No cen­te­ná­rio da Re­vo­lu­ção Rus­sa

JN História - - A Abrir - Tex­to de Jo­sé Pe­dro Tei­xei­ra Fer­nan­des Professor no ISCET Es­pe­ci­a­lis­ta em Re­la­ções In­ter­na­ci­o­nais e ge­o­po­lí­ti­ca

A Rús­sia não é um país fá­cil de com­pre­en­der pe­los oci­den­tais. Continua a ser um Es­ta­do imen­so – o mai­or do mun­do, com cer­ca de 17 mi­lhões de qui­ló­me­tros qua­dra­dos –, ape­sar da de­sa­gre­ga­ção da União So­vié­ti­ca. Mas a sua po­pu­la­ção, que ron­da os 145 mi­lhões de ha­bi­tan­tes, é es­cas­sa pa­ra es­se ter­ri­tó­rio, sen­do pou­co mais de 10% da po­pu­la­ção chi­ne­sa, país com o qual tem uma fron­tei­ra de mais de qu­a­tro mil qui­ló­me­tros. Pa­ra além da Chi­na, a Rús­sia tem fron­tei­ras com mais de uma de­ze­na de es­ta­dos, do Bál­ti­co ao Pa­cí­fi­co. Nos extremos encontram-se o en­cla­ve de Ka­li­nin­gra­do – on­de se si­tu­a­va a an­ti­ga ci­da­de de Kö­nigs­berg, da Prús­sia ori­en­tal, ho­je um ter­ri­tó­rio en­tre a Po­ló­nia e a Li­tuâ­nia – e Vla­di­vos­tok, com fron­tei­ra com a Co­reia do Nor­te. Es­ta úl­ti­ma ci­da­de e São Pe­ters­bur­go es­tão se­pa­ra­das por mais de 6500 qui­ló­me­tros em li­nha re­ta. Na sua vas­ti­dão, o ter­ri­tó­rio abran­ge 11 fu­sos ho­rá­ri­os.

Em mui­tos as­pe­tos a Rús­sia é eu­ro­peia, em mui­tos ou­tros tem características que a afas­tam do nor­mal eu­ro­peu e oci­den­tal e não são fá­ceis de apre­en­der pe­lo ob­ser­va­dor ex­ter­no. Al­guns tra­ços di­fe­ren­ci­a­do­res são vi­sí­veis, co­mo o uso do al­fa­be­to ci­rí­li­co, de­ri­va­do do gre­go, ou o ca­len­dá­rio ju­li­a­no, en­rai­za­do na tra­di­ção da Igre­ja Or­to­do­xa e usa­do pe­lo Es­ta­do até 1918. Ou­tros es­tão dis­si­mu­la­dos nas sub­ti­le­zas da sua ri­ca e com­ple­xa cul­tu­ra. Es­te qua­dro ge­o­po­lí­ti­co e cul­tu­ral é um bom pon­to de par­ti­da pa­ra olhar­mos o Im­pé­rio Rus­so nos sé­cu­los an­te­ri­o­res. Mas a His­tó­ria é cru­ci­al pa­ra per­ce­ber­mos co­mo ocor­reu um acon­te­ci­men­to po­lí­ti­co mai­or — a Re­vo­lu­ção de 1917 –, que mar­cou de for­ma in­de­lé­vel o sé­cu­lo XX.

A Rús­sia co­mo gran­de po­tên­cia é uma re­a­li­da­de dos úl­ti­mos três sé­cu-

Não é pos­sí­vel pensar o mun­do con­tem­po­râ­neo sem re­fle­tir pro­fun­da­men­te so­bre a Re­vo­lu­ção Rus­sa. À mar­gem da Gran­de Guer­ra, os acon­te­ci­men­tos de 1917, mais do que le­va­rem à implementação do so­ci­a­lis­mo num país que mui­tos vi­am co­mo o me­nos ade­qua­do pa­ra tal, es­ti­ve­ram na ori­gem da di­vi­são do mun­do em dois blo­cos an­ta­gó­ni­cos, que pro­ta­go­ni­za­ri­am a Guer­ra Fria dé­ca­das mais tar­de, e, an­tes dis­so, fa­ci­li­ta­ram, pe­lo me­do, a as­cen­são dos re­gi­mes fas­cis­tas na Eu­ro­pa.

los. No pe­río­do me­di­e­val co­me­çou por ser uma en­ti­da­de po­lí­ti­ca dé­bil e de con­tor­nos di­fu­sos, nu­ma área ge­o­grá­fi­ca – a Ru­té­nia – on­de vi­vi­am po­vos es­la­vos ori­en­tais ( Ru­té­nia é um ter­mo que de­ri­va da la­ti­ni­za­ção do no­me “Rus”, o qual te­rá ori­gem nas lín­guas nór­di­cas). Na Al­ta Ida­de Mé­dia, abran­gia ter­ri­tó­ri­os que ho­je se encontram na Rús­sia, na Bi­e­lor­rús­sia, na Ucrâ­nia e na Po­ló­nia. A con­ver­são de Vladimir o Gran­de ( 980- 1015) ao Cris­ti­a­nis­mo Or­to­do­xo – sob in­fluên­cia bi­zan­ti­na/he­lé­ni­ca –, que se tor­nou a re­li­gião dos seus súb­di­tos, deu um sen­ti­do de iden­ti­da­de, re­li­gi­o­sa e cul­tu­ral, que se pro­lon­ga até à atu­a­li­da­de. Mas o seu pri­mei­ro Es­ta­do – pas­sa­do que tam­bém é re­cla­ma­do pe­la Ucrâ­nia –, foi o Rus de Ki­ev. En­trou em de­clí­nio nos sé­cu­los XI e XII, por lu­tas in­ter­nas e pe­la que­bra do co­mér­cio e ligações ao Im­pé­rio Bi­zan­ti­no, en­fra­que­ci­do pe­los in­va­so­res tur­cos sel­jú­ci­das, con­ver­ti­dos ao Is­lão. Aca­bou por ser con­quis­ta­do pe­los mon­góis no sé­cu­lo XIII. Nes­se pe­río­do, co­me­çou a emer­gir, po­lí­ti­ca e mi­li­tar­men­te, o Grão-du­ca­do de Mos­co­vo – igual­men­te co­nhe­ci­do co­mo Mos­có­via. As­su­miu-se co­mo su­ces­sor do Rus de Ki­ev. Foi a en­ti­da­de po­lí­ti­ca an­te­ces­so­ra do Im­pé­rio Rus­so, que ga­nhou con­tor­nos no iní­cio do sé­cu­lo XVIII. En­con­tra- se aí a ori­gem dos cza­res rus­sos. No sé­cu­lo XV, a Mos­có­via ex­pan­diu o seu ter­ri­tó­rio, po­pu­la­ção e ri­que­za. Sob Ivan III, o Gran­de, que go­ver­nou en­tre 1462 e 1505, qua- se to­dos os prin­ci­pa­dos rus­sos fo­ram li­ber­ta­dos do do­mí­nio tár­ta­ro-mon­gol e is­lâ­mi­co. Foi o pri­mei­ro a uti­li­zar os tí­tu­los de czar e so­be­ra­no de to­das as Rús­si­as, as­su­min­do-se co­mo her­dei­ro e con­ti­nu­a­dor de Bi­zân­cio/cons­tan­ti­no­pla, con­quis­ta­da pe­los tur­cos oto­ma­nos em 1453.

O fi­nal do sé­cu­lo XVI e o iní­cio do sé­cu­lo XVII mar­cam um pe­río­do par­ti­cu­lar­men­te crí­ti­co pa­ra a con­ti­nui­da­de de um Es­ta­do rus­so in­de­pen­den­te. O trau­ma ain­da ho­je per­sis­te, gra­va­do na iden­ti­da­de co­le­ti­va, ali­men­tan­do re­la­ções de des­con­fi­an­ça fa­ce aos vizinhos eu­ro­peus a oci­den­te. A guer­ra po­la­co-rus­sa (1605–1618), na re­a­li­da­de uma sé­rie de guer­ras ocor­ri­das nes­se pe­río­do, deu- se no con­tex­to de uma cri­se di­nás­ti­ca de su-

ces­são à fren­te da Mos­có­via. Ocor­reu no pe­río­do en­tre a mor­te do czar Te­o­do­ro Iva­no­vi­ch ( 1598), sem des­cen­den­tes na su­ces­são, e a che­ga­da ao po­der de Mi­guel I (1613), fun­da­dor da di­nas­tia Ro­ma­nov. Na his­to­ri­o­gra­fia rus­sa é co­nhe­ci­do co­mo “pe­río­do tu­mul­tu­o­so” ou “era das tre­vas”. Olhan­do pa­ra a Rús­sia de ho­je, com Vladimir Pu­tin, ve­mos um sen­ti­men­to pa­trió­ti­co bem vi­vo e ali­men­ta­do por es­te.

Es­te pe­río­do da his­tó­ria — em que ven­ceu o ini­mi­go oci­den­tal, po­la­co-li­tu­a­no e ca­tó­li­co, pa­ra emer­gir, len­ta­men­te, co­mo gran­de po­tên­cia –, foi re­tra­ta­do no fil­me “1612; Ch­ro­ni­ki Smut­no­go Vre­me­ni”/” Cró­ni­cas de um Tem­po Tu­mul­tu­o­so” ( 2007), do re­a­li­za­dor Vladimir Kho­ti­nenk. É um fil­me épi­co, que pro­cu­rou re­cri­ar os acon­te­ci­men­tos des­se ano. Na al­tu­ra, o po­vo rus­so ex­pul­sou os in­va­so­res po­la­cos e li­tu­a­nos de Mos­co­vo e a di­nas­tia dos Ro­ma­nov foi es­ta­be­le­ci­da. Es­ta go­ver­nou a Mos­có­via, mais tar­de trans­for­ma­da em Im­pé­rio Rus­so, até à Re­vo­lu­ção de 1917 (en­tre 1762 e 1917, atra­vés de uma ra­mi­fi­ca­ção da ca­sa de Ol­den­bur­go, com ori­gem ger­mâ­ni­ca, mas sem­pre com o ape­li­do Ro­ma­nov).

Foi sob o go­ver­no dos Ro­ma­nov que a Rús­sia se trans­for­mou em gran­de po­tên­cia. Se, no iní­cio do sé­cu­lo XVII, a Mos­có­via/rús­sia lu­ta­va pe­la so­bre­vi­vên­cia, no iní­cio do sé­cu­lo XVIII im­pu­nha já o seu po­der no Les­te eu­ro­peu e no Bál­ti­co. Emer­gia co­mo im­pé­rio, ao mes­mo tem­po que ou­tro im­pé­rio – o Im­pé­rio da Sué­cia –, de­sa­pa­re­cia. Der­ro­tou Car­los XII da Sué­cia na Gran­de Guer­ra do Nor­te ( 1700- 1721), mar­ca­da pe­la vi­tó­ria na Ba­ta­lha de Pol­ta­va (1709), de­sas­tro­sa pa­ra os su­e­cos (um sé­cu­lo mais tar­de foi a Fran­ça na­po­leó­ni­ca a su­cum­bir pe­ran­te a Rús­sia, após uma ilu­só­ria vi­tó­ria e che­ga­da a Mos­co­vo, aban­do­na­da em 1812, tor­nan­do-se de­sas­tro­sa pa­ra os exér­ci­tos in­va­so­res com o pro­lon­gar da cam­pa­nha no Inverno; deu ao czar Ale­xan­dre I um pa­pel pre­pon­de­ran­te no Con­gres­so de Vi­e­na de 1814-1815 e na re­con­fi­gu­ra­ção da Eu­ro­pa pós-na­po­leó­ni­ca).

Pe­dro I, ou Pe­dro, o Gran­de, no po­der des­de fi­nais do sé­cu­lo XVII, foi de­ci­si­vo na as­cen­são rus­sa. Pro­cla­mou o Im­pé­rio em 1721, após o Tra­ta­do de Nys­tad, que pós fim à Gran­de Guer­ra do Nor­te com a Sué­cia. An­te­ri­or­men-

te, abri­ra a Rús­sia à mo­der­ni­za­ção, em ter­mos eco­nó­mi­cos e tec­no­ló­gi­cos, mas tam­bém cul­tu­rais. Abriu aqui­lo que usu­al­men­te é des­cri­to co­mo uma “ja­ne­la pa­ra o Oci­den­te”, ex­pres­são me­ta­fó­ri­ca com du­plo sen­ti­do, si­mul­ta­ne­a­men­te ge­o­grá­fi­co e cul­tu­ral (tec­no­ló­gi­co tam­bém). São Pe­ters­bur­go, lo­ca­li­za­da à en­tra­da do gol­fo da Fin­lân­dia, no mar Bál­ti­co, foi uma das su­as mai­o­res re­a­li­za­ções. Foi cons­truí­da de raiz num ter­ri­tó­rio con­quis­ta­do à Sué­cia pou­co tem­po an­tes ( a ideia re­pli­ca Cons­tan­ti­no­pla na An­ti­gui­da­de tar­dia, ci­da­de do Im­pe­ra­dor Cons­tan­ti­no, ca­pi­tal do Im­pé­rio Ro­ma­no/bi­zan­ti­no e cen­tro do Cris­ti­a­nis­mo Or­to­do­xo). Foi ca­pi­tal do Im­pé­rio Rus­so, pri­mei­ro en­tre 1713 e 1728, e de­pois en­tre 1732 e 1918. Foi aí, já com o no­me Pe­tro­gra­do – a ci­da­de de Pe­dro em rus­so, sem as palavras ale­mãs “Sankt” e “burg” – que se de­ram os prin­ci­pais acon­te­ci­men­tos da Re­vo­lu­ção de 1917. Em 1991, após o fim da União So­vié­ti­ca, a ci­da­de vol­tou ao no­me ori­gi­nal (aban­do­nou o no­me Le­ni­ne­gra­do que ti­nha des­de 1924). Vladimir Pu­tin, sím­bo­lo po­lí­ti­co da Rús­sia pós-so­vié­ti­ca, nas­ceu em São Pe­ters­bur­go.

Exis­te uma imen­sa bi­bli­o­gra­fia his­tó­ri­ca e po­lí­ti­ca so­bre a Re­vo­lu­ção Rus­sa de 1917. Ne­la, os seus an­te­ce­den­tes são abor­da­dos fo­can­do as­pe­tos es­pe­cí­fi­cos da so­ci­e­da­de rus­sa, bem co­mo as cir­cuns­tân­ci­as in­ter­na­ci­o­nais da épo­ca. Além des­sas lei­tu­ras es­pe­ci­a­li­za­das, que na­tu­ral­men­te são im­por­tan­tes, a li­te­ra­tu­ra rus­sa con­tém uma interessante for­ma de apre­en­der­mos o am­bi­en­te an­te­ri­or à re­vo­lu­ção. Fió­dor Dos­toiévs­ki ( 1821- 1881) é um no­me mai­or. No seu úl­ti­mo gran­de li­vro, “Os Ir­mãos Ka­ra­ma­zov”, pu­bli­ca­do em 1879-1880, re­tra­ta múl­ti­plas fa­ce­tas da so­ci­e­da­de rus­sa da se­gun­da me­ta­de do sé­cu­lo XIX. Os ideá­ri­os ra­ci­o­na­lis­ta, li­be­ral, so­ci­a­lis­ta, anar­quis­ta e ni­i­lis­ta que per­me­a­vam a Rús­sia nas ca­ma­das mais cul­tas da so­ci­e­da­de es­tá re­fle­ti­do em al­gu­mas das pas­sa­gens mais bri­lhan­tes da obra. Um per­so­na­gem fic­ci­o­nal deu-lhe voz, em par­ti­cu­lar quan­to às idei­as mais ra­di­cais e ni­i­lis­tas da épo­ca: Ivan Fió­do­ro­vit­ch Ka­ra­ma­zov. Uma das características do ni­i­lis­mo (do la­tim nihil, na­da, no sen­ti­do de va­zio) era a ne­ga­ção da exis­tên­cia de fi­na­li­da­de ou sen­ti­do na vi­da, ani­qui­lan­do, ao mes­mo tem­po, os va­lo­res so­ci­al­men­te acei­tes. Con­ti­nha, as­sim, tra­ços des­tru­ti­vos co­mo os da de­ca­dên­cia e do “va­le- tu­do” em ter­mos de opções de vi­da hu­ma­na.

Nu­ma des­sas pas­sa­gens, in­cluí­da no Li­vro 1, ca­pí­tu­lo 6 (“Por que vi­ve na

Ter­ra um ho­mem des­tes?”), po­de ler-se es­te ex­cer­to que deu voz à for­ma de pensar e vi­são do mun­do do ni­i­lis­mo da épo­ca. Ivan Fió­do­ro­vit­ch Ka­ra­ma­zov “de­cla­rou so­le­ne­men­te du­ran­te uma dis­cus­são que em to­da a Ter­ra não exis­tia na­da que fi­zes­se com que as pes­so­as gos­tas­sem dos seus se­me­lhan­tes, que em ge­ral não exis­te uma lei da na­tu­re­za que obri­gue uma pes­soa a gos­tar de ou­tra, e que, se hou­ves­se amor na Ter­ra, is­so não se­ria por cau­sa de uma lei na­tu­ral mas uni­ca­men­te por­que as pes­so­as acre­di­ta­vam na sua pró­pria imor­ta­li­da­de. Ivan Fió­do­ro­vit­ch tam­bém acres­cen­tou, en­tre pa­rên­te­sis, que é nis­so que con­sis­te to­da a lei na­tu­ral, e que bas­ta­va, por con­se­guin­te, eli­mi­nar da hu­ma­ni­da­de a sua fé na imor­ta­li­da­de, pa­ra de­sa­pa­re­cer do seio de­la não só to­do o amor, mas to­da a for­ça vi­va sus­cep­tí­vel de con­ti­nu­ar a vi­da no mun­do. Mais ain­da: en­tão não exis­ti­rá mais na­da imo- ral, tu­do se­rá per­mi­ti­do [se Deus não exis­te, tu­do se­rá per­mi­ti­do], até a an­tro­po­fa­gia. E ain­da não é tu­do: aca­bou por afir­mar que, pa­ra qual­quer pes­soa par­ti­cu­lar, por exem­plo, co­mo nós ago­ra aqui, que não acre­di­te em Deus nem na sua imor­ta­li­da­de, a lei mo­ral da na­tu­re­za tem de trans­for­mar-se, de ime­di­a­to, no con­trá­rio da lei an­te­ri­or, a lei re­li­gi­o­sa, e que o egoís­mo, le­va­do à per­ver­são, não só de­ve ser per­mi­ti­do ao ho­mem co­mo de­ve ser re­co­nhe­ci­do ne­ces­sá­rio, co­mo a mais ne­ces­sá­ria e qua­se no­bre saí­da pa­ra a si­tu­a­ção.” ( Fi­o­dór Dos­toiévs­ki, “Os Ir­mãos Ka­ra­ma­zov”, vol. I, 1879- 1880, trad. port., Edi­to­ri­al Pre­sen­ça, 2002, p. 91).

Dei­xe­mos ago­ra de par­te Dos­toiévs­ki e o ni­i­lis­mo an­te­ri­or à Re­vo­lu­ção de 1917. É ne­ces­sá­rio tam­bém olhar um dos as­pe­tos que mais mar­ca­ram a so­ci­e­da­de rus­sa até à se­gun­da me­ta­de do sé­cu­lo XIX: a ser­vi­dão. Com ori- gens me­di­e­vais, no Rus de Ki­ev, du­ran­te o sé­cu­lo XVII tor­nou-se a for­ma do­mi­nan­te de re­la­ção en­tre a no­bre­za de­ten­to­ra da pro­pri­e­da­de e os cam­po­ne­ses. Estes úl­ti­mos en­con­tra­vam-se su­jei­tos a uma enor­me opres­são. Os pro­pri­e­tá­ri­os, ti­pi­ca­men­te, a no­bre­za aris­to­crá­ti­ca, ti­nham um di­rei­to qua­se to­tal so­bre estes: po­di­am ven­der as ter­ras jun­ta­men­te com os ser­vos que ne­las tra­ba­lha­vam. Na se­gun­da me­ta­de do sé­cu­lo XVIII, Ca­ta­ri­na II tor­nou as leis ain­da mais fa­vo­rá­veis aos no­bres, que po­di­am de­por­tar os ser­vos que cau­sas­sem pro­ble­mas e se­pa­rar fa­mí­li­as. Por ou­tro la­do, pas­sou a ser pos­sí­vel aos ser­vos ad­qui­ri­rem a sua li­ber­da­de, pa­gan­do uma quan­tia mo­ne­tá­ria. Em 1861 o czar Ale­xan­dre II de­cre­tou o fim des­te sis­te­ma de ser­vi­dão. Fo­ram li­ber­ta­dos mais de vin­te mi­lhões de cam­po­ne­ses ser­vos, mas a pro­pri­e­da­de da ter­ra foi pre­ser­va­da. Po­rém, o es­tig­ma da ser­vi­dão não de-

sa­pa­re­ceu da so­ci­e­da­de rus­sa. O es­cri­tor An­ton Tchekhov ( 1860- 1904) te­ve es­sa ex­pe­ri­ên­cia na fa­mí­lia. Egor Tchekhov, seu avô, com­prou a eman­ci­pa­ção da fa­mí­lia em 1841, an­tes da abo­li­ção da ser­vi­dão, mas a ima­gem so­ci­al ne­ga­ti­va con­ti­nu­ou a acom­pa­nhá-los. His­to­ri­ca­men­te, a fu­ga à ser­vi­dão es­te­ve tam­bém na ori­gem dos cos­sa­cos – pa­la­vra que eti­mo­lo­gi­ca­men­te re­me­te pa­ra “ho­mens li­vres”, por ex­ten­são, aven­tu­rei­ros, pi­ra­tas ou mer­ce­ná­ri­os –, co­nhe­ci­dos pe­la sua co­ra­gem e ca­pa­ci­da­de de so­bre­vi­vên­cia em con­tex­tos hos­tis, na imen­si­dão do ter­ri­tó­rio rus­so (ti­ve­ram um pa­pel im­por­tan­te na pro­te­ção dos ter­ri­tó­ri­os de fron­tei­ra da Rús­sia e na sua ex­pan­são pa­ra a Ásia Cen­tral, até iní­ci­os do sé­cu­lo XX).

O ano de 1881 foi mar­ca­do pe­lo as­sas­si­na­to do czar Ale­xan­dre II, a 13 de mar­ço de 1881. (Fió­dor Dos­toiévs­ki ti­nha mor­ri­do pou­co tem­po an­tes, a 9 de fe­ve­rei­ro de 1881.) Uma das úl­ti­mas idei­as de Ale­xan­dre II foi cri­ar um par- la­men­to elei­to, a Du­ma. Não che­gou a ser pos­ta em prá­ti­ca. Nun­ca sa­be­re­mos qual se­ria o ru­mo dos acon­te­ci­men­tos se ele não ti­ves­se si­do as­sas­si­na­do. To­da­via, é plau­sí­vel ad­mi­tir que a Rús­sia po­de­ria ter se­gui­do o ca­mi­nho da mo­nar­quia cons­ti­tu­ci­o­nal em vez do re­for­ço da au­to­cra­cia, que ocor­reu sob Ale­xan­dre III. Na re­a­li­da­de, nas úl­ti­mas dé­ca­das do sé­cu­lo XIX e iní­ci­os do sé­cu­lo XX deu- se a su­pres­são das pou­cas li­ber­da­des ci­vis exis­ten­tes, e um re­gres­so da re­pres­são po­li­ci­al. A Okh­ra­na – a po­lí­cia se­cre­ta cri­a­da pe­lo czar Ale­xan­dre III –, ofi­ci­al­men­te De­par­ta­men­to de Pro­te­ção da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca e da Or­dem, foi usa­da pa­ra pren­der opo­si­to­res e aca­bar com gru­pos con­tes­ta­tá­ri­os. Foi tam­bém nes­te con­tex­to que os po­groms, ata­ques vi­o­len­tos con­tra po­pu­la­ção ju­dai­ca, se ge­ne­ra­li­za­ram. To­do es­te cli­ma re­pres­si­vo mo­ti­vou, ain­da mais, os anar­quis­tas, ni­i­lis­tas, so­ci­a­lis­tas e ou­tros re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os a pro­mo­ver uma pro­pa­gan­da de ação, com re­cur­so a gran­des atos de violência, pa­ra in­ci­tar à re­vo­lu­ção.

Quan­to à Du­ma (par­la­men­to), só foi cri­a­da em iní­ci­os do sé­cu­lo XX, já com o czar Ni­co­lau II, e com es­te pres­si­o­na­do pe­los acon­te­ci­men­tos da re­vo­lu­ção de 1905 – um mo­vi­men­to de pro­tes­to ge­ne­ra­li­za­do no Im­pé­rio Rus­so, ocor­ri­do du­ran­te a guer­ra com o Japão. Os po­de­res da Du­ma fo­ram mui­to li­mi­ta­dos. O czar con­ti­nu­a­va a ter a pos­si­bi­li­da­de de dis­sol­ver a Du­ma, e os mi­nis­tros do seu go­ver­no não ti­nham res­pon­sa­bi­li­da­de po­lí­ti­ca pe­ran­te es­ta, nem o par­la­men­to os po­dia de­mi­tir. As pri­mei­ras elei­ções par­la­men­ta­res trou­xe­ram di­ver­sos de­pu­ta­dos so­ci­a­lis­tas-co­mu­nis­tas e de ou­tras cor­ren­tes de­mo­cra­tas, pro­vo­can­do ten­são en­tre a Du­ma e os mi­nis­tros do czar. A cri­se cul­mi­nou com a sua dis­so­lu­ção. Em 1907, uma no­va as­sem­bleia foi cons­ti­tuí­da, ain­da com mais con­tes­ta­tá­ri­os ao po­der do czar, re­sul­tan­do num con­fli­to de mai­or di­men­são en­tre a Du­ma e es­te. Após a se­gun-

da dis­so­lu­ção da Du­ma, fo­ram in­tro­du­zi­das mu­dan­ças na lei elei­to­ral. Afas­ta­ram a pos­si­bi­li­da­de de uma ge­nuí­na re­pre­sen­ta­ção po­pu­lar, dan­do aos pro­pri­e­tá­ri­os de ter­ra mais po­der de vo­to. O des­con­ten­ta­men­to deu ori­gem a novos gru­pos re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os con­tra Ni­co­lau II.

A re­vo­lu­ção de 1905 foi um an­te­ce­den­te im­por­tan­te nas mu­dan­ças so­ci­ais e po­lí­ti­cas que cul­mi­na­ram no ano de 1917. Des­de a eman­ci­pa­ção dos ser­vos em 1861, o país vi­via a tran­si­ção de uma so­ci­e­da­de im­preg­na­da de tra­ços feu­dais e ru­rais pa­ra uma so­ci­e­da­de on­de o ca­pi­ta­lis­mo in­dus­tri­al e ur­ba­no emer­gia. Mui­tos dos cam­po­ne­ses, ser­vos li­ber­ta­dos, afluí­ram às gran­des ci­da­des, per­ma­ne­cen­do na mi­sé­ria. As mu­dan­ças so­ci­ais e as no­vas in­fra­es­tru­tu­ras, co­mo a fer­ro­via tran­si­be­ri­a­na, es­ti­mu­la­ram uma in­dus­tri­a­li­za­ção nas re­giões de Mos­co­vo, São Pe­ters­bur­go e Les­te da Ucrâ­nia e nas par­tes mais oci­den­tais do Im­pé­rio (Fin­lân­dia, paí­ses Bál­ti­cos e Po­ló- nia). Emer­giu um ope­ra­ri­a­do ur­ba­no con­si­de­rá­vel e o em­brião de uma clas­se mé­dia. Nes­sas fai­xas da po­pu­la­ção exis­tia um de­se­jo de re­for­mas de­mo­crá­ti­cas e de trans­for­ma­ção do sis­te­ma po­lí­ti­co. A guer­ra rus­so-ja­po­ne­sa (1904-1905) e a der­ro­ta da Rús­sia em ex­pan­são pa­ra o Pa­cí­fi­co in­ten­si­fi­cou es­se sen­ti­men­to. Pre­ci­pi­tou os acon­te­ci­men­tos e foi cau­sa di­re­ta dos tu­mul­tos de 1905. O fil­me “Bro­ne­no­sets Potyom­kin”/” O Cou­ra­ça­do Po­tem­kin”, de Ser­gei Ei­sens­tein, fei­to em 1925, du­ran­te a era so­vié­ti­ca, ce­le­bri­zou a re­vol­ta dos ma­ri­nhei­ros con­tra o po­der do czar. O con­tex­to his­tó­ri­co foi o dos acon­te­ci­men­tos da já re­fe­ri­da re­vo­lu­ção de 1905. No cou­ra­ça­do Po­tem­kin, na­vio de guer­ra da fro­ta do Mar Ne­gro, a tri­pu­la­ção amo­ti­nou-se de­vi­do às pés­si­mas con­di­ções no na­vio, que iria ser en­vi­a­do pa­ra a guer­ra con­tra o Japão. No plano po­lí­ti­co e sim­bó­li­co, mos­trou co­mo o po­der mi­li­tar já não era sus­ten­tá­cu­lo ina­ba­lá­vel do go­ver­no im­pe­ri­al.

Pou­cos acon­te­ci­men­tos te­rão si­do tão mar­can­tes da his­tó­ria do sé­cu­lo XX co­mo a Re­vo­lu­ção Rus­sa de 1917. Ne­la, os bol­che­vi­ques, uma das vá­ri­as fa­ções

– a mais ra­di­cal –, que lu­ta­vam por uma pro­fun­da trans­for­ma­ção so­ci­al e po­lí­ti­ca, aca­ba­ram por pre­va­le­cer. Mas os acon­te­ci­men­tos co­me­ça­ram sem gran­de pa­pel dos bol­che­vi­ques, em fe­ve­rei­ro de 1917, na ca­pi­tal im­pe­ri­al, Pe­tro­gra­do ( São Pe­ters­bur­go). Fo­ram con­sequên­cia di­re­ta das con­di­ções ex­tre­ma­men­te di­fí­ceis em que vi­via a mai­or par­te da po­pu­la­ção, de­vi­do às cir­cuns­tân­ci­as da I Guer­ra Mun­di­al (há di­fe­ren­tes da­tas pa­ra os acon­te­ci­men­tos, em fun­ção dos ca­len­dá­ri­os usa­dos: o iní­cio da Re­vo­lu­ção de 1917, a 23 de fe­ve­rei­ro no ca­len­dá­rio ju­li­a­no rus­so, cor­res­pon­de a 8 de mar­ço no ca­len­dá­rio gre­go­ri­a­no/oci­den­tal, que é o de uso mais co­mum; o mes­mo su­ce­de com a re­vo­lu­ção de ou­tu­bro, ocor­ri­da a 24 e 25 de ou­tu­bro no ca­len­dá­rio ju­li­a­no rus­so, ou se­ja, a 6 e 7 de no­vem­bro de 1917 pe­lo ca­len­dá­rio gre­go­ri­a­no/oci­den­tal). Os pro­tes­tos e ma­ni­fes­ta­ções que aca­ba­ram em violência nas ru­as le­va­ram o czar Ni­co­lau II a ab­di­car a fa­vor do seu ir­mão, o grão-du­que Mi­guel Ale­xan­dro­vi­ch Ro­ma­nov. Es­te re­cu­sou su­ce­der-lhe. O fi­lho e her­dei­ro do tro­no, Ale­xei Ro­ma­nov, so­fria de he­mo­fi­lia – do­en­ça ge­né­ti­ca he­re­di­tá­ria que pre­ju­di­ca a ca­pa­ci­da­de de o or­ga­nis­mo hu­ma­no con­tro­lar a cir­cu­la­ção do san­gue e/ ou a co­a­gu­la­ção – e não ti­nha con­di­ções pa­ra lhe su­ce­der (es­sa cir­cuns­tân­cia trá­gi­ca per­mi­tiu o as­cen­den­te do mon­ge Gri­go­riy Ras­pu­tin, en­tre­tan­to as­sas­si­na­do em 1916, so­bre a fa­mí­lia re­al, par­ti­cu­lar­men­te so­bre a im­pe­ra­triz con­sor­te Ale­xan­dra Fe­o­do­rov­na). Em con­sequên­cia, a Du­ma pro­cla­mou a re­pú­bli­ca, pon­do fim à mo­nar­quia im­pe­ri­al e à di­nas­tia Ro­ma­nov. O Go­ver­no Pro­vi­só­rio ele­geu o príncipe Ge­orgy Lvov pa­ra Pri­mei­roMi­nis­tro. Ale­xan­der Fyó­do­ro­vi­ch Ké­rensky, o mi­nis­tro da Guer­ra, co­lo­cou o czar e fa­mí­lia im­pe­ri­al em pri­são do­mi­ci­liá­ria (no ano se­guin­te, a 17 de ju­lho de 1918, o czar Ni­co­lau II e os membros da fa­mí­lia Ro­ma­nov fo­ram mor­tos por or­dem do So­vi­e­te do Ural, du­ran­te a guer-

ra ci­vil sub­se­quen­te à Re­vo­lu­ção de Ou­tu­bro). Ké­rensky es­ta­va li­ga­do a uma fa­ção Par­ti­do So­ci­a­lis­ta Re­vo­lu­ci­o­ná­rio, co­nhe­ci­da co­mo os Tru­do­viks (tra­ba­lhis­tas). Nes­sa qualidade, ti­nha si­do de­pu­ta­do da Du­ma, sob o go­ver­no do czar. Te­ve um pa­pel im­por­tan­te no fim do re­gi­me im­pe­ri­al. Co­mo mi­nis­tro da Jus­ti­ça, in­tro­du­ziu me­di­das co­mo a abo­li­ção da pe­na de mor­te e o es­ta­be­le­ci­men­to de li­ber­da­des ci­vis fun­da­men­tais. Foi em se­gui­da pri­mei­ro-mi­nis­tro, su­ce­den­do a Ge­orgy Lvov, en­tre ju­lho e ou­tu­bro de 1917. As­pe­to im­por­tan­te, o Go­ver­no Pro­vi­só­rio con­ti­nu­a­va com o esforço de guer­ra con­tra a Ale­ma­nha e a Áus­tria- Hun­gria na fren­te Les­te – e tam­bém con­tra o Im­pé­rio Oto­ma­no no Su­des­te eu­ro­peu e es­trei­tos –, ao la­do dos ali­a­dos fran­co- bri­tâ­ni­cos. Pa­ra além das di­vi­sões ide­o­ló­gi­cas que os opu­nham ao Go­ver­no Pro­vi­só­rio, os bol­che­vi­ques pre­ten­di­am que a Rús­sia saís­se da guer­ra.

O Go­ver­no Pro­vi­só­rio, no po­der en- tre mar­ço e ou­tu­bro de 1917, es­te­ve sem­pre nu­ma po­si­ção de fra­gi­li­da­de in­ter­na e ex­ter­na. In­ter­na­men­te, múl­ti­plos gru­pos e fa­ções que se opu­nham ao czar pro­cu­ra­vam con­quis­tar o po­der. Os con­tes­ta­tá­ri­os abran­gi­am gru­pos mui­to di­ver­sos em ter­mos ide­o­ló­gi­cos: des­de os li­be­rais e de­mo­cra­tas pró-ca­pi­ta­lis­mo, até aos anar­quis­tas e ni­i­lis­tas, pas­san­do por di­ver­sas fa­ções en­qua­drá­veis no es­pec­tro so­ci­a­lis­ta-co­mu­nis­ta, ra­di­cal­men­te an­ti-ca­pi­ta­lis­tas e an­ti-de­mo­cra­cia “bur­gue­sa”.

No âm­bi­to des­tes úl­ti­mos, ti­nha par­ti­cu­lar pre­e­mi­nên­cia o Par­ti­do Ope­rá­rio So­ci­al-de­mo­cra­ta Rus­so, fun­da­do em fi­nais do sé­cu­lo XIX. Nos con­gres­sos dos pri­mei­ros anos do sé­cu­lo XX, di­vi­diu-se em du­as fa­ções. Uma pro­ta­go­ni­za­da por Vladimir Ilyi­ch Ulya­nov (1870-1924), co­nhe­ci­do pe­lo pseu­dó­ni­mo Lenine; a ou­tra por Ju­lius Mar­tov (1873-1923). Lenine pre­ten­dia um par­ti­do com um núcleo de pe­que­na di­men­são de re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os “pro­fis­sio- nais” – uma es­pé­cie de van­guar­da re­vo­lu­ci­o­ná­ria –, ten­do um gran­de nú­me­ro de apoi­an­tes e sim­pa­ti­zan­tes, mas que não se­ri­am membros do par­ti­do. Mar­tov de­fen­dia um par­ti­do de gran­de di­men­são, for­ma­do por ati­vis­tas e com ele­va­da re­pre­sen­ta­ção po­pu­lar. Os apoi­an­tes de Mar­tov fi­ca­ram co­nhe­ci­dos co­mo “men­che­vi­ques” (“mi­no­ri­tá­rio” em lín­gua rus­sa), en­quan­to que a fa­ção de Lenine fi­cou co­nhe­ci­da co­mo os “bol­che­vi­ques” (ter­mo que sig­ni­fi­ca “mai­o­ri­tá­rio”). A de­sig­na­ção é al­go en­ga­na­do­ra. Ape­sar de der­ro­ta­dos nos con­gres­sos do par­ti­do, em­bo­ra por es­cas­sa mar­gem, os men­che­vi­ques ti­ve­ram, du­ran­te mui­to tem­po, mais apoio po­pu­lar do que os bol­che­vi­ques.

Após a Re­vo­lu­ção de fe­ve­rei­ro de 1917, o Go­ver­no Pro­vi­só­rio foi boi­co­ta­do e ata­ca­do na sua le­gi­ti­mi­da­de pe­lo So­vi­e­te de Pe­tro­gra­do dos De­pu­ta­dos dos Tra­ba­lha­do­res e dos Sol­da­dos (abre­vi­a­da­men­te So­vi­e­te de Pe­tro­gra­do), o qual se pre­ten­dia re­pre­sen­ta­ti­vo

dos tra­ba­lha­do­res e sol­da­dos da ca­pi­tal. Tor­nou-se num cen­tro de po­der ri­val pa­ra o Go­ver­no Pro­vi­só­rio, con­tes­tan­do o seu po­der em to­do o país. Cri­ou-se aqui­lo que na his­to­ri­o­gra­fia so­vié­ti­ca fi­cou co­nhe­ci­do co­mo o Dvoye­vlas­tiye (du­a­li­da­de de po­de­res). Na ação po­lí­ti­ca, o ter­mo foi usa­do pe­la pri­mei­ra vez por Lenine, em­bo­ra te­nha si­do te­o­ri­za­do an­te­ri­or­men­te por Pierre-jo­seph Proudhon. De­sig­na­va a já re­fe­ri­da si­tu­a­ção, na qual dois po­de­res – os Con­se­lhos Ope­rá­ri­os, ou os So­vi­e­tes, em par­ti­cu­lar o So­vi­e­te de Pe­tro­gra­do e o apa­re­lho ofi­ci­al do Es­ta­do, atra­vés do Go­ver­no Pro­vi­só­rio –, co­e­xis­ti­am en­tre si e com­pe­ti­am pe­la le­gi­ti­mi­da­de po­lí­ti­ca e apoio po­pu­lar. Es­ta si­tu­a­ção, po­li­ti­ca­men­te ins­tá­vel, cons­ti­tuía, na óp­ti­ca de Lenine, uma opor­tu­ni­da­de úni­ca pa­ra os bol­che­vi­ques con­quis­ta­rem o po­der e es­ta­be­le­ce­rem o em­brião de um fu­tu­ro Es­ta­do co­mu­nis­ta (a es­tra­té­gia in­flu­en­ci­ou as re­vo­lu­ções sub­se­quen­tes e foi re­pli­ca­da por Mao TséTung na re­vo­lu­ção chi­ne­sa de fi­nais dos anos 1940). .

A 24 e 25 de ou­tu­bro de 1917, os bol­che­vi­ques to­ma­ram o po­der, der­ru­ban­do o Go­ver­no Pro­vi­só­rio de Ké­rensky. Na in­tro­du­ção/pre­fá­cio à pri­mei­ra edi­ção nor­te- ame­ri­ca­na de “Ten Days that Sho­ok the World”/”os Dez Dias que Aba­la­ram o Mun­do”, de John Re­ed (Bo­ni & Li­ve­right, No­va Ior­que, 1919), que re­la­ta os acon­te­ci­men­tos a par­tir de uma ex­pe­ri­ên­cia vi­vi­da no ter­re­no, Lenine re­co­men­da­va-o, “sem re­ser­vas, aos tra­ba­lha­do­res de to­do o mun­do”. Acres­cen­ta­va, ain­da, que era um li­vro que “gos­ta­ria de ver pu­bli­ca­do em mi­lhões de exem­pla­res e tra­du­zi­do pa­ra to­das as lín­guas”. For­ne­cia “uma ex­po­si­ção ver­da­dei­ra e vi­vi­da dos even­tos tão sig­ni­fi­ca­ti­vos pa­ra a com­pre­en­são do que re­al­men­te é a Re­vo­lu­ção do Pro­le­ta­ri­a­do e da Di­ta­du­ra do Pro­le­ta­ri­a­do. Es­ses pro­ble­mas são am­pla­men­te dis­cu­ti­dos, mas an­tes que al­guém pos­sa acei­tar ou re­jei­tar tais idei­as, de­ve en­ten­der o sig­ni­fi­ca­do to­tal da de­ci­são que se vai to­mar”. Ao con­trá­rio de Ale­xan­der Ké­rensky, que caiu pra­ti­ca­men­te no es­que­ci­men­to, Lenine é um no­me in­con­tor­ná­vel da Re­vo­lu­ção Rus­sa.

Num bre­ve olhar pe­lo seu per­cur­so bi­o­grá­fi­co, vá­ri­as fa­ce­tas cha­mam a aten­ção. Nas­ci­do nu­ma fa­mí­lia de clas­se mé­dia-al­ta, in­te­res­sou-se por idei­as so­ci­a­lis­tas e re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as en­quan­to jo­vem es­tu­dan­te. Foi pre­so e exi­la­do ten­do-se mu­da­do pa­ra a Eu­ro­pa Oci­den­tal, on­de se tor­nou um te­o­ri­za­dor des­ta­ca­do do mo­vi­men­to so­ci­a­lis­ta-co­mu­nis­ta. Co­mo já re­fe­ri­do, te­ve um pa­pel fun­da­men­tal na di­vi­são ide­o­ló­gi­ca Par­ti­do Ope­rá­rio So­ci­al-de­mo­cra­ta. A sua fa­ção bol­che­vi­que es­tá na ori­gem do Par­ti­do Co­mu­nis­ta da União So­vié­ti­ca. In­cen­ti­vou uma in­sur­rei­ção du­ran­te a con­tes­ta­ção ao go­ver­no do czar, em 1905. Fez cam­pa­nha pa­ra que a I Guer­ra Mun­di­al fos­se apro­vei­ta­da pa­ra uma re­vo­lu­ção pro­le­tá­ria à es­ca­la eu­ro­peia. Na ló­gi­ca do pen­sa­men­to mar­xis­ta, acre­di­ta­va es­tar per­to o co­lap­so do ca­pi­ta­lis­mo e a sua subs­ti­tui­ção pe­lo so­ci­a­lis­mo-co­mu­nis­ta.

Na al­tu­ra em que ocor­re­ram os acon- te­ci­men­tos que afas­ta­ram do po­der o czar Ni­co­lau II, Lenine es­ta­va exi­la­do em Zu­ri­que, na Suí­ça. As no­tí­ci­as apa­nha­ram-no de sur­pre­sa. Co­mo já re­fe­ri­do, os bol­che­vi­ques ti­nham de­sem­pe­nha­do um pa­pel me­nor na Re­vo­lu­ção de Fe­ve­rei­ro. Mas Lenine acha­va que exis­tia um po­ten­ci­al re­vo­lu­ci­o­ná­rio ra­di­cal nos acon­te­ci­men­tos. Quan­to ao Go­ver­no ale­mão, viu em Lenine uma opor­tu­ni­da­de pa­ra de­ses­ta­bi­li­zar o Go­ver­no Pro­vi­só­rio, com o ob­je­ti­vo de re­ti­rar a Rús­sia da guer­ra, aban­do­nan­do a ali­an­ça com bri­tâ­ni­cos e fran­ce­ses. No­te-se que tu­do is­to ocor­reu em vés­pe­ras da en­tra­da dos EUA na guer­ra. Por is­so, um dos epi­só­di­os mais cu­ri­o­sos – e com gran­de im­pac­to na his­tó­ria da Rús­sia e mun­di­al –, es­tá re­la­ci­o­na­do com a for­ma co­mo Lenine e a sua en­tou­ra­ge exi­la­da con­se­gui­ram vi­a­jar da Suí­ça (Zu­ri­que) pa­ra a Rús­sia (São Pe­ters­bur­go). O seu re­gres­so, em abril de 1917, im­pul­si­o­nou, de for­ma de­ci­si­va, a “fa­ção ja­co­bi­na” da re­vo­lu­ção: os bol­che­vi­ques (ou­tro per­so­na­gem influente, Le­on Trotsky che­gou a se­guir, em maio, ido de No­va Ior­que, on­de tam­bém es­ta­va exi­la­do). O ob­je­ti­vo era a for­ma­ção de uma re­pú­bli­ca dos so­vi­e­tes – “to­do o po­der aos so­vi­e­tes” no co­nhe­ci­do slo­gan re­vo­lu­ci­o­ná­rio – e a ins­tau­ra­ção de uma di­ta­du­ra do pro­le­ta­ri­a­do com a abo­li­ção da pro­pri­e­da­de pri­va­da e das clas­ses.

A vi­a­gem de Lenine foi re­tra­ta­da num re­cen­te li­vro da es­cri­to­ra e his­to­ri­a­do­ra bri­tâ­ni­ca Cathe­ri­ne Mer­ri­da­le, “Le­nin on The Train”/“lenine no Com-

boio” (trad. port., Te­mas e De­ba­tes/cír­cu­lo de Lei­to­res, 2017). Tra­tou-se de es­tra­té­gia de sub­ver­são, ou de “guer­ra por pro­cu­ra­ção”, con­tra a Rús­sia. Coin­ci­diu, co­mo já no­ta­do, com a al­tu­ra em que os EUA en­tra­ram na guer­ra, ao la­do de bri­tâ­ni­cos e fran­ce­ses, pe­lo que os ale­mães pro­cu­ra­vam uma vi­tó­ria de­ci­si­va na fren­te ori­en­tal. A for­ma mais rá­pi­da se­ria a saí­da da Rús­sia. Cathe­ri­ne Mer­ri­da­le ci­ta um cu­ri­o­so co­men­tá­rio, fei­to a pos­te­ri­o­ri por Chur­chill, so­bre a es­tra­té­gia usa­da pe­los ale­mães nes­sa al­tu­ra crí­ti­ca: “Vi­ra­ram con­tra a Rús­sia a mais si­nis­tra de to­das as ar­mas. Trans­por­ta­ram Lenine num va­gão se­la­do, co­mo um ba­ci­lo da pes­te, da Suí­ça pa­ra a Rús­sia” (p. 18). Na re­a­li­da­de, co­mo Cathe­ri­ne Mer­ri­da­le acres­cen­ta a se­guir, o va­gão de com­boio “não es­ta­va pro­pri­a­men­te se­la­do; as por­tas la­te­ri­as ra­ra­men­te se en­con­tra­vam fe­cha­das e as pes­so­as en­tra­vam e saíam”. Te­o­ri­ca­men­te, “a car­ru­a­gem que trans­por­ta­va o seu gru­po” era uma “en­ti­da­de ex­tra­ter­ri­to­ri­al, se­pa­ra­da do mun­do cir­cun­dan­te, e, por is­so, isen­ta de qual­quer con­tac­to com a po­pu­la­ção ini­mi­ga” (idem, p. 17). Mas tu­do is­to foi mais uma ima­gem con­ve­ni­en­te pa­ra Lenine e a sua en­tou­ra­ge bol­che­vi­que, usa­da na pro­pa­gan­da re­vo­lu­ci­o­ná­ria.

Ale­xan­der Is­ra­el Helphand ( no­me rus­so Alek­san­dr Iz­rail La­za­re­vi­ch Gel­fand), co­nhe­ci­do pe­la al­cu­nha “Par­vus”, ju­deu so­ci­a­lis­ta rus­so-ale­mão, te­ve um pa­pel re­le­van­te nes­te epi­só­dio. Nas­ci­do nu­ma fa­mí­lia ju­dia na Rús­sia, re­si­diu na Ale­ma­nha nos anos 1890 e aí se tor­nou mar­xis­ta. Co­nhe­ceu Lenine, Trotsky e ou­tros exi­la­dos. Vol­tou pa­ra a Rús­sia pa­ra par­ti­ci­par na su­ble­va­ção de 1905. Aí foi de­ti­do e con­de­na­do à Si­bé­ria, ten­do es­ca­pa­do pa­ra a Ale­ma­nha. O seu pa­pel mai­or foi co­mo ne­go­ci­a­dor en­tre os ale­mães e Lenine pa­ra a vi­a­gem no “com­boio se­la­do”. Uma in­ter­ro­ga­ção vem à men­te quan­do pen­sa­mos em tu­do is­to: foi uma re­al­po­li­tik ne­ces­sá­ria pa­ra a cau­sa re­vo­lu­ci­o­ná­ria dos bol­che­vi­ques, em que “o ini­mi­go do meu ini­mi­go é meu ami­go”? Ou Lenine foi um “trai­dor”, ao ser­vi­ço dos in­te­res­ses ger­mâ­ni­cos pa­ra afas­tar a Rús­sia da guer­ra – e fa­vo­re­cer uma Ucrâ­nia in­de­pen­den­te sob in­fluên­cia ale­mã –, al­go de que os seus de­tra­to­res o acu­sa­vam, à épo­ca?

In­de­pen­den­te­men­te da ava­li­a­ção, crí­ti­ca ou be­né­vo­la, que se pos­sa efe­tu­ar das ligações de Lenine à Ale­ma­nha, a es­tra­té­gia de sub­ver­são dos es­for­ços de con­ti­nu­a­ção na guer­ra do go­ver­no de Ké­rensky re­sul­tou em cheio. Me­nos de um ano de­pois, a 3 de mar­ço de 1918, o go­ver­no bol­che­vi­que rus­so as­si­na­va o Tra­ta­do de Brest-li­tovsk com as Po­tên­ci­as Cen­trais (Im­pé­rio Ale­mão, Im­pé­rio Aus­tro-hún­ga­ro, Bul­gá­ria e Im­pé­rio Oto­ma­no), na atu­al Bi­e­lor­rús­sia. O re­sul­ta­do foi a saí­da do con­fli­to, sen­do ras­ga­dos to­dos os acor­dos do Im­pé­rio Rus­so com seus an­ti­gos ali­a­dos de guer­ra, mas pa­gou um pre­ço ele­va­do por is­so. É ver­da­de que a guer­ra se tor­na­ra imen­sa­men­te im­po­pu­lar en­tre o po­vo rus­so, de­vi­do às imen­sas per­das hu­ma­nas e à de­te­ri­o­ra­ção das con­di­ções de vi­da. Quan­to aos bol­che­vi­ques, ti­nham fei­to da saí­da da guer­ra uma das su­as gran­des rei­vin­di­ca­ções. To­da­via, os ter­mos do Tra­ta­do de Brest-li­tovsk fo­ram ex­tre­ma­men­te du­ros. A Rús­sia per­deu a Fin­lân­dia, os Es­ta­dos Bál­ti­cos (Es­tó­nia, Le­tó­nia e Li­tuâ­nia), a Po­ló­nia, e a Ucrâ­nia – re­cu­pe­ra­da du­ran­te a guer­ra ci­vil sub­se­quen­te, tal co­mo a Bi­e­lo­rús­sia –, bem co­mo as pro­vín­ci­as no Les­te da Ana­tó­lia/turquia (Ar­daham e Kars). No seu con­jun­to, estes ter­ri­tó­ri­os con­ti­nham cer­ca de um ter­ço da po­pu­la­ção, me­ta­de de in­dús­tria e a mai­o­ria dos re­cur­sos de car­vão do Im­pé­rio Rus­so. Mais tar­de, a União So­vié­ti­ca re­cons­ti­tui­ria gran­de par­te do im­pé­rio per­di­do sob uma ou­tra for­ma. Ao lon­go da his­tó­ria dos úl­ti­mos sé­cu­los, a Rús­sia tem si­do de­ma­si­a­do con­ser­va­do­ra, ou de­ma­si­a­do re­vo­lu­ci­o­ná­ria, pa­ra o gos­to oci­den­tal. Pro­pen­sa a ra­di­ca­lis­mos e a extremos, pe­lo me­nos as­sim pa­re­ce sob o olhar oci­den­tal. Re­jei­tou, sem­pre, o pa­pel de um nor­mal Es­ta­do de­mo­crá­ti­co-li­be­ral e ca­pi­ta­lis­ta, co­mo a mai­o­ria dos oci­den­tais gos­ta­ri­am que fos­se. Na­tu­ral­men­te que os rus­sos não se ve­em da mesma ma­nei­ra a si pró­pri­os. Mais do que se­guir mo­de­los so­ci­ais e po­lí­ti­cos dos ou­tros, es­pe­ci­al­men­te dos seus ri­vais eu­ro­peus e oci­den­tais, a Rús­sia tem am­bi­ção de – ela pró­pria –, ser um mo­de­lo e es­pa­lhá-lo no mun­do. Há ra­zões pro­fun­das pa­ra is­so na sua iden­ti­da­de. Tal co­mo al­guns ou­tros po­vos, os rus­sos têm im­preg­na­do o sen­ti­do de mis­são que lhes dá uma sen­sa­ção de trans­cen­dên­cia e se per­pe­tua ao lon­go do tem­po. Es­se sen­ti­men­to de mis­são – com to­na­li­da­des mes­si­â­ni­cas – fa­ci­li­tou a pas­sa­gem da Rús­sia im­pe­ri­al e con­ser­va­do­ra pa­ra uma União So­vié­ti­ca co­mu­nis­ta e re­vo­lu­ci­o­ná­ria, após a Re­vo­lu­ção de 1917. Olhe­mos de no­vo pa­ra o pas­sa­do rus­so. Ve­ja­mos as raí­zes mais pro­fun­das des­se sen­ti­men­to e as su­as trans­for­ma­ções.

Im­por­ta aqui no­tar que nem o sen­ti­men­to mes­si­â­ni­co nem a re­den­ção pe­lo sofrimento, que nor­mal­men­te lhe es­tá li­ga­da, são al­go que só se en­con­tre na Rús­sia. Es­te sen­ti­men­to po­de ser de­fi­ni­do co­mo a cren­ça em que um de­ter­mi­na­do gru­po foi es­co­lhi­do pa­ra re­a­li­zar um fim ele­va­do, que in­te­res­sa a to­da a hu­ma­ni­da­de, nor­mal­men­te de ti­po trans­cen­den­tal. Es­trei­ta­men­te li­ga­da a es­sa fi­na­li­da­de úl­ti­ma es­tá a ideia de que o sofrimento su­por­ta­do pe­lo gru­po le­va­rá à sua pró­pria re­den­ção (e da pró­pria hu­ma­ni­da­de no seu to­do). As­sim, po­de fa­lar-se na exis­tên­cia de um mes­si­a­nis­mo ju­dai­co, fran­cês ou nor­te-ame­ri­ca­no, por exem­plo. No ca­so da Rús­sia, é um fe­nó­me­no en­rai­za­do e per­sis­ten­te, ob­ser­vá­vel em vá­ri­os mo­men­tos da sua his­tó­ria e nas ma­ni­fes­ta­ções ar­tís­ti­cas e li­te­rá­ri­as, por exem­plo de Push­kin, Go­gol ou Dos­toiévs­ki. A for­ça e a vi­ta­li­da­de do mes­si­a­nis­mo rus­so po­de ser ex­pli­ca­da não só pe­lo sofrimento do po­vo, mas tam­bém pe­lo pa­pel do Cris­ti­a­nis­mo Or­to­do­xo e tam­bém mui­to pe­la sua ge­o­po­lí­ti­ca – a ame­a­ça per­ma­nen­te a oci­den­te ( po­tên­ci­as eu­ro­pei­as/ oci­den­tais), a sul (tár­ta­ros/is­lão) e a les­te (Chi­na).

Na Rús­sia exis­te um sen­ti­do pro­fun­do de mis­são, que vai des­de a rei­vin­di­ca­ção do mon­ge Phi­lotheus ou Fi­lo­fei, de que Mos­co­vo era a Ter­cei­ra Ro­ma,

no sé­cu­lo XVI, até à con­vic­ção de Lenine de que o par­ti­do Co­mu­nis­ta so­vié­ti­co era o fa­rol do pro­le­ta­ri­a­do e gui­a­ria a hu­ma­ni­da­de, no sé­cu­lo XX. A Fi­lo­fei é atri­buí­da a te­o­ria de que Mos­co­vo se­ria a Ter­cei­ro Ro­ma, te­se que se en­con­tra nos seus es­cri­tos (na re­a­li­da­de, estes fo­ram so­bre­tu­do de­di­ca­dos a ou­tras ques­tões, prin­ci­pal­men­te li­ga­das à Igre­ja, ape­nas se re­fe­rin­do a Mos­co­vo de for­ma sim­bó­li­ca).

A prin­ci­pal men­sa­gem era di­ri­gi­da ao czar, fa­zen­do-lhe sen­tir a res­pon­sa­bi­li­da­de da sua po­si­ção po­lí­ti­ca e ecle­siás­ti­ca, co­mo pro­te­tor de fé or­to­do­xa. As ca­pi­tais an­te­ri­o­res do Cris­ti­a­nis­mo Or­to­do­xo – Ro­ma e Cons­tan­ti­no­pla – ti­nham caí­do, a pri­mei­ra nas mãos dos he­re­ges la­ti­nos/ca­tó­li­cos e a se­gun­da nas dos in­fiéis mu­çul­ma­nos. Mos­co­vo era o bas­tião da Or­to­do­xia. Uma ra­mi­fi­ca­ção des­sa iden­ti­da­de e sen­ti­do de mis­são en­con­tra-se na re­jei­ção do ca­len­dá­rio, pe­la sua ori­gem na ri­val Igre­ja la­ti­na. De­ve-se ao Pa­pa Gre­gó­rio XIII a subs­ti­tui­ção, em fi­nais do sé­cu­lo XVI, do ca­len­dá­rio ju­li­a­no, ori­gi­ná­rio da An­ti­gui­da­de ro­ma­na, mas es­te con­ti­nu­ou a ser usa­do pe­la Igre­ja Or­to­do­xa.

Co­mo mos­tra Pe­ter J. S. Dun­can, num pers­pi­caz li­vro in­ti­tu­la­do “Rus­si­an Mes­si­a­nism: Third Ro­me, Re­vo­lu­ti­on, Com­mu­nism and Af­ter” ( Rou­tled­ge, 2000), no sé­cu­lo XIX o sen­ti­men­to es­la­vo, sob in­fluên­cia do ro­man­tis­mo ger­mâ­ni­co, re­jei­ta­va o Oci­den­te e re­a­fir­ma­va a cul­tu­ra tra­di­ci­o­nal rus­sa. Os es­la­vó­fi­los ide­a­li­za­vam uma har­mo­nia que acre­di­ta­vam ter exis­ti­do na “San­ta Rús­sia” dos tem­pos da Mos­có­via, com a Or­to­do­xia co­mo for­ça es­tru­tu­ral. A re­vo­lu­ção bol­che­vi­que de ou­tu­bro de 1917 usou, à sua ma­nei­ra, o sen­ti­men­to mes­si­â­ni­co pre­e­xis­ten­te. A Rús­sia sur­gia ago­ra na van­guar­da da His­tó­ria, co­mo o pri­mei­ro Es­ta­do re­vo­lu­ci­o­ná­rio do mun­do a ser go­ver­na­do por tra­ba­lha­do­res. Nes­sa ver­são – a Igre­ja Or­to­do­xa Rus­sa foi afas­ta­da de­vi­do à es­trei­ta li­ga­ção com os cza­res –, emer­gia um mes­si­a­nis­mo se­cu­la­ri­za­do.

O Ma­ni­fes­to do Par­ti­do Co­mu­nis­ta, pu­bli­ca­do pe­la pri­mei­ra vez em 1848, por Karl Marx e Fri­e­dri­ch En­gels, o Co­min­tern (do ale­mão, Kom­mu­nis­tis­che In­ter­na­ti­o­na­le), a In­ter­na­ci­o­nal Co­mu­nis­ta (1919-1943) fun­da­da em 1919 por Lenine e o Par­ti­do Co­mu­nis­ta so­vié­ti­co, pa­ra reu­nir os par­ti­dos co­mu­nis­tas a ní­vel in­ter­na­ci­o­nal, eram a no­va “Bí- blia” e a “Igre­ja” ecu­mé­ni­ca. O po­vo rus­so con­ti­nu­a­va a ser o “po­vo elei­to”.

Com a de­sin­te­gra­ção do sis­te­ma co­mu­nis­ta, a par­tir de 1989, e o fi­nal da União So­vié­ti­ca, em 1991, deu-se uma no­va e pro­fun­da trans­for­ma­ção. Aos olhos oci­den­tais, a Rús­sia que re­a­pa­re­ceu já não é de­ma­si­a­do re­vo­lu­ci­o­ná­ria e pro­gres­sis­ta, mas de­ma­si­a­do con­ser­va­do­ra e au­to­ri­tá­ria. His­to­ri­ca­men­te, lem­bra os ide­ais pas­sa­dis­tas da San­ta Ali­an­ça, sur­gi­da por ins­pi­ra­ção do czar da Rús­sia Ale­xan­dre I, uma co­li­ga­ção de po­tên­ci­as mo­nár­qui­cas e con­ser­va­do­ras da Eu­ro­pa: Im­pé­rio Rus­so, Im­pé­rio Aus­tría­co e Rei­no da Prús­sia. A ali­an­ça foi pro­cla­ma­da no Con­gres­so de Vi­e­na (1814-1815). Pre­ten­dia im­pe­dir o avan­ço cor­rup­tor das idei­as li­be­rais e cons­ti­tu­ci­o­na­lis­tas es­pa­lha­das pe­la Re­vo­lu­ção Fran­ce­sa. Ho­je, as­sis­ti­mos a uma trans­for­ma­ção do co­mu­nis­mo so­vié­ti­co nu­ma iden­ti­da­de rus­sa de to­na­li­da­des mais tra­di­ci­o­nais. A de­fe­sa, por Vladimir Pu­tin, dos “va­lo­res tra­di­ci­o­nais” da Rús­sia e o seu es­cár­nio do li­be­ra­lis­mo “sem gé­ne­ro e in­fér­til” do Oci­den­te exem­pli­fi­cam a no­va Rús­sia, na van­guar­da de uma “In­ter­na­ci­o­nal Con­ser­va­do­ra”. Um sé­cu­lo de­pois, a cha­ma da Re­vo­lu­ção Rus­sa de 1917 apa­gou-se. O sen­ti­do de mis­são da Rús­sia per­sis­te.

Vladimir Ilit­ch Uli­a­nov, eter­ni­za­do pe­lo pseu­dó­ni­mo Lenine, li­de­rou uma re­vo­lu­ção ba­li­za­da pe­la ideologia So­vi­e­te de Sol­da­dos reu­ni­do no Pa­vi­lhão de Ca­ta­ri­na, no Pa­lá­cio Tau­ri­de, em Pe­tro­gra­do (São Pe­ters­bur­go)

Pre­si­dium bol­che­vi­que do no­no con­gres­so do Par­ti­do Co­mu­nis­ta rus­so, sen­do vi­sí­vel Lenine, à di­rei­ta (fo­to em ci­ma, à es­quer­da)

Mi­lí­ci­as po­pu­la­res de­têm po­lí­ci­as dis­far­ça­dos, em Pe­tro­gra­do, em fe­ve­rei­ro de 1917 (fo­to em bai­xo, à es­quer­da) Re­tra­to da fa­mí­lia im­pe­ri­al rus­sa, cen­tra­da na fi­gu­ra do czar Ni­co­lau II. Fo­ram to­dos exe­cu­ta­dos em 1918 (fo­to na pá­gi­na se­guin­te)

Car­ta­zes pro­pa­gan­dís­ti­cos bol­che­vi­ques, des­ta­can­do opres­so­res in­ter­nos (o czar, o cle­ro e a no­bre­za es­ma­gan­do os tra­ba­lha­do­res) ou ini­mi­gos ex­ter­nos (a So­ci­e­da­de das Na­ções, sim­bo­li­za­da por fran­ce­ses, ame­ri­ca­nos e bri­tâ­ni­cos), ou ain­da pre­co­ni­zan­do a in­te

Pro­pa­gan­da pro­du­zi­da pe­las du­as fa­ções, na guer­ra ci­vil (ao cen­tro, em bai­xo, um car­taz dos “bran­cos” re­tra­ta Trotsky co­mo o di­a­bo)

Ma­ni­fes­ta­ção em Pe­tro­gra­do, re­cla­man­do o re­gres­so de Lenine do exí­lio, em abril de 1917

Mar­cha em ho­me­na­gem aos que tom­ba­ram na re­vo­lu­ção de fe­ve­rei­ro de 1917

Car­taz de pro­pa­gan­da com Lenine, no qual já se re­ve­la o cons­tru­ti­vis­mo, mo­vi­men­to es­té­ti­co-po­lí­ti­co que ins­pi­ra, tam­bém, o de­sign des­tas pá­gi­nas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.