­rio pa­ra a so­a­lhei­ra dos di­as es­ti­vais” quan­do o Alen­te­jo in­te­ri­or só ti­nha aces­so à água que lhe vi­nha do céu.

O pro­jec­to da pis­ci­na mu­ni­ci­pal foi apre­sen­ta­do co­mo um meio pa­ra al­can­çar a “eman­ci­pa­ção so­ci­al na me­di­da em que a mu­lher de ho­je em na­da se pa­re­ce com as nos­sas avós”, acen­tu­a­va-se no te­or do ma­ni­fes­to. An­te­ven­do a pe­que­na re­vo­lu­ção que era pre­vi­sí­vel no com­por­ta­men­to das mu­lhe­res de Be­ja, es­tas dis­se­ram à co­mu­ni­da­de que “a evo­lu­ção dos tem­pos trans­for­ma usos e cos­tu­mes, ves­tuá­rio e pen­te­a­dos e até mes­mo o con­cei­to mo­ral”. Por con­se­guin­te, a mu­lher ti­nha di­rei­to ple­no “aos be­ne­fí­ci­os dos ba­nhos de sol”. Mas, an­tes, im­por­ta­va que fos­sem trans­for­ma­dos “cer­tos con­cei­tos de mo­ral e de pu­dor” que dei­xas­sem de obri­gar a mu­lher a “to­mar ba­nho com­ple­ta­men­te ves­ti­da”. Se as­sim não fos­se, “co­mo po­de­ria ac­tu­ar o sol so­bre a epi­der­me, pa­ra que es­ta re­co­lhes­se a ac­ção be­né­fi­ca dos seus rai­os?”, per­gun­ta­vam.

Cons­ci­en­tes de que o mun­do é com­pos­to de mu­dan­ça, ques­ti­o­na­vam o meio on­de vi­vi­am, por es­tar “me­nos ha­bi­tu­a­do que ou­tros à trans­for­ma­ção ope­ra­da na sociedade, de mo­do mais ace­le­ra­do”. E aca­len­ta­vam a es­pe­ran­ça em que a co­mu­ni­da­de “não dei­xa­ria de acei­tar os fac­tos, quan­do são o re­sul­ta­do de es­pí­ri­tos es­cla­re­ci­dos”. Ini­ci­a­va-se a Pri­ma­ve­ra de 1962.

A lu­ta des­tas mu­lhe­res não foi in­gló­ria e, no dia 15 de Agos­to de 1966, o che­fe do Es­ta­do Amé­ri­co To­más inau­gu­ra­va a pis­ci­na de Be­ja, no âm­bi­to do 40.º ani­ver­sá­rio da Re­vo­lu­ção Na­ci­o­nal do Es­ta­do No­vo.

Um mo­vi­men­to ou­sa­do

Mas o que im­por­ta re­al­çar na di­nâ­mi­ca cri­a­da pe­lo ma­ni­fes­to apre­sen­ta­do é a ousadia do mo­vi­men­to po­pu­lar que se ge­rou e em que as mu­lhe­res ti­ve­ram um pa­pel pri­mor­di­al nu­ma época e num con­tex­to que di­fi­cil­men­te se po­de­ria ad­mi­tir o di­rei­to a re­cla­mar um equi­pa­men­to co­lec­ti­vo des­ti­na­do, em pri­mei­ro lu­gar, “às po­pu­la­ções de mais fra­cos re­cur­sos” que não ti­nham con­di­ções eco­nó­mi­cas pa­ra fre­quen­tar as prai­as do li­to­ral alen­te­ja­no.

O Diá­rio do Alen­te­jo foi o veí­cu­lo di­na­mi­za­dor do mo­vi­men­to pe­la cons­tru­ção da pis­ci­na de Be­ja. Cho­vi­am as car­tas ao di­rec­tor a ex­pres­sar as ra­zões que jus­ti­fi­ca­vam a obra, no pon­to de vis­ta de ca­da um.

Num edi­to­ri­al da­ta­do de 4 de Ou­tu­bro de 1962, es­te ór­gão de in­for­ma­ção re­gi­o­nal as­su­mia- se co­mo “a voz que re­pre­sen­ta mui­tas vo­zes e que me­re­ce ser ou­vi­da”. A ci­da­de já de­ba­tia, há vá­ri­os anos, a cons­tru­ção da pis­ci­na sem que lhe

No ma­ni­fes­to di­zia-se que a mu­lher ti­nha di­rei­to ple­no “aos be­ne­fí­ci­os dos ba­nhos de sol”. Mas im­por­ta­va mu­dar “cer­tos con­cei­tos de pu­dor”

fos­se da­da qual­quer res­pos­ta. O jor­nal re­al­ça­va “a in­di­fe­ren­ça” que a ideia ti­nha me­re­ci­do “das esferas que po­de­ri­am agir no sen­ti­do da sua con­cre­ti­za­ção”, ape­sar da in­sis­tên­cia com que o te­ma era fo­ca­do nas pá­gi­nas do en­tão diá­rio (ho­je é se­ma­ná­rio).

Um lei­tor si­tu­a­va nou­tros mol­des o pro­ble­ma, re­al­çan­do o fac­to de Be­ja se en­con­trar “a 100 qui­ló­me­tros de qual­quer praia do li­to­ral e su­jei­ta a tem­pe­ra­tu­ras que no ve­rão os­ci­lam en­tre os 35 e os 40 graus à sombra”. A si­tu­a­ção se­ria tão cons­tran­ge­do­ra que os es­tran­gei­ros que pas­sa­vam pe­la ci­da­de eram “for­ça­dos a de­am­bu­lar pe­las ru­as com fa­tos pró­pri­os mais pa­ra a praia do que pa­ra usar num cen­tro ur­ba­no, de há­bi­tos pa­ca­tos e mais ou me­nos re­ca­ta­dos” co­mo era en­tão a co­mu­ni­da­de de Be­ja.

Ou­tros ar­gu­men­tos iam sen­do es­gri­mi­dos a ca­da edição do jor­nal. Cer­ca de dois ter­ços da po­pu­la­ção in­te­ri­or “não têm fa­ci­li­da­de de se des­lo­car ao li­to­ral”. Por ou­tro la­do,

Be­ja era en­tão, pa­ra além de Se­tú­bal, a “úni­ca ci­da­de” en­tre Lis­boa e Se­vi­lha e Lis­boa e Algarve, um po­si­ci­o­na­men­to ge­o­grá­fi­co que me­re­cia de­fe­rên­ci­as.

Em 1963, a praia de Be­ja era nas mar­gens do Gu­a­di­a­na, a qua­se 30 qui­ló­me­tros de dis­tân­cia. Mas os bi­lhe­tes de au­to­car­ro ou de com­boio pa­ra lá che­gar ti­nham um cus­to proi­bi­ti­vo, que im­pe­dia a mai­o­ria dos be­jen­ses de a poder fre­quen­tar.

Jo­sé Mo­e­das, pai do ex-co­mis­sá­rio da União Eu­ro­peia pa­ra a In­ves­ti­ga­ção, Ci­ên­cia e Ino­va­ção, Car­los Mo­e­das, es­cre­via nas pá­gi­nas do DA, on­de era jor­na­lis­ta, que a ideia da pis­ci­na em Be­ja es­ta­va a ga­nhar “for­tes raí­zes” e anun­ci­a­va que ia ser pre­sen­te à câ­ma­ra uma car­ta apoi­a­da em 1251 as­si­na­tu­ras de pes­so­as de to­das as ca­te­go­ri­as sociais, “sem dis­tin­ção de se­xo, ida­des, ca­te­go­ria so­ci­al ou men­tal, cre­dos po­lí­ti­cos ou re­li­gi­o­sos”, a pe­dir a cons­tru­ção de uma pis­ci­na.

Nu­ma ci­da­de on­de o cli­ma é bas­tan­te ri­go­ro­so no Ve­rão, as ru­as nos di­as de ca­ní­cu­la ti­nham um “as­pec­to de aban­do­no, de au­tên­ti­co de­ser­to”, re­su­mia o ci­da­dão João Paulo Lo­pes nu­ma car­ta en­de­re­ça­da ao pre­si­den­te da Câ­ma­ra de Be­ja.

E a obra fez-se

Em 22 de Ja­nei­ro de 1965, o pre­si­den­te da au­tar­quia, Jo­a­quim Ale­xan­dre Black de Vi­lhe­na Frei­re de An­dra­de, pres­si­o­na­do pelos acon­te­ci­men­tos, escreve uma car­ta ao “Mi­nis­té­rio das Obras Pú­bli­cas, jor­nais, re­pre­sen­tan­tes das co­lec­ti­vi­da­des, gru­pos des­por­ti­vos” a re­co­nhe­cer “em ab­so­lu­to” a ne­ces­si­da­de de se cons­truir a pis­ci­na. Em si­mul­tâ­neo, escreve tam­bém ao Se­cre­ta­ri­a­do Na­ci­o­nal da In­for­ma­ção, Cultura Po­pu­lar e Tu­ris­mo, sob a al­ça­da da Pre­si­dên­cia do Con­se­lho de Mi­nis­tros, a re­cla­mar a ne­ces­si­da­de de aju­da pa­ra a sua cons­tru­ção.

O mo­vi­men­to ge­rou fru­tos e o equi­pa­men­to avan­çou. O fi­nan­ci­a­men­to pa­ra a sua cons­tru­ção veio de sub­sí­di­os pro­ve­ni­en­tes de vá­ri­as ins­ti­tui­ções pú­bli­cas. Quan­do ar­ran­ca­ram as ter­ra­ple­na­gens, Carolina Al­modô­var, pro­pri­e­tá­ria de uma mais abas­ta­das ca­sas da re­gião, que dis­pu­nha de um par­que de má­qui­nas sem equi­va­len­te no Sul do país, fa­cul­tou par­te de­las pa­ra as obras da pis­ci­na sem co­brar um tos­tão.

Se fi­nan­cei­ra­men­te o pro­jec­to de­cor­ria sem gran­des so­bres­sal­tos, já a mão-de-obra es­cas­se­a­va. As­sis­tia-se ao gran­de êxo­do de alen­te­ja­nos pa­ra a área me­tro­po­li­ta­na de Lis­boa, pa­ra o Algarve e pa­ra o es­tran­gei­ro. Re­ce­o­sa dos atra­sos na obra, a Câ­ma­ra de Be­ja faz pu­bli­car no Diá­rio do Alen­te­jo es­te anún­cio: “Pe­drei­ros. Pa­ra tra­ba­lha­rem mais de oi­to ho­ras por dia. Pre­ci­sam-se na Pis­ci­na. Da­mos abri­go se ne­ces­sá­rio. Bons sa­lá­ri­os.”

O an­te­pro­jec­to apro­va­do no fi­nal

de 1965 pre­via um in­ves­ti­men­to na cons­tru­ção da pis­ci­na de 4000 con­tos (20.000 eu­ros). Mas as “der­ra­pa­gens” au­men­ta­ram e o seu cus­to fi­nal fi cou- se pelos 6150 con­tos (30.750 eu­ros). De­cor­ri­dos se­te me­ses do início das obras, es­tas fo­ram con­cluí­das a tem­po da sua inau­gu­ra­ção in­te­grar o 40.º ani­ver­sá­rio da re­vo­lu­ção do Es­ta­do No­vo.

Qua­se 55 anos de­pois, o ac­tu­al exe­cu­ti­vo so­ci­a­lis­ta da Câ­ma­ra de Be­ja avan­ça com um pro­jec­to pa­ra “re­a­bi­li­tar e am­pli­ar o edi­fí­cio dos bal­neá­ri­os da pis­ci­na mu­ni­ci­pal, um res­tau­ran­te e um equi­pa­men­to se­me­lhan­te a gi­ná­sio”. As obras ini­ci­a­ram- se em Ju­lho pas­sa­do. A em­prei­ta­da es­tá or­ça­da em mais de um mi­lhão e no­ve­cen­tos mil eu­ros e tem um pra­zo de exe­cu­ção de 12 me­ses.

O pre­si­den­te da Câ­ma­ra de Be­ja, Paulo Ar­sé­nio, ex­pli­cou ao PÚ­BLI­CO que a in­ter­ven­ção na pis­ci­na mu­ni­ci­pal se vai tra­du­zir nu­ma “me­lho­ria mui­to subs­tan­ci­al dos bal­neá­ri­os” que se en­con­tra­vam num es­ta­do de de­gra­da­ção que “não dig­ni­fi­ca­vam” uma es­tru­tu­ra que em tem­pos foi con­si­de­ra­da a “mais be­la pis­ci­na do Alen­te­jo”.

Ho­je, to­das as se­des de con­ce­lho da re­gião do Alen­te­jo dis­põem de uma pis­ci­na mu­ni­ci­pal des­co­ber­ta e uma gran­de par­te dos mu­ni­cí­pi­os tem ain­da uma pis­ci­na co­ber­ta com água aque­ci­da.

O pro­jec­to de re­a­bi­li­ta­ção da pis­ci­na de Be­ja es­tá a ser fi­nan­ci­a­do

atra­vés do Fe­der (1250 mi­lhões de eu­ros) e de um em­prés­ti­mo ob­ti­do jun­to do Ban­co Eu­ro­peu de In­ves­ti­men­to.

A mu­lher de ho­je em na­da se pa­re­ce com as nos­sas avós

Ma­ni­fes­to as­si­na­do por 114 mu­lhe­res em 1962

 ??  ??
 ?? FO­TOS DR ?? Qua­se 55 anos de­pois da aber­tu­ra, a câ­ma­ra avan­ça com obras pa­ra dig­ni­fi­car uma es­tru­tu­ra que em tem­pos foi con­si­de­ra­da a “mais be­la pis­ci­na do Alen­te­jo”, diz o au­tar­ca Paulo Ar­sé­nio
FO­TOS DR Qua­se 55 anos de­pois da aber­tu­ra, a câ­ma­ra avan­ça com obras pa­ra dig­ni­fi­car uma es­tru­tu­ra que em tem­pos foi con­si­de­ra­da a “mais be­la pis­ci­na do Alen­te­jo”, diz o au­tar­ca Paulo Ar­sé­nio
 ??  ??

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal