New­ton, Eins­tein gra­vi­da­de e má­gi­cos

JN História - - Histórias Cósmicas - Mi­guel Gonçalves Co­or­de­na­dor Na­ci­o­nal da So­ci­e­da­de Pla­ne­tá­ria

As on­das de gra­vi­da­de fa­zem man­che­tes em to­do o mun­do, se­ja pe­la re­vo­lu­ção ci­en­tí­fi­ca que in­cor­po­ram, se­ja pe­la dis­tin­ção No­bel des­te ano. Não dei­xa de ser cu­ri­o­so. Das qu­a­tro For­ças Fun­da­men­tais da Na­tu­re­za (a gra­vi­da­de, o ele­tro­mag­ne­tis­mo e as for­ças nu­cle­a­res for­te e fra­ca), é aque­la com que te­mos uma re­la­ção mais fa­mi­li­ar, que nos mol­da, que nos pren­de ao pla­ne­ta. Tal­vez fos­se ex­pec­tá­vel ser a mais bem com­pre­en­di­da, mas, afi­nal, é ain­da um ca­pí­tu­lo de­sa­fi­an­te da ci­ên­cia. A sua in­ti­mi­da­de con­nos­co es­tá bem re­pre­sen­ta­da nu­ma es­tó­ria nar­ra­da pe­lo úni­co fí­si­co mu­çul­ma­no até ho­je pre­mi­a­do com o No­bel da Fí­si­ca, o pa­quis­ta­nês Ab­dus Sa­lam: “O nos­so professor fa­la­va-nos da for­ça da gra­vi­da­de. Ob­vi­a­men­te que a gra­vi­da­de era bem co­nhe­ci­da, e o no­me de New­ton con­se­guiu pe­ne­trar mes­mo num lo­cal co­mo Jhang [ca­pi­tal do dis­tri­to de Jhang, pro­vín­cia do Pun­jab]. De­pois, o nos­so professor fa­lou-nos do mag­ne­tis­mo. Mos­trou-nos um íman e dis­se: ‘Ele­tri­ci­da­de! Ah, es­ta é uma for­ça que não vi­ve em Jhang; vi­ve ape­nas em Laho­re [ca­pi­tal da pro­vín­ci­pa do Pun­jab]’ E a for­ça nu­cle­ar? ‘Es­sa for­ça vi­ve ape­nas na Eu­ro­pa! Não vi­ve na Ín­dia, pe­lo que não te­mos de nos pre­o­cu­par com ela...’”. Se ho­je as­so­ci­a­mos gra­vi­da­de a Eins­tein, con­vém não es­que­cer New­ton. A ci­ên­cia é uma em­prei­ta­da de acu­mu­la­ção de co­nhe­ci­men­tos cons­truí­dos atra­vés da subs­ti­tui­ção ou re­fi­na­men­to de con­cei­tos an­te­ri­o­res. Eins­tein des­tro­nou New­ton? Não, sim... De­pen­de. A vi­são que am­bos ti­ve­ram so­bre es­ta coi­sa mis­te­ri­o­sa e in­vi­sí­vel é cla­ra­men­te dis­tin­ta na es­té­ti­ca, na ma­te­má­ti­ca, na fi­lo­so­fia. E, so­bre­tu­do, nos con­tex­tos e di­men­sões fí­si­cas dos ato­res prin­ci­pais. Não são te­o­ri­as que se anu­lam por in­tei­ro e sem­pre. Con­vi­vem edu­ca­da­men­te: en­quan­to a Te­o­ria da Re­la­ti­vi­da­de de Eins­tein tem de­mons­tra­do uma efi­cá­cia tre­men­da a ex­pli­car a gra­vi­da­de em sis­te­mas de cor­pos mui­to ma­ci­ços e que se des­lo­cam a gran­des ve­lo­ci­da­des, as Leis de New­ton apre­sen­tam re­sul­ta­dos mui­to sa­tis­fa­tó­ri­os pa­ra a mai­o­ria dos con­tex­tos fí­si­cos com que li­da­mos e que ob­ser­va­mos no quo­ti­di­a­no. O Ho­mem foi à Lua usan­do New­ton, não Eins­tein. De um mo­do ge­ral, con­se­gui­mos com­pre­en­der e tra­ba­lhar ci­en­ti­fi­ca­men­te bem as ór­bi­tas dos pla­ne­tas usan­do a con­ce­ção nu­mé­ri­ca da gra­vi­da­de de New­ton, e Eins­tein só en­tra no fil­me da me­câ­ni­ca ce­les­ti­al quan­do abor­da­mos a ór­bi­ta de Mer­cú­rio, por­que es­tá per­to de um cor­po de enor­me mas­sa, o Sol. Em New­ton, no mo­vi­men­to da ma­çã que caiu da ár­vo­re (pro­va­vel­men­te ape­nas uma es­tó­ria de en­can­tar) e nas su­as leis en­con­tra­mos uma pos­tu­ra qua­se “zen” da gra­vi­da­de: «Lei I: To­do o cor­po continua num es­ta­do de re­pou­so ou de mo­vi­men­to uni­for­me nu­ma li­nha re­ta, a me­nos que se­ja for­ça­do a mu­dar tal es­ta­do por for­ças apli­ca­das so­bre ele». Pa­ra Eins­tein, a gra­vi­da­de é uma for­ça ati­va, trans­for­ma­do­ra, que im­pri­me a sua mar­ca e po­der no te­ci­do do es­pa­ço-tem­po, no te­ci­do do Uni­ver­so. É co­mo uma es­fe­ra num pa­no elás­ti­co: quan­to mai­or a mas­sa da es­fe­ra, mai­or a de­for­ma­ção que cria no pa­no! E tal de­for­ma­ção é que aca­ba por atrair ou­tros cor­pos em jei­to de de­cai­men­to or­bi­tal. É uma gra­vi­da­de ro­mân­ti­ca. New­ton trou­xe tam­bém um ou­tro ro­man­tis­mo: trans­por­tou as leis do Uni­ver­so pa­ra a Ter­ra, ar­gu­men­tan­do com su­ces­so que o mo­vi­men­to de Jú­pi­ter à vol­ta do Sol tem a mesma na­tu­re­za e prin­cí­pi­os da que­da da ma­çã no so­lo, con­tra­ri­an­do um mui­to an­ti­go dog­ma higiénico que de­fen­dia que os ceús e as su­as leis são pu­ros de mais pa­ra a su­ja re­a­li­da­de da Ter­ra e dos ho­mens. New­ton e Eins­tein fo­ram e ain­da são dis­rup­ti­vos nas idei­as e até nas per­so­na­li­da­des. Se fos­sem con­tem­po­râ­ne­os, a sua con­vi­vên­cia se­ria dig­na de se re­gis­tar e es­tu­dar a mui­tos ní­veis. Mark Kak, um co­nhe­ci­do ma­te­má­ti­co po­la­co/ame­ri­ca­no do sé­cu­lo pas­sa­do, di­zia que há dois ti­pos de gé­ni­os: os “nor­mais”, aces­sí­veis aos co­muns mor­tais mas com o do­bro da sua in­te­li­gên­cia, e os “má­gi­cos”, a qu­em é im­pos­sí­vel fa­zer uma li­ga­ção de men­tes. New­ton e Eins­tein per­ten­cem à se­gun­da ca­te­go­ria e tal é mais fa­cil­men­te re­co­nhe­cí­vel atra­vés das ce­nas ane­do­tais (cu­ja ve­ra­ci­da­de é tão di­fi­cil de des­co­brir) ou cla­ras di­fi­cul-

da­des em en­qua­dra­rem-se no con­tex­to fí­si­co e re­la­ci­o­nal com o mun­do que ocor­re fo­ra das su­as men­tes. Por is­so, em tais “má­gi­cos” há uma fi­na li­nha que se­pa­ra uma su­pos­ta ar­ro­gân­cia e o des­con­for­to ín­ti­mo so­ci­al que tan­tas vezes se tor­na pa­ra­nói­co, le­van­do a ca­mi­nhos que qua­se pa­re­cem in­fan­tis. John Flams­te­ed, con­tem­po­râ­neo de New­ton e re­co­nhe­ci­do as­tró­no­mo, te­ve pro­fun­das dis­cus­sões com ele e não he­si­tou em con­fi­den­ci­ar que ti­nha so­nha­do com a mor­te de New­ton; Leib­niz, o seu mai­or ri­val ma­te­má­ti­co, fi­cou se­ve­ra­men­te afe­ta­do emo­ci­o­nal­men­te com a que­re­la que te­ve com o gé­nio in­glês a pró­po­si­to da pa­ter­ni­da­de do cál­cu­lo di­fe­ren­ci­al. Te­mos tam­bém re­la­tos de um New­ton que ado­ra­va pre­gar par­ti­das: lan­ça­va pa­pa­gai­os de pa­pel com pon­tas in­fla­má­veis, ace­sas, que, nas noi­tes cer­ra­das de inverno, pa­re­ci­am co­me­tas a as­som­brar os ter­res­tres (os co­me­tas sem­pre ti­ve­ram má re­pu­ta­ção)! Ou, co­mo in­di­ca­dor da sua ab­sor­ven­te vi­vên­cia in­te­lec­tu­al, ter con­vi­da­do o ami­go Stu­kely pa­ra um jan­tar e, sem se aper­ce­ber de que o con­vi­da­do lhe de­vo­ra­ra o jan­tar, mes­mo à sua fren­te, afir­mar, ao des­per­tar da sua “vi­a­gem men­tal”: “Fran­ca­men­te! Se não fos­se pe­las pro­vas pre­sen­tes di­an­te dos meus olhos, eu po­de­ria ju­rar que ain­da não te­ria jan­ta­do”. Aliás, a ne­ces­si­da­de ali­men­tar era al­go cla­ra­men­te se­cun­dá­rio pa­ra New­ton. Há vá­ri­os re­la­tos de mo­men­tos em que, ten­ci­o­nan­do di­ri­gir-se à sa­la de jan­tar do Tri­nity Col­le­ge, aca­ba­ria por to­mar a saí­da do edi­fí­cio, e, ao aper­ce­ber-se dis­so, vol­tou atrás mas re­gres­san­do ao seu quar­to, sem co­mer! Tam­bém Eins­tein te­rá vi­vi­do epi­só­di­os se­me­lhan­tes. So­bre Eins­tein, en­con­tra­mos tam­bém nes­ses mo­men­tos de tran­se in­te­lec­tu­al uma sal­va­ção pa­ra a per­se­gui­ção po­lí­ti­ca e xe­nó­fo­ba que o Go­ver­no do seu país na­tal lhe mo­ve­ra. Pe­lo me­nos, é es­sa in­ter­pre­ta­ção que Ar­nold Toyn­bee (ami­go e co­le­ga de Gil­bert Mur­ray, ami­go pró­xi­mo de Eins­tein) faz de um epi­só­dio que lhe fi­cou na me­mó­ria: cer­to dia, Mur­ray en­con­tra Eins­tein sen­ta­do, pos­suí­do por olhar dis­tan­te e sor­ri­den­te. Cu­ri­o­so, Mur­ray per­gun­tou-lhe o que pen­sa­va, e Eins­tein dis­se: “Es­tou a pensar que, afi­nal, or­bi­ta­mos uma es­tre­la mui­to pe­que­ni­na”. Pa­ra Toyn­bee, Eins­tein, an­te a de­so­la­ção do cres­cen­te na­zis­mo no seu país, acha­va que o Uni­ver­so não ti­nha pos­to os ovos to­dos no mes­mo lu­gar e que, pa­ra um “cos­mos­so­nha­dor”, a es­pe­ran­ça em al­go su­pe­ri­or à Hu­ma­ni­da­de te­ria de re­si­dir nou­tro qual­quer lo­cal do Cos­mos. Aliás, Eins­tein en­con­trou uma for­ma de con­for­to es­pi­ri­tu­al e mo­ral na sua pró­pria Te­o­ria da Re­la­ti­vi­da­de, na sua pró­pria con­ce­ção de Tem­po e de Eter­ni­da­de, num cla­ro em­prés­ti­mo do ra­ci­o­nal e ci­en­tí­fi­co à al­ma. “Pa­ra um fí­si­co cren­te, a dis­tin­ção en­tre pas­sa­do, pre­sen­te e fu­tu­ro é uma me­ra ilu­são”, es­cre­veu, na par­te fi­nal da sua vi­da. Gé­ni­os má­gi­cos... Tão ra­ros e ne­ces­sá­ri­os! E não ape­nas na Ci­ên­cia.

Isa­ac New­ton e Al­bert Eins­tein, dois “gé­ni­os má­gi­cos” cu­ja hi­po­té­ti­ca con­vi­vên­cia se­ria ab­so­lu­ta­men­te fas­ci­nan­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.