Edição Público Lisboa

Azer­bai­jão diz que mís­sil ar­mé­nio ma­tou pe­lo me­nos 13 ci­vis na segunda ci­da­de do país

Equi­pas de res­ga­te pas­sa­ram ho­ras à pro­cu­ra de so­bre­vi­ven­tes em Gan­ja, a nor­te do en­cla­ve, cen­tro do con­fli­to

- Na­gor­no-Kha­ra­bakh So­fia Lo­re­na slo­re­na@pu­bli­co.pt Military · Crime · Politics · Warfare and Conflicts · Azerbaijan · Russia · Armenia · Stepanakert · Europe · Este · Twitter · Ilham Aliyev · Ministry of Defence of the Russian Federation · United Kingdom Ministry of Defence · Ganja

Uma semana de­pois da su­pos­ta en­tra­da em vi­gor do ces­sar-fo­go me­di­a­do pe­la Rús­sia no en­cla­ve de Na­gor­no-Kha­ra­bakh, um ata­que con­tra Gan­ja, a segunda mai­or ci­da­de do Azer­bai­jão, ma­tou pe­lo me­nos 13 pes­so­as e fez 45 fe­ri­dos es­te sábado. An­tes, a Ar­mé­nia acu­sa­ra os azer­bai­ja­nos de bom­bar­de­a­rem re­si­dên­ci­as em Ste­pa­na­kert, a ca­pi­tal da re­gião se­pa­ra­tis­ta, et­ni­ca­men­te ar­mé­nia mas re­co­nhe­ci­da co­mo par­te do Azer­bai­jão.

Es­ta é mais uma gra­ve es­ca­la­da no ac­tu­al con­fli­to en­tre os dois paí­ses do Cáu­ca­so: o re­a­cen­di­men­to da mais an­ti­ga guer­ra sem so­lu­ção da Eu­ro­pa, no fim de Se­tem­bro, com o Go­ver­no ar­mé­nio a acu­sar Ba­cu de lan­çar um ata­que con­tra o en­cla­ve e o Azer­bai­jão a di­zer que os ar­mé­nio ti­nham ata­ca­do pri­mei­ro as su­as tro­pas, já pro­vo­cou mais de 700 mor­tes, incluindo 80 ci­vis.

Es­te é o se­gun­do ata­que em Gan­ja, ci­da­de de 330 mil ha­bi­tan­tes a nor­te de Na­gor­no-Kha­ra­bakh, mas en­quan­to o pri­mei­ro, no início do mês, te­ve co­mo al­vo o ae­ro­por­to mi­li­tar, que foi des­truí­do, ape­sar de ter fei­to mor­tos en­tre ci­vis, es­te não pa­re­ce ter vi­sa­do na­da pa­ra além de ca­sas — se­gun­do es­cre­veu no Twit­ter Hik­mat Ha­jiyev, che­fe do De­par­ta­men­to de Po­lí­ti­ca Ex­ter­na da Pre­si­dên­cia, o mís­sil des­truiu “mais de 20 ca­sas”.

Nu­ma de­cla­ra­ção ao país, o Pre­si­den­te Ilham Aliyev des­cre­veu o ata­que co­mo “um cri­me de guer­ra, um cri­me con­tra a hu­ma­ni­da­de”, ga­ran­tin­do que os res­pon­sá­veis te­rão a sua res­pos­ta “no cam­po de ba­ta­lha”. “Se a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal não qui­ser pu­ni-los, nós va­mos vin­gar­nos”, dis­se.

Pou­co de­pois des­te ata­que, um se­gun­do mís­sil vi­sa­va ou­tro bair­ro da mes­ma ci­da­de, uma zo­na in­dus­tri­al, sem apa­ren­te­men­te fa­zer ví­ti­mas. E qua­se ao mes­mo tem­po, jor­na­lis­tas em Min­ge­ce­vir, uma ho­ra de car­ro a nor­te de Gan­ja, ou­vi­am o im­pac­to de uma gran­de ex­plo­são — por ter uma bar­ra­gem es­tra­té­gi­ca, es­ta ci­da­de es­tá pro­te­gi­da por um sis­te­ma de de­fe­sa an­ti­mís­seis, não sen­do cla­ro se o mís­sil foi des­truí­do no ar ou se che­gou a atin­gir al­gum al­vo. O Mi­nis­té­rio da De­fe­sa dis­se ape­nas que Min­ge­ce­vir ti­nha es­ta­do “de­bai­xo de fo­go”. A Ar­mé­nia ga­ran­te que não ata­cou ter­ri­tó­rio azer­bai­ja­no.

Es­tes ata­ques acon­te­cem exac­ta­men­te uma semana de­pois de os dois paí­ses te­rem con­cor­da­do um ces­sar­fo­go: mi­nu­tos de­pois do início da tré­gua, já se tro­ca­vam acu­sa­ções so­bre a sua vi­o­la­ção.

 ??  ??
 ??  ?? Fu­ne­ral de uma cri­an­ça mor­ta no ata­que a Gan­ja
Fu­ne­ral de uma cri­an­ça mor­ta no ata­que a Gan­ja

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal