Edição Público Lisboa

A França en­fren­ta mais uma ten­ta­ti­va de de­ca­pi­tar a li­ber­da­de de ex­pres­são

Ma­cron diz que os ra­di­cais is­la­mis­tas “não pas­sa­rão”. Um pro­fes­sor foi mor­to por mos­trar ca­ri­ca­tu­ras de Ma­o­mé aos seus alu­nos

- Ter­ro­ris­mo An­tó­nio Ro­dri­gues an­to­nio.ro­dri­gues@pu­bli­co.pt Crime · Society · Politics · France · Paris · Muhammad · Emmanuel Macron · Twitter · Madrid · Bordeaux · Dolores Ibárruri

Con­flans-Sain­te-Ho­no­ri­ne, pe­que­na co­mu­na de 35 mil ha­bi­tan­tes do de­par­ta­men­to de Yve­li­nes, nos ar­re­do­res de Pa­ris, não es­tá ha­bi­tu­a­da a agi­ta­ções, nem a apa­re­cer nos jor­nais e nas te­le­vi­sões. Mas desde sexta-feira que a pa­ca­ta co­mu­ni­da­de es­tá sem sa­ber co­mo li­dar com a história ma­ca­bra de um jo­vem mu­çul­ma­no de 18 anos que de­ca­pi­tou um pro­fes­sor e foi de­pois mor­to a ti­ro pe­la po­lí­cia.

Sa­mu­el Paty, de 47 anos, pro­fes­sor de História e Ge­o­gra­fia na es­co­la de Bois-d’Aul­net ti­nha si­do cri­ti­ca­do por vá­ri­os pais de alu­nos mu­çul­ma­nos por­que de­ra uma aula so­bre li­ber­da­de de ex­pres­são em que mos­tra­ra as ca­ri­ca­tu­ras de Ma­o­mé, as mes­mas que fo­ram usa­das co­mo jus­ti­fi­ca­ção pa­ra o aten­ta­do con­tra o jor­nal sa­tí­ri­co Char­lie Heb­do, que re­sul­tou em 12 mor­tos e cin­co fe­ri­dos gra­ves: cúm­pli­ces do mas­sa­cre de 2015 es­tão ac­tu­al­men­te a ser jul­ga­dos em Pa­ris.

No Le Mon­de, há quem cha­me “mons­tro” ao as­sas­si­no, mas Em­ma­nu­el Ma­cron, o Pre­si­den­te fran­cês, não vê o ata­can­te co­mo um pro­ble­ma iso­la­do, mas co­mo ou­tro in­to­le­ran­te en­tre um gru­po de in­to­le­ran­tes que usam o ra­di­ca­lis­mo pa­ra ata­car as li­ber­da­des no país: “O obs­cu­ran­tis­mo e a vi­o­lên­cia não ga­nha­rão, não nos di­vi­di­rão. É is­so que eles que­rem e nós de­ve­mos unir-nos.”

“Um dos nos­sos con­ci­da­dãos foi ho­je [sexta-feira] as­sas­si­na­do por­que en­si­na­va, por­que de­fen­dia a li­ber­da­de de ex­pres­são aos seus alu­nos, a li­ber­da­de de crer e de não crer”, con­ti­nu­ou o che­fe de Es­ta­do. Ma­cron já ti­nha evo­ca­do no Twit­ter o “Não pas­sa­rão” de Do­lo­res Ibár­ru­ri, an­tes de lhes jun­tar pu­bli­ca­men­te, na sex­ta­fei­ra à noi­te, mais umas quan­tas pa­la­vras: “Es­ta­re­mos to­dos uni­dos. Não pas­sa­rão. Não nos di­vi­di­rão. É is­so que eles pro­cu­ram e de­ve­mos to­dos man­ter-nos uni­dos.”

O gri­to atri­buí­do à “Pa­si­o­na­ria” du­ran­te o cer­co a Ma­drid fi­cou pa­ra a História, co­mo o seu de­sen­la­ce: as for­ças do ge­ne­ral Fran­co aca­ba­ram

Se os ra­di­cais is­la­mis­tas “não pas­sa­rão”, co­mo diz Ma­cron, as su­as ac­ções vão dei­xan­do mar­cas pro­fun­das na sociedade

por pas­sar, ocu­pa­ram Ma­drid e pu­se­ram fim à Re­pú­bli­ca e ins­ta­la­ram uma di­ta­du­ra. Ago­ra, duas se­ma­nas de­pois do seu dis­cur­so con­tra o “se­pa­ra­tis­mo is­lâ­mi­co”, o Pre­si­den­te fran­cês vê-se pe­ran­te mais um “aten­ta­do ter­ro­ris­ta is­la­mis­ta”.

San­dra, uma pro­fes­so­ra pri­má­ria de Con­flans-Sain­te-Ho­no­ri­ne, ci­ta­da pe­lo Li­bé­ra­ti­on, “mui­to emo­ci­o­na­da”, mos­tra que, se os ra­di­cais is­la­mis­tas “não pas­sa­rão”, as su­as ac­ções vão dei­xan­do mar­cas pro­fun­das na sociedade: “Es­ta­mos li­mi­ta­dos na nos­sa li­ber­da­de de ex­pres­são. Se fos­se pro­fes­so­ra de História e Ge­o­gra­fia, não sei se ou­sa­ria mos­trar uma ca­ri­ca­tu­ra co­mo fez o nos­so colega...”

Ma­cron, com os mi­nis­tros do In­te­ri­or, Gé­rald Dar­ma­nin, e da Edu­ca­ção, Je­an-Mi­chel Blan­quer, vi­si­ta­ram a es­co­la de Sa­mu­el Paty na sexta-feira à noi­te. Du­ran­te qua­se uma ho­ra, con­ver­sa­ram com os co­le­gas do pro­fes­sor as­sas­si­na­do. Nes­sa al­tu­ra já o ata­can­te de ori­gem tchet­che­na, que ma­ta­ra com uma lon­ga fa­ca afi­a­da o pro­fes­sor na rua do su­búr­bio de clas­se mé­dia, em ple­na luz do dia, ti­nha si­do mor­to pe­la po­lí­cia.

On­tem, no âm­bi­to da in­ves­ti­ga­ção, fo­ram de­ti­das no­ve pes­so­as pa­ra in­ter­ro­ga­tó­rio — qua­tro lo­go a se­guir ao ata­que e as ou­tras du­ran­te a ma­dru­ga­da e en­tre es­tes há dois pais de alu­nos da Es­co­la de Bois d’Aul­ne e mem­bros da fa­mí­lia do ata­can­te, incluindo um me­nor. A po­lí­cia quer sa­ber se o jo­vem agiu iso­la­da­men­te ou te­ve cúm­pli­ces. En­tre os de­ti­dos es­tá o pai, mais in­dig­na­do pe­la aula de li­ber­da­de de ex­pres­são do pro­fes­sor. A sua in­dig­na­ção le­vou-o a gra­var um ví­deo, par­ti­lha­do nas redes sociais, acu­san­do Sa­mu­el Paty de cri­mi­no­so e ape­lan­do a ou­tros pa­ra “jun­ta­rem for­ças e di­zer: ‘Pa­rem, não to­quem nos nos­sos fi­lhos.’”

Ta­req Ou­brou, imã de uma mes­qui­ta em Bor­déus, que con­de­nou o aten­ta­do co­mo mui­tos lí­de­res da co­mu­ni­da­de mu­çul­ma­na fran­ce­sa, afir­mou, em declaraçõe­s à Fran­ce In­ter, que “não é uma ci­vi­li­za­ção que ma­ta uma pes­soa ino­cen­te, é a bar­bá­rie”, mas que es­sa bar­bá­rie aca­ba por se re­flec­tir em to­dos os pra­ti­can­tes da mes­ma fé: “Da­mos gra­ças por ca­da dia que pas­sa sem um in­ci­den­te.”

O Go­ver­no de­cre­tou um mi­nu­to de si­lên­cio em to­das as es­co­las do país. Se­gun­do o Le Mon­de, a tes­te­mu­nha que deu o alar­me e cha­mou a po­lí­cia ain­da es­tá a re­com­por-se des­sa ce­na tão “sur­re­a­lis­ta de vi­o­lên­cia” que pri­mei­ro o le­vou a pen­sar que a ví­ti­ma não era um ho­mem, que não era um pro­fes­sor de História e Ge­o­gra­fia de um su­búr­bio tran­qui­lo de Pa­ris, mas “um ma­ne­quim”.

 ?? CHARLES PLATIAU/REU­TERS ?? O ata­que acon­te­ceu num su­búr­bio tran­qui­lo de Pa­ris
CHARLES PLATIAU/REU­TERS O ata­que acon­te­ceu num su­búr­bio tran­qui­lo de Pa­ris
 ??  ?? A boa ges­tão da pan­de­mia deu a Ar­dern um gran­de re­sul­ta­do
A boa ges­tão da pan­de­mia deu a Ar­dern um gran­de re­sul­ta­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal