Edição Público Lisboa

Em­pre­sá­ria nor­te-ame­ri­ca­na diz ter ti­do ca­so com Bo­ris John­son

Mu­ni­cí­pio de Lon­dres pe­di­ra que John­son fos­se in­ves­ti­ga­do por be­ne­fi­ci­ar a ami­ga quan­do ele era pre­si­den­te da câ­ma­ra

- Rei­no Uni­do So­fia Lo­re­na slo­re­na@pu­bli­co.pt Crime · Politics · Boris Johnson · London · Marina Wheeler · Twitter · York · Nova · Tel Aviv · The Police · Michael Dawson · Sadiq Khan

Jen­ni­fer Ar­cu­ri, a em­pre­sá­ria nor­te- - ame­ri­ca­na no cen­tro das sus­pei­tas de con­fli­to de in­te­res­ses e con­du­ta im­pró­pria que en­vol­vem Bo­ris John­son, ad­mi­tiu, nu­ma en­tre­vis­ta, que te­ve um ca­so com o ac­tu­al pri­mei­ro-mi­nis­tro bri­tâ­ni­co quan­do es­te era pre­si­den­te da Câ­ma­ra de Lon­dres, escreve o The Daily Mail. Dow­ning Stre­et não fez qual­quer co­men­tá­rio.

“Acho que nem é pre­ci­so di­zer… to­da a gen­te já sa­be… Mas não vou fa­lar so­bre is­so”, res­pon­deu Ar­cu­ri quan­do lhe foi per­gun­ta­do se te­ve um en­vol­vi­men­to com John­son quan­do es­te ain­da es­ta­va com a sua segunda mu­lher, Ma­ri­na Whe­e­ler, avan­çou o diá­rio. Na con­ver­sa, Ar­cu­ri, de 35 anos, con­tou que John­son a bom­bar­de­ou com “ava­lan­ches de pai­xão”.

À per­gun­ta so­bre se es­ta­va apai­xo­na­da pe­lo ago­ra pri­mei­ro-mi­nis­tro, Ar­cu­ri te­rá afir­ma­do: “Na al­tu­ra, ti­nha um afec­to pro­fun­do por ele, mas nun­ca usei a pa­la­vra L [de “lo­ve”, amor]. Eu não te­ria re­co­nhe­ci­do es­tar apai­xo­na­da. Gos­tei mui­to des­te ho­mem e is­so é de­ci­di­da­men­te cla­ro. Is­so é tu­do o que eu qu­e­ro di­zer”.

Ho­ras de­pois de co­nhe­ci­do o ar­ti­go, Ar­cu­ri cri­ti­cou o seu con­teú­do, sem ex­pli­car que par­tes é que es­ta­va a pôr em cau­sa. Nu­ma re­ac­ção atra­vés do Twit­ter, afir­mou que “to­dos te­mos mais que fa­zer, da­do o es­ta­do do mun­do”, e dis­se es­tar “ver­da­dei­ra­men­te hu­mi­lha­da” pe­lo ar­ti­go, des­cre­ven­do-o co­mo uma “ten­ta­ti­va de es­pa­lhar fac­tos so­bre coi­sas que nun­ca fo­ram di­tas ou dis­cu­ti­das”.

Quan­do as ale­ga­ções fo­ram co­nhe­ci­das, o ano pas­sa­do, Ar­cu­ri deu uma sé­rie de en­tre­vis­tas on­de fa­la­va de “uma re­la­ção mui­to es­pe­ci­al”. Che­gou a di­zer que, de­pois de se co­nhe­ce­rem em 2011, num en­con­tro “ar­re­ba­ta­dor”, John­son a vi­si­tou pe­lo me­nos dez ve­zes no es­cri­tó­rio que ti­nha em ca­sa, em Sho­re­dit­ch, na ca­pi­tal bri­tâ­ni­ca. Sa­be-se que o pri­mei­ro-mi­nis­tro fa­lou de gra­ça em qua­tro even­tos da start-up de Ar­cu­ri, a em­pre­sa de tec­no­lo­gia In­no­te­ch.

Con ito de in­te­res­ses

“Eles ale­gam que eu be­ne­fi­ci­ei fi­nan­cei­ra­men­te da mi­nha ami­za­de com Bo­ris… Não é ver­da­de”, ga­ran­tiu Ar­cu­ri na en­tre­vis­ta ao Daily Mail. A na­tu­re­za da re­la­ção tor­nou-se al­vo de es­cru­tí­nio pú­bli­co de­pois de ser re­ve­la­do que a em­pre­sá­ria e ex-mo­de­lo te­rá re­ce­bi­do mi­lha­res de li­bras em

Eles ale­gam que eu be­ne ci­ei nan­cei­ra­men­te da mi­nha ami­za­de com Bo­ris… Não é ver­da­de Jen­ni­fer Ar­cu­ri Em­pre­sá­ria, do­na da In­no­te­ch

di­nhei­ros pú­bli­cos e aces­so pri­vi­le­gi­a­do a vi­a­gens co­mer­ci­ais ao es­tran­gei­ro (No­va Ior­que, Te­la­vi­ve) por in­ter­ven­ção de John­son, ten­do che­ga­do a be­ne­fi­ci­ar de apoi­os es­ta­tais, incluindo atra­vés da Lon­don and Part­ners, agên­cia que tra­ba­lha com a au­tar­quia.

Quan­do es­tes fac­tos fo­ram di­vul­ga­dos pe­la im­pren­sa, o mu­ni­cí­pio, li­de­ra­do ago­ra pe­lo tra­ba­lhis­ta Sa­diq Khan, adi­an­tou ter “in­for­ma­ções de que po­de ter ha­vi­do cri­me”.

O mu­ni­cí­pio so­li­ci­tou um inqué­ri­to à In­de­pen­dent Po­li­ce Com­plaints Com­mis­si­on (IOPC), que in­ves­ti­ga ale­ga­ções de con­du­ta im­pró­pria na po­lí­cia, já que John­son era che­fe do ga­bi­ne­te do pre­si­den­te da câ­ma­ra pa­ra o Po­li­ci­a­men­to e o Cri­me, car­go equi­va­len­te a co­mis­sá­rio da po­lí­cia.

Es­ta co­mis­são de­ci­diu não avan­çar com uma in­ves­ti­ga­ção cri­mi­nal, mas no re­la­tó­rio de 112 pá­gi­nas que fez so­bre o as­sun­to con­cluía que John­son de­ve­ria ter de­cla­ra­do um con­fli­to de in­te­res­ses — ao de­ci­dir não o fa­zer po­de ter vi­o­la­do o có­di­go de con­du­ta da As­sem­bleia da Gran­de Lon­dres. “Não há pro­vas de que John­son in­flu­en­ci­ou o pa­ga­men­to de pa­tro­cí­ni­os ou a par­ti­ci­pa­ção em vi­a­gens, mas há pro­vas que su­ge­rem que os res­pon­sá­veis que to­ma­ram es­sas de­ci­sões pen­sa­vam que ha­via uma re­la­ção pró­xi­ma e is­so in­flu­en­ci­ou a sua to­ma­da de de­ci­são”, afir­mou o di­rec­tor-ge­ral, Michael Lockwo­od.

O IOPC no­tou que John­son nun­ca re­co­nhe­ceu ter ti­do um ca­so com Ar­cu­ri, mas tam­bém não o des­men­tiu. A ame­ri­ca­na re­cu­sou dis­cu­tir a sua vi­da pes­so­al com os in­ves­ti­ga­do­res, mas, se­gun­do o The Gu­ar­di­an, dis­se-lhes: “[Hou­ve]sus­sur­ros so­bre mim desde o pri­mei­ro dia.”

En­tre­tan­to, a pró­pria Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Lon­dres de­ci­diu in­ves­ti­gar a con­du­ta de Bo­ris John­son quan­do o IOPC en­cer­rou a sua in­ves­ti­ga­ção, em Maio.

 ?? TOBY MELVILLE/REU­TERS ?? Jen­ni­fer Ar­cu­ri fa­lou ao Daily Mail, mas aca­bou por cri­ti­car jor­nal
TOBY MELVILLE/REU­TERS Jen­ni­fer Ar­cu­ri fa­lou ao Daily Mail, mas aca­bou por cri­ti­car jor­nal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal