Er­do­gan faz de Ha­gia Sophia no­va­men­te uma mes­qui­ta

Ha­gia Sophia (San­ta So fı a) já foi uma ca­te­dral bi­zan­ti­na e uma mes­qui­ta oto­ma­na, an­tes de ser um mu­seu. O seu es­ta­tu­to neu­tro era vis­to co­mo sím­bo­lo do se­cu­la­ris­mo da Tur­quia

Edição Público Porto - - PRIMEIRA PÀGINA - Maria João Gui­ma­rães mgui­ma­ra­es@pu­bli­co.pt

Era um mu­seu, sím­bo­lo do se­cu­la­ris­mo na Tur­quia, mas o seu Presidente vai tor­ná-la num lo­cal de cul­to

O Presidente tur­co, Re­cep Tayyip Er­do­gan, de­cla­rou que, após 86 anos co­mo mu­seu, Ha­gia Sophia vai vol­tar a ser uma mes­qui­ta, e que a pri­mei­ra ora­ção se­rá lá fei­ta já da­qui a du­as se­ma­nas. O anún­cio foi fei­to on­tem, de­pois de o mais al­to tri­bu­nal da Tur­quia ter re­ver­ti­do uma de­ci­são ju­di­ci­al de 1934 que trans­for­mou a en­tão mes­qui­ta, que já ti­nha si­do uma ca­te­dral, num mu­seu.

Erod­gan as­si­nou um de­cre­to pas­san­do o lo­cal pa­ra a tu­te­la do Mi­nis­té­rio dos As­sun­tos Re­li­gi­o­sos, com­ple­tan­do a mu­dan­ça for­mal. Pou­co de­pois, foi fei­ta a pri­mei­ra cha­ma­da à ora­ção na Ha­gia Sophia, que foi trans­mi­ti­da pe­los prin­ci­pais ca­nais de te­le­vi­são do país, mas ain­da sem fi éis no in­te­ri­or.

Cons­truí­do no sé­cu­lo VI e pa­tri­mó­nio da UNESCO, o mo­nu­men­to em Is­tam­bul foi du­ran­te sé­cu­los a se­de da Igre­ja Or­to­do­xa. De­pois da con­quis­ta de Cons­tan­ti­no­pla pe­los oto­ma­nos, em 1453, fo­ram-lhe jun­ta­dos mi­na­re­tes e trans­for­mou-se nu­ma mes­qui­ta. Fi­nal­men­te, o pai da Tur­quia se­cu­lar, Ke­mal Atatürk, de­ci­diu que se­ria uma ins­ti­tui­ção neu­tra.

Du­ran­te mui­to tem­po, Ha­gia Sophia foi um dos mai­o­res pal­cos de ri­va­li­da­de en­tre cris­tãos e mu­çul­ma­nos, co­men­ta o Nhe New York Ti­mes. A sua ma­nu­ten­ção co­mo mu­seu era, as­sim, um dos mai­o­res sím­bo­los do se­cu­la­ris­mo da Tur­quia.

Er­do­gan tem fei­to um ca­mi­nho pa­ra uma Tur­quia mais re­li­gi­o­sa em vá­ri­as áre­as (in­ves­tin­do, por exem­plo, mais em es­co­las que en­si­nam os va­lo­res do is­lão). Exis­tem ou­tras Ha­gi­as Sophi­as mais pe­que­nas, pe­lo me­nos seis, em ci­da­des da Tur­quia, con­ta a re­vis­ta bri­tâ­ni­ca The Eco­no­mist. Na úl­ti­ma dé­ca­da, qua­tro vol­ta­ram a ser mes­qui­tas.

Crí­ti­cos do Presidente di­zem que ele tem le­van­ta­do a ques­tão da Ha­gia Sophia de Is­tam­bul sem­pre que se en­con­tra em cri­se, pa­ra gal­va­ni­zar a sua ba­se de apoi­an­tes re­li­gi­o­sos e na­ci­o­na­lis­tas. Er­do­gan en­fren­ta vá­ri­as ame­a­ças: o seu par­ti­do per­deu, no ano pas­sa­do, as elei­ções pa­ra a Câ­ma­ra de Is­tam­bul — mes­mo re­pe­tin­do a vo­ta­ção —, dois an­ti­gos ali­a­dos for­ma­ram par­ti­dos con­cor­ren­tes (o an­ti­go pri­mei­ro-mi­nis­tro Ah­met Da­vu­to­glu e o an­ti­go vi­ce-pri­mei­ro-mi­nis­tro Ali Ba­ba­can), e a pan­de­mia de covid-19 ame­a­ça uma eco­no­mia em cur­va des­cen­den­te após mui­tos anos sob a sua li­de­ran­ça.

“Quan­do a eco­no­mia es­tá mal, Er­do­gan ar­ran­ja um tema pa­ra cri­ar uma dis­trac­ção, co­mo o de­ba­te so­bre Ha­gia Sophia”, dis­se ao The Wall Stre­et Jour­nal Ozer Sen­car, da agên­cia de son­da­gens Me­tro­poll. “Mas não in­te­res­sa qu­an­tas dis­trac­ções vai cri­ar, na­da po­de es­con­der o es­ta­do ter­rí­vel da eco­no­mia.”

O nú­me­ro o fi ci­al de de­sem­pre­ga­dos é de qua­tro mi­lhões (13%), mas o sin­di­ca­to de Is­tam­bul DISK diz que ou­tros seis mi­lhões per­de­ram o tra­ba­lho de­vi­do à pan­de­mia, com o con­fi na­men­to e a que­bra no tu­ris­mo.

A ques­tão não é mui­to frac­tu­ran­te na Tur­quia, on­de a trans­for­ma­ção em mes­qui­ta tem apoio alar­ga­do, diz à Reuters Ga­lip Da­lay, es­pe­ci­a­lis­ta em Tur­quia da Ro­bert Bos­ch Aca­demy, em Ber­lim. É so­bre­tu­do a ní­vel in­ter­na­ci­o­nal que pro­vo­ca con­tro­vér­sia.

UNESCO re­vê es­ta­tu­to

O mu­seu re­ce­be mi­lhões de tu­ris­tas por ano. Er­do­gan ga­ran­tiu que o lo­cal con­ti­nu­a­rá aber­to a quem o quei­ra vi­si­tar, “mu­çul­ma­nos, cris­tãos, to­dos os es­tran­gei­ros”. “Por is­so não es­tá em cau­sa ser pa­tri­mó­nio mun­di­al”, dis­se an­tes o seu por­ta-voz à agên­cia tur­ca Ana­do­lu.

A UNESCO não par­ti­lha es­se pon­to de vis­ta e já dis­se que vai re­ver o es­ta­tu­to de pa­tri­mó­nio mun­di­al. A or­ga­ni­za­ção la­men­tou a fal­ta de diá­lo­go de An­ca­ra e re­pe­tiu que é ne­ces­sá­rio que ha­ja par­ti­ci­pa­ção de co­mu­ni­da­des e gru­pos de in­te­res­se em qual­quer al­te­ra­ção. A UNESCO diz ain­da que ex­pres­sou “pre­o­cu­pa­ções” à Tur­quia “em vá­ri­as car­tas”.

Er­do­gan, que na ju­ven­tu­de foi fa­vo­rá­vel a tor­nar de no­vo Ha­gia Sophia nu­ma mes­qui­ta, pas­sou a mai­or par­te dos seus anos à fren­te do Go­ver­no tur­co, e de­pois da pre­si­dên­cia, sem se pro­nun­ci­ar so­bre es­ta ques­tão, fa­zen­do-o ape­nas re­cen­te­men­te.

En­quan­to is­so, su­bi­ram de tom as vo­zes a rei­vin­di­car o re­gres­so a mes­qui­ta do mu­seu, mui­tas ve­zes na co­me­mo­ra­ção, ca­da vez mais fer­vo­ro­sa, do dia da con­quis­ta de Is­tam­bul pe­los oto­ma­nos, em 1453.

Num ar­ti­go de opi­nião no The

Washing­ton Post, o ana­lis­ta do Eu­ro­pe­an Coun­cil on Fo­reign Re­la­ti­ons em Is­tam­bul, As­li Ay­din­tas­bas, ques­ti­o­na­va con­tra es­ta re­tó­ri­ca de “con­quis­ta”, já que “os tur­cos es­tão no po­der em Is­tam­bul há qua­se seis sé­cu­los, e a meia dú­zia de cris­tãos que fi ca­ram não são um de­sa fi o nem po­lí­ti­co nem cul­tu­ral pa­ra nin­guém”. Con­cre­ti­za­va: “Nu­ma po­pu­la­ção de 82 mi­lhões, há me­nos de 90 mil não-mu­çul­ma­nos a vi­ver na Tur­quia, in­cluin­do ar­mé­ni­os, ju­deus, as­sí­ri­os e pou­cas cen­te­nas de gre­gos.”

A mai­or par­te saiu an­tes, com as gran­des tro­cas de po­pu­la­ção en­tre a Tur­quia e a Gré­cia nos anos 1920, e ain­da após um po­grom con­tra gre­gos em Is­tam­bul em 1955.

Ay­din­tas­bas no­ta que, “iro­ni­ca­men­te, foi o pró­prio Er­do­gan que no iní­cio do seu man­da­to” te­ve de­ci­sões co­mo in­cluir “lí­de­res não-mu­çul­ma­nos no pro­to­co­lo de Es­ta­do, mos­trou fl exi­bi­li­da­de a fun­da­ções com ba­se re­li­gi­o­sa, de­vol­veu al­gu­ma da pro­pri­e­da­de que lhes ti­nha si­do con fi sca­da e, du­ran­te uma lua-de-mel com a Eu­ro­pa, até con­si­de­rou a ideia de abrir um se­mi­ná­rio or­to­do­xo gre­go em Is­tam­bul, que fo­ra en­cer­ra­do em 1974”. Po­rém, “Er­do­gan e ou­tros po­lí­ti­cos tur­cos têm pou­ca uti­li­da­de pa­ra igre­jas ve­lhas e pa­dres idosos sem se­rem atrac­ções tu­rís­ti­cas e da­rem uma ideia de di­ver­si­da­de”, ar­gu­men­ta.

Às re­ac­ções con­tra jun­tam-se ain­da as igre­jas or­to­do­xas da Rús­sia e da Gré­cia, e res­pon­sá­veis po­lí­ti­cos dos dois paí­ses, e lí­de­res dos Es­ta­dos Uni­dos, que vi­nham a pres­si­o­nar pa­ra man­ter Ha­gia Sophia co­mo um mu­seu. Er­do­gan dis­se que es­ta era uma ques­tão in­ter­na tur­ca e es­pe­rar que as­sim fos­se res­pei­ta­da.

O in­ves­ti­ga­dor do Eu­ro­pe­an Coun­cil on Fo­reign Re­la­ti­ons apon­ta ain­da o po­ten­ci­al de es­ta re­con­ver­são po­der ser usa­da pe­la ex­tre­ma-di­rei­ta eu­ro­peia e nor­te-ame­ri­ca­na e con­tri­buir pa­ra re­tó­ri­ca is­la­mo­fó­bi­ca.

Já o jor­na­lis­ta gre­go es­pe­ci­a­li­za­do em ex­tre­ma-di­rei­ta Yan­nis Ba­bou­li­as é de opi­nião de que “o Oci­den­te não se im­por­ta com a Ha­gia Sophia”. “Eu olha­ria pa­ra as con­sequên­ci­as des­ta de­ci­são na Gré­cia, Bal­cãs e Rús­sia”, es­cre­veu no Twit­ter

So­ner Ca­gap­tay, res­pon­sá­vel pe­la área da Tur­quia no Washing­ton Ins­ti­tu­te for Ne­ar East Po­licy, diz que es­te é o “mo­men­to al­to” da “re­vo­lu­ção re­li­gi­o­sa de Er­do­gan da úl­ti­ma dé­ca­da”, em que o lí­der tur­co “tem vin­do a inun­dar o es­pa­ço pú­bli­co, a po­lí­ti­ca de edu­ca­ção e de go­ver­no com um ti­po de is­lão con­ser­va­dor”.

“Tal co­mo, há qua­se cem anos, Atatürk re­ti­rou o es­ta­tu­to de mes­qui­ta a Ha­gia Sohia pa­ra su­bli­nhar o seu com­pro­mis­so com a sua re­vo­lu­ção se­cu­lar, em que a re­li­gião fi ca­va fo­ra da po­lí­ti­ca, Er­do­gan es­tá ago­ra a fa­zer pra­ti­ca­men­te o opos­to”, dis­se Ca­gap­tay à Reuters: “Es­tá a re­con­ver­ter o edi­fí­cio nu­ma mes­qui­ta pa­ra su­bli­nhar a sua pró­pria re­vo­lu­ção re­li­gi­o­sa.”

É o “mo­men­to al­to” da “re­vo­lu­ção re­li­gi­o­sa de Er­do­gan da úl­ti­ma dé­ca­da”, dis­se So­ner Ca­gap­tay, res­pon­sá­vel do Washing­ton Ins­ti­tu­te for Ne­ar East Po­licy

EPA

MURAD SEZER/REUTERS

O in­te­ri­or de Ha­gia Sophia e Re­cep Er­do­gan par­ti­ci­pan­do nu­ma ré­ci­ta do Co­rão no lo­cal em Maio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.