Edição Público Lisboa

Ben­fi­ca vi­si­ta o mes­tre dos em­pa­tes

- Di­o­go Car­do­so Oli­vei­ra di­o­go.oli­vei­ra@pu­bli­co.pt Sports · College Sports · Sérgio Conceição · Futebol Clube do Porto · Porto · Como · Assassin's Creed · Jorge Jesus · William Welch · Fábio Coentrão · Vila do Conde · Primeira Liga

O Spor­ting de­ve es­tar con­ten­te, mas eu es­tou de­si­lu­di­do. Per­di dois pon­tos im­por­tan­tes Sér­gio Con­cei­ção Trei­na­dor do FC Por­to

Cin­co em­pa­tes em seis jo­gos ofi­ci­ais fei­tos nes­ta época e três em­pa­tes em três jo­gos na I Li­ga — é is­to que o Rio Ave tem pa­ra con­tar nes­te início de tem­po­ra­da e é com is­to que o Ben­fi­ca te­rá de li­dar ho­je (20h), quan­do vi­si­tar Vi­la do Con­de, em jo­go da ron­da 4 da Li­ga por­tu­gue­sa.

E es­ta ten­dên­cia pa­ra a di­vi­são de pon­tos não é ape­nas uma tri­vi­a­li­da­de es­ta­tís­ti­ca. O Rio Ave apre­sen­ta tra­ços que po­dem cri­ar di­fi­cul­da­des e con­ju­gar um ce­ná­rio de equi­lí­brio no jo­go e, so­bre­tu­do, se­gu­ran­ça de­fen­si­va: se­gun­do da­dos do Who Sco­red, o Rio Ave é das equi­pas da Li­ga que me­nos re­ma­tes por jo­go per­mi­tem aos ad­ver­sá­ri­os (10), é a equi­pa que me­nos fal­tas faz — não per­mi­te, por­tan­to, mui­tos lan­ces de bo­la pa­ra­da — e é ain­da a equi­pa cu­jos jo­ga­do­res me­nos ve­zes per­dem a bo­la pa­ra os ad­ver­sá­ri­os — fi­ca, por is­so, me­nos ex­pos­ta a tran­si­ções. Co­mo pro­va su­pre­ma de tu­do is­to, o Rio Ave con­se­guiu, no pas­sa­do dia 1, sus­ter, em ca­sa, o po­de­rio do gi­gan­te AC Mi­lan, num jo­go eu­ro­peu só de­ci­di­do nu­ma ma­ra­to­na de pe­nál­tis.

Es­tes da­dos per­mi­tem per­ce­ber por que mo­ti­vo o Rio Ave ain­da não per­deu nes­ta tem­po­ra­da e tem ten­dên­cia pa­ra equi­li­brar os jo­gos, mas não são ga­ran­tia de na­da: do ou­tro la­do es­ta­rá o lí­der do cam­pe­o­na­to, com três triun­fos em três jo­gos e dez go­los mar­ca­dos. E uma equi­pa se­den­ta de capitaliza­r o re­sul­ta­do do clás­si­co en­tre Spor­ting e FC Por­to.

Jor­ge Je­sus, trei­na­dor do Ben­fi­ca, des­va­lo­ri­zou a ques­tão do jo­go en­tre os ri­vais, pre­fe­rin­do cen­trar o dis­cur­so no va­lor do Rio Ave. E lem­brou mes­mo o “car­tão-de-vi­si­ta” que foi o jo­go eu­ro­peu dos vi­la-con­den­ses.

“O Ben­fi­ca não jo­ga so­zi­nho e vai en­con­trar um ad­ver­sá­rio que dis­pu­ta es­te jo­go com mui­ta qua­li­da­de, co­mo já o de­mons­trou fren­te ao AC Mi­lan. Es­ta­mos ci­en­tes de que va­mos en­con­trar jo­gos mui­to di­fí­ceis e, se ca­lhar, es­te é um de­les”, pre­viu, na an­te­vi­são da par­ti­da.

Ape­sar de se mos­trar uma equi­pa de em­pa­tes, o Rio Ave tem, pe­la bo­ca do pró­prio trei­na­dor, a ne­ces­si­da­de de ven­cer. “O fac­to de ain­da não ter­mos per­di­do dá-nos al­gum con­for­to, mas não dá fe­li­ci­da­de. En­quan­to equi­pa, que­re­mos ga­nhar e, se não exis­ti­rem vi­tó­ri­as, a vi­da de um trei­na­dor é sem­pre com­pli­ca­da. Ain­da não per­de­mos, mas que­re­mos ga­nhar”, vin­cou Má­rio Sil­va, trei­na­dor em es­treia fren­te aos “gran­des”.

Em ma­té­ria de au­sên­ci­as, as equi­pas não es­tão mui­to afec­ta­das. Pa­ra es­te jo­go, Jor­ge Je­sus con­ti­nua a não ter Ta­a­rabt, le­si­o­na­do, mas já de­ve­rá ter Vertonghen, que ti­nha fa­lha­do o úl­ti­mo jo­go por le­são — par­ti­da fren­te ao Fa­ren­se em que os “en­car­na­dos” re­ve­la­ram de­bi­li­da­des no sec­tor re­cu­a­do, so­bre­tu­do no cen­tro da de­fe­sa.

Tra­ta-se de uma boa no­tí­cia pa­ra o téc­ni­co do Ben­fi­ca em ma­té­ria de op­ções de­fen­si­vas, ao con­trá­rio de Má­rio Sil­va, que não con­ta­rá com os de­fe­sas Jú­nio Ro­cha, le­si­o­na­do, e Fá­bio Co­en­trão, ain­da sem rit­mo com­pe­ti­ti­vo. Tem, po­rém, to­do o res­tan­te plan­tel à dis­po­si­ção.

 ??  ?? Jor­ge Je­sus
Jor­ge Je­sus

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal