“NA PI­OR DAS HI­PÓ­TE­SES EU PO­DIA MOR­RER”

A atriz con­ta co­mo atra­ves­sou o mai­or pe­sa­de­lo da sua vi­da e co­mo li­dou com as re­a­ções me­nos po­si­ti­vas da ex­po­si­ção que de­ci­diu fa­zer

Flash! - - Flash! Estrelas - TEX­TO: JO­A­NA GRAMAÇA FOTOS: LI­LI­A­NA PE­REI­RA

SO­FIA RI­BEI­RO

So­fia Ri­bei­ro es­tá pron­ta pa­ra vi­ver uma no­va vi­da, uma no­va fa­se após ter ven­ci­do a lu­ta con­tra um can­cro da ma­ma. A atriz de 32 anos apre­cia a vi­da de uma ma­nei­ra mui­to di­fe­ren­te. “Deu-me von­ta­de de vi­ver, mui­ta von­ta­de de fa­zer coi­sas, de ser fe­liz, con­cre­ti­zar so­nhos”, con­tou no even­to pa­ra uma cau­sa so­li­dá­ria da UNICEF, no pas­sa­do dia 23. Ao lon­go des­te úl­ti­mo ano par­ti­lhou com os seus fãs e se­gui­do­res, to­do o pro­ces­so a que es­te­ve su­jei­ta. Nu­ma fa­se ini­ci­al, na sequên­cia de lhe ter si­do di­ag­nos­ti­ca­do o can­cro, fez um ví­deo a ra­par o ca­be­lo; que foi um dos mais vis­tos es­te ano no You­tu­be. Che­gou a ser al­vo de crí­ti­cas: “Su­ge­ri­ram que eu po­de­ria es­tar a apro­vei­tar-me de es­tar com can­cro”. E acres­cen­ta ain­da: “A mi­nha par­ti­lha foi ge­nuí­na, foi de co­ra­ção”. Des­ta for­ma co­nhe­ceu pes­so­as e his­tó­ri­as que a mar­ca­ram em par­ti­cu­lar: “Re­cor­do pe­lo me­nos cin­co his­tó­ri­as in­crí­veis de pes­so­as pa­ra lá de su­per-ho­mens e su­per-mu­lhe­res”. Por to­do es­te con­for­to que sen­tiu, não se dei­xou aba­lar pe­los mais cruéis, e ad­mi­te que “a da­da al­tu­ra não po­dia pa­rar de di­zer coi­sas”. “Se­ria um gran­de egoís­mo da mi­nha par­te”.

O pro­ces­so pe­lo que a atriz pas­sou nes­te úl­ti­mo ano al­te­ra a for­ma co­mo quer ini­ci­ar 2017 e por is­so, dei­xa de par­te de­se­jos co­mo di­nhei­ro, su­ces­so e tra­ba­lho. “In­ver­teu-se tu­do, in­ver­teu-se a or­dem, sem dú­vi­da ‘saú­de, saú­de, saú­de’ e de­pois tu­do o res­to. Não nos adi­an­ta ter mais na­da se não ti­ver­mos saú­de”, con­ta So­fia. O seu re­gres­so na ga­la de na­tal da TVI dei­xou o pú­bli­co ren­di­do na atu­a­ção do te­ma ‘O Amor é As­sim’, ao la­do de Hé­ber, o vo­ca­lis­ta da ban­da HMB. Es­se foi um te­ma que a acom­pa­nhou du­ran­te o pe­río­do em que es­te­ve do­en­te. “Es­ta­va em ci­ma do pal­co a can­tar pa­ra os meus, pa­ra a mi­nha fa­mí­lia TVI e aci­ma de tu­do pa­ra os meus que eu amo”, re­lem­bra So­fia sa­tis­fei­ta. As crí­ti­cas fo­ram po­si­ti­vas, o que dei­xa a atriz com cu­ri­o­si­da­de em ar­ris­car mais ve­zes nas atu­a­ções mu­si­cais. “Co­me­ça aqui a des­per­tar um bi­chi­nho en­gra­ça­do”, con­fes­sa en­tre ri­sos.

So­fia es­tá mais con­fi­an­te e com uma enor­me von­ta­de de re­gres­sar ao tra­ba­lho: “Vou ten­tar con­cre­ti­zar um sem fim de so­nhos que an­da­va a adi­ar.” Sem des­ven­dar pormenores do seu futuro pro­fis­si­o­nal, con­ta que en­quan­to atriz pre­fe­re ves­tir a pe­le de per­so­na­gens di­fe­ren­tes e que é is­so que a pro­cu­ra nes­ta pro­fis­são.

A atriz apro­vei­ta ago­ra pa­ra o tem­po de ou­tra for­ma en­quan­to não re­gres­sa ao tra­ba­lho: “Te­nho cui­da­do de mim, te­nho di­to to­das as ve­zes e mais al­gu­mas aos meus que os amo”. Nes­ta pri­mei­ra fa­se o rit­mo não po­de­rá ser aque­le a que es­ta­va ha­bi­tu­a­da, e So­fia des­ven­da que di­fi­cil­men­te acei­ta­ria par­ti­ci­par num pro­gra­ma co­mo ‘A Tua Ca­ra Não Me é Es­tra­nha’. “Is­so exi­ge mui­ta de­di­ca­ção e eu não me pos­so ener­var, é uma das coi­sas que eu não pos­so é ener­var-me”, ad­mi­te So­fia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.