Chu­tar pa­ra can­to os pre­con­cei­tos

JN História - - A Abrir - Pe­dro Ola­vo Si­mões Co­or­de­na­dor edi­to­ri­al

Mas porquê a bo­la? Pa­ra as pes­so­as sé­ri­as, e leia-se mui­ta iro­nia nes­ta se­ri­e­da­de, o te­ma se­rá me­nor, fú­til, des­pres­ti­gi­an­te, até. Por aqui, es­tá fá­cil de per­ce­ber, pen­sa­mos que não. Não se po­de di­zer que o fu­te­bol, me­ro jogo que é, te­nha um sen­ti­do es­tru­tu­ran­te no cur­so da hu­ma­ni­da­de, mas é evi­den­te que um qual­quer his­to­ri­a­dor, da­qui a 500 anos – se os hou­ver, is­to é, se ain­da hou­ver gen­te no ter­cei­ro pla­ne­ta a con­tar do Sol –, ao vas­cu­lhar os ar­qui­vos, em que, de­se­ja­da­men­te, apa­re­ce­rá es­ta edi­ção da JN His­tó­ria, não te­rá co­mo não es­tu­dar o fe­nó­me­no. De on­de nos vem o amor à bo­la? Per­ce­ber is­so, ou ten­tar ex­pli­car is­so, vai mui­to além dos do­cu­men­tos ou das fon­tes tra­di­ci­o­nais, en­tra no cam­po da fi­lo­so­fia, apoia-se em ci­ên­ci­as co­mo a psi­co­lo­gia ou a an­tro­po­lo­gia, cru­za di­men­sões mí­ti­cas e pal­pá­veis, me­xe com ódi­os e pai­xões. Sig­ni­fi­ca is­so que não de­ve­mos olhar es­ta di­men­são da vi­da? Cla­ro que não. Sen­do a His­tó­ria, en­tre tan­tas coi­sas, um guia pa­ra pensar o mun­do, o en­saio que pu­bli­ca­mos, as­si­na­do pe­lo es­cri­tor Ál­va­ro Ma­ga­lhães, au­tor de um li­vro ex­tra­or­di­ná­rio so­bre o te­ma (“His­tó­ria Na­tu­ral do Fu­te­bol”, As­sí­rio & Al­vim, 2004), é um pre­ci­o­so con­tri­bu­to pa­ra que to­dos nós, apai­xo­na­dos ou de­sin­te­res­sa­dos do pon­ta­pé na bo­la, pos­sa­mos per­ce­ber al­go mais de nós pró­pri­os e dos que nos ro­dei­am. Que ins-tin­to é es­se que, se en­con­tra­mos uma bo­la, nos im­pe­le a pon­ta­peá-la? Que fas­cí­nio é es­se de ver­mos ou­tros a fa­zê-lo? É um es­ta­do de­men­ci­al, ape­nas a li­ber­ta­ção de pre­con­cei­tos? É al­go nos­so, sim, faz par­te do nos­so ca­mi­nho. É His­tó­ria.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.