For­ça: s.f. Ap­ti­dão ra­ra, que con­sis­te em, pa­ra man­ter a co­lu­na di­rei­ta, re­cu­sar ser co­lu­ná­vel.

Flash! - - Flash! 2016 - Por Pe­dro Cha­gas Freitas

“Sou egoís­ta: pen­so pe­la mi­nha cabeça.”

E pen­sa­va. Foi alu­no ex­tra­or­di­ná­rio e pro­fis­si­o­nal ex­tra­or­di­ná­rio des­de sem­pre. Ja­mais se en­tre­gou aos po­de­res – ele cha­ma­va-lhes “po­dres” e ale­ga­va so­frer de dis­le­xia so­ci­al – que o que­ri­am amar­rar. Ho­je con­ti­nua exac­ta­men­te as­sim, sem ver­gar no que quer que se­ja. Con­ti­nua a não ce­der, con­ti­nua a pen­sar ab­so­lu­ta­men­te o que pen­sa e a não se ven­der a quem o ten­ta com­prar. Gos­ta de au­toin­ti­tu­lar-se um “sem me­do”, por mais que to­dos os ou­tros que to­dos os di­as se cru­zam com ele jun­to ao vi­a­du­to di­gam que ele é, is­so sim, um “sem abri­go”.

“Sou in­te­lec­tu­al ge­ni­al: uso ócu­los gros­sos.”

E usa­va. Da­que­les de mas­sa, bem in­te­li­gen­tes. E ca­mi­so­las den­sas, pro­fun­das, al­ta­men­te eru­di­tas. Por ve­zes é ne­ces­sá­rio que se­ja o que usa­mos a tra­zer in­te­lec­to a um con­jun­to. Pa­ra es­te pen­sa­dor, as­sim era. Pas­sa­va os di­as a pon­de­rar, a con­ge­mi­nar so­bre o mun­do, so­bre a vi­da, so­bre tu­do o que com­põe a exis­tên­cia hu­ma­na. Era prin­ci­pes­ca­men­te pa­go pa­ra is­so, atra­vés de um sub­sí­dio que o tio, se­cre­tá­rio de es­ta­do de um mi­nis­té­rio qual­quer, ha­via cri­a­do pa­ra o efei­to. No fim de ca­da dia, o su­mo do seu tra­ba­lho era, sem ti­rar nem pôr, en­tre­gue, via e-mail, à en­ti­da­de pú­bli­ca que o sus­ten­ta­va – e era, sem ti­rar nem pôr, sem­pre o mes­mo: três ou qua­tro sel­fi­es com no­vos ân­gu­los dos seus ócu­los, que pa­re­ci­am, a ca­da fo­to­gra­fia, mais ta­len­to­sos.

“Sou crí­ti­co pro­fis­si­o­nal: nun­ca cri­ei na­da.”

E nun­ca. Qu­ei­xa­va-se da fal­ta de tem­po, do pró­prio tem­po, do país, da ne­bli­na ma­ti­nal, do ba­ru­lho do mar, do chei­ro da co­mi­da, dos er­ros or­to­grá­fi­cos, da for­ma de for­ma de fa­lar dos ado­les­cen­tes, dos no­vos can­to­res, das cu­e­cas que aper­ta­vam, das cal­ças que es­ta­vam lar­gas, das tec­no­lo­gi­as mo­der­nas, do pen­te­a­do dos jo­ga­do­res de fu­te­bol, da me­di­o­cri­da­de dos po­lí­ti­cos, da fast-fo­od e de to­da a fo­od, na ver­da­de. Ja­mais foi vis­to a pro­du­zir um pen­sa­men­to pró­prio, ja­mais foi ou­vi­do a di­zer uma fra­se sur­pre­en­den­te. Nun­ca er­rou na vi­da. Ga­ba­va-se de ter uma cabeça bri­lhan­te. E ti­nha, so­bre­tu­do ao sol.

“Sou ge­ni­al. Mas os bur­ros des­co­nhe­cem.”

E des­co­nhe­ci­am. Tal­vez fos­se por is­so que eram bur­ros. Ca­lhaus au­tên­ti­cos. Pa­ra ele, o ilu­mi­na­do, era sim­ples ava­li­ar o QI do pla­ne­ta: quem não lhe re­co­nhe­ces­se o es­plen­dor inau­di­to era bur­ro. Es­cre­veu ro­man­ces que nin­guém leu, pe­ças de te­a­tro que nin­guém viu. As­nos, pen­sa­va, qu­an­do per­ce­bia que nin­guém o lia. E con­ti­nu­a­va, com so­fre­gui­dão, a ver­se re­flec­ti­do no es­pe­lho.

“Ago­ra sou ri­co. Pos­so rou­bar des­can­sa­do.”

E po­de.

For­ça: s.f. A pros­pe­ri­da­de dos apai­xo­na­dos.

No­ta: Por op­ção do au­tor, es­te tex­to es­tá es­cri­to sem o no­vo acor­do or­to­grá­fi­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.