Edição Público Lisboa

Bo­li­vi­a­nos es­co­lhem um Pre­si­den­te pa­ra ten­tar fe­char o ano de to­das as crises

Nas pri­mei­ras elei­ções sem Evo Mo­ra­les em mais de uma dé­ca­da, o ódio ou a de­vo­ção ao ex-Pre­si­den­te mar­cam o am­bi­en­te po­lí­ti­co

- Elei­ções João Ru­e­la Ri­bei­ro jo­ao.ru­e­la@pu­bli­co.pt Elections · Politics · Evo Morales · Bolivia · Argentina · Mary J. Blige · Movement for Socialism · Carlos Mesa · Mesa · Santa Cruz de la Sierra · Financial Times · Arequipa

Os bo­li­vi­a­nos es­pe­ram que as elei­ções pre­si­den­ci­ais de ho­je po­nham fim a um ano de con­vul­são po­lí­ti­ca, cheio de reviravolt­as e que acen­tu­ou a po­la­ri­za­ção no país. A es­co­lha re­cai en­tre um regresso aos tem­pos de Evo Mo­ra­les, em­bo­ra sem o pri­mei­ro Pre­si­den­te in­dí­ge­na, ou a apos­ta num Go­ver­no con­ser­va­dor que irá ne­ces­si­tar do apoio da ex­tre­ma-di­rei­ta.

A Bo­lí­via pas­sou por mais mu­dan­ças no úl­ti­mo ano do que na dé­ca­da an­te­ri­or e, no en­tan­to, a po­lí­ti­ca na­ci­o­nal con­ti­nua a gi­rar em tor­no da fi­gu­ra de Mo­ra­les, exi­la­do desde o fim do ano pas­sa­do na Ar­gen­ti­na e im­pe­di­do de se re­can­di­da­tar. As elei­ções des­te do­min­go, adi­a­das por três ve­zes por cau­sa da pan­de­mia da co­vid-19, acon­te­cem pra­ti­ca­men­te um ano de­pois da vo­ta­ção que de­sen­ca­de­ou uma sé­rie de acon­te­ci­men­tos que mui­to pou­cos po­de­ri­am ter pre­vis­to e que cul­mi­na­ram com a de­mis­são for­ça­da de Mo­ra­les.

As nar­ra­ti­vas di­ver­gen­tes so­bre os acon­te­ci­men­tos do úl­ti­mo ano di­gla­di­am-se tam­bém nas ur­nas. À es­quer­da, os apoi­an­tes de Mo­ra­les e do seu Mo­vi­men­to pa­ra o So­ci­a­lis­mo (MAS) de­nun­ci­am um “gol­pe de Es­ta­do” ope­ra­do pelos sec­to­res re­ac­ci­o­ná­ri­os e ra­cis­tas da sociedade bo­li­vi­a­na, com o be­ne­plá­ci­to da Or­ga­ni­za­ção de Es­ta­dos Ame­ri­ca­nos (OEA); pa­ra a di­rei­ta, o afas­ta­men­to de Mo­ra­les foi o des­fe­cho jus­to pa­ra um “di­ta­dor” que se que­ria eter­ni­zar no poder e ago­ra es­ta é a opor­tu­ni­da­de pa­ra a vi­ra­gem de uma no­va pá­gi­na.

No en­tan­to, é bas­tan­te ques­ti­o­ná­vel que o cli­ma de con­fron­to e, fre­quen­te­men­te, de vi­o­lên­cia en­tre gru­pos po­lí­ti­cos ri­vais dê lu­gar a um de­sa­nu­vi­a­men­to ho­je, após o fe­cho das ur­nas. Na ver­da­de, há re­ceio de que a con­ta­gem dos vo­tos vol­te a ser um mo­men­to de gran­de ten­são e dê ori­gem a um no­vo pe­río­do de de­ses­ta­bi­li­za­ção — ape­nas 31% da po­pu­la­ção diz ter con­fi­an­ça no Tri­bu­nal Elei­to­ral, diz o El País.

As son­da­gens atri­bu­em van­ta­gem a Luis Ar­ce, o eco­no­mis­ta e ex-mi­nis­tro de 57 anos es­co­lhi­do pe­lo MAS pa­ra ga­ran­tir a con­ti­nui­da­de do le­ga­do de Mo­ra­les, mas di­fi­cil­men­te con­se­gui­rá evi­tar uma segunda vol­ta — pa­ra ser elei­to à pri­mei­ra, um can­di­da­to de­ve re­co­lher mais de 50% dos vo­tos, ou mais de 40% com, pe­lo me­nos, dez pon­tos de van­ta­gem so­bre o se­gun­do. A saí­da da Pre­si­den­te in­te­ri­na, Je­a­ni­ne Añez, da cor­ri­da elei­to­ral, no mês pas­sa­do, per­mi­tiu a Car­los Me­sa, o prin­ci­pal ad­ver­sá­rio de Ar­ce, di­mi­nuir a dis­tân­cia nas son­da­gens, e apa­re­ce ago­ra com 26,8% fa­ce a 33,6% do can­di­da­to do MAS.

É di­fí­cil que o cli­ma de con­fron­to e de vi­o­lên­cia dê lu­gar a um de­sa­nu­vi­a­men­to de­pois da elei­ção

“Pi­ti­tas” di­vi­di­dos

O mo­vi­men­to que há um ano ir­rom­peu na ce­na po­lí­ti­ca bo­li­vi­a­na na li­de­ran­ça das ma­ni­fes­ta­ções con­tra Mo­ra­les, acu­san­do-o de frau­de elei­to­ral, che­ga às elei­ções di­vi­di­do. O seu re­pre­sen­tan­te é o em­pre­sá­rio Luis Fer­nan­do Ca­ma­cho, co­nhe­ci­do po­pu­lar­men­te co­mo “Ma­cho” Ca­ma­cho pe­las su­as declaraçõe­s mi­só­gi­nas, que de­ve­rá acabar na ter­cei­ra po­si­ção nas elei­ções de do­min­go.

Os “pi­ti­tas” — co­mo fi­ca­ram co­nhe­ci­dos os de­trac­to­res de Mo­ra­les, ge­ral­men­te bran­cos, mui­to re­li­gi­o­sos e per­ten­cen­tes à clas­se mé­dia al­ta — di­vi­dem o apoio en­tre Me­sa e Ca­ma­cho e mui­tos cri­ti­cam a exis­tên­cia das duas can­di­da­tu­ras que, di­zem, di­vi­de o vo­to da di­rei­ta e po­de vi­a­bi­li­zar uma vi­tó­ria de Ar­ce à pri­mei­ra vol­ta.

Po­rém, exis­tem di­fe­ren­ças as­si­na­lá­veis en­tre os dois can­di­da­tos. Me­sa — que foi Pre­si­den­te du­ran­te al­guns me­ses em 2003, mas se viu obri­ga­do a de­mi­tir por cau­sa de uma on­da de pro­tes­tos li­de­ra­das por Mo­ra­les, en­tão lí­der sin­di­cal — é um po­lí­ti­co dis­cre­to e, ape­sar de ser crí­ti­co do MAS, não é de to­do tão es­tri­den­te co­mo os sec­to­res mais à di­rei­ta na Bo­lí­via gos­ta­ri­am. Ca­ma­cho, por ou­tro la­do, com os seus dis­cur­sos in­fla­ma­dos, sem­pre acom­pa­nha­do de uma Bí­blia, con­se­guiu cons­truir um mo­vi­men­to com pre­sen­ça na rua, uma are­na até ago­ra do­mi­na­da pe­la es­quer­da e pelos in­dí­ge­nas.

Se elei­to, Me­sa “man­te­ria dis­tân­cia com ou­tros par­ti­dos po­lí­ti­cos, lon­ge de pac­tos e ali­an­ças, e não te­rá pon­tes for­tes com a eli­te cru­ceña [de San­ta Cruz de la Si­er­ra, o cen­tro eco­nó­mi­co da Bo­lí­via], que vo­ta em Ca­ma­cho, nem com os mo­vi­men­tos sociais, que apoi­am MAS”, ob­ser­va o ana­lis­ta Mar­ce­lo Are­qui­pa, ci­ta­do pe­la Eu­ro­news.

A ten­são que mar­cou as elei­ções do ano pas­sa­do não aban­do­nou a pai­sa­gem po­lí­ti­ca bo­li­vi­a­na e di­fi­cil­men­te se irá des­va­ne­cer de­pois de do­min­go. Uma vi­tó­ria de Ar­ce irá tra­zer com ela uma re­a­bi­li­ta­ção de Mo­ra­les que os “pi­ti­tas” não irão dei­xar pas­sar in­có­lu­me, es­pe­ci­al­men­te de­pois de te­rem per­ce­bi­do a sua for­ça. A elei­ção de Me­sa po­de­rá pro­du­zir um ce­ná­rio de in­go­ver­na­bi­li­da­de, com um Pre­si­den­te em co­a­bi­ta­ção com um Par­la­men­to em que mui­to pro­va­vel­men­te o MAS te­rá uma for­te re­pre­sen­ta­ção.

O di­rec­tor do Cen­tro de De­mo­cra­cia e ob­ser­va­dor de lon­ga da­ta da po­lí­ti­ca bo­li­vi­a­na, Jim Shultz, dei­xa o avi­so no Fi­nan­ci­al Ti­mes: “É ma­ni­fes­ta­men­te fá­cil tor­nar a Bo­lí­via in­go­ver­ná­vel. É pos­sí­vel fe­char a eco­no­mia na­ci­o­nal blo­que­an­do duas es­tra­das prin­ci­pais.”

 ?? MAR­TIN ALIPAZ/EPA ?? Si­mu­la­ção de vo­to em La Paz: de­vi­do à co­vid, a elei­ção se­rá re­a­li­za­da com me­di­das sa­ni­tá­ri­as aper­ta­das
MAR­TIN ALIPAZ/EPA Si­mu­la­ção de vo­to em La Paz: de­vi­do à co­vid, a elei­ção se­rá re­a­li­za­da com me­di­das sa­ni­tá­ri­as aper­ta­das

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal