TrenT Maya põe Mo­ta-En­gil sob fo­go cru­za­do non Mé­xi­co

Em­pre­sa por­tu­gue­sa e chi­ne­ses da CCCC ga­nha­ram o pri­mei­ro tro­ço de uma obra pú­bli­ca que es­tá a ser con­tes­ta­da em vá­ri­os qua­dran­tes. Pri­mei­ro tro­ço, ad­ju­di­ca­do em Abril, va­le 636 mi­lhões de eu­ros

Edição Público Porto - - PRIMEIRA PÀGINA - Luí­sa Pin­to lui­sa.pin­to@pu­bli­co.pt

Aque­le A que se­rá o mai­or in­ves­ti­men­to in fer­ro­viá­rio na Amé­ri­ca La­ti­na tem dei­xa­do a em­pre­sa sob es­cru­tí­nio

Foi há ape­nas três anos, em 2017, que a Mo­ta-En­gil anun­ci­ou que o mer­ca­do ex­ter­no que sem­pre ha­via ti­do pre­do­mi­nân­cia nas con­tas do gru­po — An­go­la — aca­ba­va de ser des­tro­na­do pe­lo Mé­xi­co. Os in­ves­ti­men­tos que o gru­po li­de­ra­do por An­tó­nio Mo­ta fa­zia na­que­le mer­ca­do da Amé­ri­ca do Sul es­ta­vam a trans­for­mar a Mo­ta-En­gil Mé­xi­co no ope­ra­dor di­ver­si fi ca­do que já se co­nhe­cia em Por­tu­gal — não ape­nas uma em­pre­sa de en­ge­nha­ria e obras pú­bli­cas, mas tam­bém um ope­ra­dor nas con­ces­sões ro­do­viá­ri­as (ac­tu­al­men­te é no Mé­xi­co que a Mo­taEn­gil tem mai­or nú­me­ro de qui­ló­me­tros sob con­ces­são em to­do o mun­do) e igual­men­te na área de am­bi­en­te e ser­vi­ços. E, em 2015, no Mé­xi­co, pas­sa­ra a ser o pri­mei­ro ope­ra­dor pri­va­do na área da ener­gia, ao ter fi ca­do em con­jun­to com o Sin­di­ca­to Me­xi­ca­no de Elec­tri­cis­tas com o ne­gó­cio da So­ci­e­da­de Fé­nix, que per­mi­tiu res­sus­ci­tar a em­pre­sa de elec­tri­ci­da­de Luz Y Fu­er­za del Cen­tro.

Ago­ra, o im­por­tan­te mer­ca­do ex­ter­no em que se tor­nou o Mé­xi­co é tam­bém o mer­ca­do on­de a em­pre­sa es­tá a ser al­vo de mai­or con­tes­ta­ção, so­bre­tu­do de­pois de ter anun­ci­a­do, em Abril pas­sa­do, que ti­nha ga­ran­ti­do a ad­ju­di­ca­ção do pri­mei­ro tro­ço do mui­to po­lé­mi­co Tren Maya, uma gi­gan­tes­ca li­nha fér­rea de 1500km de ex­ten­são, que atra­ves­sa­rá to­da a pe­nín­su­la do Yu­ca­tán, lan­ça­da pe­lo an­te­ri­or Presidente, Peña Ni­e­to, mas apa­dri­nha­da pe­lo ac­tu­al, An­drés Ma­nu­el Ló­pez Obra­dor.

O con­tra­to to­ta­li­za­rá um in­ves­ti­men­to de cer­ca de 636 mi­lhões de eu­ros e cor­res­pon­de a um lo­te, com 228km, da­que­le que é “o mai­or pro­jec­to de in­ves­ti­men­to pú­bli­co fer­ro­viá­rio” nos úl­ti­mos anos na Amé­ri­ca La­ti­na. A de­ci­são de avan­çar com a obra tem vin­do a ser con­tes­ta­da em vá­ri­as fren­tes, e nas úl­ti­mas se­ma­nas tem ha­vi­do mui­tas pá­gi­nas nos jor­nais em que o no­me da cons­tru­to­ra por­tu­gue­sa apa­re­ce men­ci­o­na­do, por ter si­do ela que ga­nhou o con­cur­so pa­ra o pri­mei­ro tro­ço da obra, num con­sór­cio for­ma­do com uma das mai­o­res cons­tru­to­ras mun­di­ais: a es­ta­tal chi­ne­sa China Com­mu­ni­ca­ti­ons Cons­truc­ti­on Com­pany (CCCC).

Se an­tes do anún­cio da ad­ju­di­ca­ção o pro­jec­to era mui­to con­tes­ta­do por ra­zões am­bi­en­tais, ago­ra são as em­pre­sas que es­tão en­vol­vi­das na sua cons­tru­ção que têm si­do al­vo do es­cru­tí­nio da im­pren­sa. So­bre a CCCC veio a pú­bli­co uma in­ter­di­ção de­cre­ta­da pe­lo Ban­co Mun­di­al por cau­sa de sus­pei­tas de cor­rup­ção nas Fi­li­pi­nas. Foi a pri­mei­ra vez que a em­pre­sa es­ta­tal chi­ne­sa ga­ran­tiu uma obra no Mé­xi­co, pe­lo que o es­cru­tí­nio se tem fi ca­do pe­lo em­bar­go de­cre­ta­do em 2011 por um pe­río­do de seis anos. Já so­bre a Mo­ta-En­gil, que es­tá no país há já 13 anos, as no­tí­ci­as têm si­do mais abun­dan­tes, com to­da a ac­tu­a­ção do gru­po a ser es­cru­ti­na­da.

Pa­ga­men­tos “in­jus­ti fi ca­dos”

Uma das in­ves­ti­ga­ções mais exaus­ti­vas foi da­da à es­tam­pa pe­la re­vis­ta Con­tra­lí­nea, que foi ve­ri fi car to­das as ir­re­gu­la­ri­da­des que en­vol­vem a Mo­taEn­gil e que fo­ram de­tec­ta­das pe­la Au­di­to­ria Su­pe­ri­or da Fe­de­ra­ção (ASF) — o or­ga­nis­mo que faz a fi sca­li­za­ção su­ces­si­va de to­dos os con­tra­tos pú­bli­cos as­si­na­dos — du­ran­te o cha­ma­do “se­xe­nio”, os seis anos em que Peña Ni­e­to es­te­ve no po­der.

Uma das pri­mei­ra per­gun­tas que fi ze­ram a Obra­dor na con­fe­rên­cia de im­pren­sa em que anun­ci­ou a obra, era se não ti­nha em­ba­ra­ço por avan­çar com uma obra lan­ça­da por Peña Ni­e­to e com uma em­pre­sa que ti­nha fac­tu­ra­do tan­to com o seu re­gi­me. Obra­dor res­pon­deu que te­ve o cui­da­do de ve­ri fi car o pas­sa­do das em­pre­sas, se ti­nham dei­xa­do obras ina­ca­ba­das ou dí­vi­das por pa­gar. “Se não ti­ve­rem con­tas em aber­to con­nos­co, não po­de­rão ser im­pe­di­das de par­ti­ci­par”, dis­se Obra­dor.

Na lon­ga in­ves­ti­ga­ção fei­ta pe­la Con­tra­lí­nea, sus­ten­ta­da na lei­tu­ra dos re­la­tó­ri­os fei­tos pe­la ASF en­tre 2014 e 2017, po­de ler-se que a Mo­taEn­gil apa­re­ce men­ci­o­na­da jun­to de in­di­ca­ções que apon­tam pa­ra pa­ga­men­tos “em ex­ces­so”, “in­jus­ti fi ca­dos” ou “inad­mis­sí­veis”. E avan­ça com exem­plos de co­mo os con­tra­tos fo­ram sen­do mo­di fi ca­dos, one­ran­do os co­fres pú­bli­cos.

A Con­tra­lí­nea su­bli­nha, por exem­plo, a mo­der­ni­za­ção do lan­ço de es­ta­da en­tre Man­za­nil­lo e Mi­na­ti­tlan, emCo lima, cu­jo con­tra­to foi mo­di­fi­ca­do qua­tro ve­zes: de­via cus­tar qua­se 358 mi­lhões de pe­sos e de­mo­rar 288 di­as. Ter­mi­nou a cus­tar 399 mi­lhões de pe­sos e de­mo­rou 441 di­as — ou se­ja 41 mi­lhões de pe­sos a mais, cer­ca de 1,5 mi­lhões de eu­ros.

Mas as mai­o­res re­fe­rên­ci­as da Con­tra­lí­nea vão pa­ra a “pren­da” por 30 anos que a em­pre­sa re­ce­beu ao ter fi­ca­do com os di­rei­tos que per­mi­ti­ram cri­a­ra So­ci­e­da­de Fé­nix, na qual a em­pre­sa não in­ves­tiu na­da e fi­cou co­mum ne­gó­cio de pro­du­ção de 2000 me­gawatts (Mw), o equi­va­len­te a 3,5% do con­su­mo de elec­tri­ci­da­de do Mé­xi­co e 10% da ca­pa­ci­da­de ins­ta­la­da em Por­tu­gal. Em No­vem­bro de 2018, a Mo­ta-En­gil co­me­çou com o for­ne­ci­men­to de elec­tri­ci­da­de pa­ra a ilu­mi­na­ção pú­bli­ca de to­da a Ci­da­de do Mé­xi­co, o que lhe ga­ran­tiu uma fac­tu­ra­ção de cer­ca de 31 mi­lhões de eu­ros em 2019.

Con­tac­ta­da pe­lo PÚ­BLI­CO, fon­te oficial da Mo­ta-En­gil des­va­lo­ri­zou to­das as crí­ti­cas que têm vin­do a pú­bli­co, e a di­men­são dos pro­ble­mas de­tec­ta­dos, su­bli­nhan­do que nun­ca te­ve ne­nhum pro­ble­ma ju­rí­di­co ou foi con­de­na­da a pa­gar qual­quer ti­po de mul­ta na­que­le mer­ca­do. “A Mo­ta-En­gil or­gu­lha-se de ter si­do se­lec­ci­o­na­da em con­cur­so pú­bli­co in­ter­na­ci­o­nal e en­tre al­guns dos mai­o­res cons­tru­to­res mun­di­ais pa­ra a re­a­bi­li­ta­ção do pri­mei­ro tro­ço de 228km do pro­jec­to Tren Maya”, su­bli­nha a em­pre­sa. Acres­cen­ta que o pro­jec­to me­re­ceu a “apro­va­ção de 92% da po­pu­la­ção e que cum­pri­rá to­dos os re­qui­si­tos am­bi­en­tais e so­ci­ais pa­ra a sua re­a­li­za­ção”.

So­bre as crí­ti­cas de que tem si­do al­vo su­bli­nha: “[Após 13 anos no mer­ca­do me­xi­ca­no ter me­re­ci­do a con­fi­an­ça pa­ra cons­truir] o pri­mei­ro tro­ço do mai­or pro­jec­to dos pró­xi­mos seis anos no Mé­xi­co [é um re­co­nhe­ci­men­to] da com­pe­tên­cia, trac­kre­cord de ca­pa­ci­da­de de­mons­tra­da no Mé­xi­co e do fac­to de ser­mos com­pe­ti­ti­vos a ní­vel in­ter­na­ci­o­nal.”

REUTERS

Ad­ju­di­ca­ção em Abril foi fei­ta já sob o man­da­to de Ló­pez Obra­dor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.