Pla­no de Cos­ta Sil­va tem dez apos­tas mas uma va­le ou­ro

Con­sul­tor do Go­ver­no en­tre­gou pro­pos­ta pa­ra a re­cu­pe­ra­ção da eco­no­mia por­tu­gue­sa. Cos­ta Sil­va pre­vê que que­da do PIB es­te ano po­de che­gar aos 12%

Edição Público Porto - - PRIMEIRA PÀGINA - Re­cu­pe­ra­ção eco­nó­mi­ca Mar­ta Moi­ti­nho Oli­vei­ra mar­ta.oli­vei­ra@pu­bli­co.pt

O pla­no que o con­sul­tor apre­sen­tou ao Go­ver­no tem apos­tas em dez áre­as, mas é a tran­si­ção ener­gé­ti­ca e elec­tri fı ca­ção da eco­no­mia que so­bres­sai. Que­da do PIB pre­vis­ta po­de che­gar aos 12%2%

O pla­no que o con­sul­tor An­tó­nio Cos­ta Sil­va apre­sen­tou ao Go­ver­no tem dez áre­as em que Por­tu­gal de­ve apos­tar pa­ra con­se­guir re­cu­pe­rar a eco­no­mia na pró­xi­ma dé­ca­da. Mas há uma que se des­ta­ca fa­ce às ou­tras: se o exe­cu­ti­vo se­guir a receita de Cos­ta Sil­va pa­ra a tran­si­ção ener­gé­ti­ca e elec­tri fi ca­ção da eco­no­mia, con­se­gui­rá al­can­çar mais de três quar­tos dos ob­jec­ti­vos do programa tra­ça­do.

O do­cu­men­to Vi­são Es­tra­té­gi­ca pa­ra o Pla­no de Re­cu­pe­ra­ção Eco­nó­mi­ca e So­ci­al de Por­tu­gal 2020-2030 foi apre­sen­ta­do es­ta se­ma­na ao Go­ver­no por An­tó­nio Cos­ta Sil­va. Ne­le cons­tam um con­jun­to de pro­pos­tas pa­ra ti­rar Por­tu­gal de uma cri­se que o Presidente da Re­pú­bli­ca, Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa, clas­si fi cou ho­je de “bru­tal” e que Cos­ta Sil­va acre­di­ta po­de­rá di­tar uma que­da do PIB de 12% es­te ano, mo­ti­va­da por um re­cuo de 11% no con­su­mo, 26% no in­ves­ti­men­to e uma ta­xa de de­sem­pre­go de 11,5%.

O presidente da pe­tro­lí­fe­ra Par­tex, que co­or­de­na os tra­ba­lhos pre­pa­ra­tó­ri­os pa­ra o re­lan­ça­men­to da eco­no­mia, de fi niu dez ei­xos de in­ter­ven­ção pa­ra os pró­xi­mos dez anos que ten­tam cor­ri­gir as de fi ci­ên­ci­as e li­mi­ta­ções já exis­ten­tes na eco­no­mia na­ci­o­nal às quais acres­cem as que ago­ra sur­gem pro­vo­ca­das pe­la cri­se pan­dé­mi­ca.

In­fra-es­tru­tu­ras e trans­por­tes

No do­cu­men­to a que o PÚ­BLI­CO te­ve aces­so, e que ain­da te­rá uma ver­são fi nal com me­di­das quan­ti fif ca­das, es­tá pre­vis­to um com­boio de alta ve­lo­ci­da­de en­tre Lis­boa e Por­to pa­ra pas­sa­gei­ros, co­me­çan­do por Por­to-Sou­re, a cons­tru­ção de um ae­ro­por­to na Área Me­tro­po­li­ta­na de Lis­boa e até o alar­ga­men­to da re­de do Me­tro­po­li­ta­no de Lis­boa “pa­ra zo­nas den­sa­men­te po­vo­a­das da ci­da­de e da sua pe­ri­fe­ria ime­di­a­ta”, co­mo no­ti­ci­ou o Eco. Es­tas pro­pos­tas cons­tam do programa de in­ves­ti­men­to do Pla­no de Re­cu­pe­ra­ção Eco­nó­mi­ca de apos­ta nas in­fra-es­tru­tu­ras fí­si­cas.

Os in­ves­ti­men­tos cum­prem de for­ma di­rec­ta o ob­jec­ti­vo de ter­mi­nar a cons­tru­ção de uma re­de es­tra­té­gi­ca de in­fra-es­tru­tu­ras de trans­por­tes e mo­bi­li­da­de. E con­tri­bu­em pa­ra o cum­pri­men­to de um con­jun­to de ou­tros qua­tro ob­jec­ti­vos do programa. Ao to­do, o in­ves­ti­men­to em in­fra-es­tru­tu­ras fí­si­cas vai ao en­con­tro de cin­co ob­jec­ti­vos.

Po­rém, exis­te um ei­xo no programa que vai ao en­con­tro de se­te das no­ve me­tas tra­ça­das, o que o tor­na mais re­le­van­te nu­ma al­tu­ra em que o programa ain­da não tem as me­di­das quan­ti fi ca­das.

Tran­si­ção ener­gé­ti­ca e elec­tri­fi­ca­ção da eco­no­mia

Em cau­sa es­tá o ei­xo da tran­si­ção ener­gé­ti­ca e da elec­tri fi ca­ção da eco­no­mia, que, de for­ma di­rec­ta, aju­da­rá a au­men­tar a efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca, atra­vés da in­cor­po­ra­ção ca­da vez mai­or de fon­tes de ener­gia re­no­vá­vel, mas que, de for­ma in­di­rec­ta, con­tri­buiu pa­ra o cum­pri­men­to de ou­tros seis ob­jec­ti­vos. En­tre as me­di­das nes­te ei­xo es­tão a di­na­mi­za­ção de re­des ener­gé­ti­cas in­te­li­gen­tes que per­mi­tam tam­bém aco­mo­dar ener­gi­as re­no­vá­veis e pre­ços de elec­tri­ci­da­de com­pe­ti­ti­vos.

De­pois da fa­se da emer­gên­cia, que ser­viu de pri­mei­ra res­pos­ta do Go­ver­no à cri­se pan­dé­mi­ca pro­vo­ca­da pe­lo no­vo co­ro­na­ví­rus, o exe­cu­ti­vo avan­çou pa­ra a fa­se da es­ta­bi­li­za­ção — aque­la em que Por­tu­gal se en­con­tra ac­tu­al­men­te. O programa de re­cu­pe­ra­ção pe­di­do a Cos­ta Sil­va ser­vi­rá de ba­se de tra­ba­lho ao Go­ver­no pa­ra a fa­se de re­cu­pe­ra­ção da eco­no­mia, a que o con­sul­tor do Go­ver­no cha­ma day af­ter e que de­ve­rá be­ne fi ci­ar dos fun­dos eu­ro­peus de cer­ca de 26 mil mi­lhões de eu­ros re­ser­va­dos a Por­tu­gal.

Mas Cos­ta Sil­va não con­ta ape­nas com es­ta for­ma de fi nan­ci­a­men­to. Su­ge­re a cri­a­ção de um Ban­co de Fo­men­to co­mo “al­ter­na­ti­va” ao en­di­vi­da­men­to das em­pre­sas e a cri­a­ção de um me­ca­nis­mos co­mo a “pos­si­bi­li­da­de de de­du­ção dos pre­juí­zos fis­cais ge­ra­dos em 2020 e 2021 aos lu­cros dos úl­ti­mos exer­cí­ci­os” e o uso de “me­ca­nis­mos de in­cen­ti­vo e cré­di­tos fis­cais pa­ra fo­men­tar a re­vi­ta­li­za­ção das em­pre­sas e o seu cres­ci­men­to”.

No do­cu­men­to, Cos­ta Sil­va con­si­de­ra que “o pós-pan­de­mia de­ve­rá ser acom­pa­nha­do por um re­po­si­ci­o­na­men­to das so­ci­e­da­des re­la­ti­va­men­te ao seu mo­do de or­ga­ni­za­ção, com­por­ta­men­tos e es­ti­los de vi­da e pe­la trans­for­ma­ção da eco­no­mia na­ci­o­nal, evo­luin­do pa­ra um mo­de­lo de cres­ci­men­to mais jus­to, prós­pe­ro e e fi ci­en­te, no uso re­ge­ne­ra­ti­vo dos re­cur­sos e den­tro dos li­mi­tes dos sis­te­mas na­tu­rais”.

Além da apos­ta nas in­fra-es­tru­tu­ras fí­si­cas, e da tran­si­ção ener­gé­ti­ca, Cos­ta Sil­va pro­põe ou­tras áre­as de in­ter­ven­ção, co­mo a me­lho­ria das in­fra-es­tru­tu­ras di­gi­tais, a apos­ta no sec­tor da saú­de, al­te­ra­ções no âm­bi­to do sec­tor so­ci­al, rein­dus­tri­a­li­za

O pós-pan­de­mia de­ve­rá ser acom­pa­nha­do por um re­po­si­ci­o­na­men­to das so­ci­e­da­des fa­ce ao seu mo­do de or­ga­ni­za­ção, com­por­ta­men­tos e es­ti­los de vi­da An­tó­nio Cos­ta Sil­va

Con­sul­tor

ção, re­con­ver­são in­dus­tri­al (am­bas ami­gas do am­bi­en­te), ajus­ta­men­tos ao ní­vel da co­e­são, ter­ri­tó­rio, agri­cul­tu­ra e fl ores­ta (pa­ra va­lo­ri­zar ci­da­des mais pe­que­nas), um no­vo mo­de­lo pa­ra as ci­da­des e a mo­bi­li­da­de (on­de a elec­tri­ci­da­de e as bi­ci­cle­tas ga­nham pe­so), dei­xan­do tam­bém idei­as pa­ra a cul­tu­ra, co­mér­cio, ser­vi­ço e tu­ris­mo, re­fe­rin­do a apos­ta no tu­ris­mo de na­tu­re­za.

Pe­na­li­zar as prá­ti­cas mais po­lu­en­tes

“Es­te programa não tem na­da a ver com a Par­tex”, res­pon­deu Cos­ta Sil­va ao PÚ­BLI­CO na en­tre­vis­ta que deu a 2 de Ju­nho. Ago­ra, co­nhe­ci­do o seu pla­no pa­ra a re­cu­pe­ra­ção da eco­no­mia, o con­sul­tor do Go­ver­no que pre­si­de à pe­tro­lí­fe­ra que a Gul­ben­ki­an ven­deu a uma em­pre­sa tai­lan­de­sa su­ge­re o fi m de apoi­os ao con­su­mo de re­cur­sos fós­seis, dos quais o pe­tró­leo faz par­te.

Na mes­ma en­tre­vis­ta, o con­sul­tor ga­ran­tia ain­da que pa­ra re­cu­pe­rar a eco­no­mia por­tu­gue­sa não iria pro­por uma apos­ta no pe­tró­leo ou no gás. No do­cu­men­to a que o PÚ­BLI­CO te­ve aces­so, o con­sul­tor defende um ca­mi­nho de tran­si­ção ener­gé­ti­ca a fa­vor das ener­gi­as re­no­vá­veis em de­tri­men­to das ac­ti­vi­da­des mais po­lu­en­tes e do es­go­ta­men­to de re­cur­sos.

A des­car­bo­ni­za­ção é a pa­la­vra-cha­ve e é nes­te con­tex­to que Cos­ta Sil­va dei­xa em ci­ma da me­sa do exe­cu­ti­vo uma pro­pos­ta pa­ra re­du­zir os apoi­os ao con­su­mo de com­bus­tí­veis fós­seis. Cos­ta Sil­va re­fe­re-se a “aca­bar com as isen­ções” que se apli­cam ao con­su­mo de pe­tró­leo, pe­na­li­zan­do as­sim, de for­ma pro­gres­si­va, as prá­ti­cas mais po­lu­en­tes.

A con­tra­ta­ção de An­tó­nio Cos­ta Sil­va pa­ra de­se­nhar o programa de re­cu­pe­ra­ção pa­ra o Go­ver­no foi po­lé­mi­ca des­de o iní­cio. Apre­sen­ta­do co­mo “pa­ra-mi­nis­tro”, aca­bou co­mo co­or­de­na­dor dos tra­ba­lhos de pre­pa­ra­ção da re­cu­pe­ra­ção da eco­no­mia. Tra­ba­lhan­do pro bo­no, re­cu­sou sem­pre que o fac­to de ser da Par­tex o pu­des­se con­di­ci­o­nar nos ser­vi­ços de con­sul­to­ria que es­tá a pres­tar ao exe­cu­ti­vo. “Ca­da ci­da­dão po­de con­tri­buir (...). Não sou me­nos ci­da­dão do que as ou­tras pes­so­as”, dis­se na mes­ma en­tre­vis­ta ao PÚ­BLI­CO.

An­tó­nio Cos­ta Sil­va apre­sen­tou o seu pla­no pre­li­mi­nar ao Go­ver­no no úl­ti­mo Con­se­lho de Mi­nis­tros

DA­NI­EL RO­CHA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.