Oliveira Mar­tins

1845-1894

JN História - - Rostos Da História -

Se a evocação nes­tas pá­gi­nas de Jo­a­quim Pedro de Oliveira Mar­tins pas­sas­se, em ri­gor e em ex­clu­si­vi­da­de, pe­lo seu mé­ri­to en­quan­to his­to­ri­a­dor, es­ta­ría­mos aqui a des­per­di­çar pa­pel. Mo­ven­do-se num tem­po em que a ci­en­ti­fi­ci­da­de da His­tó­ria já era uma pre­mis­sa ir­re­cu­sá­vel, mes­mo em Por­tu­gal (Her­cu­la­no mar­ca­ra o tom quan­do ele era ain­da uma cri­an­ça), as­si­nou pro­du­ção his­to­ri­o­grá­fi­ca que di­fi­cil­men­te as­sim po­de­rá ser re­co­nhe­ci­da, por ser ins­tin­ti­va e não ba­se­a­da no co­nhe­ci­men­to das fon­tes, por ser usa­da co­mo for­ma de in­ter­ven­ção do au­tor na so­ci­e­da­de do seu tem­po, por não de­ver ser ho­je in­cluí­da em qual­quer bi­bli­o­gra­fia sé­ria que te­nha co­mo ob­je­ti­vo a His­tó­ria e não a His­tó­ria da his­to­ri­o­gra­fia. Mas Oliveira Mar­tins foi mui­to mais do que is­so: es­cri­tor de fi­na água, in­te­lec­tu­al de ex­ce­lên­cia e au­to­di­da­ta, ci­da­dão ati­vo, mul­ti­fa­ce­ta­do e ex­tra­or­di­na­ri­a­men­te pro­lí­fi­co, mes­mo sem ter che­ga­do a vi­ver meio sé­cu­lo.

É o no­me de Oliveira Mar­tins que sur­ge à ca­be­ça de mag­nos pro­je­tos de ín­do­le his­tó­ri­ca, mas ne­le não en­con­tra­mos o ri­gor, o mé­to­do, o co­nhe­ci­men­to das fon­tes pri­má­ri­as, en­fim, o que já era sa­gra­do pa­ra os his­to­ri­a­do­res oi­to­cen­tis­tas, Ale­xan­dre Her­cu­la­no sen­do fa­rol do avan­ço que a dis­ci­pli­na ia co­nhe­cen­do en­tre nós. Mar­tins era um ci­da­dão em­pe­nha­do no seu tem­po. Tal co­mo Her­cu­la­no o fo­ra, mas, se es­te pro­cu­ra­va os te­mas que po­li­ti­ca­men­te lhe con­vi­nham (ao li­be­ra­lis­mo) sem tran­si­gir no aus­te­ro ri­gor ci­en­tí­fi­co em cu­jo es­ta­be­le­ci­men­to par­ti­ci­pa­va, aque­le era so­bre­tu­do gui­a­do pe­lo ful­gor da es­cri­ta, por um im­pul­so mais apai­xo­na­do, até, do que de­du­ti­vo, em su­ma, pe­la ins­pi­ra­ção. O mé­ri­to de Oliveira Mar­tins era, e as­sim per­ma­ne­ceu, mui­to mais li­te­rá­rio do que ci­en­tí­fi­co. Is­to, não obs­tan­te ma­ni­fes­tas­se sem­pre uma in­ten­ci­o­na­li­da­de as­so­ci­a­da à ins­tru­ção e con­se­quen­te ilu­mi­na­ção dos ci­da­dãos, ideia mais do que plas­ma­da no que ele pre­ten­dia ser a obra mag­na da sua vi­da, a re­da­ção de uma co­los­sal “Bi­bli­o­te­ca das Ci­ên­ci­as So­ci­ais”.

Es­cre­via ele, ao anun­ci­ar a in­ten­ção, em 1879: “Es­ta bi­bli­o­te­ca (...) des­ti­na­da a vul­ga­ri­zar en­tre nós co­nhe­ci­men­tos es­sen­ci­ais à vi­da de uma na­ção, des­ti­na-se não só ao pú­bli­co em ge­ral, mas tam­bém ao en­si­no se­cun­dá­rio, que é o ali­cer­ce in­dis­pen­sá­vel da só­li­da ilus­tra­ção de um po­vo [...] Alheia a to­do e qual­quer pon­to de vis­ta par­ti­dá­rio” ( apud Jo­el Ser­rão, in “Di­ci­o­ná­rio de His­tó­ria de Por­tu­gal”). Tal em­prei­ta­da não era, cla­ro, apo­lí­ti­ca. As­su­mia-se de cer­to mo­do por uma ten­ta­ti­va de mu­dar um es­ta­do de coi­sas que sem­pre con­tra­ri­a­ra a afir­ma­ção po­lí­ti­ca do au­tor, de­sig­na­da­men­te em can­di­da­tu­ras nas fi­lei­ras do pou­co sig­ni­fi­ca­ti­vo Par­ti­do So­ci­a­lis­ta Por­tu­guês. Mas a vi­da foi cur­ta e, em­bo­ra Mar­tins te­nha dei­xa­do es­cri­ta uma vas­tís­si­ma obra, não pô­de cum­prir o am­bi­ci­o­so pla­no. Mas ar­ran­cou, com du­as obras de gran­de am­bi­ção, pu­bli­can­do a “His­tó­ria da Ci­vi­li­za­ção Oci­den­tal” e a “His­tó­ria de Por­tu­gal”. A par­ca ti­ra­gem des­tes li­vros (500 e 600 exem­pla­res, res­pe­ti­va­men­te) es­pe­lha o pou­co in­te­res­se da mi­no­ria le­tra­da de um país es­ma­ga­do­ra­men­te anal­fa­be­to, mas am­bos per­ma­ne­ce­ram co­mo clás­si­cos. Não da his­to­ri­o­gra­fia, mas do génio in­ven­ti­vo de um ho­mem que tra­çou o seu des­ti­no, um en­ge­nhei­ro que não era en­ge­nhei­ro, um in­te­lec­tu­al de al­ta cra­vei­ra, no­me so­nan­te da cha­ma­da “Ge­ra­ção de 70” e do gru­po “Ven­ci­dos da vi­da”, cu­jo no­me te­rá si­do su­ge­ri­do por ele pró­prio, ao la­do de fi­gu­ras co­mo Guer­ra Jun­quei­ro, Ra­ma­lho Or­ti­gão ou Eça de Qu­ei­rós. O sin­gu­lar per­cur­so des­te ho­mem foi tra­ça­do, co­mo tan­tas ve­zes su­ce­de, pe­los tro­pe­ções da vi­da. A mor­te pre­ma­tu­ra do pai, vi­ti­ma­do pe­la fe­bre ama­re­la quan­do o jo­vem Jo­a­quim Pedro ti­nha 15 anos (1857), al­te­rou brus­ca­men­te um per­cur­so que, sem que hou­ves­se ri­que­za na fa­mí­lia, sig­ni­fi­ca­ria, em con­di­ções nor­mais, o pros­se­gui­men­to dos es­tu­dos e o in­gres­so no en­si­no su­pe­ri­or. Oliveira Mar­tins, que so­nha­va tor­nar-se en­ge­nhei­ro mi­li­tar, te­ve des­de lo­go que se em­pre­gar co­mo aju­dan­te de es­cri­tó­rio, pa­ra aju­dar a equi­li­brar as con­tas do­més­ti­cas, mas nun­ca dei­xou, co­mo pô­de, de de­vo­rar tu­do quan­to po­dia ler, ori­en­tan­do a pró­pria for­ma­ção (in­for­mal) e ad­qui­rin­do a cons­ci­ên­cia so­ci­al e uma von­ta­de de mu­dan­ça que, à épo­ca, era al­go en­tre o re­pu­bli­ca­nis­mo e o pen­sa­men­to so­ci­a­lis­ta be­bi­do dos es­cri­tos de Pi­er­re-jo­seph Proudhon. Pen­sa­dor, sim, mul­ti­dis­ci­pli­nar, tam­bém, se­nhor de ver­ve afi­a­da e afi­na­da, sem qual­quer ti­po de dú­vi­da. His­to­ri­a­dor se­ria, mas o tem­po re­ti­rou no­ta­bi­li­da­de – nes­se as­pe­to, que não o li­te­rá­rio – ao que pro­du­ziu. Foi tu­do e tu­do foi com pro­fun­do em­pe­nho pes­so­al, a par de uma vi­da pro­fis­si­o­nal de que não po­dia ab­di­car. Em 1874, mu­dou-se pa­ra o Por­to, pa­ra par­ti­ci­par na cons­tru­ção da li­ga­ção fer­ro­viá­ria en­tre o Por­to e a Pó­voa de Var­zim, di­ri­gin­do tec­ni­ca­men­te a linha até 1888. Aos 15 anos dei­xa­ra de es­tu­dar ofi­ci­al­men­te, an­tes dos 30 era “en­ge­nhei­ro”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.