“HÁ MES­MO MISÉRIA EM POR­TU­GAL”

Flash! - - Flash! Entrevista - TEX­TO: ISA­BEL LARANJO FOTOS: CAR­LOS RA­MOS MAQUILHAGEM: SU­SA­NA COR­REIA

MA­RIA FILOMENA MÓNICA A so­ció­lo­ga re­ce­beu a FLASH! e ana­li­sou a atu­al si­tu­a­ção eco­nó­mi­ca e so­ci­al do país, a pro­pó­si­to do seu no­vo li­vro, ‘Os Po­bres’. Fa­lou ain­da dos seus di­as em ca­sa, do can­cro, que já não a as­sus­ta, e do ca­ri­nho do ma­ri­do, An­tó­nio Bar­re­to

Are­bel­dia to­mou con­ta da miú­da, aos 16 anos, qu­an­do as frei­ras a le­va­ram a um bair­ro de la­ta. Des­de en­tão, nun­ca mais se esqueceu da miséria que viu, a pou­cos me­tros do seu pe­que­no mun­do bur­guês. Es­ca­pou a uma vi­da tra­di­ci­o­nal, ape­sar de se ter ca­sa­do e si­do mãe ce­do. Ain­da as­sim, vo­ou pa­ra Lon­dres, on­de se dou­to­rou. Em Por­tu­gal, é das mais re­co­nhe­ci­das in­te­lec­tu­ais, que fa­la e es­cre­ve “sem pe­nei­ras”, pa­ra que que to­dos a com­pre­en­dam. O seu no­vo li­vro, ‘Os Po­bres’, é fru­to de uma vi­da in­tei­ra a pen­sar na­que­les pri­mei­ros ins­tan­tes de cho­que com a miséria. Adri­a­na, a po­bre que lhe foi atri­buí­da pa­ra exer­cer a ca­ri­da­de, mo­ra­va nu­ma bar­ra­ca e o filho an­da­va des­cal­ço na rua. A so­ció­lo­ga de­ci­diu re­fle­tir so­bre a po­bre­za, por­que, ex­pli­ca, ape­sar de te­rem ha-

vi­do gran­des evo­lu­ções des­de o 25 de Abril, ho­je ain­da há “pes­so­as que, mes­mo tra­ba­lhan­do, não têm co­mo dar de co­mer aos fi­lhos”.

Sem pu­do­res, fa­la tam­bém do can­cro e das su­as no­vas ro­ti­nas. Sai ra­ra­men­te de ca­sa e de­di­ca as ter­ças-fei­ras aos as­sun­tos bu­ro­crá­ti­cos ou even­tu­ais idas ao mé­di­co e tra­ta­men­tos. Ape­nas acei­ta re­ce­ber as vi­si­tas dos fi­lhos e dos ne­tos e apon­ta o ma­ri­do, An­tó­nio Bar­re­to, co­mo um dos prin­ci­pais res­pon­sá­veis por ain­da es­tar vi­va. Po­rém, após o cho­que ini­ci­al, ho­je en­ca­ra o can­cro que tem no san­gue co­mo “uma do­en­ça cró­ni­ca”.

Por­que é que de­ci­diu es­cre­ver so­bre a po­bre­za, nes­te mo­men­to?

Des­co­bri os po­bres mui­to tar­di­a­men­te, aos 16 anos. Ha­via um qua­dri­lá­te­ro mui­to pe­que­no, de clas­se mé­dia, na zo­na do Ra­to. Não ti­nha con­tac­to com mais nin­guém. As frei­ras do co­lé­gio acha­ram por bem le­var dez ra­pa­ri­gas a ver um bair­ro de la­ta, pa­ra exer­ce­rem a ca­ri­da­de. Apren­di a re­bel­dia por­que fi­quei es­can­da­li­za­da com uma mãe que ti­nha o ma­ri­do na pri­são, o filho não ti­nha sa­pa­tos pa­ra ir à es­co­la, e vi­via nu­ma ca­sa to­tal­men­te de­gra­da­da. Por is­so, o te­ma da po­bre­za fi­cou sem­pre la­ten­te. Sem­pre ti­ve a sen­sa­ção de que vi­vo num país pou­co ci­vi­li­za­do. Gos­ta­va que o meu país ti­ves­se me­nos de­si­gual­da­des so­ci­ais.

Con­ta, no li­vro, que deu a sua pri­mei­ra es­mo­la em 2014. Porquê?

Vi­ver a cri­se e ver pes­so­as a pe­dir es­mo­la na rua fez-me pen­sar. Dei a pri­mei­ra es­mo­la em 2014 por­que pen­sa­va que, co­mo ha­via Es­ta­do So­ci­al, já não fa­zia sen­ti­do ha­ver po­bres a pe­dir à por­ta da igre­ja. Es­ta­mos a vi­ver uma fa­se, nos úl­ti­mos dez anos, em que há mes­mo miséria em Por­tu­gal. Pes­so­as que não têm o que dar de co­mer aos fi­lhos,.

Co­mo é que ex­pli­ca que exis­tam po­bres a cri­ti­ca­rem ou­tros po­bres?

Há en­tre os po­bres afir­ma­ções que me cho­cam, mas que eles sen­tem as­sim. Do gé­ne­ro; ‘Aque­le vai bus­car o RSI mas de­pois tem um car­ro à por­ta, ou be­be e le­va uma vi­da bes­ti­al, e eu que tra­ba­lho tan­to, não te­nho as re­ga­li­as que eles têm”. Os po­bres não são só os de­sem­pre­ga­dos. Há pes­so­as que têm em­pre­go mas ga­nham 400 e tal eu­ros e is­so não dá pa­ra sus­ten­tar uma fa­mí­lia. Por­tan­to, há tra­ba­lha­do­res po­bres.

Os po­bres que se re­vol­tam en­tre si lu­tam por mi­ga­lhas?

Quem es­tá de­ses­pe­ra­do po­de re­cor­rer a mé­to­dos mui­to pou­co lí­ci­tos. Qu­an­do uma pes­soa es­tá sem co­mer há dois di­as é uma

“Não exis­te um de­ter­mi­nis­mo mas, de FAC­TO, A AS­CEN­SÃO SO­CI­AL AIN­DA co­li­de com o cli­en­te­lis­mo, a cu­nha”

ques­tão de so­bre­vi­vên­cia.

Ain­da há ver­go­nha de se ter am­bi­ção, em Por­tu­gal?

No meu tem­po, qu­an­do eu era cri­an­ça, o filho do sa­pa­tei­ro ia pa­ra sa­pa­tei­ro, o filho do pes­ca­dor ia pa­ra pes­ca­dor. Qu­an­do che­guei a In­gla­ter­ra, o pri­mei­ro se­mi­ná­rio de so­ci­o­lo­gia a que fui era so­bre o ‘Achi­e­ve­ment Syn­dro­me’. Não sa­bia o que era. O pro­fes­sor ex­pli­cou-me que é o sín­dro­me de uma pes­soa que quer su­bir na vi­da. Ex­pli­quei-lhe que em Por­tu­gal era di­fe­ren­te. Uma coi­sa que me ir­ri­ta nes­te ti­po de so­ci­e­da­des é que os po­bres re­sig­nam-se. O pi­or é a re­sig­na­ção.

Sim, mas ape­sar de já ha­ver as­cen­são so­ci­al, mui­tas ve­zes os que têm ori­gens hu­mil­des não che­gam ao to­po, de­vi­do ao sis­te­ma de “cu­nhas”.

Is­to é uma so­ci­e­da­de cli­en­te­lar. Já na pri­mei­ra vez que fui aos po­bres, a Adri­a­na dis­se-me: “Is­to só com pe­di­dos”. As pes­so­as, ain­da ho­je o di­zem, e com ra­zão. Se to­da a po­pu­la­ção re­cu­sas­se a “cu­nha”, is­to aca­ba­va. Mas co­mo is­to é cli­en­te­lar, os que po­dem mais aju­dam os que po­dem me­nos. E de­pois co­bram, is­to não é de graça. Tal co­mo é Es­pa­nha e Itá­lia. Não exis­te um de­ter­mi­nis­mo mas, de fac­to, a as­cen­são so­ci­al ain­da co­li­de com o cli­en­te­lis­mo, a cu­nha.acho que é me­lhor os miú­dos es­ta­rem na es­co­la até ao 12.º ano do que es­ta­rem a guar­dar ca­bras nas mon­ta­nhas. Mas que es­ses miú­dos es­tão des­fa­vo­re­ci­dos por­que não têm aces­so a cu­nhas po­de­ro­sas, é ver­da­de.

Por­que é que ser de­sem­pre­ga­do é mal vis­to?

É um es­tig­ma mui­to ne­ga­ti­vo não ser ca­paz de ga­nhar a vi­da. Por­que o tra­ba­lho dá iden­ti­da­de à pes­soa. É es­sa uma das ra­zões por­que es­cre­vo, mes­mo es­tan­do do­en­te. As­sim ti­ro a cabeça de ou­tras coi­sas. Se a pes­soa cai nu­ma to­tal apa­tia, pa­re­ce que não tem va­lor. É mui­to tris­te.

Sa­bia que em Lis­boa se fa­zem vi­si­tas gui­a­das à Cova da Mou­ra? Os po­bres ain­da são vis­tos co­mo “exó­ti­cos”?

Co­mo quem vai ao Jar­dim Zo­o­ló­gi­co? Is­so não tem pés nem cabeça! É a ne­ces­si­da­de de ar­ran­jar sí­ti­os on­de vão pou­cas pes­so­as pa­ra, qu­an­do re­gres­sam a ca­sa, po­de­rem em­be­le­zar e ro­man­ti­zar a vi­a­gem. Di­ze­rem: “Ima­gi­nem que vi uma da­ta de ca­bo-ver­di­a­nos, po­brís­si­mos… não fui aos Je­ró­ni­mos mas fui à Cova da Mou­ra”.

O que é que de­se­ja pa­ra Por­tu­gal?

Que­ria que a de­si­gual­da­de so­ci­al di­mi­nuís­se. Ca­da ci­da­dão de­ve lu­tar, pa­gar os im­pos­tos, não me­ter cu­nhas. É di­zer não. Aliás, foi a pri­mei­ra pa­la­vra que eu dis­se, em be­bé. Nós po­de­mos di­zer “não”. Gos­ta­va que Por­tu­gal se tor­nas­se nu­ma so­ci­e­da­de mais igua­li­tá­ria, mais cul­ta, mais li­vre e mais in­de­pen­den­te. As pes­so­as têm me­do: me­do do pa­trão, me­do de re­cla­ma­rem… Ain­da as­sim, de 1960 pa­ra cá hou­ve um pro­gres­so no bem-es­tar da po­pu­la­ção.

Sei que ra­ra­men­te sai de ca­sa.

Saio mui­to pou­co de ca­sa por­que não pos­so es­tar em es­pa­ços com mui­ta gen­te, por cau­sa das bac­té­ri­as e do meu sis­te­ma imu­ni­tá­rio ine­xis­ten­te, de­vi­do ao can­cro. Qu­an­do da­va au­las, re­ser­va­va sem­pre a ter­ça-fei­ra pa­ra pen­sar; ago­ra é ao con­trá­rio. Às ter­ças tra­to de ma­ça­das, co­mo ir ao hos­pi­tal, e os ou­tros di­as é pa­ra pen­sar. Is­so sal­va-me de es­tar de­pri­mi­da.

Co­mo é que en­ca­rou o can­cro?

É es­tra­nho. Ao prín­ci­pio jul­guei que era uma es­pé­cie de uma gri­pe. De­pois sou­be que o meu can­cro não tem cu­ra, é no san­gue e é ra­ro. Se fi­quei de­pri­mi­da? Fi­quei. Pre­fe­ria es­tar bem. Por ou­tro la­do, to­dos sa­be­mos que so­mos mor­tais e te­mos que in­te­ri­o­ri­zar is­so. Não é tan­to a mor­te que me as­sus­ta. Eu não qu­e­ro é ter do­res.

Sei que só re­ce­be os seus fi­lhos e os seus ne­tos.

Pre­ci­so de si­lên­cio. Is­to é mui­to du­ro pa­ra al­guns dos meus ami­gos, in­clu­si­ve es­tran­gei­ros que que­ri­am vir cá pas­sar al­gum tem­po co­mi­go. Mas não me ape­te­ce. Sou mui­to ego­cên­tri­ca, mas não sou egoís­ta e o mé­di­co dis­se-me pa­ra pen­sar em mim e no que me dá pra­zer.

Qu­al tem si­do o pa­pel do seu ma­ri­do, nes­te pro­ces­so?

Sem o meu ma­ri­do já ti­nha mor­ri­do. Não é só por ele ter ido sem­pre à qui­mi­o­te­ra­pia, o que é du­ro. Sou mui­to dis­traí­da e tra­pa­lho­na e is­so agra­vou-se ul­ti­ma­men­te. E ele fez, no Ex­cel, um ma­pa com os re­mé­di­os. Qu­an­do to­mo, ele vai lá e ris­ca. Pa­ra além do ca­ri­nho que me dá... Ele não gos­ta que eu o elo­gie, mas is­so foi mui­to im­por­tan­te pa­ra eu não ter mor­ri­do.

A so­ció­lo­ga fo­to­gra­fa­da em ca­sa, on­de só re­ce­be os ne­tos e os fi­lhos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.