Fim: s.m. Aqui­lo que só acon­te­ce aos co­ra­jo­sos – os ou­tros sim­ples­men­te nem co­me­çam.

Flash! - - Flash! Moment - Por Pe­dro Cha­gas Freitas

“Quem amar re­ce­be­rá sub­sí­dio.” De­cre­to-lei 12/016

No par­la­men­to, nin­guém que­ria acre­di­tar; mas con­fir­ma­va-se: o Go­ver­no, em­pos­sa­do há me­nos de uma se­ma­na, aca­ba­va de anun­ci­ar, com pom­pa, cir­cuns­tân­cia e ne­nhu­ma som­bra de ver­go­nha, aque­le que era o seu pla­no de ac­ção, no qu­al uma di­rec­ti­va era ab­so­lu­ta­men­te in­con­tor­ná­vel – “ur­gen­te” foi a pa­la­vra usa­da pe­lo pri­mei­ro-mi­nis­tro qu­an­do o expôs: com­ba­ter as ele­va­das ta­xas de de­sa­mor que, se­gun­do es­tu­dos e es­ta­tís­ti­cas re­cen­tes, es­ta­vam a to­mar con­ta do país.

“Não se se vi­ve sem pão nem sem amor.”

A fra­se, pro­fe­ri­da com a en­to­a­ção que os po­lí­ti­cos sem­pre dão (ou ten­tam dar) às su­as pa­la­vras, eco­ou for­te em to­dos os gru­pos par­la­men­ta­res, um bur­bu­ri­nho to­mou con­ta das pes­so­as, pou­cas, que as­sis­ti­am ao de­cor­rer dos tra­ba­lhos. Es­ta­va ofi­ci­al­men­te aber­to o de­ba­te.

“É uma ver­go­nha o que es­te Go­ver­no es­tá a ten­tar fa­zer.”

O lí­der da opo­si­ção, vi­si­vel­men­te de­sa­pai­xo­na­do pe­la vi­da des­de a der­ro­ta nas elei­ções, pa­re­cia que­rer de­fen­der apai­xo­na­da­men­te a sua po­si­ção, que con­sis­tia em al­go mui­to sim­ples: não se ama por de­cre­to.

“O amor a quem o pra­ti­ca.” Um dos de­pu­ta­dos ten­ta­va, den­tro do pos­sí­vel, ter uma pa­la­vra a di­zer no de­ba­te – mas a mis­são tor­na­va-se com­pli­ca­da: não sa­bia, nin­guém sa­bia, na ver­da­de, que aque­le te­ma po­de­ria vir à bai­la. On­de é que já se viu a As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca tra­tar de as­sun­tos me­no­res co­mo o amor qu­an­do po­de­ria per­fei­ta­men­te es­tar a de­ba­ter o au­men­to do sa­lá­rio mí­ni­mo ou a im­por­tân­cia de re­vo­gar ime­di­a­ta­men­te o no­vo acor­do or­to­grá­fi­co? Uma ver­go­nha, é o que é. “Va­mos ex­por­tar amor, é?”

A per­gun­ta, co­lo­ca­da com o tom sar­cás­ti­co de quem pen­sa ser bri­lhan­te e é ape­nas es­tú­pi­do, é de ou­tro dos de­pu­ta­dos da opo­si­ção, e re­ce­be, des­de lo­go, uma re­ac­ção unâ­ni­me: os mem­bros da sua pró­pria ban­ca­da aplau­dem, os mem­bros da ban­ca­da do Go­ver­no tam­bém aplau­dem e ain­da sor­ri­em, o que pro­vo­ca a in­cre­du­li­da­de de to­dos os ou­tros: se qu­an­do são ata­ca­dos se man­têm do­ces, o que rai­os os ti­ra­rá do sé­rio? “A po­lí­ti­ca ou é amor ou é frau­de.”

É no­va­men­te o pri­mei­ro-mi­nis­tro quem con­tra­põe, ao mes­mo tem­po em que abra­ça, sem mo­ti­vo apa­ren­te, os seus mi­nis­tros, um a um, e pro­me­te fa­zer o mes­mo a ca­da um dos de­pu­ta­dos que es­tão na Câ­ma­ra.

“O amor é uma coi­sa fan­tás­ti­ca. To­da a gen­te de­ve­ria ter um.”

É as­sim que o pró­prio pre­si­den­te da As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca, que cla­ra­men­te tem Fa­ce­bo­ok e vê aque­las citações avul­so que por lá pu­lu­lam, dá por en­cer­ra­da a ses­são, no meio de abra­ços e ca­ri­nhos que to­dos, sem ex­cep­ção (“se não po­des odiá-los, ama-os”, te­rá si­do a fra­se-cha­ve de uma cir­cu­lar in­ter­na que os gran­des par­ti­dos da opo­si­ção re­ce­be­ram das su­as che­fi­as), vão tro­can­do por to­do o la­do.

Fim: s.m. O mes­mo que rein­ven­ção; an­tes co­me­çar de no­vo do que pa­rar.

No­ta: Por op­ção do au­tor, es­te tex­to es­tá es­cri­to sem o no­vo acor­do or­to­grá­fi­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.