TURING

OS AVAN­ÇOS A TRAGÉDIA E O LE­GA­DO

JN História - - Tema De Capa - Tex­tos de Pedro Ra­mos Bran­dão ISTEC – Lis­boa CIDEHUS – Uni­ver­si­da­de de Évo­ra

Há coi­sas que da­mos por ad­qui­ri­das, de tal for­ma se em­bre­nha­ram no nos­so quo­ti­di­a­no. Com letras for­ma­mos palavras, en­ca­de­a­mo-las pa­ra for­mar fra­ses, de­las po­dem re­sul­tar tex­tos cu­jo sen­ti­do po­de es­tar tan­to no que é di­to co­mo na téc­ni­ca usa­da pa­ra o fa­zer. O tra­ba­lho de Alan Turing, um génio pos­to em des­gra­ça por um país que só o re­a­bi­li­tou e hon­rou mui­tos anos de­pois de o ter le­va­do ao sui­cí­dio, foi es­sen­ci­al pa­ra que eu pos­sa es­tar a es­cre­ver es­te ar­ti­go, em for­ma­to di­gi­tal, num com­pu­ta­dor pes­so­al, co­mo o foi pa­ra to­dos os mei­os usa­dos pa­ra le­var es­ta re­vis­ta aos lei­to­res, da pa­gi­na­ção à im­pres­são. Que as­pe­tos da nos­sa vi­da, afinal, não são to­ca­dos, di­re­ta ou in­di­re­ta­men­te, pe­la com­pu­ta­ção?

A his­tó­ria de Turing foi, du­ran­te mui­to tem­po, qua­se tão se­cre­ta co­mo a ati­vi­da­de que de­sen­vol­veu du­ran­te a II Guer­ra Mun­di­al. A ele ca­be, pe­lo pa­pel de­ci­si­vo que te­ve na des­mon­ta- gem dos có­di­gos que eram usa­dos pe­los na­zis – com as cé­le­bres má­qui­nas “Enig­ma” –, uma enor­me res­pon­sa­bi­li­da­de pe­lo triun­fo dos Ali­a­dos e pe­la que­da do III Rei­ch. Mas a re­vo­lu­ção que aju­dou a ope­rar não se re­su­me a is­so. Sen­do a his­tó­ria da com­pu­ta­ção o cer­ne des­te te­ma, é qua­se for­ço­so que a con­te­mos pon­do em des­ta­que o no­me de Alan Turing.

Pi­o­nei­ro e in­ven­tor

“The Imi­ta­ti­on Ga­me” (“O Jo­go da Imi­ta­ção”), fil­me re­a­li­za­do em 2014 pe­lo no­ru­e­guês Mor­ten Tyl­dum, com Be­ne­dict Cum­ber­bat­ch no pa­pel de Alan Mathi­son Turing ( 1912- 1954), aju­dou em boa par­te a tor­nar mais co­nhe­ci­da a vi­da des­te ma­te­má­ti­co in­glês, pi­o­nei­ro na com­pu­ta­ção, que é con­si­de­ra­do o pai da Ci­ên­cia dos Com­pu­ta­do­res. Não só fi­cou co­nhe­ci­do por ter de­ci­fra­do o prin­ci­pal có­di­go na­zi, du­ran­te a II Guer­ra Mun­di­al, co­mo foi, tam­bém, um in­ven­tor na área dos com­pu­ta­do­res, ten­do cri­a­do a “Má­qui­na de Turing”, ca­paz de fa­zer qual­quer coi­sa pa­ra que fos­se pro­gra­ma­da.

Com a de­ci­fra­ção dos có­di­gos das men­sa­gens de co­mu­ni­ca­ção dos ale­mães, sal­vou mi­lha­res de vi­das, por­que os com­boi­os na­vais ali­a­dos, no Atlân­ti­co Nor­te, eram avi­sa­dos an­te­ci­pa­da­men­te das po­si­ções dos sub­ma­ri­nos ini­mi­gos. Ao mes­mo tem­po, per­mi­tia a in­ter­ce­ção, pe­la Ma­ri­nha e For­ça Aé­rea, das ter­rí­veis for­ças na­vais ger­mâ­ni­cas. De­sen­vol­veu tra­ba­lhos na área da ma­te­má­ti­ca, da ló­gi­ca, da com­pu­ta­ção, da bi­o­lo­gia e da fi­lo­so­fia. Foi ele o pri­mei­ro ci­en­tis­ta a abor­dar, de for­ma es­tru­tu­ra­da, a in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al.

A mãe, Ethel Sa­ra Sto­ney, nas­ce­ra nu­ma fa­mí­lia de en­ge­nhei­ros e ci­en­tis­tas, fac­to que não foi se­cun­dá­rio no es­ta­be­le­ci­men­to do des­ti­no des­te ho­mem. Quan­to ao pai, Ju­lius Mathi­son Turing, era um al­to fun­ci­o­ná­rio do Es­ta­do, que fez par­te dos ser­vi­ços ci­vis na Ín­dia. Alan nas­ceu a 23 de ju­nho de 1912. A sua pri­mei­ra es­co­la foi Ha­ze­lhurst per­to de Tun­brid­ge Wells. Aos 14 anos, mu­dou-se pa­ra a Sher­bor­ne Scho­ol, em Dor­set. O mun­do uni­ver­si­tá­rio abriu- lhe as por­tas em Cam- bridge, no King’s Col­le­ge, cu­ja sa­la de com­pu­ta­do­res le­va o no­me de­le des­de 2010 (fac­tos e da­tas re­le­van­tes da bi­o­gra­fia de Turing sur­gem na cro­no­lo­gia que acom­pa­nha es­te tra­ba­lho).

A justiça de­mo­ra­da

Tan­to tem­po de­cor­ri­do en­tre a mor­te de Turing e a de­di­ca­ção da sa­la, pe­la ve­tus­ta es­co­la cri­a­da em 1441 por Hen­ri­que VI, ex­pli­ca-se pe­la de­mo­ra que mui­tas ve­zes há na as­sun­ção dos er­ros. Mui­to pro­va­vel­men­te, Alan Turing sui­ci­dou-se de­vi­do à pres­são so­ci­al a que fi­cou su­jei­to por ter as­su­mi­do pu­bli­ca­men­te a sua ho­mos­se­xu­a­li­da­de, e a tu­do o que daí de­cor­reu (não dei­xou qual­quer no­ta de sui­cí­dio, mas sa­be-se que su­cum­biu à in­ges­tão de ci­a­ne­to).

A ho­mos­se­xu­a­li­da­de era con­si­de­ra­da um cri­me, e os tri­bu­nais in­gle­ses, em 1952, condenaram- no por indecência gra­ve, dan­do-lhe a es­co­lher en­tre a pri­são efe­ti­va e um tra­ta­men­to hor­mo­nal, des­ti­na­do a re­du­zir a líbido, e castração química. Pa­ra­le­la­men­te, em­bo­ra não lhe te­nha si­do re­ti­ra­do

A HO­MOS­SE­XU­A­LI­DA­DE ERA CRI­ME, E OS TRI­BU­NAIS IN­GLE­SES CONDENARAM-NO, POR INDECÊNCIA GRA­VE, A UM TRA­TA­MEN­TO HOR­MO­NAL, DES­TI­NA­DO A RE­DU­ZIR A LÍBIDO, E CASTRAÇÃO QUÍMICA

o tra­ba­lho na uni­ver­si­da­de, foi des­pe­di­do do tra­ba­lho de con­sul­tor crip­to­grá­fi­co que man­ti­ve­ra, jun­to do Go­ver­no, des­de o fi­nal da guer­ra.

Ora, vol­tan­do à dis­tân­cia de da­tas en­tre a mor­te ( 1954) e a de­di­ca­ção a Turing da sa­la de in­for­má­ti­ca do King’s Col­le­ge (2010), per­ce­be-se que as­sim te­nha si­do por­que só em 2009 o pri­mei­ro-mi­nis­tro bri­tâ­ni­co de en­tão, Gor­don Brown, pe­diu des­cul­pa, em no­me do Es­ta­do, pe­lo tra­ta­men­to a que o ma­te­má­ti­co ha­via si­do su­jei­to, pro­fe­rin­do as se­guin­tes palavras: “Turing te­ve de se ha­ver com a lei da­que­le tem­po, e não po­de­mos fa­zer o re­ló­gio an­dar pa­ra trás, mas o tra­ta­men­to a que foi su­jei­to foi, cla­ro, ab­so­lu­ta­men­te in­jus­to. Or­gu­lho-me de po­der di­zer o quan­to la­men­to o su­ce­di­do e que ele me­re­cia mui­to me­lhor”. E foi ain­da pre­ci­so es­pe­rar pe­lo ano de 2013 pa­ra a rai­nha Isa­bel II lhe con­ce­der o per­dão ofi­ci­al, em no­me do rei­no.

Em Blet­ch­ley Park

Re­tro­ce­da­mos, ago­ra, aos tem­pos em que Alan Turing se tor­nou de­ci­si­vo no

cur­so da hu­ma­ni­da­de. Em 1938, Alas­tair Den­nis­ton di­ri­gia a es­co­la de ci­fra­gem e có­di­gos (GC & CS). O seu gran­de ob­je­ti­vo, mes­mo an­tes de ser de­sen­ca­de­a­do o mais bru­tal e glo­bal con­fli­to do sé­cu­lo XX, era con­si­de­ra­do uma emer­gên­cia na­ci­o­nal: en­con­trar ma­te­má­ti­cos que con­se­guis­sem que­brar os có­di­gos ci­fra­dos das co­mu­ni­ca­ções alemãs. A se­de de tra­ba­lho es­ta­va lo­ca­li­za­da em Blet­ch­ley Park, 80 qui­ló­me­tros a nor­te de Lon­dres.

Alan Turing en­trou pa­ra a lis­ta de ma­te­má­ti­cos a re­cru­tar e, a 4 de se­tem­bro de 1939, re­ce­beu um te­le­fo­ne­ma de Blet­ch­ley Park, pa­ra se apre­sen­tar ao tra­ba­lho. Nos anos se­guin­tes, es­te­ve 100% em­pe­nha­do em de­sen­vol­ver um me­ca­nis­mo de in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al que per­mi­tis­se que­brar os có­di­gos na­zis. Só em 1970 veio a pú­bli­co o en­vol­vi­men­to de Turing com Blet­ch­ley Park e o pa­pel cru­ci­al dos seus tra­ba­lhos no de­sen­ro­lar da II Guer­ra Mun­di­al, bem co­mo, tal­vez, na an­te­ci­pa­ção do fim do con­fli­to.

É in­ques­ti­o­ná­vel que a obra-pri­ma da vi­da do génio bri­tâ­ni­co foi a cons- tru­ção da “Má­qui­na de Turing”, em 1936. Tra­ta­va- se de um dis­po­si­ti­vo teó­ri­co que re­pre­sen­ta­va a me­ca­ni­za­ção dos pro­ces­sos ma­te­má­ti­cos. No mes­mo ano, fez ou­tra sur­pre­en­den­te pro­pos­ta, não so­bre o que po­dia ser fei­to atra­vés da ma­te­má­ti­ca, mas so­bre aqui­lo que não po­dia ser fei­to: em 1931 Kurt Gö­del ela­bo­ra­ra um te­o­re­ma, de­mons­tran­do que exis­tem li­mi­tes pa­ra aqui­lo que po­de ser pro­va­do atra­vés da ma­te­má­ti­ca, o que le­vou Turing a que­rer des­co­brir quais eram es­ses li­mi­tes e, pri­mei­ra­men­te, se, de fac­to, exis­ti­am.

Tu­do na “Má­qui­na de Turing” era conceptualmente no­vo: po­dia ser pro­gra­ma­da, po­dia ser emulada, po­dia reprogramar-se. In­ques­ti­o­na­vel­men­te, tu­do aqui­lo com que tra­ba­lha­mos, ho­je em dia, na com­pu­ta­ção: sis­te­mas ope­ra­ti­vos, vir­tu­a­li­za­ção, in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al!

Em 1943, War­ren Mc­cul­lo­ch es­cre­veu um ar­ti­go so­bre re­des neu­rais, uti­li­zan­do as idei­as de Turing, John Von Neu­mann leu-o e, de ime­di­a­to, es­cre­veu ele pró­prio um ar­ti­go em que pro-

TU­DO, NA “MÁ­QUI­NA DE TURING”, ERA CONCEPTUALMENTE NO­VO: PO­DIA SER PRO­GRA­MA­DA, PO­DIA SER EMULADA, PO­DIA REPROGRAMAR-SE

pu­nha co­mo de­ve­ria ser a prá­ti­ca pa­ra cons­truir um pro­gra­ma que fos­se exe­cu­ta­do nas má­qui­nas ide­a­li­za­das por Turing.

A má­qui­na Enig­ma

As ori­gens da má­qui­na Enig­ma es­tão no pe­río­do en­tre guer­ras. Por vol­ta de 1920, os mi­li­ta­res ale­mães uti­li­za­vam uma ou­tra má­qui­na, cri­a­da por Hu­go Ko­ch, pa­ra co­di­fi­ca­rem as men­sa­gens. Em 1923, a em­pre­sa Chif­fri­en­mas­chi­nen AG exi­biu num con­gres­so, em Vi­e­na, uma má­qui­na de en­crip­tar com te­cla­do e vi­si­o­na­men­to de men­sa­gens. Foi ape­li­da­da de “Enig­ma”, de­vi­do à di­fi­cul­da­de em que­brar os seus có­di­gos e à sua com­ple­xi­da­de ma­te­má­ti­ca.

Em 1925, a Ar­ma­da ale­mã de­ci­diu uti­li­zar em mas­sa es­te ti­po de equi­pa­men­to, mas já nu­ma ver­são me­lho­ra­da e mais so­fis­ti­ca­da. De for­ma sim­ples, po­de­mos di­zer que a Enig­ma re­a­li­za di­fe­ren­tes subs­ti­tui­ções de le­traa-le­tra em tex­to sim­ples, pro­du­zin­do o que foi cha­ma­do de “tex­to ci­fra­do”. O tex­to ci­fra­do era apre­sen­ta­do co­mo um con­jun­to ale­a­tó­rio de letras (em- bo­ra es­ti­ves­se lon­ge de ser ver­da­dei­ra­men­te ale­a­tó­rio).

A Enig­ma era uma má­qui­na “offline”, no sen­ti­do em que servia ape­nas pa­ra cifrar e decifrar, mui­to di­fe­ren­te dos me­ca­nis­mos atu­ais de co­mu­ni­ca­ção em que o pro­ces­so é exe­cu­ta­do “on­li­ne”. Ti­nha um te­cla­do com vin­te e seis letras, dis­tri­buí­das por três li­nhas: na pri­mei­ra linha, da es­quer­da pa­ra a di­rei­ta, tí­nha­mos a sequên­cia “QWERTZUIO”, que mais tar­de deu ori­gem ao te­cla­do ame­ri­ca­no “QWERTYUIOP”, ho­je uni­ver­sa­li­za­do. O te­cla­do não ti­nha nú­me­ros ou pon­tu­a­ção. Se, por exem­plo, o ope­ra­dor ale­mão qui­ses­se in­tro­du­zir o nú­me­ro 1 te­ria de es­cre­ver a ex­pres­são “eins”. Eram as com­bi­na­ções elé­tri­cas cruzadas, ge­ra­das quan­do se in­se­ria uma te­cla, que, fa­zen­do gi­rar um con­jun­to de ro­das, pro­du­zi­am a le­tra subs­ti­tu­ta.

Alan Turing con­se­guiu decifrar es­tes có­di­gos com a cri­a­ção da­qui­lo a que ho­je cha­ma­ría­mos um “clus­ter” de com­pu­ta­do­res. Na al­tu­ra, foi cha­ma­do de “Bom­ba”, e o “clus­ter” não era de com­pu­ta­do­res, mas de de­ze­nas

A ENIG­MA ERA UMA MÁ­QUI­NA “OFFLINE”, NO SEN­TI­DO EM QUE SERVIA APE­NAS PA­RA CIFRAR E DECIFRAR, MUI­TO DI­FE­REN­TE DOS ME­CA­NIS­MOS ATU­AIS DE CO­MU­NI­CA­ÇÃO

de má­qui­nas Enig­ma in­ter­li­ga­das e, de­pois, co­nec­ta­das a má­qui­nas cons­truí­das por Turing.

A “Bom­be” sal­va­do­ra

Por vol­ta de 1938 o ma­te­má­ti­co po­la­co Ma­ri­an Re­jews­ki cons­truiu uma pe­que­na má­qui­na cha­ma­da “Bom­be”. Turing in­te­res­sou-se por es­se me­ca­nis­mo e re­la­tou as pos­si­bi­li­da­des que en­cer­ra­va, em Blet­ch­ley Park, a Jo­an Clar­ke, crip­to­lo­gis­ta que che­gou a ser noi­va de Turing, de quem fi­cou ami­ga mui­to pró­xi­ma até ao úl­ti­mo mo­men­to. O me­ca­nis­mo con­sis­tia em seis ré­pli­cas da má­qui­na Enig­ma. O su­ces­so da “bom­ba”, aper­fei­ça­da mais tar­de, de­pen­dia de vul­ne­ra­bi­li­da­des en­con­tra­das nas má­qui­nas Enig­ma alemãs.

Ha­via uma vul­ne­ra­bi­li­da­de no mé­to­do uti­li­za­do pe­lo ope­ra­dor na po­si­ção ini­ci­al das ro­das, an­tes de ini­ci­ar a crip­ta­ção em si mes­ma. Turing cri­ou uma de­no­mi­na­da “su­per bom­ba”, com mais ré­pli­cas da Enig­ma e com fun­ções de­sen­vol­vi­das por ele. Tra­ba­lhou na má­qui­na com Jo­an Clar­ke.

Tal equi­pa­men­to con­ti­nha três de- ze­nas de ré­pli­cas de má­qui­nas Enig­ma. To­das in­ter­li­ga­das, con­se­gui­am ob­ter uma con­fi­gu­ra­ção mais fá­cil pa­ra de­crip­tar as men­sa­gens: em con­jun­to, re­pli­ca­vam uma só má­qui­na Enig­ma. De cer­ta ma­nei­ra, foi es­se o cul­mi­nar do su­ces­so de Turing em Blet­che­ley Park.

Um le­ga­do ines­ti­má­vel

De­pois da II Guer­ra Mun­di­al, Alan Turing es­te­ve en­vol­vi­do num pro­je­to, pa­tro­ci­na­do pe­lo Go­ver­no bri­tâ­ni­co, pa­ra a cons­tru­ção de um com­pu­ta­dor. Tra­ba­lhou no Na­ti­o­nal Phy­si­cal la­bo­ra­tory ( NPL), mas o afas­ta­men­to do mun­do uni­ver­si­tá­rio dei­xa­va-o in­sa­tis­fei­to.

Quan­do Max New­man o con­vi­dou pa­ra ir tra­ba­lhar em Man­ches­ter, viu no con­vi­te a úni­ca pos­si­bi­li­da­de de vol­tar ao meio aca­dé­mi­co. Te­ve co­mo prin­ci­pal tra­ba­lho o de­sen­vol­vi­men­to de um la­bo­ra­tó­rio pa­ra in­ves­ti­ga­ção na área com­pu­ta­ci­o­nal. De­sen­vol­veu os pri­mei­ros com­pu­ta­do­res que con­se­gui­am re­sol­ver pro­ble­mas arit­mé­ti­cos com­ple­xos. Do pon­to de vis­ta in­te­lec-

DO PON­TO DE VIS­TA IN­TE­LEC­TU­AL, MAN­CHES­TER FOI O EXPOENTE MÁ­XI­MO DA CAR­REI­RA ACA­DÉ­MI­CA DE TURING E O LO­CAL ON­DE TE­VE MAI­OR LI­BER­DA­DE CRI­A­TI­VA

tu­al, Man­ches­ter foi o expoente má­xi­mo da sua car­rei­ra aca­dé­mi­ca e o lo­cal on­de te­ve mai­or li­ber­da­de cri­a­ti­va.

Bri­an Car­pen­ter e Bob Do­ran fo­ram os pri­mei­ros his­to­ri­a­do­res da in­for­má­ti­ca que re­le­va­ram, ver­da­dei­ra­men­te, a im­por­tân­cia do tra­ba­lho de Alan Turing, no li­vro “On Com­pu­ta­ble Num­bers”, bem co­mo num ar­ti­go pu­bli­ca­do, em 1977, no “The Com­pu­ter Jour­nal”.

Em 1988, Rolf Her­ken deu à es­tam­pa o li­vro “The Uni­ver­sal Turing Ma­chi­ne”, ex­pli­can­do por­me­no­ri­za­da­men­te o fun­ci­o­na­men­to do me­ca­nis­mo de­sen­vol­vi­do pe­lo ma­te­má­ti­co in­glês. Em re­la­ção ao pro­ble­ma da Enig­ma, Michael Smith, em 1998, ex­pli­cou o con­tex­to que en­vol­veu a des­co­ber­ta do fun­ci­o­na­men­to des­ta má­qui­na, fei­to por Turing.

A má­qui­na de Turing é, pro­va­vel­men­te, o mai­or le­ga­do que ele dei­xou à ci­ên­cia da com­pu­ta­ção. Con­ti­nu­ou a ter um pa­pel mui­to in­flu­en­te até aos nos­sos di­as. E es­ta ques­tão não in­flu­en­ci­ou só as ci­ên­ci­as da com­pu­ta­ção, mas tam­bém as ci­ên­ci­as cog­ni­ti- vas e a fi­lo­so­fia. Mui­tos pro­gra­ma­do­res, ho­je, con­ti­nu­am a con­si­de­rar os prin­cí­pi­os es­ta­be­le­ci­dos por Turing no con­cei­to sub­ja­cen­te à sua má­qui­na.

Deu ao mun­do bem mais do que o mun­do a ele deu. Fi­ca o que so­bre ele es­cre­veu Ri­chard Daw­kins (tra­du­ção li­vre), no li­vro “The God De­lu­si­on” (“A De­si­lu­são de Deus”, na edi­ção por­tu­gue­sa): “Tra­tan­do-se da men­te de­ci­si­va no pro­ces­so de que­brar os có­di­gos Enig­ma ale­mães, Turing po­de­rá ter da­do um con­tri­bu­to mai­or pa­ra a der­ro­ta dos na­zis do que Ei­se­nhower ou Chur­chill... Ele de­ve­ria ter si­do ar­ma­do ca­va­lei­ro e ce­le­bra­do co­mo o salvador des­ta na­ção. To­da­via, es­te génio de­li­ca­do, ti­tu­be­an­te e ex­cên­tri­co foi des­truí­do por cau­sa de um “cri­me”, co­me­ti­do em pri­va­do, que não cau­sa­va da­no a nin­guém”.

O jo­vem Alan Turing, fo­to­gra­fa­do à fren­te de um gru­po de ami­gos, na dé­ca­da de 1930

De­pois da guer­ra, Turing te­ve em Man­ches­ter o es­pa­ço ide­al pa­ra de­sen­vol­ver o seu tra­ba­lho

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.