Dez fil­mes ins­pi­ra­dos na Re­vo­lu­ção

Cum­pre-se es­te mês o cen­te­ná­rio da re­vo­lu­ção rus­sa. O ci­ne­ma, à épo­ca co­mo ao lon­go des­tes 100 anos, de for­ma do­cu­men­tal ou fic­ci­o­nal, não dei­xou de abor­dar tão mar­can­te even­to his­tó­ri­co. Dei­xa­mos dez fil­mes so­bre os “Dez dias que aba­la­ram o mun­do”.

JN História - - Cinema E História - João An­tu­nes Crí­ti­co de ci­ne­ma

Já hou­ve qu­em dis­ses­se que, ca­so hou­ves­se te­le­vi­são à épo­ca, a Re­vo­lu­ção de Ou­tu­bro te­ria si­do em Se­tem­bro. Não ha­via. Nem internet, o que por­ven­tu­ra an­te­ci­pa­ria ain­da mais a to­ma­da do po­der pe­los bol­che­vi­ques, mas ha­via ci­ne­ma, que o lí­der da re­vo­lu­ção con­si­de­ra­va de enor­me im­por­tân­cia. Pas­sa­dos cem anos, com os avan­ços e os re­cu­os his­tó­ri­cos, com to­dos os prós e os con­tras, não se po­de es­ca­mo­te­ar a im­por­tân­cia de um even­to que o jor­na­lis­ta e es­cri­tor nor­te-ame­ri­ca­no John Re­ed clas­si­fi­ca­ria co­mo “os dez dias que aba­la­ram o mun­do”. O ci­ne­ma re­gis­ta­ria os fac­tos se­gun­do di­fe­ren­tes pers­pe­ti­vas. Se o ci­ne­ma so­vié­ti­co da épo­ca foi, sem dú­vi­da, uma das ma­tri­zes de uma for­ma de ex­pres­são que en­tão ain­da da­va os pri­mei­ros pas­sos, ou­tras ci­ne­ma­to­gra­fi­as da­ri­am mais tar­de vi­sões mais crí­ti­cas ou con­tra­di­tó­ri­as, que não po­dem ser ig­no­ra­das. Fi­que-se en­tão com uma lis­ta, sub­je­ti­va e dis­cu­tí­vel co­mo qual­quer ou­tra, de dez fil­mes so­bre os dias da Re­vo­lu­ção.

OU­TU­BRO (Ser­gei Ei­sens­tein, URSS/1927)

De­pois de “A Gre­ve” e de “O Cou­ra­ça­do Po­tem­ki­ne”, e em en­co­men­da do Par­ti­do pa­ra co­me­mo­rar o dé­ci­mo ani­ver­sá­rio da Re­vo­lu­ção, Ser­gei Ei­sens­tein, que ain­da não caí­ra em des­gra­ça, as­si­na ou­tra obra mo­nu­men­tal, em que o fer­vor re­vo­lu­ci­o­ná­rio ri­ma com o ful­gor da mon­ta­gem do mes­tre rus­so. O fil­me es­tá re­ple­to de mo­men­tos ico­no­grá­fi­cos, com par­ti­cu­lar des­ta­que pa­ra a to­ma­da do Pa­lá­cio de Inverno dos Ro­ma­nov.

A QUE­DA DA DI­NAS­TIA DOS RO­MA­NOV (Esther Shub, URSS/1927)

Num mo­men­to em que ain­da não era mui­to fre­quen­te ver mu­lhe­res ci­ne­as­tas, Esther Shub des­ta­cou-se na área do do­cu­men­tá­rio. Ami­ga de Meyerhold e Maya­kovs­ki, en­tra pa­ra a Gos­ki­no e co­nhe­ce Dzi­ga Ver­tov, re­a­li­zan­do es­te do­cu­men­tá­rio, o pri­mei- ro de uma fa­mo­sa tri­lo­gia, reu­nin­do um pre­ci­o­so e avul­ta­do ma­te­ri­al so­bre os úl­ti­mos anos dos Ro­ma­nov, num tra­ba­lho pi­o­nei­ro no do­mí­nio do fil­me de com­pi­la­ção his­tó­ri­ca.

O FIM DE SÃO PE­TERS­BUR­GO (Vse­vo­lod Pu­dov­ki­ne, URSS/1927)

Ou­tro his­tó­ri­co do ci­ne­ma so­vié­ti­co, Pu­dov­ki­ne es­tre­a­ra em 1926 uma das gran­des obras-pri­mas da épo­ca, “A Mãe”, adap­ta­do de Gor­ki. Nes­te fil­me, con­ta a his­tó­ria de um cam­po­nês que che­ga a São Pe­ters­bur­go em bus­ca de em­pre­go e es­tá na ori­gem da pri­são de um co­nhe­ci­do da al­deia, li­ga­do aos mo­vi­men­tos re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os. En­vi­a­do pa­ra a guer­ra, quan­do re­gres­sa es­tá pron­to pa­ra par­ti­ci­par na Re­vo­lu­ção.

TCHAPAEV (Ser­gei e Ge­or­gi Va­si­li­ev, URSS/1934)

Adap­ta­ção do li­vro so­bre a vi­da do herói que dá o tí­tu­lo ao fil­me, que se des­ta­ca­ria co­mo co­man­dan­te de uma di­vi­são do Exér­ci­to Ver­me­lho na Guer­ra Ci­vil que se se­gui­ria à Re­vo­lu­ção. Pa­ra além do evi­den­te pa­pel de pro­pa­gan­da de uma obra so­bre um ho­mem do po­vo que vi­veu pa­ra ser­vir a Re­vo­lu­ção, po­de ser vis­to co­mo um po­de­ro­so fil­me de aven­tu­ras. Um dos fil­mes fa­vo­ri­tos de Jo­sef Es­ta­li­ne e de… Vladimir Pu­tin.

LENINE EM OU­TU­BRO (Mikhail Romm, URSS/1937)

An­ti­go mem­bro do Exér­ci­to Ver­me­lho e es­cul­tor, Mikhail Romm per­ten­ce a uma boa se­gun­da li­nha do ci­ne­ma so­vié­ti­co. Cou­be-lhe re­a­li­zar es­te fil­me, um dra­ma bi­o­grá­fi­co so­bre o pa­pel de Lenine na or­ga­ni­za­ção da re­vo­lu­ção. O de­sem­pe­nho de Bo­ris Schul­kin era tão re­a­lis­ta que os es­pec­ta­do­res se le­van­ta­vam a aplau­dir quan­do en­tra­va em ce­na. Dois anos mais tar­de, ator e re­a­li­za­dor jun­ta­ram-se pa­ra fa­zer “Lenine em 1918”.

CA­VA­LEI­RO SEM AR­MAS (Jac­ques Fey­der, GB/1937)

A vi­da de um es­pião bri­tâ­ni­co en­vi­a­do pa­ra o in­te­ri­or do mo­vi­men­to re­vo­lu­ci­o­ná­rio, em 1913, mas que aca­ba por ir pa­rar a uma pri­são na Si­bé­ria. Após a Re­vo­lu­ção, ten­ta fu­gir da Rús­sia e sal­var uma be­la con­des­sa… En­quan­to os so­vié­ti­cos usam o ci­ne­ma co­mo pro­pa­gan­da, ou­tras ci­ne­ma­to­gra­fi­as co­lo­cam-se do ou­tro la­do da bar­ri­ca­da. Mas Ro­bert Do­nat e Mar­le­ne Di­e­tri­ch pro­ta­go­ni­zam um di­ver­ti­do ro­man­ce de aven­tu­ras.

DOU­TOR JI­VA­GO (Da­vid Le­an, EUA/GB/ITÁ­LIA/1965)

A mais fa­mo­sa adap­ta­ção do ro­man­ce de Bo­ris Pas­ter­nak, so­bre os amo­res de um mé­di­co e po­e­ta com a mu­lher de um ati­vis­ta po­lí­ti­co, ten­do co­mo pa­no de fun­do a Re­vo­lu­ção bol­che­vi­que e a guer­ra ci­vil, per­mi­tiu a Da­vid Le­an en­ce­nar um dos seus gran­di­o­sos es­pe­tá­cu­los. Ven­ce­dor de cin­co Ós­ca­res, que não con­tem­pla­ram, no en­tan­to, nem Omar Sha­rif nem Ju­lie Ch­ris­tie.

NI­CO­LAU E ALE­XAN­DRA (Fran­klin J. Schaff­ner, EUA/GB/1971)

Uma das ver­sões mais fa­mo­sas dos úl­ti­mos dias do úl­ti­mo czar da Rús­sia e da sua fa­mí­lia, da sua que­da e exí­lio na Si­bé­ria. A re­a­li­za­ção é de Fran­klin J. Schaff­ner, de que no en­tan­to es­ta obra é das mais de­co­ra­ti­vas. Nos Ós­cars, ven­ceu nas ca­te­go­ri­as de Di­re­ção Ar­tís­ti­ca e Guar­da-rou­pa. É no en­tan­to interessante pe­los as­pe­tos his­tó­ri­cos que fo­ca e pe­la Re­vo­lu­ção de Ou­tu­bro vis­ta pe­lo la­do dos der­ro­ta­dos.

REDS (War­ren Be­atty, EUA/1981)

Ator mí­ti­co do ci­ne­ma ame­ri­ca­no, War­ren Be­atty de­di­cou-se à re­a­li­za­ção na úl­ti­ma fa­se da sua car­rei­ra, le­van­do à te­la a vi­da de John Re­ed, o fa­mo­so jor­na­lis­ta e es­cri­tor de Por­tland que se en­vol­veu com o mo­vi­men­to co­mu­nis­ta, es­cre­ven­do o fa­mo­so “Dez Dias Que Aba­la­ram o Mun­do” (tí­tu­lo da ver­são por­tu­gue­sa das Edi­ções Avan­te). O fil­me é um enor­me fres­co so­bre a épo­ca, e Be­atty in­ter­pre­ta o pa­pel com pai­xão.

ANASTÁSIA (Don Bluth e Gary Gold­man, EUA/1997)

Um dos gran­des mi­tos do sé­cu­lo XX (a so­bre­vi­vên­cia de Anas­ta­sia Ro­ma­nov ao fu­zi­la­men­to da fa­mí­lia im­pe­ri­al) foi al­vo de inú­me­ras his­tó­ri­as, na li­te­ra­tu­ra e no ci­ne­ma. Co­mo fre­quen­te­men­te, uma lon­ga-me­tra­gem de fic­ção tor­nou-se ver­são “ofi­ci­al”. Pro­du­zi­do pe­la Fox e re­a­li­za­do por dois ve­te­ra­nos da ani­ma­ção, o fil­me acom­pa­nha a fu­ga da jo­vem prin­ce­sa e a ten­ta­ti­va de es­ca­par à mor­te às mãos de Ras­pu­ti­ne.

“O ci­ne­ma é a mais im­por­tan­te de to­das as ar­tes” Vladimir Ilit­ch Lenine

Ju­lie Ch­ris­tie e Omar Sha­rif, pro­ta­go­nis­tas do épi­co “Dou­tor Ji­va­go”, de Da­vid Le­an, ba­se­a­do na obra de Bo­ris Pas­ter­nak

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.