Fa­la­mos glo­bal

Flash! - - Flash! 2017 - TEX­TO: HÉL­DER RAMALHO FO­TO: LI­LI­A­NA PE­REI­RA

JOÃO FER­REI­RA E RE­GI­NAL­DO RO­DRI­GUES DE AL­MEI­DA SÃO OS HO­MENS DAS NO­VAS TEC­NO­LO­GI­AS QUE, A PAR­TIR DE JA­NEI­RO, VÃO ES­TAR NA PLA­TA­FOR­MA DI­GI­TAL FLASH.PT A FA­LAR-NOS DO FUTURO... QUE JÁ CO­ME­ÇOU

Olo­cal não po­de­ria ser mais in­di­ca­do. A con­ver­sa com João Fer­rei­ra e Re­gi­nal­do Ro­dri­gues de Al­mei­da acon­te­ceu fren­te ao MAAT, Mu­seu de Ar­te, Ar­qui­te­tu­ra e Tec­no­lo­gia, em Lis­boa, à beira Te­jo. Eles são o ros­to e a men­te do ‘Fa­lar Glo­bal’, pro­gra­ma so­bre no­vas tec­no­lo­gi­as da CMTV, que ago­ra che­ga à pla­ta­for­ma di­gi­tal com o ar­ran­que, em ja­nei­ro, do www.flash.pt. Mais do que tec­no­lo­gia, o ‘Fa­lar Glo­bal’ ana­li­sa o im­pac­to das trans­for­ma­ções ci­en­tí­fi­cas e tec­no­ló­gi­cas na so­ci­e­da­de, enal­te­cen­do, sem­pre que pos­sí­vel, a ma­triz do I&D por­tu­guês. “O ‘Fa­lar Glo­bal’ é uma mul­ti­pli­ci­da­de de lin­gua­gens, no di­gi­tal, na te­le­vi­são e, até ago­ra, no pa­pel [com a FLASH! e a Do­min­go, on­de irá man­ter-se]. Pa­ra o ‘Fa­lar Glo­bal’ o di­gi­tal é fun­da­men­tal. Es­ta mu­dan­ça pa­ra o di­gi­tal vai tra­zer uma ins­tan­ta­nei­da­de à in­for­ma­ção, de po­der tra­tá­la com mui­to mai­or efi­cá­cia e mai­or pro­xi­mi­da­de. Es­ta ins­tan­ta­nei­da­de da in­for­ma­ção fa­rá com que ain­da se­ja mais FLASH!. O di­gi­tal e as au­to-es­tra­das da in­for­ma­ção vão dar es­sa ca­pa­ci­da­de. O di­gi­tal é in­ter­ge­ra­ci­o­nal e se até ago­ra era dos na­ti­vos di­gi­tais, dos mais no­vos, per­ce­be­mos ago­ra que se ve­ri­fi­ca o mai­or cres­ci­men­to de uti­li­za­ção do di­gi­tal, em ter­mos de fai­xa etá­ria, a par­tir dos 55 anos, o que sig­ni­fi­ca que com a tran­si­ção pa­ra o di­gi­tal es­ta nos­sa re­vis­ta pas­sa a ser ain­da mui­to mais com­pe­ti­ti­va do que era até ago­ra”, de­fen­de Re­gi­nal­do Ro­dri­gues de Al­mei­da.

Pa­ra o jor­na­lis­ta e pi­vot do ‘CM Jor­nal’, João Fer­rei­ra, o di­gi­tal é uma fer­ra­men­ta de tra­ba­lho fun­da­men­tal. “O mun­do é ca­da vez mais di­gi­tal. E no di­gi­tal a cri­a­ti­vi­da­de é o li­mi­te. Dou um exem­plo: de 1999 pa­ra 2000 es­ti­ve em Timor co­mo en­vi­a­do es­pe­ci­al a fa­zer re­por­ta­gens. Qu­an­do que­ria fa­zer um di­re­to ti­nha que ter um car­ro com vá­ri­as to­ne­la­das e ma­te­ri­al que no mí­ni­mo pe­sa­va uma to­ne­la­da, ho­je fa­ço exa­ta­men­te a mes­ma coi­sa com um com­pu­ta­dor por­tá­til e um te­le­fo­ne. Is­to é o que o di­gi­tal nos per­mi­te. Não há li­mi­tes e, na in­for­ma­ção, es­tes dois exem­plos ilus­tram bem o re­for­ço de mo­vi­men­tos mui­to mais cé­le­res de che­gar às pes­so­as”.

E se a evo­lu­ção tec­no­ló­gi­ca nos úl­ti­mos dez anos foi ver­ti­gi­no­sa, não con­se­gui­mos se­quer an­te­ver o que aí vem nos pró­xi­mos três. “A re­vo­lu­ção do hi­dro­gé­nio, que se apro­xi­ma ca­da vez mais do ci­da­dão co­mum, fa­rá com que a in­ter­net tal qu­al a co­nhe­ce­mos es­te­ja com­ple­ta­men­te pul­ve­ri­za­da da­qui a anos, ou se­ja, a cha­ma­da hy­dro­net fa­rá com que a ins­tan­ta­nei­da­de da in­for­ma­ção se­ja ain­da mui­to mai­or, mais rá­pi­da, de fá­cil aces­so, sem que­bras de re­de. As dez pro­fis­sões mais bem pa­gas do mun­do em 2020 ain­da nem se­quer fo­ram in­ven­ta­das. Sa­be­mos que elas vão apa­re­cer no mun­do di­gi­tal mas não sa­be­mos quais são”, re­fe­re o pro­fes­sor Re­gi­nal­do Ro­dri­gues de Al­mei­da.

De­sa­fi­os que se co­lo­cam no futuro que co­me­ça já. “Com es­te re­for­ço da FLASH! na pla­ta­for­ma di­gi­tal, o ‘Fa­lar Glo­bal’ es­tá a che­gar a um uni­ver­so que ain­da não ti­nha che­ga­do e es­sa é uma mais va­lia fan­tás­ti­ca des­ta união com mais de três anos”, de­fen­de João Fer­rei­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.