Edição Público Lisboa

A con an­ça que Trump ins­pi­rou com a “in­for­ma­li­da­de ra­di­cal”

Um es­ti­lo ra­di­cal­men­te in­for­mal, re­pe­ti­ções e epí­te­tos jo­gam a fa­vor do Pre­si­den­te nor­te-ame­ri­ca­no, ex­pli­cou ao PÚ­BLI­CO a in­ves­ti­ga­do­ra An­na Szi­lágyi, es­pe­ci­a­lis­ta em ques­tões de lin­gua­gem

- Es­ta­dos Uni­dos Maria João Gui­ma­rães mgui­ma­ra­es@pu­bli­co.pt US Politics · Politics · Donald Trump · Como · Rodrigo Duterte · Lisbon · Nas · domain name · Homer · Odyssey · Achilles · Hillary Clinton · Joe Biden · Richard Nixon · White House · Vox (political party) · Iliad · University of Edinburgh

“I’ve got the best words”, “te­nho as me­lho­res pa­la­vras”, dis­se um dia Do­nald Trump, en­tão can­di­da­to às elei­ções de 2016. O es­ti­lo ora­tó­rio de Trump foi uma no­vi­da­de, to­tal­men­te fo­ra de co­mum na po­lí­ti­ca ame­ri­ca­na. Pa­la­vras sim­ples, re­pe­ti­das mui­tas e mui­tas ve­zes, fra­ses que não ter­mi­nam... Co­mo é que is­to re­sul­ta?, per­gun­ta­ram-se mui­tas pes­so­as. Al­gu­mas de­las eram lin­guis­tas ou es­pe­ci­a­lis­tas em re­tó­ri­ca ou co­mu­ni­ca­ção, e ex­pli­cam al­gu­mas ra­zões.

An­na Szi­lágyi, in­ves­ti­ga­do­ra e au­to­ra do blo­gue Talk De­co­ded, in­te­res­sou-se pe­lo fac­to de haver vá­ri­os ca­sos de po­lí­ti­cos com um es­ti­lo se­me­lhan­te de dis­cur­so — ou­tro ca­so era o de Ro­dri­go Du­ter­te, que tem em co­mum com Trump uma for­ma de fa­lar a que a in­ves­ti­ga­do­ra cha­ma “in­for­ma­li­da­de ra­di­cal”, ou “de bas­ti­do­res”, com re­pe­ti­ções, fra­ses in­com­ple­tas, até pa­la­vrões. Ela ex­pli­ca que to­dos fa­ze­mos, na­tu­ral­men­te, uma mu­dan­ça de re­gis­to con­for­me o am­bi­en­te: o mo­do co­mo fa­la­mos num jan­tar de fa­mí­lia ou nu­ma con­fe­rên­cia na em­pre­sa é to­tal­men­te di­fe­ren­te. Is­to é fei­to sem ser pre­ci­so ter cons­ci­ên­cia, au­to­ma­ti­ca­men­te.

“É a is­so que cha­ma­mos mu­dan­ça de re­gis­to”, no­ta, em en­tre­vis­ta por te­le­fo­ne com o PÚ­BLI­CO, de­pois de con­tar que es­te­ve em Lis­boa re­cen­te­men­te e que gos­tou da ci­da­de. “Até ago­ra, acon­te­ceu is­so: eu co­me­cei por fa­lar na mi­nha vi­a­gem de mo­do in­for­mal, mas ago­ra que es­tou a res­pon­der a per­gun­tas, adop­tei uma lin­gua­gem for­mal”. Quem não o faz, usan­do lin­gua­gem in­for­mal em con­tex­to pro­fis­si­o­nal, se­rá mui­to pro­va­vel­men­te pe­na­li­za­do, diz a in­ves­ti­ga­do­ra, su­bli­nhan­do que na­da dis­to che­ga a ser cons­ci­en­te — “é-nos na­tu­ral”.

Mas “nos úl­ti­mos anos têm apa­re­ci­do al­guns po­lí­ti­cos que con­tra­ri­am es­ta ex­pec­ta­ti­va”, diz a Szi­lágyi. “Não pa­re­cem in­te­res­sa­dos em mu­dar, não aca­bam fra­ses, usam pa­la­vras que não era co­mum ou­vir-se em am­bi­en­tes for­mais ou po­lí­ti­cos.” Quem os ou­ve não pre­ci­sa de ser lin­guis­ta pa­ra per­ce­ber que se tra­ta de dis­cur­so in­for­mal.

“Ele fa­la co­mo eu”, po­de pen­sar o des­ti­na­tá­rio, e iden­ti­fi­car-se. Mas é mais com­ple­xo: “Quem ou­ve po­de achar que se es­ta pes­soa fa­la as­sim em pú­bli­co, é mui­to sin­ce­ra. Ao não ajus­tar o es­ti­lo, po­de ge­rar uma sen­sa­ção de con­fi­an­ça em quem ou­ve. Até po­de ser vis­ta co­mo he­rói­ca, al­guém que não se au­to­cen­su­ra.”

Mais: o ser pou­co ha­bi­tu­al po­de trans­for­mar-se em “in­te­res­san­te” e, num cer­to sen­ti­do, é “en­tre­te­ni­men­to”: “Co­mo é pos­sí­vel?” é a per­gun­ta que pren­de a aten­ção.

Ini­ci­al­men­te, al­guns mei­os de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al tra­ta­ram a cam­pa­nha de Trump na sec­ção “ce­le­bri­da­des”. Mas o es­ta­tu­to de out­si­der, de al­guém que não per­ten­ce à eli­te — es­pe­lha­do no mo­do co­mo fa­la — po­de tê-lo be­ne­fi­ci­a­do.

Szi­lágyi diz que é di­fí­cil per­ce­ber se Trump não fa­zer a mu­dan­ça de es­ti­lo é al­go pen­sa­do ou não, que não é pos­sí­vel de­ter­mi­nar a ra­zão por trás dis­so só por o ou­vir. A ques­tão deu ori­gem até a uma com­pa­ra­ção de en­tre­vis­tas an­ti­gas de Trump com en­tre­vis­tas de 2017. Nas gra­va­ções fei­tas há mais de dez anos, no­ta­va-se o uso de fra­ses com­ple­tas e de pa­la­vras com al­gu­ma com­ple­xi­da­de, diz o si­te de no­tí­ci­as de me­di­ci­na STAT. Em 2016, is­so não acon­te­ceu. O STAT ou­viu es­pe­ci­a­lis­tas que ex­pres­sam a opi­nião de que há um no­tó­rio de­clí­nio cog­ni­ti­vo, dis­cor­dan­do se po­de­rá ser nor­mal pe­la ida­de ou mais acen­tu­a­do.

Trump usa um mo­do de fa­lar que im­pli­ca uma gran­de con an­ça no seu co­nhe­ci­men­to em tan­tas áre­as que é ob­vi­a­men­te im­pos­sí­vel

Epí­te­tos, co­mo Ho­me­ro

Trump fa­la mui­to de­pres­sa, bas­tan­te al­to, in­ter­rom­pe. O que por uns é vis­to co­mo uma agres­si­vi­da­de exa­ge­ra­da, ou­tros vêem co­mo poder, domínio, até si­nal de di­na­mis­mo.

Nu­ma son­da­gem, a ca­rac­te­rís­ti­ca que os ame­ri­ca­nos mais as­so­ci­am a Trump é re­ve­la­do­ra, lem­bra um ar­ti­go na co­lu­na John­son, so­bre lin­gua­gem, na re­vis­ta bri­tâ­ni­ca The Eco­no­mist. Ape­sar de se sa­ber que tem um ca­len­dá­rio re­la­ti­va­men­te pou­co pre­en­chi­do e que não gos­ta de fa­zer exer­cí­cio fí­si­co, 56% dos elei­to­res, e 93% dos que o apoi­am, des­cre­vem-no co­mo “enér­gi­co”. O seu es­ti­lo de fa­lar (e twe­e­tar) de­ve­rá ser uma das ex­pli­ca­ções pa­ra is­so.

Trump usa tam­bém um mo­do de fa­lar que im­pli­ca uma gran­de con­fi­an­ça no seu co­nhe­ci­men­to em tan­tas áre­as que é ob­vi­a­men­te im­pos­sí­vel.

“Não há mui­ta gen­te que sai­ba...”, “nin­guém sa­be mais so­bre [um da­do as­sun­to] do que eu”. Si­nal, diz a Eco­no­mist, de al­guém que sa­be ven­der. O ne­gó­cio que o com­pra­dor fa­rá be­ne­fi­cia da in­for­ma­ção es­pe­ci­al que o ven­de­dor tem.

An­na Szi­lágyi des­ta­ca ou­tra ima­gem de mar­ca do dis­cur­so de Trump, o uso de epí­te­tos. É um re­cur­so usa­do por Ho­me­ro na Ilía­da e Odis­seia, lem­bra: “Aqui­les de pés ve­lo­zes,” por exem­plo, no ca­so de Ho­me­ro, “crooked Hil­lary” (Hil­lary vi­ga­ris­ta),

so­bre a sua ad­ver­sá­ria em 2016, Hil­lary Clin­ton, ou “sle­epy Joe” ( Joe dor­mi­nho­co), no ca­so de Joe Bi­den, o seu ac­tu­al ad­ver­sá­rio. Atra­vés de re­pe­ti­ção, o epí­te­to co­la-se, “re­duz o su­jei­to à ca­rac­te­rís­ti­ca do epí­te­to, e es­tig­ma­ti­za-o”, no­ta An­na Szi­lágyi.

Mui­to no­tó­rio é ain­da o uso de su­per­la­ti­vos: é tu­do óp­ti­mo, o mai­or, fe­no­me­nal, in­crí­vel, e há ain­da ou­tras pa­la­vras que pro­jec­tam to­ta­li­da­de, tan­to na vi­da do dia-a-dia co­mo na po­lí­ti­ca: “Sem­pre, nun­ca, nin­guém, to­da a gen­te, pa­ra sem­pre”, enu­me­ra.

“Quan­do as pes­so­as fa­lam as­sim, não es­tão a ten­tar a nu­an­ce, nem se­quer pro­cu­ram con­ven­cer. Que­rem fa­zer declaraçõe­s for­tes, que re­flec­tem cla­ra­men­te co­mo o ora­dor se vê a si e aos ou­tros”, diz Szi­lágyi, su­bli­nhan­do: “Es­te ti­po de re­tó­ri­ca ac­ti­va emo­ções for­tes, pro­vo­ca sen­ti­men­tos.”

Ao re­pe­tir uma ver­são sim­plis­ta do mun­do, is­so dá a im­pres­são de que a po­lí­ti­ca é sim­ples, diz o pro­fes­sor de Re­tó­ri­ca e Me­dia do MIT Edward Schi­ap­pa, no si­te Qu­artz. “Va­mos fa­zer um mu­ro, bom­bar­dei­em-nos, com­prem ame­ri­ca­no”, são slo­gans sim­ples pa­ra pro­ble­mas com­ple­xos.

O ele­fan­te na sa­la

E, pi­or, ar­gu­men­tam al­guns lin­guis­tas co­mo Ge­or­ge La­kof : uma vez que a lin­gua­gem ac­ti­va uma ideia e cir­cui­tos no cé­re­bro, o re­sul­ta­do é que se ac­ti­vam mes­mo na ne­ga­ti­va: co­mo no exem­plo da­do pe­lo tí­tu­lo de um li­vro de La­kof , Não Pen­se Num Ele­fan­te — quem ou­ve não con­se­gue dei­xar de pen­sar no ele­fan­te. Ou o exem­plo po­lí­ti­co de quan­do Ri­chard Ni­xon afir­mou que não era um vi­ga­ris­ta, le­van­do a que pas­sas­se a ser vis­to exac­ta­men­te as­sim. “Porquê? Por­que pa­ra ne­gar al­go é pre­ci­so ac­ti­vá-lo no cé­re­bro, o que tor­na o ne­ga­do mais for­te.”

Por is­so, La­kof ar­gu­men­ta que a im­pren­sa dá for­ça a Trump, mes­mo quan­do re­fu­ta as su­as te­ses por se­rem fal­sas ou quan­do su­jei­ta as su­as afir­ma­ções à ve­ri­fi­ca­ção de fac­tos.

Um es­tu­do re­cen­te pa­re­ce con­fir­mar es­ta te­o­ria. In­ves­ti­ga­do­res de Har­vard, que ana­li­sa­ram a fal­sa nar­ra­ti­va de que o vo­to por cor­res­pon­dên­cia não é se­gu­ro, con­cluí­ram que fo­ram os me­dia tra­di­ci­o­nais a for­ta­le­cê-la e não os trolls ou bots nas redes sociais. Is­to por­que “os me­dia não re­sis­tem a pres­tar aten­ção à Ca­sa Bran­ca”, di­zem. “Cha­mar às ac­ções de Trump de­sin­for­ma­ção se­ria di­fí­cil pa­ra mui­tos jor­na­lis­tas que que­rem pa­re­cer equi­li­bra­dos, co­mo se ser equi­li­bra­do fos­se ser jus­to,” ex­pli­cam os au­to­res.

Há ain­da quem di­ga que, ape­sar dos seus efei­tos, a lin­gua­gem de Trump é ape­nas “o re­fle­xo dos seus pen­sa­men­tos e ca­pa­ci­da­de in­te­lec­tu­al”, co­mo Schi­ap­pa, do MIT.

O lin­guis­ta Ge­o­frey Pul­lum, da Uni­ver­si­da­de de Edim­bur­go, con­cor­da. “O seu dis­cur­so su­ge­re al­guém com pen­sa­men­tos dis­per­sos, pou­ca ca­pa­ci­da­de de con­cen­tra­ção, fal­ta de dis­ci­pli­na in­te­lec­tu­al e de ca­pa­ci­da­des ana­lí­ti­cas”, de­cla­rou ao si­te Vox.

“A li­de­ran­ça é di­fí­cil, pre­ci­sa de dis­ci­pli­na, con­cen­tra­ção, e uma ca­pa­ci­da­de pa­ra ig­no­rar o que é ir­re­le­van­te, não é ne­ces­sá­rio, é pes­so­al, ou é ape­nas to­lo”, diz. “Não há si­nal de na­da dis­so em Trump. Ele fa­la de mo­do tão fran­co que po­de­mos vê-lo co­mo é re­al­men­te: um nar­ci­sis­ta in­dis­ci­pli­na­do que quer poder, mas não tem a ca­pa­ci­da­de in­te­lec­tu­al de o exer­cer com sen­sa­tez.”

 ??  ??
 ?? CAR­LOS BARRIA/REU­TERS ?? A for­ma po­lí­ti­ca de fa­lar de Trump, por ser pou­co ha­bi­tu­al, po­de trans­for­mar-se em “in­te­res­san­te” e, num cer­to sen­ti­do, é “en­tre­te­ni­men­to”, diz An­na Szi­lágyi
CAR­LOS BARRIA/REU­TERS A for­ma po­lí­ti­ca de fa­lar de Trump, por ser pou­co ha­bi­tu­al, po­de trans­for­mar-se em “in­te­res­san­te” e, num cer­to sen­ti­do, é “en­tre­te­ni­men­to”, diz An­na Szi­lágyi

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal