Por­tu­gal no Ar­co do Triun­fo

JN História - - Caminhos Do Património -

A28 de mar­ço de 1809, o exér­ci­to fran­cês, co­man­da­do pe­lo ma­re­chal Ni­co­las Je­an de Di­eu Soult, ir­rom­pia pe­lo cen­tro da ci­da­de do Por­to. Era o co­ro­lá­rio da se­gun­da in­va­são na­po­leó­ni­ca a Por­tu­gal que ti­ve­ra iní­cio com a con­quis­ta de Cha­ves, du­as se­ma­nas an­tes. O ob­je­ti­vo era, a par­tir da gran­de ci­da­de do es­tuá­rio do Dou­ro, pros­se­guir pa­ra sul e, fi­nal­men­te, atin­gir Lis­boa. To­da­via, ape­sar de al­gu­mas pe­que­nas in­cur­sões até ao Vou­ga, os fran­ce­ses já não iri­am con­se­guir avan­çar mui­to mais, fa­ce à apro­xi­ma­ção do exér­ci­to an­glo-lu­so co­man­da­do por Arthur Wel­les­ley, pri­mei­ro du­que de Wel­ling­ton. Aca­ba­ri­am por se re­ti­rar da ci­da­de al­gu­mas se­ma­nas de­pois, a 12 de maio. Con­tu­do, nes­te dia 28 de mar­ço, era gran­de o âni­mo de Soult e dos seus ho­mens fa­ce à re­tum­ban­te vi­tó­ria na­po­leó­ni­ca so­bre as li­nhas de­fen­si­vas do Por­to. A ci­da­de, sob o co­man­do mi­li­tar do seu bis­po, co­nhe­ce­do­ra da apro­xi­ma­ção das tro­pas de Na­po­leão, no­me­a­da­men­te após a con­quis­ta de Bra­ga, a 20 de mar­ço, pre­pa­ra­ra-se pa­ra tra­var a avan­ça­da fran­ce­sa e im­pe­dir a sua ocu­pa­ção. Uma linha de ba­te­ri­as e trin­chei­ras, com cer­ca de dez qui­ló­me­tros de ex­ten­são, fo­ra ra-

O Ar­co do Triun­fo, um dos mais fa­mo­sos mo­nu­men­tos de Pa­ris e do mun­do, foi cons­truí­do, por or­dem de Na­po­leão, pa­ra glo­ri­fi­ca­ção dos gran­des fei­tos do seu exér­ci­to. Gra­va­dos na pe­dra, le­mos os no­mes dos mais im­por­tan­tes ofi­ci­ais que ser­vi­ram o im­pe­ra­dor. E, em letras ain­da mai­o­res, uma lis­ta­gem de gran­des ba­ta­lhas e triun­fos na­po­leó­ni­cos. Aí des­co­bri­mos a re­fe­rên­cia, mo­nu­men­tal, ao Por­to e a Al­mei­da.

pi­da­men­te er­gui­da des­de o for­te de S. João Bap­tis­ta, na Foz do Dou­ro, até à co­li­na do Bon­fim, con­tan­do com a co­la­bo­ra­ção de ofi­ci­ais de en­ge­nha­ria por­tu­gue­ses e bri­tâ­ni­cos. Si­mul­ta­ne­a­men­te fo­ram dis­pos­tas de um mo­do es­tra­té­gi­co, de­sig­na­da­men­te so­bre as prin­ci­pais co­li­nas que cir­cun­da­vam a ci­da­de, cer­ca de 200 bo­cas de fo­go, ao mes­mo tem­po que re­sis­ten­tes bar­ri­ca­das fo­ram er­gui­das nas prin­ci­pais ar­té­ri­as do bur­go. A to­das es­tas es­tru­tu­ras se acres­cen­ta­va um exér­ci­to com cer­ca de cin­co mil ho­mens pro­ve­ni­en­tes de tro­pas re­gu­la­res e mui­tos mais ori­gi­ná­ri­os em mi­lí­ci­as e, ain­da, sim­ples ci­da­dãos vo­lun­ta­ri­o­sos. Apro­xi- ma­da­men­te 30 mil ho­mens. Mal ar­ma­dos, pou­co trei­na­dos, inex­pe­ri­en­tes e mal dis­ci­pli­na­dos. Uma con­ju­ga­ção que se vi­ria a re­ve­lar fa­tal… A 27 de mar­ço, os fran­ce­ses che­ga­ram a S. Ma­me­de de In­fes­ta e, des­sa lo­ca­li­da­de às por­tas da ci­da­de, ra­pi­da­men­te es­tu­dam o po­si­ci­o­na­men­to dos por­tu­gue­ses e a sua linha de­fen­si­va. Às pri­mei­ras ho­ras da ma­nhã do dia se­guin­te, avan­çam so­bre a ci­da­de e, com al­gu­ma fa­ci­li­da­de, que­bram as de­fe­sas do Por­to, que pro­cu­ra­rá re­sis­tir, ain­da, a par­tir das bar­ri­ca­das que ha­vi­am si­do le­van­ta­das nas ru­as. Mas uma após ou­tra to­das elas irão sen­do der­ru­ba­das, e a ci­da­de aca­ba­rá, ao fim de

pou­cas ho­ras, por cair sob o do­mí­nio fran­cês. E as­sim se acres­cen­ta­va mais uma vi­tó­ria re­tum­ban­te e a con­quis­ta de uma re­le­van­te ci­da­de à lis­ta dos triun­fos de Na­po­leão. O sal­do, em ví­ti­mas mor­tais, atin­gi­rá vá­ri­os mi­lha­res… Mas se es­ta vi­o­len­ta ten­ta­ti­va de in­va­são de Por­tu­gal, em 1809, aca­ba­rá por fa­lhar, nem por is­so o im­pe­ra­dor fran­cês de­sis­ti­rá de ocu­par o país. Re­or­ga­ni­za­das em Es­pa­nha, as for­ças na­po­leó­ni­cas, ago­ra di­ri­gi­das pe­lo ge­ne­ral An­dré Mas­se­na, ini­ci­am, em me­a­dos de 1810, uma no­va in­va­são. Des­ta fei­ta, a ro­ta es­co­lhi­da pa­ra ata­car Por­tu­gal e as for­ças in­gle­sas aqui es­ta­ci­o­na­das se­rá pe­lo in­te­ri­or cen­tro do ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal. Mas, pa­ra que es­sa pe­ne­tra­ção sur­tis­se efei­to ha­via, con­tu­do, que ul­tra­pas­sar du­as pra­ças-for­tes: Ciu­dad Ro­dri­go e Al­mei­da. A pri­mei­ra ca­pi­tu­la­rá com al­gu­ma fa­ci­li­da­de. A se­gun­da da­rá ori­gem a uma das mais di­fí­ceis con­quis­tas do exér­ci­to fran­cês. Ao lon­go de um quen­te e san­gren­to mês de agos­to… De­fen­di­da pe­lo co­ro­nel in­glês Cox, à fren­te de um re­gi­men­to por­tu­guês e de qua­tro mil mi­li­ci­a­nos, que des­de a pri­mei­ra ho­ra de­mons­tram a sua von­ta­de num te­naz es­for­ço de re­sis­tên­cia, Al­mei­da sur­ge aos olhos dos in­va­so­res, a 10 de agos­to, co­mo um ba­lu­ar­te apa­ren­te­men­te inex­pug­ná­vel, ten­do em con­ta as mo­nu­men­tais ca­rac­te­rís­ti­cas ar­qui­te­tó­ni­cas e mi­li­ta­res des­ta vi­la for­ti­fi­ca­da. Al­go que os fran­ce­ses ra­pi­da­men­te irão com­pro­var, da­da a fa­ci­li­da­de com que os de­fen­so­res des­ta pra­ça mi­li­tar con­se­gui­rão re­pe­lir as pri­mei­ras ten­ta­ti­vas de ata­que das for­ças na­po­leó­ni­cas. As­sim, im­pos­si­bi­li­ta­dos de le­var a ca­bo a ocu­pa­ção ime­di­a­ta de Al­mei­da, os in­va­so­res ve­em-se na ne­ces­si­da­de de a cap­tu­rar atra­vés de uma es­tra­té­gia mais de­mo­ra­da: o cer­co e o bom­bar­de­a­men­to. O en­trin­chei­ra­men­to que cer­ca­rá a vi­la é es­ta­be­le­ci­do na noi­te de 15 pa­ra 16 de agos­to e, pro­gres­si­va­men­te, o bom­bar­de­a­men­to so­bre a po­vo­a­ção in­ten­si­fi­car-se-á du­ran­te os di­as se­guin­tes. A 27 de agos­to são 65 as bo­cas de fo­go que, sem gran­des re­sul­ta­dos, lan­çam as su­as bom­bas so­bre a pra­ça­for­te. Até que, de re­pen­te, tu­do se al­te­ra. Uma ex­plo­são en­sur­de­ce­do­ra to­ma con­ta da noi­te. O pai­ol ex­plo­di­ra, des­truin­do uma par­te sig­ni­fi­ca­ti­va da po­vo­a­ção (ain­da ho­je são vi­sí­veis as mar­cas dei­xa­das pe­la de­to­na­ção) e ma­tan­do cer­ca de 500 ho­mens da guar­ni­ção. No dia se­guin­te, os de­fen­so­res de Al­mei­da vi­ram-se na ne­ces­si­da­de de ca­pi­tu­lar e, du­ran­te os me­ses sub­se­quen­tes, sob o co­man­do do ge­ne­ral Bren­ni­er, a vi­la man­ter-se-á nas mãos dos mi­li­ta­res fran­ce­ses. Só em maio de 1811, após o co­lap­so da ex­pe­di­ção na­po­leó­ni­ca e a apro­xi­ma­ção das tro­pas an­glo-lu­sas de Wel­ling­ton, é que a po­vo­a­ção se­rá aban­do­na­da pe­los ocu­pan­tes, vol­tan­do a fi­car na pos­se dos por­tu­gue­ses. Mas, em ri­gor, o que ocor­reu na­que­la

noi­te de 27 de agos­to de 1810 e que mo­ti­vou a ex­plo­são que mo­ti­vou a que­da de Al­mei­da per­ma­ne­ce, até ho­je, en­vol­vi­do em mis­té­rio. Di­fe­ren­tes his­to­ri­o­gra­fi­as, mais ou me­nos apo­lo­gé­ti­cas e na­ci­o­na­lis­tas, de­fen­dem di­fe­ren­tes ex­pli­ca­ções. Se­gun­do al­guns mo­no­gra­fis­tas por­tu­gue­ses, a ex­plo­são ter-se-á fi­ca­do a de­ver à im­pre­vi­dên­cia de um jo­vem sol­da­do por­tu­guês, que te­rá en­tra­do no pai­ol sem res­pei­tar as nor­mas de se­gu­ran­ça. A is­to, re­fe­rem ou­tros com ba­se na acu­sa­ção tes­te­mu­nha­da por mui­tos por­tu­gue­ses, acres­ce o fac­to de o co­ro­nel in­glês que co­man­da­va os si­ti­a­dos pas­sar gran­de par­te do tem­po for­te­men­te em­bri­a­ga­do , e se­ria es­se o seu es­ta­do na fa­tí­di­ca noi­te da ex­plo­são e da sub­se­quen­te ca­pi­tu­la­ção da pra­ça-for­te. Pa­ra a his­to­ri­o­gra­fia fran­ce­sa, con­tu­do, a des­trui­ção do pai­ol e a con­quis­ta de Al­mei­da fo­ram o re­sul­ta­do da acer­ta­da es­tra­té­gia de ata­que e per­ma­nen­te e cer­tei­ro bom­bar­de­a­men­to da for- ti­fi­ca­ção. Fac­to que, por tal mo­ti­vo e ten­do em con­ta as ca­rac­te­rís­ti­cas qua­se inex­pug­ná­veis da vi­la, con­ver­te­ram es­tes acon­te­ci­men­tos num dos mais im­por­tan­tes fei­tos mi­li­ta­res das cam­pa­nhas na­po­leó­ni­cas. Is­so mes­mo en­ten­deu o pró­prio Na­po­leão Bo­na­par­te, ao fa­zer ques­tão de in­cluir Al­mei­da, tal co­mo o Por­to, en­tre a lis­ta das su­as cer­ca de cem mai­o­res ba­ta­lhas e vi­tó­ri­as. Lo­cais e lu­ga­res per­pe­tu­a­dos em letras, com 40 cen­tí­me­tros, gra­va­das na pe­dra das fa­ces in­te­ri­o­res das gi­gan­tes­cas pi­las­tras do Ar­co do Triun­fo que, ao jei­to dos im­pe­ra­do­res ro­ma­nos, fez er­guer na ca­pi­tal fran­ce­sa pa­ra glo­ri­fi­car e per­pe­tu­ar os gran­des triun­fos e con­quis­tas do seu exér­ci­to. Cons­truí­do com ba­se num pro­je­to de Je­an Chal­grin e ins­pi­ra­do no clás­si­co ar­co de Ti­to, que en­con­tra­mos em Ro­ma, o Ar­co do Triun­fo de Pa­ris foi man­da­do cons­truir em 1806, lo­go de­pois da vi­tó­ria fran­ce­sa em Aus­ter­litz. Com os seus 50 me­tros de al­tu­ra, 45 de lar­gu­ra e 22 de pro­fun­di­da­de, que fez de­le o mais al­to ar­co triun­fal do mun­do até 1938 (quan­do foi er­gui­do o Mo­nu­men­to à Re­vo­lu­ção, no Mé­xi­co), a sua cons­tru­ção, con­tu­do, iria pro­lon­gar-se du­ran­te as dé­ca­das se­guin­tes, fi­can­do con­cluí­do ape­nas em 1836, 15 anos após a mor­te do im­pe­ra­dor cor­so, na re­mo­ta ilha do Atlân­ti­co Sul em que os in­gle­ses o man­ti­ve­ram ca­ti­vo. Qua­tro anos de­pois da con­clu­são do mo­nu­men­to, em 15 de de­zem­bro de 1840, os res­tos mor­tais de Na­po­leão, tras­la­da­dos en­tão da ilha de San­ta He­le­na pa­ra Pa­ris, pas­sa­ram sob o Ar­co, na su­per­fí­cie do qual, além de di­ver­sas ce­nas ale­gó­ri­cas, in­cluin­do a co­ro­a­ção de Bo­na­par­te pe­la fi­gu­ra da Vi­tó­ria, ha­vi­am si­do epi­gra­fa­dos os no­mes de 558 dos seus ge­ne­rais e mais de uma cen­te­na de de­ci­si­vas ba­ta­lhas na­po­leó­ni­cas, co­mo as de Aus­ter­litz, Ma­as­tri­cht, Tou­lou­se, Dus­sel­dorf, Ná­po­les, Ma­drid e, cla­ro… o Por­to e Al­mei­da.

Do­mi­nan­do

A pre­sen­ça fran­ce­sa no Por­to não foi só a tragédia da pon­te das bar­cas. Pa­ra Na­po­leão, to­ma­da do bur­go foi um gran­de fei­to mi­li­tar To­ma­da de Al­mei­da, em 1810, foi mui­to di­fí­cil e ocor­reu em cir­cuns­tân­ci­as ain­da mal es­cla­re­ci­das

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.