Mais 2370 va­gas no su­pe­ri­or pa­ra alu­nos do pro­fis­si­o­nal

As va­gas dis­tri­bu­em-se por 21 ins­ti­tui­ções, num to­tal de 456 li­cen­ci­a­tu­ras, e são su­pra­nu­me­rá­ri­as, não re­ti­ram dis­po­ni­bi­li­da­de ao re­gi­me ge­ral de aces­so, diz o Go­ver­no. Pro­vas re­a­li­zam-se en­tre 21 e 24 de Ju­lho

Edição Público Porto - - PRIMEIRA PÀGINA - nfa­ria@pu­bli­co.pt Uni­ver­si­da­des Na­tá­lia Fa­ria

São va­gas su­pra­nu­me­rá­ri­as pa­ra um to­tal de 456 li­cen­ci­a­tu­ras. Há pro­vas en­tre 21 e 24 de Ju­lho

De­pois de vá­ri­os adi­a­men­tos, o re­gi­me es­pe­ci­al de aces­so ao en­si­no su­pe­ri­or pa­ra os es­tu­dan­tes dos cur­sos pro fi ssi­o­nais e ar­tís­ti­cos tor­nou-se re­a­li­da­de. No ano lec­ti­vo de 2020/21, ha­ve­rá 2370 va­gas pa­ra es­tes alu­nos, abran­gen­do 456 li­cen­ci­a­tu­ras de nor­te a sul do país. Des­te mo­do, es­tes alu­nos dei­xa­rão de ter de se sub­me­ter aos exa­mes nor­mais, res­pon­den­do an­tes pe­ran­te pro­vas que têm em con­ta as es­pe­ci fi ci­da­des das res­pec­ti­vas for­ma­ções. Tra­ta-se, co­mo sus­ten­tou ao PÚ­BLI­CO o presidente do Con­se­lho Co­or­de­na­dor dos Ins­ti­tu­tos Su­pe­ri­o­res Téc­ni­cos (CCISP), Pe­dro Do­min­gui­nhos, “de ga­ran­tir uma mai­or equi­da­de e que mais es­tu­dan­tes te­nham aces­so ao en­si­no su­pe­ri­or”.

Pa­ra es­te ano, já es­tão cri­a­dos três con­sór­ci­os de ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or que as­se­gu­ram a re­a­li­za­ção des­tes exa­mes es­pe­cí fi cos pa­ra um to­tal de 21 ins­ti­tui­ções que, além de po­li­téc­ni­cos, in­clu­em as uni­ver­si­da­des dos Aço­res, Ma­dei­ra, Al­gar­ve, Évo­ra e Trás-os-Mon­tes e Al­to Dou­ro (UTAD).

As pro­vas re­a­li­zar-se-ão nos di­as 21, 22 e 23 de Ju­lho no Cen­tro (cu­jo con­sór­cio in­te­gra os po­li­téc­ni­cos de Coim­bra, Lei­ria, Vi­seu, Cas­te­lo Bran­co, To­mar e Guar­da), e no dia 24 no Nor­te (nos po­li­téc­ni­cos do Por­to, Cá­va­do e Ave, Vi­a­na do Cas­te­lo, Bra­gan­ça e UTAD) e Sul (po­li­téc­ni­cos de Se­tú­bal, Be­ja, Por­ta­le­gre e San­ta­rém e uni­ver­si­da­des do Al­gar­ve, Évo­ra e Aço­res).

Nes­te pri­mei­ro ano (e sem pre­juí­zo de no fu­tu­ro es­te mo­de­lo evo­luir pa­ra uma pro­va na­ci­o­nal, tal co­mo acon­te­ce no re­gi­me na­ci­o­nal de aces­so), as pro­vas te­rão de ser fei­tas nas pró­pri­as ins­ti­tui­ções. “Um alu­no que fa­ça a pro­va em Se­tú­bal po­de can­di­da­tar-se a uma ins­ti­tui­ção de Évo­ra, por­que in­te­gra o mes­mo con­sór­cio, mas já não po­de­rá can­di­da­tar-se a uma ins­ti­tui­ção que es­te­ja in­te­gra­da no con­sór­cio do Cen­tro”, ex­pli­ci­tou Pe­dro Do­min­gui­nhos, pa­ra acres­cen­tar que es­tas pro­vas con­ta­rão à vol­ta de 30% pa­ra o in­gres­so e que a can­di­da­tu­ra te­rá de­pois de ser o fi ci­a­li­za­da no si­te da Di­rec­ção-Ge­ral do En­si­no Su­pe­ri­or.

O Go­ver­no es­tá des­de o iní­cio da an­te­ri­or le­gis­la­tu­ra a pro­cu­rar res­pon­der ao fac­to de, ape­sar de con­gre­gar 45% dos es­tu­dan­tes do en­si­no se­cun­dá­rio, o en­si­no pro fi ssi­o­nal ra­ra­men­te de­sem­bo­car na frequên­cia de uma ins­ti­tui­ção do en­si­no su­pe­ri­or. Efec­ti­va­men­te, ape­nas 18% des­tes alu­nos con­ti­nu­am a es­tu­dar um ano após te­rem con­cluí­do a sua for­ma­ção se­cun­dá­ria, se­gun­do os úl­ti­mos da­dos da Di­rec­ção-Ge­ral de Es­ta­tís­ti­cas da Edu­ca­ção e Ci­ên­cia. A si­tu­a­ção não se tem al­te­ra­do mui­to ao lon­go dos úl­ti­mos anos, sen­do que, pe­lo con­trá­rio, en­tre os di­plo­ma­dos dos cur­sos ci­en­tí fi co-hu­ma­nís­ti­cos, 79% se­guem pa­ra uma li­cen­ci­a­tu­ra ou mes­tra­do in­te­gra­do

e ape­nas 1% pa­ra cur­sos téc­ni­cos su­pe­ri­o­res e pro fi ssi­o­nais, en­quan­to os res­tan­tes 20% dei­xam a es­co­la.

“Es­ta nova via de aces­so vem dar se­gui­men­to a uma das pri­o­ri­da­des do país, que é a de ele­var o ní­vel de qu­a­li fi ca­ção e com­pe­tên­ci­as da po­pu­la­ção por­tu­gue­sa”, su­bli­nhou ao PÚ­BLI­CO o Mi­nis­té­rio da Ci­ên­cia, Tecnologia e En­si­no Su­pe­ri­or (MCTES). Na prá­ti­ca, com es­te alar­ga­men­to da ba­se so­ci­al de aces­so ao su­pe­ri­or, o Go­ver­no quer ga­ran­tir que até ao fi nal da le­gis­la­tu­ra há um au­men­to pa­ra 40% do nú­me­ro de es­tu­dan­tes das vi­as pro fi ssi­o­na­li­zan­tes que pros­se­guem até ao en­si­no su­pe­ri­or.

Se tal se con­cre­ti­zar, es­tes es­tu­dan­tes de­ve­rão re­pre­sen­tar cer­ca de 10 mil ins­cri­tos até 2023, con­for­me des­cri­to no “con­tra­to de le­gis­la­tu­ra” es­ta­be­le­ci­do com as ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or pú­bli­cas. Nes­se mes­mo con­tra­to, re fi ra-se, es­tá fi xa­do o ob­jec­ti­vo de alar­gar a par­ti­ci­pa­ção de adul­tos no su­pe­ri­or, de mo­do a que es­tes pas­sem a re­pre­sen­tar cer­ca de 10% dos no­vos es­tu­dan­tes em li­cen­ci­a­tu­ras, en­tre po­li­téc­ni­cos e uni­ver­si­da­des.

O fac­to de es­te con­cur­so es­pe­ci­al ter os seus exa­mes de aces­so ao su­pe­ri­or ade­qua­dos às tra­jec­tó­ri­as es­pe­cí fi cas des­tes es­tu­dan­tes tem sus­ci­ta­do al­gu­ma con­tes­ta­ção, com al­gu­mas das vo­zes do sec­tor a aler­ta­rem pa­ra o pe­ri­go de uma fa­ci­li­ta­ção ex­ces­si­va pa­ra es­tes alu­nos, cri­an­do, con­se­quen­te­men­te, in­jus­ti­ças re­la­ti­va­men­te aos de­mais es­tu­dan­tes dos cur­sos ci­en­tí fi co-hu­ma­nís­ti­cos. Do ou­tro la­do da bar­ri­ca­da, um dos ar­gu­men­tos a fa­vor des­ta “via es­pe­ci­al de aces­so” é que os alu­nos da via pro fi ssi­o­na­li­zan­te têm si­do, ao lon­go dos anos, obri­ga­dos a sub­me­ter-se a exa­mes que mui­tas ve­zes ver­sam so­bre ma­té­ri­as que não abor­da­ram nos seus cur­sos. “A gran­de di­fe­ren­ça é que a pro­va in­ci­de so­bre os re­fe­ren­ci­ais das ma­té­ri­as com que es­tes alu­nos li­da­ram”, sus­ten­ta Pe­dro Do­min­gui­nhos, pa­ra quem es­te no­vo re­gi­me “pro­mo­ve uma mai­or equi­da­de de opor­tu­ni­da­des e um en­si­no su­pe­ri­or mais in­clu­si­vo e me­nos eli­tis­ta”.

O Go­ver­no ga­ran­te, de res­to, que, ape­sar de ade­qua­dos às con­di­ções es­pe­cí fi cas des­tes es­tu­dan­tes, os exa­mes não dei­xa­rão de “ava­li­ar com­pe­tên­ci­as ne­ces­sá­ri­as pa­ra a frequên­cia do en­si­no su­pe­ri­or”. De res­to, a fi an­ça o MCTES, es­tas 2370 no­vas va­gas são “su­pra­nu­me­rá­ri­as fa­ce às va­gas cri­a­das nos con­cur­sos in­te­gra­dos no re­gi­me ge­ral de aces­so ao en­si­no su­pe­ri­or, acres­cen­do às mes­mas e não pre­ju­di­can­do a dis­po­ni­bi­li­da­de de va­gas nes­ses con­cur­sos”.

[O ob­jec­ti­vo é] ga­ran­tir uma mai­or equi­da­de e que mais es­tu­dan­tes te­nham aces­so ao en­si­no su­pe­ri­or

Pe­dro Do­min­gui­nhos

Presidente do Con­se­lho Co­or­de­na­dor dos Ins­ti­tu­tos Su­pe­ri­o­res Téc­ni­cos

ADRI­A­NO MI­RAN­DA

Es­tes alu­nos dei­xa­rão de ter de se sub­me­ter aos exa­mes nor­mais

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.