Edição Público Lisboa

À por­ta do Lux e do Maus Há­bi­tos, con­tra a mor­te da mú­si­ca ao vi­vo

Cen­te­nas de pes­so­as jun­ta­ram-se em Lis­boa e no Por­to pa­ra pe­dir ao Go­ver­no que não dei­xe mor­rer os es­pa­ços de mú­si­ca ao vi­vo. “Se fe­cha­rem, tam­bém irão à vi­da mú­si­cos, DJ, téc­ni­cos e as pró­pri­as ci­da­des”

- Ví­tor Be­lan­ci­a­no e Da­ni­el Di­as vbe­lan­ci­a­no@pu­bli­co.pt da­ni­el.di­as@pu­bli­co.pt Entertainment · Music · England · Porto · Futebol Clube do Porto · Plano · Solar · Corona · Lisbon

Meia ho­ra de­pois do início, pe­las 15h, a con­cen­tra­ção em for­ma de fi­la mar­ca­da pa­ra o Lux-Frá­gil, em Lis­boa, já che­ga­va ao Ter­mi­nal de Cru­zei­ros. Es­ten­der-se-ia, de­pois, até ao Cam­po das Ce­bo­las. Fo­ram mui­tos os que ade­ri­ram à ac­ção #AoVi­voOuMor­to, a ma­ni­fes­ta­ção com que a as­so­ci­a­ção Cir­cui­to, cons­ti­tuí­da por 27 sa­las de con­cer­tos do país, quis dar con­ta das di­fi­cul­da­des que es­te sec­tor tem atra­ves­sa­do desde que o no­vo coronavíru­s co­lo­cou gran­de par­te da mú­si­ca em ca­sa, num ape­lo ao Go­ver­no pa­ra as­se­gu­rar a sua so­bre­vi­vên­cia.

Mú­si­cos, DJ, por­tei­ros, agen­tes, ma­na­gers, pro­gra­ma­do­res, em­pre­ga­dos de bal­cão e ou­tros tra­ba­lha­do­res do sec­tor jun­ta­ram-se, res­pei­tan­do o dis­tan­ci­a­men­to fí­si­co, à fi­la con­vo­ca­da em no­me dos es­pa­ços que pro­gra­mam mú­si­ca e de to­do o ecos­sis­te­ma que de­les de­pen­de. Mas a mai­o­ria dos que com­pa­re­ce­ram era pú­bli­co anó­ni­mo, co­mo a de­sig­ner grá­fi­ca Car­la Bris­sos: “Es­tou aqui por­que, ao con­trá­rio do que mui­ta gen­te acha, es­tes es­pa­ços, al­guns dos quais es­tão em ris­co de fe­char, não ven­dem só co­pos. Dão-nos cultura, vi­da, pra­zer, e no meio da au­tên­ti­ca lou­cu­ra que tem si­do es­ta pan­de­mia is­so tem si­do es­que­ci­do pelos po­de­res vi­gen­tes e até pe­la lar­ga mai­o­ria das pes­so­as.”

O DJ, ra­di­a­lis­ta e pro­gra­ma­dor do Lux-Frá­gil Rui Var­gas aler­ta­va, por sua vez, pa­ra a ur­gên­cia de me­di­das de apoio e es­tra­té­gi­as pú­bli­cas de pro­tec­ção e va­lo­ri­za­ção do sec­tor. Ca­so con­trá­rio, a cultura mu­si­cal por­tu­gue­sa e a di­nâ­mi­ca das ci­da­des pa­ra a qual to­dos es­tes es­pa­ços em­ble­má­ti­cos con­tri­bu­em po­de­rão so­frer um sé­rio re­vés. “Es­ta ac­ção não pre­ten­de fa­zer pres­são pa­ra abrir­mos a qual­quer pre­ço. Mas exi­gi­mos aten­ção e apoi­os pú­bli­cos, por­que não se vis­lum­bra luz ao fun­do do tú­nel e não sa­be­mos co­mo po­de­mos so­bre­vi­ver. E não es­ta­mos ape­nas a fa­lar de es­pa­ços, mas de to­da uma co­mu­ni­da­de ar­tís­ti­ca que vi­ve des­te cir­cui­to e que cor­re o sé­rio ris­co de de­sa­pa­re­cer.”

Até ago­ra, la­men­ta­va, o alhe­a­men­to das en­ti­da­des pú­bli­cas tem si­do ab­so­lu­to. “Exis­te um si­lên­cio en­sur­de­ce­dor das en­ti­da­des com­pe­ten­tes em re­la­ção a es­te sec­tor, que é es­sen­ci­al em ci­da­des que se que­rem des­per­tas e ca­pa­zes de atraí­rem até si as mais di­ver­sas pes­so­as.”

“Es­pe­ro que is­to fun­ci­o­ne co­mo um sé­rio aler­ta, de con­trá­rio es­te sec­tor vai ser des­truí­do”, an­te­via, por seu tur­no, o DJ e mú­si­co Bru­no Car­do­so, mais co­nhe­ci­do por Xi­no­bi.

“Es­ta­mos a ver is­so em In­gla­ter­ra, on­de o Go­ver­no an­da a di­zer aos agen­tes que mais va­le mu­da­rem de ac­ti­vi­da­de. Se es­tes es­pa­ços fe­cha­rem, tam­bém irão à vi­da mú­si­cos, DJ, por­tei­ros, ben­ga­lei­ros, pro­gra­ma­do­res e as pró­pri­as ci­da­des.”

Mas não são ape­nas as en­ti­da­des go­ver­na­ti­vas que têm de ser sen­si­bi­li­za­das pa­ra o que es­tá a acon­te­cer. “É pre­ci­so que tam­bém as pes­so­as co­muns se so­li­da­ri­zem e com­pre­en­dam o pa­pel que es­ta área tem, ao ní­vel eco­nó­mi­co e cul­tu­ral”, di­zia Xi­no­bi, lo­go se­cun­da­do por Te­re­sa de Sou­sa, ou Da Chick, sua com­pa­nhei­ra na edi­to­ra Dis­co­te­xas. “O que es­tá em cau­sa não é ape­nas boé­mia. É cultura. Exis­te to­da uma in­dús­tria por trás, da qual de­pen­dem imen­sas pes­so­as e as res­pec­ti­vas fa­mí­li­as. In­fe­liz­men­te os nos­sos go­ver­nan­tes não têm ti­do nenhuma sen­si­bi­li­da­de a fa­lar so­bre es­te sec­tor. É pre­ci­so in­ver­ter is­so.”

O si­lên­cio dis­se mui­to

À por­ta do Maus Há­bi­tos, pa­ra­gem obri­ga­tó­ria no Por­to pa­ra a mú­si­ca al­ter­na­ti­va, a fi­la co­me­çou a for­mar-se lo­go pe­las 15h, mas pou­cos trou­xe­ram car­ta­zes e nin­guém se lem­brou dos me­ga­fo­nes. O re­la­ti­vo si­lên­cio da con­cen­tra­ção aca­bou, po­rém, por as­su­mir uma car­ga sim­bó­li­ca, ilus­tran­do a ti­mi­dez com que têm ope­ra­do as sa­las desde a pan­de­mia.

Da­ni­el Pi­res, um dos fun­da­do­res do Maus Há­bi­tos, ex­pli­cou ao PÚ­BLI­CO que “a ver­ten­te de res­tau­ra­ção” tem si­do um im­por­tan­te bo­te sal­va­vi­das pa­ra o es­pa­ço, mas re­co­nhe­ceu tam­bém que es­tá nu­ma po­si­ção pri­vi­le­gi­a­da: “Mui­tos clu­bes não têm es­sa es­ca­pa­tó­ria e não po­dem abrir. Quer di­zer, po­dem pro­gra­mar con­cer­tos pa­ra 30 pes­so­as quan­do têm es­pa­ço pa­ra 100, mas as­sim só acu­mu­lam pre­juí­zo.” Um no­vo es­ta­do de emer­gên­cia, acres­cen­tou, po­de­rá ser a ma­cha­da­da fi­nal. “Se há um no­vo con­fi­na­men­to, es­tas sa­las fi­cam to­das li­ga­das às má­qui­na e o Es­ta­do vai mes­mo ter de abrir o cor­dão à bol­sa. Is­to se nos qui­ser sal­var...”

A fi­la que se es­ten­deu do Maus Há­bi­tos à Praça da Ba­ta­lha até às 16h30 foi a mai­or no Por­to, on­de tam­bém hou­ve ma­ni­fes­tan­tes si­len­ci­o­sos às portas do Pla­no B e do Fer­ro Bar. Abun­da­ram as ca­ras co­nhe­ci­das, do pro­gra­ma­dor Luís Sal­ga­do a Ma­nel Cruz, de Ma­nu­el Mo­la­ri­nho (ho­mem de Ba­leia Ba­leia Ba­leia, O Ma­ni­pu­la­dor e in­con­tá­veis ou­tros pro­jec­tos) a Jo­sé Ro­ber­to Go­mes (de So­lar Co­ro­na e Kil­li­man­ja­ro).

Ape­sar dos 30 con­cer­tos que lhe fo­ram can­ce­la­dos quan­do a pan­de­mia che­gou, Mo­la­ri­nho não se sen­te “o mais aza­ra­do” por­que, “com ini­ci­a­ti­vas de câ­ma­ras e coi­sas pon­tu­ais ao ar li­vre”, ain­da pi­sou os pal­cos dez ve­zes. “Es­tes es­pa­ços são ne­vrál­gi­cos pa­ra a mi­nha exis­tên­cia co­mo mú­si­co. Foi aqui que vi con­cer­tos que me fi­ze­ram que­rer fa­zer dis­to a mi­nha vi­da. Es­tou aqui ho­je por eles e por mim”, sa­li­en­ta­va.

“Os Or­na­tos Vi­o­le­ta fi­ze­ram-se nos ba­res, foi es­sa a nos­sa es­tra­da”, co­men­ta­va Ma­nel Cruz, na Praça da Ba­ta­lha. “O Go­ver­no tem de en­ten­der que os pre­juí­zos nes­te sec­tor são tão gra­ves co­mo os pre­juí­zos na saú­de. Mui­tos mú­si­cos fo­ram ge­ne­ro­sos e ofe­re­ce­ram mú­si­ca du­ran­te o con­fif na­men­to, mas acho que per­de­ram uma gran­de opor­tu­ni­da­de de fe­char a tor­nei­ra e mos­trar às pes­so­as o quão im­por­tan­te is­to re­al­men­te é...”

 ?? NU­NO FERREIRA SAN­TOS ??
NU­NO FERREIRA SAN­TOS
 ?? PAULO PI­MEN­TA ?? Em Lis­boa (em ci­ma), a fi­la es­ten­deu-se da por­ta do Lux-Frá­gil até ao Cam­po das Ce­bo­las; no Por­to
(em bai­xo), li­gou o Maus Há­bi­tos até à Praça da Ba­ta­lha
PAULO PI­MEN­TA Em Lis­boa (em ci­ma), a fi­la es­ten­deu-se da por­ta do Lux-Frá­gil até ao Cam­po das Ce­bo­las; no Por­to (em bai­xo), li­gou o Maus Há­bi­tos até à Praça da Ba­ta­lha

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal