O sin­gu­lar per­cur­so de Jó­zef Pil­suds­ki

JN História - - Histórias Soltas - Tex­to de Ma­riusz Wo os * His­to­ri­a­dor – Uni­ver­si­da­de Pe­da­gó­gi­ca de Cra­có­via

Jó­zef Pil­suds­ki ocu­pa um lu­gar de des­ta­que no pan­teão na­ci­o­nal po­la­co. Com to­tal me­re­ci­men­to, já que sem­pre lu­tou pe­la in­de­pen­dên­cia da sua pá­tria, o ob­je­ti­vo mai­or de to­da uma vi­da. De­pois de res­tau­rar o Es­ta­do, con­cen­trou-se em for­ta­le­cê-lo e con­so­li­dar a sua po­si­ção no ma­pa da Eu­ro­pa, nos tem­pos di­fí­ceis em que os di­ta­do­res olha­vam pa­ra a Po­ló­nia com re­lu­tân­cia e am­bi­ci­o­na­vam do­mi­ná-la ou mes­mo ani­qui­lá-la. Em to­das as gran­des ci­da­des po­la­cas há mo­nu­men­tos a Pil­suds­ki. Qu­em foi, en­tão, es­te ho­mem de ener­gia ines­go­tá­vel, que exer­ceu uma in­fluên­cia enor­me em seu re­dor, en­fei­ti­çan­do adversários po­lí­ti­cos e apoi­an­tes es­tran­gei­ros, ca­paz de se ro­de­ar de um gru­po con­si­de­rá­vel de se­gui­do­res que sem­pre o con­si­de­ra­ram um orá­cu­lo?

Foi, co­mo veremos, uma fi­gu­ra cu­jas con­tro­ver­sa personalidade e ações ao lon­go da vi­da, co­mo su­ce­de com a ge­ne­ra­li­da­de das gran­des fi­gu­ras his­tó­ri­cas, não po­dem ser in­se­ri­das em mol­des. Pa­ra os meus com­pa­tri­o­tas, o ape­li­do do ma­re­chal es­tá as­so­ci­a­do, aci­ma de tu­do, à pa­la­vra in­de­pen­dên­cia. As­so­cia-se tam­bém à li­ber­da­de e ao pre­ço que é pre­ci­so pa­gar por ela. Jó­zef Pil­suds­ki re­pre­sen­ta pa­ra os po­la­cos o que Ata­turk é pa­ra os tur­cos, Ma­saryk pa­ra os che­cos ou, pa­ra os por­tu­gue­ses, Nu­no Ál­va­res Pe­rei­ra, o San­to Con­des­tá­vel.

Nos limites do im­pé­rio cza­ris­ta

Pil­suds­ki nas­ceu a 5 de de­zem­bro de 1867, no seio de uma fa­mí­lia de la­ti­fun­diá­ri­os de Za­la­vas, na re­gião de Víl­nius (ho­je ca­pi­tal da Li­tuâ­nia), pou­cos anos após a re­pres­são da Re­vol­ta de Janeiro (1863-1864), uma das vá­ri­as su­ble­va­ções mi­li­ta­res fa­lha­das dos po­la­cos con­tra a Rús­sia. Mui­tos anos de­pois, dis­se per­ten­cer ao gru­po dos be­ne­na­ti­et­pos­ses­si­o­na­ti (ter­ra­te­nen­tes bem- nas­ci­dos). Na ca­sa fa­mi­li­ar, cul­ti­va­vam-se ide­ais de lu­ta ar­ma­da pe­la in­de­pen­dên­cia da pá­tria per­di­da após as par­ti­ções do fi­nal do sé­cu­lo XVIII. A Rús­sia era vis­ta co­mo prin­ci­pal res­pon­sá­vel pe­lo fra­cas­so da pá­tria e cau­sa de to­dos os in­for­tú­ni­os dos po­la­cos. Co­mo acon­te­cia ge­ral­men­te nas fa­mí­li­as pa­trió­ti­cas po­la­cas, a mãe – Ma­ria Pil­suds­ka dos Bil­le­vi­ches – te­ve um pa­pel cru­ci­al no de­sen­vol­vi­men­to da mun­di­vi­são das cri­an­ças. O pai do fu- tu­ro herói na­ci­o­nal po­la­co, tam­bém Jo­zef, par­ti­ci­pou ati­va­men­te na Re­vol­ta de Janeiro, mas não te­ve ha­bi­li­da­de nem sor­te pa­ra ge­rir o vas­to pa­tri­mó­nio. A fa­mí­lia Pil­suds­ki, ar­rui­na­da, foi for­ça­da a mu­dar-se pa­ra Víl­nius, que foi sem­pre a “pe­que­na pá­tria”, a ci­da­de ama­da do herói po­la­co.

Víl­nius, on­de Pil­suds­ki e os seus nu­me­ro­sos ir­mãos cres­ce­ram, es­ta­va nos limites do vas­to im­pé­rio rus­so. Pa­ra os po­la­cos que lá vi­vi­am, a ci­da­de con­ti­nu­a­va a in­te­grar a pá­tria, a Re­pú­bli­ca, cu­ja he­ran­ça não po­de­ria ser es­que­ci­da. Já os rus­sos con­si­de­ra­vam Víl­nius par­te da pro­vín­cia oci­den­tal do im­pé­rio, ter­ri­tó­rio que lhes abria ca­mi­nho pa­ra o Bál­ti­co e pa­ra a Eu­ro­pa oci­den­tal. Es­tas di­fe­ren­tes vi­sões ex­cluíam-se mu­tu­a­men­te, sen­do ine­vi­tá­vel que en­tras­sem em co­li­são. Te­ri­am mes­mo de le­var ao der­ra­ma­men­to de san­gue.

No âm­bi­to da re­pres­são após a Re­vol­ta de Janeiro, os rus­sos em­pe­nha­ram-se no com­ba­te a to­das as ma­ni­fes­ta­ções da iden­ti­da­de po­la­ca e em­pre­en­de­ram um pro­ces­so bru­tal de rus­si­fi­ca­ção, fa­zen­do da es­co­la um ins­tru­men­to cen­tral. Na es­co­la re­pu­di­a­va-se tu­do o que fos­se po­la­co, e um dos

Nos 150 anos do nascimento do herói na­ci­o­nal da Po­ló­nia, vi­si­ta­mos a vi­da atri­bu­la­da do ho­mem mí­ti­co que re­ce­beu na ilha da Ma­dei­ra du­as to­ne­la­das de car­tas de com­pa­tri­o­tas

bió­gra­fos de Pil­suds­ki es­cre­veu, com ra­zão, que da­li po­de­ria ter saí­do um opor­tu­nis­ta ou um re­bel­de. Saiu um re­bel­de. En­quan­to ob­ser­va­dor aten­to e, ao mes­mo tem­po, po­ten­ci­al ví­ti­ma da rus­si­fi­ca­ção, ti­rou as su­as con­clu­sões, co­nhe­ceu o apa­re­lho na­ci­o­nal rus­so e a ati­tu­de de pro­fes­so­res e fun­ci­o­ná­ri­os do im­pé­rio cza­ris­ta fa­ce aos po­la­cos. To­da a vi­da des­con­fi­ou dos rus­sos, mais tar­de so­vié­ti­cos, e con­si­de­rou-os os prin­ci­pais ini­mi­gos dos po­la­cos, pois per­se­gui­am os seus ob­je­ti­vos im­pe­ri­a­lis­tas – se não ape­nas na­ci­o­na­lis­tas e ide­o­ló­gi­cos – pe­la re­pres­são bru­tal de to­da a opo­si­ção. Pa­ra Pil­suds­ki, a au­to­ri­da­de rus­sa re­pre­sen­ta­va ex­clu­si­va­men­te a for­ça que vi­sa­va des­truir tu­do o que lhe era que­ri­do e es­ta­va as­so­ci­a­do à ca­sa de fa­mí­lia. Is­so le­vou-o a lu­tar con­tra o czar e o Es­ta­do rus­so, as­sim tri­lhou o lon­go e aci­den­ta­do ca­mi­nho que cul­mi­na­ria nu­ma na­ção po­la­ca in­de­pen­den­te.

Em 1887, pres­tes a fa­zer 20 anos e es­tu­dan­te de me­di­ci­na em Cra­có­via, na Ucrâ­nia, es­te­ve en­vol­vi­do na pre­pa­ra­ção do aten­ta­do con­tra o im­pe­ra­dor rus­so Ale­xan­dre III Ro­ma­nov. Os jo­vens cons­pi­ra­do­res, tan­to po­la­cos co­mo rus­sos, pen­sa­ram, tal­vez in­ge­nu­a­men­te, que a mor­te do czar abri­ria ca­mi­nho a pro­fun­das trans­for­ma­ções na vi­da so­ci­al, po­lí­ti­ca e na­ci­o­nal. A cons­pi­ra­ção foi des­co­ber­ta, e os in­ves­ti­ga­do­res che­ga­ram aos ir­mãos Pil­suds­ki – ao mais ve­lho, Bro­nis­lav, e ao mais no­vo, Jó­zef. O pri­mei­ro foi con­de­na­do à mor­te, mas viu a pe­na co­mu­ta­da pa­ra 15 anos de exí­lio na ilha de Sa­ca­li­na, nos con­fins ori­en­tais do im­pé­rio. Jó­zef, que ti­ve­ra uma par­ti­ci­pa­ção sim­bó­li­ca na cons­pi­ra­ção, foi con­de­na­do a cin­co anos de de­gre­do na Si­bé­ria ori­en­tal, mais con­cre­ta­men­te nos ar­re­do­res de Ir­kutsk, on­de co­nhe­ce­eu al­guns par­ti­ci­pan­tes, mais ve­lhos, da Re­vol­ta de Janeiro. A Si­bé­ria foi pa­ra ele um lu­gar de ama­du­re­ci­men­to po­lí­ti­co. Con­tra­ri­a­men­te ao pre­ten­di­do, a de­por­ta­ção não o amo­le­ceu, mas tor­nou-o ain­da mais con­vic­to da ne­ces­si­da­de de con­ti­nu­ar a lu­tar pe­la in­de­pen­dên­cia da Po­ló­nia e per­mi­tiu-lhe com­pre­en­der me­lhor a es­sên­cia do sis­te­ma rus­so de po­der.

Quan­do re­gres­sou do exí­lio, Pil­suds­ki ade­riu ao re­cém-cri­a­do Par­ti­do So­ci­a­lis­ta Po­la­co (PPS), de que ra­pi­da­men­te se tor­nou lí­der. O so­ci­a­lis­mo in­de­pen­den­tis­ta po­la­co, men­ci­o­na­do as- sim na nos­sa his­to­ri­o­gra­fia, foi mui­to dis­tin­to do so­ci­a­lis­mo co­nhe­ci­do en­tão na Eu­ro­pa oci­den­tal. Pa­ra os seus sim­pa­ti­zan­tes, o ob­je­ti­vo prin­ci­pal e in­con­tes­tá­vel era a lu­ta pe­la in­de­pen­dên­cia. Só de­pois vi­nham as mu­dan­ças so­ci­ais, a im­ple­men­tar num país li­vre. Os so­ci­a­lis­tas in­de­pen­den­tis­tas se­gui­am os pas­sos dos de­mo­cra­tas no­bres que se lan­ça­ram no com­ba­te aos in­va­so­res, em pri­mei­ra ins­tân­cia e uma vez mais con­tra a Rús­sia, ain­da no fi­nal do sé­cu­lo XVIII e no sé­cu­lo XIX. Na vi­ra­gem do sé­cu­lo XIX pa­ra o sé­cu­lo XX, os ope­rá­ri­os cons­ti­tuíam o prin­ci­pal al­fo­bre da ve­lha or­dem. Is­so pro­por­ci­o­na­va aos so­ci­a­lis­tas in­de­pen­den­tis­tas uma opor­tu­ni­da­de de en­con­trar en­tre eles ali­a­dos na lu­ta con­tra o re­gi­me cza­ris­ta. Nes­te es­pí­ri­to, Pil­suds­ki re­di­giu “Ro­bot­nik” (Ope­rá­rio), o prin­ci­pal ór­gão de im­pren­sa do PPS. En­quan­to lí­der do par­ti­do, es­te­ve sob vi­gi­lân­cia da po­lí­cia po­lí­ti­ca rus­sa, a Okh­ra­na, e ope­rou prin­ci­pal­men­te no ter­ri­tó­rio ocu­pa­do, ou se­ja, no an­ti­go Rei­no da Po­ló­nia que os Rus­sos re­ba­ti­za­ram de Ter­ra do Vís­tu­la. Vi­a­jou tam­bém pe­la Eu­ro­pa oci­den­tal, on­de atu­a­vam os so­ci­a­lis­tas po­la­cos emi­gra­dos. Vi­si­tou Fran­ça, Ale­ma­nha, GrãB­re­ta­nha, Suí­ça, Itá­lia e Áus­tria-hun­gria. Em 1900, foi pre­so pe­los rus­sos em Lodz. Um ano de­pois, es­ca­pou por mi­la­gre a uma pe­na se­ve­ra, fu­gin­do au­da­ci­o­sa­men­te do hos­pi­tal de S. Ni­co­lau Tau­ma­tur­go, em São Pe­ters­bur­go.

Con­fron­to com os rus­sos

No pe­río­do da re­vo­lu­ção de 1905-1907, quan­do o Es­ta­do rus­so, en­fra­que­ci­do pe­la der­ro­ta na guer­ra com o Japão, so­fria sé­ria agi­ta­ção, os so­ci­a­lis­tas en­tra­ram em con­fron­to com os rus­sos, no ter­ri­tó­rio do Rei­no da Po­ló­nia. Já em 1904 Pil­suds­ki con­se­gui­ra che­gar a Tó­quio, em bus­ca de ali­a­dos con­tra o im- pé­rio cza­ris­ta. Tal esforço deu pou­cos fru­tos, mas os japoneses não es­que­ce­ram a ati­tu­de de Pil­suds­ki, o que con­tri­buiu pa­ra uma boa co­o­pe­ra­ção en­tre Po­ló­nia e Japão, es­pe­ci­al­men­te no do­mí­nio da in­te­li­gên­cia con­tra a União So­vié­ti­ca, no pe­río­do en­tre guer­ras. Os re­sul­ta­dos da lu­ta tra­va­da pe­los mi­li­tan­tes da Or­ga­ni­za­ção de Com­ba­te do PPS, li­de­ra­da por Pil­suds­ki, du­ran­te a re­fe­ri­da re­vo­lu­ção, não ti­ve­ram os efei­tos de­se­ja­dos. Os ata­ques con­tra al­tos fun­ci­o­ná­ri­os cza­ris­tas, po­lí­ci­as e in­for­ma­do­res, as ações de ex­pro­pri­a­ção, cu­jo ob­je­ti­vo era fi­nan­ci­ar a con­ti­nu­a­ção das ope­ra­ções, ou o in­ci­ta­men­to à re­be­lião re­ve­la­ram ser um ca­mi­nho com­ple­xo pa­ra a in­de­pen­dên­cia. O im­pé­rio rus­so va­ci­lou, mas não caiu. Pi­or ain­da, os po­la­cos so­ci­a­lis­tas di­vi­di­ram-se. Pil­suds­ki li­de­ra­va uma mai­o­ria di­ver­gen­te do PPS – a Fra­ção Re­vo­lu­ci­o­ná­ria – e, pa­ra ele, “re­vo­lu­ção” era si­nó­ni­mo de “re­vol­ta”.

Após a fu­ga de São Pe­ters­bur­go, Pil­suds­ki trans­fe­riu as su­as ope­ra­ções pa­ra a re­gião da Ga­lí­cia, par­te do Im­pé­rio Aus­tro-hún­ga­ro, on­de os re­si­den­tes po­la­cos ti­nham am­pla au­to­no­mia. Em 1908, deu iní­cio à for­ma­ção de es­tru­tu­ras mi­li­ta­res que vi­ri­am a ser o fu­tu­ro exér­ci­to po­la­co. Era o re­sul­ta­do de um cál­cu­lo pre­me­di­ta­do e da cer­te­za de uma guer­ra imi­nen­te en­tre os ocu­pan­tes ago­ra si­tu­a­dos em cam­pos po­lí­ti­cos opos­tos: Ale­ma­nha e Áus­tria- Hun­gria, en­tre os paí­ses da Eu­ro­pa Cen­tral, e a Rús­sia, en­tre os paí­ses da En­ten­te. Pa­ra cons­truir uma uni­da­de pa­ra­mi­li­tar vo­lun­tá­ria, pre­ci­sa­va do con­sen­ti­men­to das au­to­ri­da­des aus­tría­cas e de as­su­mir com elas um com­pro­mis­so. Te­ria de co­la­bo­rar com os ser­vi­ços se­cre­tos aus­tro-hún­ga­ros, con­tra a Rús­sia. Es­ta co­la­bo­ra­ção ins­cre­via-se bem no con­fli­to ca­da vez mais la­ten­te en­tre rus­sos e aus­tría­cos, es­pe­ci­al­men­te vi­sí­vel nos Bal­cãs.

Co­mo re­sul­ta­do, em 1908, Pil­suds­ki e os seus par­ti­dá­ri­os cri­a­ram, em Lvov, ca­pi­tal da Ga­lí­cia, a or­ga­ni­za­ção se­cre­ta da Lu­ta Ati­va, e a par­tir de 1910 co­me­ça­ram a es­ta­be­le­cer or­ga­ni­za­ções pa­ra­mi­li­ta­res (Uniões de Ati­ra­do­res). Com o tem­po, a re­de tor­nou-se mais con­sis­ten­te e abar­cou ca­da vez mais jo­vens pa­tri­o­tas. Fo­ra da Ga­lí­cia, cri­a­ram-se uniões no Rei­no da Po­ló­nia, no im­pé­rio rus­so pro­fun­do e em cen­tros aca­dé­mi­cos na Fran­ça, Bél­gi­ca, Suí­ça e Áus­tria.

TEN­DO NAS­CI­DO E CRES­CI­DO EM VILNIUS, PIL­SUDS­KI SEM­PRE VIU NA RÚS­SIA O MAI­OR INI­MI­GO DA PO­LÓ­NIA

Te­rá Pil­suds­ki, após as ten­ta­ti­vas da pri­mei­ra re­vo­lu­ção rus­sa, con­ti­nu­a­do a acre­di­tar na su­ble­va­ção po­la­ca con­tra a Rús­sia? Pro­va­vel­men­te nun­ca per­de­ra a es­pe­ran­ça, mas a pri­o­ri­da­de era ago­ra cons­truir a sua pró­pria for­ça ar­ma­da na­ci­o­nal. Uma na­ção des­pro­vi­da de Es­ta­do e de go­ver­no de­via ter, pe­lo me­nos, o seu pró­prio exér­ci­to, o que lhe con­fe­ri­ria po­der de ne­go­ci­a­ção aquan­do da eclo­são do con­fli­to en­tre os es­ta­dos usur­pa­do­res. Pa­ra mais, a fim de com­ba­ter os rus­sos, ale­mães e aus­tro-hún­ga­ros te­ri­am de se des­lo­car pa­ra as ter­ras ha­bi­ta­das pe­los po­la­cos, on­de se es­ten­de­ria, pos­te­ri­or­men­te, a fren­te ori­en­tal da Gran­de Guer­ra. Um exér­ci­to pró­prio se­ria um ins­tru­men­to pa­ra ne­go­ci­ar a cau­sa po­la­ca com os ocu­pan­tes e um ar­gu­men­to de pe­so pa­ra que Vi­e­na, Ber­lim ou São Pe­ters­bur­go fi­zes­sem con­ces­sões aos po­la­cos, que to­dos que­re­ri­am do seu la­do.

Após a eclo­são da I Guer­ra Mun­di­al, os ati­ra­do­res de Pil­suds­ki que com­ba­ti­am vo­lun­ta­ri­a­men­te con­tra a Rús­sia, ao la­do da Áus­tria-hun­gria e da Ale­ma­nha, en­tra­ram no Rei­no da Po­ló­nia, ou se­ja, em ter­ri­tó­rio do im­pé­rio cza­ris­ta. Mas a re­vol­ta não se deu. De for­ma ne­nhu­ma Pil­suds­ki de­sis­ti­ra do exér­ci­to po­la­co: con­cor­da­ra com a ideia da cons­tru­ção de le­giões po­la­cas, que in­te­gra­vam o exér­ci­to aus­tría­co, pre­ser­van­do em ab­so­lu­to a iden­ti­da­de na­ci­o­nal. En­quan­to mi­li­tar au­to­di­da­ta, co­man­dou por mais de dois anos a 1ª Bri­ga­da das Le­giões, em cu­jas fi­lei­ras vi­ri­am a sur­gir os seus mais fer­vo­ro­sos se­gui­do­res, que o tra­ta­vam por “Avô”. Pil­suds­ki dei­xa­va ha­bil­men­te su­bir a pa­ra­da, com o in­tui­to de ne­go­ci­ar a

ques­tão po­la­ca. Não era sem ra­zão que os ale­mães cha­ma­vam aos le­gi­o­ná­ri­os po­la­cos Hel­den­ban­de (ban­do de he­róis). Uma fe­liz su­ces­são de acon­te­ci­men­tos in­ter­na­ci­o­nais, co­mo o en­fra­que­ci­men­to da Ale­ma­nha e do Im­pé­rio Aus­tro-hún­ga­ro e a eclo­são da re­vo­lu­ção rus­sa em 1917, le­vou à in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção da cau­sa po­la­ca. Já em 1916, ale­mães e aus­tría­cos anun­ci­am o Rei­no da Po­ló­nia en­quan­to país ali­a­do. Ti­nham re­co­nhe­ci­do o va­lor do sol­da­do po­la­co. Me­ses de­pois, em mar­ço de 1917, o Go­ver­no Pro­vi­só­rio rus­so anun­ci­ou pa­ra bre­ve o es­ta­be­le­ci­men­to de uma Po­ló­nia li­vre. Os lí­de­res dos Es­ta­dos Uni­dos, Fran­ça, Grã- Bre­ta­nha e Itá­lia ex­pres­sa­ram-se no mes­mo sen­ti­do. Pil­suds­ki ain­da ten­tou sub­me­ter as Le­giões, en­quan­to exér­ci­to po­la­co, a um po­der po­lí­ti­co po­la­co de com­pen­sa­ção, o Con­se­lho de Es­ta­do Pro­vi­só­rio, cri­a­do com o con­sen­ti­men­to dos ale­mães em Var­só­via. Em vão. No ve­rão de 1917, rom­peu de vez com os es­ta­dos cen­trais, foi de­ti­do pe­los ale­mães e de­pois trans­fe­ri­do pa­ra Mag­de­bur­go. Em ter­ras po­la­cas e do im­pé­rio rus­so em que­da, a Or­ga­ni­za­ção Mi­li­tar Po­la­ca fun­da­da por Pil­suds­ki re­to­mou a ati­vi­da­de de re­sis­tên­cia e no fi­nal da guer­ra, em no­vem­bro de 1918, con­se­guiu de­sar­mar os sol­da­dos ale­mães e aus­tría­cos es­ta­ci­o­na­dos em ter­ri­tó­rio po­la­co – por ou­tras palavras, le­van­tar do chão o po­der que na­que­les dias me­mo­rá­veis es­ta­va es­pa­lha­do pe­las ru­as.

Uma au­ra de gran­di­o­si­da­de

No se­gui­men­to dos even­tos re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os na Ale­ma­nha, Pil­suds­ki foi li­ber­ta­do e re­gres­sou a Var­só­via, em no­vem­bro de 1918. Rom­peu de­fi­ni­ti­va­men­te com o so­ci­a­lis­mo, e já en­tão os com­pa­tri­o­tas o vi­am en­vol­to por uma au­ra de gran­di­o­si­da­de: o cri­a­dor da in­de­pen­dên­cia nas­cen­te e o ho­mem que se opôs a to­dos os in­va­so­res. Pil­suds­ki en­ce­ta­va en­tão um pe­río­do de­di­ca­do à cons­tru­ção in­ten­si­va das fun­da­ções do Es­ta­do re­cu­pe­ra­do e, tam­bém, de lu­ta ar­ma­da e di­plo­má­ti­ca pe­la de­fi­ni­ção das fron­tei­ras. Ti­nha nes­te do­mí­nio ri­vais ilus­tres, mas tam­bém par­cei­ros nas pes­so­as de Ro­man Dmows­ki, lí­der do mo­vi­men­to na­ci­o­na­lis­ta po­la­co, e Ig­nacy Jan Pa­de­rews­ki, um gran­de pa­tri­o­ta e pi­a­nis­ta fa­mo­so. Num pe­río­do crí­ti­co, estes três no­tá­veis po­la­cos con­se­gui­ram en­con­trar uma lin­gua­gem co­mum, pois es­ta­vam ci­en­tes da gra- vi­da­de da si­tu­a­ção. Em pou­co tem­po, foi pos­sí­vel cons­truir um Es­ta­do in­de­pen­den­te so­bre os es­com­bros da do­mi­na­ção dos in­va­so­res. A uni­fi­ca­ção do país di­vi­di­do foi bem su­ce­di­da, con­vo­cou- se o Par­la­men­to, ado­tou- se a Cons­ti­tui­ção, co­di­fi­cou- se o Di­rei­to, cri­ou-se um exér­ci­to e to­das as ins­ti­tui­ções es­ta­tais es­sen­ci­ais, re­cons­truiu-se a in­dús­tria, im­ple­men­tou-se a reforma agrá­ria. Pil­suds­ki que­ria a Po­ló­nia co­mo um par­cei­ro igual, não co­mo fre­guês dos vizinhos ou das po­tên­ci­as de en­tão.

De 1918 a 1921, a Po­ló­nia in­de­pen­den­te lu­tou com pra­ti­ca­men­te to­dos os seus vizinhos por cau­sa das fron­tei­ras. O con­fron­to mais gra­ve e san­gren­to foi com o Es­ta­do so­vié­ti­co li­de­ra­do por Lenine. Pa­ra os po­la­cos foi a dis­pu­ta por tu­do – por uma exis­tên­cia in­de­pen­den­te, por um es­ta­do re­cém-re­cu­pe­ra­do, pe­la fron­tei­ra les­te, por um lu­gar na Eu­ro­pa e, por fim, pe­la re­jei­ção de um co­mu­nis­mo per­ce­bi­do co­mo uma pá­ti­na ide­o­ló­gi­ca que es­con­dia o ve­lho im­pe­ri­a­lis­mo rus­so. Os bol­che­vi­ques que­ri­am car­re­gar a to­cha da re­vo­lu­ção por ci­ma do ca­dá­ver da Po­ló­nia até à Eu­ro­pa Oci­den­tal, co­me­çan­do pe­la Ale­ma­nha.

En­quan­to is­so, Pil­suds­ki que­ria cons­truir a les­te da Po­ló­nia um sis­te­ma de es­ta­dos in­de­pen­den­tes (Fin­lân­dia, Es­tó­nia, Le­tó­nia, Li­tuâ­nia fe­de­ra­da com a Po­ló­nia, Bi­e­lor­rús­sia, Ucrâ­nia), que se­pa­ra­ria o seu país da sem­pre pe­ri­go­sa Rús­sia e que, pe­la pró­pria exis­tên­cia, de­bi­li­ta­ria efi­caz­men­te o po­ten­ci­al des­ta. Os po­la­cos ti­ve­ram de apoi­ar bas­tan­te os es­for­ços dos seus vizinhos ori­en­tais a es­te res­pei­to. Fo­ram pou­cos os re­sul­ta­dos, pois li­tu­a­nos, bi­e­lor­rus­sos e ucra­ni­a­nos olha­vam os po­la­cos com des­con­fi­an­ça, as­pi­ran­do a ob­ter a in­de­pen­dên­cia pe­los seus pró­pri­os mei­os. Era uma ideia de­ma­si­a­do avan­ça­da pa­ra o tem­po. Ana­li­san­do o cur­so dos acon­te­ci­men­tos, po­de cons­ta­tar-se que as trans­for­ma­ções só se con­cre­ti­za­ram re­al­men­te após o co­lap­so da União So­vié­ti­ca, em 1991. O des­fe­cho da guer­ra po­la­co-so­vié­ti­ca de 1919- 1921 foi de­ter­mi­na­do por uma ma­no­bra fe­no­me­nal exe­cu­ta­da pe­lo exér­ci­to po­la­co sob o co­man­do de Pil­suds­ki, em agos­to de 1920, a sul e a les­te de Var­só­via, cu­ja de­fe­sa con­tra as ofen­si­vas do Exér­ci­to Ver­me­lho foi uma das cha­ves pa­ra a vi­tó­ria. Pil­suds­ki in­fli­giu ou­tra pe­sa­da der­ro­ta

aos bol­che­vi­ques nas ba­ta­lhas do Ni­e­men, em se­tem­bro de 1920. A guer­ra foi ven­ci­da e a in­de­pen­dên­cia sal­va. Pil­suds­ki, promovido en­tre­tan­to a ma­re­chal, tor­nou- se o lí­der vi­to­ri­o­so, o úni­co na his­tó­ria a ven­cer mi­li­tar­men­te os so­vié­ti­cos. O tra­ta­do de paz as­si­na­do em Ri­ga, em mar­ço de 1921, não con­cre­ti­zou os so­nhos dos po­la­cos, mas ga­ran­tiu por al­gum tem­po não só a in­de­pen­dên­cia da Re­pú­bli­ca, co­mo a de ou­tros paí­ses con­tí­guos à fron­tei­ra oes­te da União So­vié­ti­ca. O Tra­ta­do de Ri­ga foi, pa­ra o Les­te eu­ro­peu, um com­ple­men­to da or­dem es­ta­be­le­ci­da em Ver­sa­lhes, após a I Guer­ra Mun­di­al.

Su­ces­so li­mi­ta­do

Em 1922 ter­mi­nou o pro­ces­so de de­fi­ni­ção das fron­tei­ras. A Po­ló­nia ob­te­ve ape­nas um aces­so mui­to li­mi­ta­do ao Mar Bál­ti­co. Ape­sar dos es­for­ços da di­plo­ma­cia po­la­ca, Gdansk tor­nou- se uma ci­da­de li­vre, sob a tu­te­la da So­ci­e­da­de das Na­ções. A Re­pú­bli­ca par­ti­lha­va fron­tei­ras com os ale­mães e os so­vié­ti­cos, o que não fa­vo­re­cia a es­ta­bi­li­da­de nem au­gu­ra­va na­da de bom pa­ra o fu­tu­ro, pois nem bol­che­vi­ques nem ale­mães re­nun­ci­a­vam às su­as rei­vin­di­ca­ções. Pil­suds­ki es­ta­va ci­en­te da si­tu­a­ção trá­gi­ca e mol­dou, por­tan­to, a po­lí­ti­ca ex­ter­na de for­ma a ten­tar cons­truir uma “ter­cei­ra for­ça” na Eu­ro­pa, en­tre a Ale­ma­nha e a União So­vié­ti­ca, reu­nin­do em tor­no da Po­ló­nia os paí­ses da Eu­ro­pa cen­tral e ori­en­tal. Na pri­mei­ra me­ta­de da dé­ca­da de 1930, cri­ou-se tam­bém a ba­se pa­ra uma po­lí­ti­ca de equi­dis­tân­cia pa­ra Ber­lim e Mos­co­vo, cu­ja es­sên­cia era a ce­le­bra­ção de pac­tos bi­la­te­rais de não-agressão com os so­vié­ti­cos e o Ter­cei­ro Rei­ch, bem co­mo a fu­ga à ten­ta­ção de se apro­xi­ma­rem ex­ces­si­va­men­te dos vizinhos, o que po­de­ria equi­va­ler a uma pe­ri­go­sa eva­si­va da ou­tra par­te. Te­ria si­do pos­sí­vel agir de ou­tra for­ma, en­con­tran­do- se en­tre Es­ta­li­ne e Hi­tler? Ape­sar da ali­an­ça com a Fran­ça e da ten­ta­ti­va de ali­an­ça com a GrãB­re­ta­nha, Pil­suds­ki não con­fi­a­va nas po­tên­ci­as oci­den­tais, que con­si­de­ra­vam a Po­ló­nia uma pe­ri­fe­ria me­nos im­por­tan­te, nem acre­di­ta­va na efi­cá­cia da So­ci­e­da­de das Na­ções. O pe­río­do en­tre guer­ras foi trá­gi­co pa­ra a in­de­pen­dên­cia po­la­ca, jus­ta­men­te por ra­zões ge­o­po­lí­ti­cas.

En­tre 1923 e 1926, Jó­zef Pil­suds­ki afas­tou-se da vi­da po­lí­ti­ca ati­va pa­ra o re­co­lhi­men­to do en­can­ta­dor so­lar de Su­le­jówek, per­to de Var­só­via. Tal de­veu-se, em pri­mei­ra ins­tân­cia, ao as­sas­sí­nio, por um fa­ná­ti­co, do pri­mei­ro pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Ga­bri­el Na­ru­towicz, pa­ra qu­em o ma­re­chal trans­fe­ri­ra o po­der de che­fe de Es­ta­do. Não con­se­guia su­por­tar a ideia de que fos­sem pa­ra o Go­ver­no as pes­so­as que ele acu­sa­va mo­ral­men­te do cri­me. A mor­te do pre­si­den­te aba­lou a fé de Pil­suds­ki na de­mo­cra­cia po­la­ca e fê- lo olhar pa­ra o fu­tu­ro com ain­da mais ce­ti­cis­mo. Em maio de 1926, o ma­re­chal vol­tou ao po­der, por meio de um gol­pe de Es­ta­do. Ini­ci­al­men­te, pla­ne­a­ra con­se­gui-lo exer­cen­do pres­são so­bre os go­ver­nan­tes, mas a de­mons­tra­ção de for­ça (um des­fi­le mi­li­tar, em Var­só­via, das uni­da­des le­ais a Pil­suds­ki) não cau­sou a ren­di­ção dos adversários po­lí­ti­cos. Foi pre­ci­so usar as ar­mas. A re­ti­ra­da se­ria um sinal de fra­que­za e le­va­ria, no mí­ni­mo, à sua mar­gi­na­li­za­ção na ce­na po­lí­ti­ca po­la­ca, se não mes­mo à pri­são ou até ao ca­da­fal­so. A ava­li­a­ção do gol­pe de Es­ta­do, em que mor­re­ram cer­ca de 400 pes­so­as, e da for­ma co­mo Pil­suds­ki re­gres­sou ao po­der di­vi­de, ain­da ho­je, os po­la­cos. Se­gun­do os sim­pa­ti­zan­tes do ma­re­chal, an­tes do gol­pe, o Es­ta­do en­con­tra­va-se à bei­ra do abis­mo de­vi­do à ins­ta­bi­li­da­de in­ter­na, à fra­gi­li­da­de do po­der exe­cu­ti­vo no do­mí­nio le­gis­la­ti­vo, ao par­la­men­ta­ris­mo dis­so­lu­to e a uma Cons­ti­tui­ção mui­to im­per­fei­ta. Ain­da por ci­ma, nos me­ses que pre­ce­de­ram o gol­pe de maio, a sua po­si­ção na are­na in­ter­na­ci­o­nal en­fra­que­ce­ra con­si­de­ra­vel­men­te de­vi­do ao es­mo­re­ci­men­to da ali­an­ça com a Fran­ça e ao au­men­to da im­por­tân­cia da Ale­ma­nha (Tra­ta­dos de Lo­car­no, de de­zem­bro de 1925), bem co­mo à apro­xi­ma­ção ger­ma­no-so­vié­ti­ca, que ti­nha a sua ex­pres­são na es­trei­ta co­o­pe­ra­ção mi­li­tar, pon­do em ris­co a or­dem de Ver­sa­lhes, e, por con­se­guin­te, a Po­ló­nia (Tra­ta­do de Ber­lim, de abril de 1926). Pa­ra os opo­si­to­res de Pil­suds­ki, o gol­pe foi ins­pi­ra­do, em pri­mei­ro lu­gar, pe­las su­as ten­dên­ci­as di­ta­to­ri­ais, pe­lo de­se­jo de fra­tu­rar a coluna ver­te­bral do Par­la­men­to e, em ge­ral, da jo­vem de­mo­cra­cia po­la­ca, e, fi­nal­men­te, pe­la con­vic­ção da pró­pria in­fa­li­bi­li­da­de.

A di­ta­du­ra e a pas­sa­gem por Por­tu­gal

Até mor­rer, em maio de 1935, Pil­suds­ki exer­ceu, de fac­to, um po­der di­ta­to­ri­al, ape­sar de ocu­par os car­gos re­la­ti­va­men­te mo­des­tos de mi­nis­tro da De­fe­sa e de ins­pe­tor-ge­ral das For­ças Ar­ma­das. Não foi pre­si­den­te do Es­ta­do e de­sem­pe­nhou a fun­ção de pri­mei­ro- mi­nis­tro ape­nas por um cur­to pe­río­do, nos anos 1926-1928 e, no­va­men­te, na se­gun­da me­ta­de de 1930. Con­tu­do, to­das as de­ci­sões im­por­tan­tes eram to­ma­das ape­nas por ele ou es­ta­vam su­jei­tas à sua opi­nião. Que­ria for­ta­le­cer o po­der exe­cu­ti­vo em de­tri­men­to do le­gis­la­ti­vo e des­ta­car a im­por­tân­cia do exér­ci­to nas es­tru­tu­ras do Es­ta­do. Is­to re­fle­tiu- se na Cons­ti­tui­ção que en­trou em vi­gor em abril de 1935, pou­co an­tes da mor­te do ma­re­chal, que des­de fi­nais dos anos 20 li­da­va com a opo­si­ção de for­ma ca­da vez mais bru­tal. Em se­tem­bro de 1930, or­de­nou a dis­so­lu­ção do Par­la­men­to e a de­ten­ção dos lí­de­res da opo­si­ção de cen­tro- es­quer­da. Com­ba­teu tam­bém a opo­si­ção de di­rei­ta, ex­tin­guin­do, no iní­cio dos anos 30, o Bloco da Gran­de Po­ló­nia fun­da­do por Dmows­ki. Re­pri­miu re­so­lu­ta­men­te os dis­cur­sos an­ti­es­ta­tais das mi­no­ri­as na­ci­o­nais, em es­pe­ci­al de ucra­ni­a­nos e bi­e­lor­rus­sos. Nun­ca foi, po­rém, an­tis­se­mi­ta, e en­tre os le­gi­o­ná­ri­os e apoi­an­tes dos go­ver­nos de Pil­suds­ki não fal­ta­vam ju­deus po­la­cos. No­tou-se, na Po­ló­nia dos anos 20, um per­cur­so tí­pi­co da mai­o­ria dos paí­ses da Eu­ro­pa cen­tral e ori­en­tal, da de­mo­cra­cia pa­ra um sis­te­ma au­to­ri­tá­rio.

ENTALADA POR PO­TÊN­CI­AS HOS­TIS, A PO­LÓ­NIA TEN­TOU CRI­AR UMA “TER­CEI­RA FOR­ÇA” EN­TRE A ALE­MA­NHA E A URSS

Aten­den­do à si­tu­a­ção in­ter­na, ape­sar dos su­ces­sos eco­nó­mi­cos e da uni­fi­ca­ção bem su­ce­di­da, a in­de­pen­dên­cia da Po­ló­nia no pe­río­do en­tre guer­ras não foi fá­cil.

Ao leitor português tal­vez in­te­res­se sa­ber que a mais lon­ga vi­a­gem fei­ta por Pil­suds­ki, nos tem­pos da in­de­pen­dên­cia da Po­ló­nia, foi fei­ta à Ma­dei­ra , on­de per­ma­ne­ceu de 15 de de­zem­bro de 1930 até 29 de mar­ço se­guin­te. O ma­re­chal ru­mou a Por­tu­gal com o in­tui­to de des­can­sar num cli­ma ame­no, es­ca­pan­do ao ri­go­ro­so inverno po­la­co, pou­co re­co­men­dá­vel pa­ra o seu es­ta­do de saú­de já de­bi­li­ta­do. Es­sa ausência per­mi­tiu tam­bém tes­tar a efi­cá­cia da go­ver­na­ção por par­te dos co­la­bo­ra­do­res do ma­re­chal. Na opi­nião des­te, foi um pou­co fra­ca.

A ca­mi­nho da Ma­dei­ra, Pil­suds­ki en­con­trou-se, em Lis­boa, com o pre­si­den­te Ós­car Car­mo­na, que lhe atri­buiu a in­síg­nia da Or­dem da Tor­re e Es­pa­da. O ma­re­chal fi­cou alo­ja­do na Quin­ta Bet­ten­court, pro­pri­e­da­de do Go­ver­no português, nos ar­re­do­res do Fun­chal, e vi­si­tou vá­ri­as vezes o go­ver­na­dor mi­li­tar da ilha, o coronel Jo­sé de Frei­tas. Con­ce­deu tam­bém uma en­tre­vis­ta ao cor­res­pon­den­te do jor­nal bra­si­lei­ro “Correio da Ma­nhã”. Na Ma­dei­ra, as­sis­tiu a uma gre­ve con­vo­ca­da em pro­tes­to do au­men­to anun­ci­a­do dos di­rei­tos adu­a­nei­ros so­bre os ce­re­ais e a fa­ri­nha, o que deu ori­gem a tu­mul­tos vi­o­len­ta­men­te re­pri­mi­dos pe­los mi­li­ta­res. Em 19 de mar­ço de 1931, ce­le­brou no Fun­chal o seu san­to ono­más­ti­co. A es­ta­ção de cor­rei­os lo­cal foi inun­da­da por car­tas e car­tões de fe­li­ci­ta­ções en­vi­a­dos da Po­ló­nia. Cal­cu­lou-se que pe­sa­vam du­as to­ne­la­das e eram mais de um mi­lhão. Du­ran­te a tem­po­ra­da em Por­tu­gal, o ma­re­chal fez-se acom­pa­nhar por vá­ri­as pes­so­as, in­cluin­do a mé­di­ca Eu­gé­nia Lewic­ka, de qu­em se di­zia ser sua aman­te. Pil­suds­ki não era in­sen­sí­vel aos en­can­tos fe­mi­ni­nos. Lewic­ka dei­xou a Ma­dei­ra an­tes do ma­re­chal. Al­guns me­ses de­pois, sui­ci­dou- se em Var­só­via.

Jó­zef Pil­suds­ki mor­reu em Var­só­via, em 12 de maio de 1935, de can­cro. Foi se­pul­ta­do no cas­te­lo de Cra­có­via, on­de ja­zem reis po­la­cos, he­róis na­ci­o­nais, lí­de­res pre­e­mi­nen­tes e os mais su­bli­mes po­e­tas.

O re­pou­so do gu­er­rei­ro na Quin­ta Bet­ten­court O ma­re­chal Pil­suds­ki per­ma­ne­ceu mais de três me­ses no Fun­chal (de de­zem­bro de 1930 a mar­ço de 1931), re­pou­san­do num cli­ma ame­no por re­co­men­da­ção dos mé­di­cos, que qui­se­ram afas­tá-lo dos ri­go­res do inverno po­la­co. Ain­da ha­ve­ria de regressar à pá­tria e exer­cer, du­ran­te al­gum tem­po, um po­der di­ta­to­ri­al, mas mor­reu de can­cro em 1935. Es­tá se­pul­ta­do no cas­te­lo de Cra­có­via, pan­teão on­de re­pou­sam os mais in­sig­nes go­ver­nan­tes e ar­tis­tas da his­tó­ria do país.

Jó­zef Pil­suds­ki com Ós­car Car­mo­na, nu­ma fo­to de fa­mí­lia em que sur­gem ele­men­tos do Go­ver­no e do Exér­ci­to por­tu­gue­ses, pou­co de­pois da che­ga­da do lí­der po­la­co a Lis­boa, em trân­si­to pa­ra uma tem­por­da de re­pou­so na Ma­dei­ra

Che­ga­do à Ma­dei­ra, Jo­zéf Pli­suds­ki foi re­ce­bi­do com as mai­o­res hon­ras pe­las au­to­ri­da­des mi­li­ta­res lo­cais

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.