A TRAGÉDIA DE UM PO­VO

ORLANDO FIGES D. Qui­xo­te| 1032 pá­gi­nas | 34,90 €

JN História - - Livros -

“A Tragédia de um Po­vo vai aju­dar-nos a per­ce­ber me­lhor a Re­vo­lu­ção Rus­sa do que qual­quer ou­tro li­vro que eu co­nhe­ça” – a fra­se, uma en­tre vá­ri­as es­tam­pa­das na con­tra­ca­pa da edi­ção por­tu­gue­sa des­te clás­si­co, ori­gi­nal­men­te pu­bli­ca­do em 1996, não me­re­cia aten­ção es­pe­ci­al se não ti­ves­se si­do ex­traí­da da crí­ti­ca plas­ma­da na re­vis­ta “Lon­don Re­vi­ew of Bo­oks” por Eric Hobs­bawm (1917-1912), um dos mais re­pu­ta­dos his­to­ri­a­do­res con­tem­po­râ­ne­os do mun­do. Co­brin­do uma cro­no­lo­gia su­fi­ci­en­te­men­te alar­ga­da (vai de 1891 a 1924) pa­ra per­ce­ber, de for­ma es­tru­tu­ra­da, a re­vo­lu­ção que te­ve os seus acon­te­ci­men­tos cen­trais em 1917, es­te tra­ba­lho foi apre­sen­ta­do há 21 anos co­mo sen­do a pri­mei­ra gran­de sín­te­se, num só vo­lu­me, da­que­le que foi um dos mais im­por­tan­tes mo­men­tos trans­for­ma­do­res do mun­do con­tem­po­râ­neo. Ar­ran­can­do com um lon­go fres­co so­bre a Rús­sia cza­ris­ta, que por si só cons­ti­tui­ria um li­vro im­por­tan­te, a obra pe­ne­tra no pe­río­do de agi­ta­ção a par­tir dos pri­mei­ros pas­sos, com a con­tes­ta­ção ao re­gi­me im­pe­ri­al na sequên­cia da cri­se de­cor­ren­te da fo­me, atra­ves­sa com de­ta­lhe o pe­río­do re­vo­lu­ci­o­ná­rio pro­pri­a­men­te di­to (1917-18), de­bru­ça-se so­bre os tre­men­dos anos da guer­ra ci­vil que se se­guiu, ana­li­sa o pro­ces­so de cons­tru­ção do sis­te­ma so­vié­ti­co e ter­mi­na com a mor­te de Vladimir Ilit­ch Uli­a­nov, Lenine, dei­xan­do a por­ta aber­ta à as­cen­são de Jo­sef Es­ta­li­ne, cu­jo re­gi­me ti­nha já os seus ali­cer­ces cla­ra­men­te fir­ma­dos. É um li­vro a to­dos os tí­tu­los im­pres­si­o­nan­te, com o ri­gor da pes­qui­sa a ser per­fei­ta­men­te en­qua­dra­do por uma es­tru­tu­ra co­e­ren­te e por uma no­tá­vel fluên­cia nar­ra­ti­va.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.