O PE­RI­GO DE CO­NHE­CER OS ÍDO­LOS

JN História - - Livros -

Há uma ques­tão fre­quen­te, quan­do fa­la­mos de ar­tis­tas, de es­cri­to­res, de fi­gu­ras que ad­mi­ra­mos pe­lo que pro­du­zem pro­fis­si­o­nal­men­te: va­le a pe­na co­nhe­cer pes­so­al­men­te al­guém cu­ja obra ad­mi­ra­mos, ou o ris­co da de­si­lu­são acon­se­lha a que man­te­nha­mos a re­la­ção es­tri­ta­men­te com a ar­te, ab­di­can­do de a as­so­ci­ar à fa­lí­vel e hu­ma­na di­men­são do ar­tis­ta? E com os his­to­ri­a­do­res, is­so acon­te­ce? E mais: a de­si­lu­são anu­la a va­li­da­de da obra que ad­mi­ra­mos? Dá pa­ra per­ce­ber que is­so acon­te­ce com his­to­ri­a­do­res, na mesma medida em que po­de su­ce­der com ato­res, mú­si­cos, pin­to­res, ci­en­tis­tas, o que quer que se­ja. O gé­nio cri­a­ti­vo ou ci­en­tí­fi­co não de­pen­de da bon­da­de hu­ma­na, nem se­quer da per­me­a­bi­li­da­de a hu­ma­nas fra­que­zas que pos­sam des­qua­li­fi­car qu­em a elas ce­de. Co­mo tam­bém não é re­gra – pre­fe­ri­mos pensar que se­ja ex­ce­ção – a fa­ta­li­da­de de nos de­si­lu­dir­mos com aque­les que ad­mi­ra­mos. Vem is­to a pro­pó­si­to de uma das nos­sas su­ges­tões bi­bli­o­grá­fi­cas des­ta edi­ção, a mo­nu­men­tal obra “A Tragédia de um Po­vo”, do his­to­ri­a­dor in­glês Orlando Figes, da­da à es­tam­pa em 1996 e lan­ça­da ago­ra en­tre nós com o sen­ti­do de opor­tu­ni­da­de que lhe dá o cen­te­ná­rio da Re­vo­lu­ção Rus­sa. Ora, em abril de 2010, Figes ad­mi­tiu que ha­via cri­a­do per­fis fal­sos na Internet e era ele o au­tor de di­ver­sas crí­ti­cas, na li­vra­ria on­li­ne Ama­zon, que enal­te­ci­am exa­ge­ra­da­men­te as qua­li­da­des do seu pró­prio tra­ba­lho, na mesma medida em que de­ne­gri­am as obras de ou­tros his­to­ri­a­do­res, seus ri­vais, que se de­di­ca­vam às mes­mas te­má­ti­cas, co­mo Ro­bert Ser­vi­ce ou Ra­chel Po­lonsky. O re­co­nhe­ci­men­to sur­giu após um pe­río­do de ne­ga­ção e ame­a­ça de re­ta­li­a­ção ju­di­ci­al, quan­do as sus­pei­tas fo­ram le­van­ta­das, mas Figes aca­bou por as­su­mir “to­tal res­pon­sa­bi­li­da­de”, jus­ti­fi­can­do-se com a pres­são e o can­sa­ço que o le­va­ram a co­me­ter “er­ros es­tú­pi­dos”, sen­do con­de­na­do a pa­gar in­dem­ni­za­ções aos ofen­di­dos. Is­so des­qua­li­fi­ca a obra? Não. E re­e­di­tá-la, ho­je, faz to­do o sen­ti­do.

A va­li­da­de ci­en­tí­fi­ca de um au­tor não faz de­le uma pes­soa im­po­lu­ta, e a de­si­lu­são não anu­la a obra: o ca­so de Orlando Figes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.