Edição Público Lisboa

Uma ava­lan­che pa­ra a nos­sa fan­ta­sia

- Crí­ti­ca de ópe­ra Arts · Classical Music · Theatre · Theatre & Ballet

La Wally

segunda ré­ci­ta um lon­go e me­re­ci­do aplau­so. Aba­e­va foi, aliás, no­tá­vel ao lon­go de to­da a ópe­ra, e só fal­tou sol­tar-se um pou­co mais da par­ti­tu­ra pa­ra nos su­ge­rir me­lhor o te­a­tro que a mú­si­ca su­ben­ten­de.

Ca­ta­la­ni ar­ris­ca, in­ven­ta, sur­pre­en­de nos ges­tos or­ques­trais e nas li­nhas vo­cais que pro­põe, com uma pro­fu­são de idei­as te­a­trais que fo­ram, re­gra ge­ral, mui­to bem agar­ra­das pe­la Or­ques­tra Sin­fó­ni­ca Por­tu­gue­sa e pe­la di­rec­ção de An­to­nio Pi­rol­li. Só no início a or­ques­tra te­ve di­fi­cul­da­de em se­gu­rar a ra­pi­dez e a quan­ti­da­de de efei­tos si­mul­tâ­ne­os, mas sal­vou, in ex­tre­mis, a ve­lo­ci­da­de es­ton­te­an­te do pri­mei­ro ac­to, em que se lan­çam to­dos os da­dos do dra­ma que vi­rá. Nos ac­tos se­guin­tes, as cor­das fo­ram im­pe­cá­veis, num tra­ba­lho imen­so e qua­se sem des­can­so. Por ali (nos vi­o­li­nos, so­bre­tu­do) pas­sa gran­de par­te das idei­as or­ques­trais de Ca­ta­la­ni, com aju­da, às ve­zes, de uma har­pa pa­ra al­guns mo­men­tos — cha­ve de li­ris­mo e dra­ma de Wally, mu­lher que de­sis­te da ideia de vin­gan­ça e acei­ta o des­ti­no que, no fim de contas, ela pró­pria es­co­lheu.

Os dois apai­xo­na­dos de La Wally, Gell­ner e Ha­gen­ba­ch, fo­ram, res­pec­ti­va­men­te, o apai­xo­na­do ba­rí­to­no Luis Can­si­no e o im­pe­tu­o­so te­nor Azer Za­da, dois ex­ce­len­tes can­to­res que es­ti­ve­ram à al­tu­ra da gran­de Aba­e­va. Mas se uma ou­tra per­so­na­gem se des­ta­ca nes­ta ópe­ra sui ge­ne­ris, é Wal­ter, um ter­cei­ro apai­xo­na­do e ami­go de Wally, que a acom­pa­nha nas su­as tor­men­tas e com ela par­ti­lha can­ções po­pu­la­res que têm um lu­gar mui­to par­ti­cu­lar nes­ta ópe­ra. O pa­pel foi mui­tís­si­mo bem es­cul­pi­do por Jo­a­na Se­a­ra, que lhe deu for­ma e den­si­da­de, jun­tan­do a ale­gria e a li­gei­re­za do can­to de al­guns mo­men­tos ao com­pa­nhei­ris­mo in­con­di­ci­o­nal de uma ter­cei­ra for­ma de amar, no cen­tro do dra­ma da mu­lher a quem “nin­guém con­se­gue rou­bar um bei­jo”. Mui­to bem es­ti­ve­ram tam­bém Nu­no Di­as, no pa­pel do Al­mo­cre­ve que gos­ta de uma boa pin­ga (ele traz tam­bém mais uma can­ção li­gei­ra ou­vi­da ao lon­ge que vem aden­sar o dra­ma), e Pa­trí­cia Quin­tas, a enig­má­ti­ca Afra, que avi­sa que “com o amor não se de­ve brin­car”.

Já Ca­ta­la­ni brin­ca a sé­rio, des­via, so­bre­põe, ex­pe­ri­men­ta os mei­os pos­sí­veis pa­ra o im­pos­sí­vel do amor. Ro­mân­ti­co ain­da, sim, mas tam­bém já tão mo­der­no e ve­loz nal­gu­mas op­ções mu­si­co-te­a­trais que nos le­va­ria a pen­sar nu­ma ou­tra en­ce­na­ção pos­sí­vel, qua­se ex­pres­si­o­nis­ta, num te­a­tro mu­si­cal à Kurt Weill, com dis­tan­ci­a­ções bre­ch­ti­a­nas co­mo aque­la do se­gun­do ac­to em que Wally can­ta “já a mi­nha avó me can­ta­va: ‘As­sim é fei­to o mun­do, o amor jun­ta sem­pre o pran­to ao ri­so’”. E Gell­ner hu­mi­lha­do, nes­ta mi­nha en­ce­na­ção fan­ta­si­o­sa, tal­vez de más­ca­ra tris­te, di­zen­do “Não te ri­as!”, pa­ra pou­co de­pois ti­rar a más­ca­ra e de­vol­vê-la a Wally, fe­rin­do-a: “Já a mi­nha avó me can­ta­va...”.

Pe­dro Bo­léo

 ?? DA­NI­EL RO­CHA ?? An­to­nio Pi­rol­li di­ri­giu a Sin­fó­ni­ca nes­ta ópe­ra em ver­são con­cer­to
DA­NI­EL RO­CHA An­to­nio Pi­rol­li di­ri­giu a Sin­fó­ni­ca nes­ta ópe­ra em ver­são con­cer­to
 ??  ??

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal