Ri­gor pro­fis­si­o­nal e em­pe­nho po­lí­ti­co Per­fil

JN História - - Entrevista -

Ma­nu­el Vi­cen­te de Sousa Loff nas­ceu no Por­to, em 1965, e no Por­to tem as su­as ba­ses pes­so­al e pro­fis­si­o­nal. “Ain­da não de­sis­ti de vi­ver no meu país!”, es­cre­ve o pró­prio, re­ma­tan­do a bre­ve no­ta de apre­sen­ta­ção dis­po­ni­bi­li­za­da pe­lo jor­nal “Pú­bli­co”, em que man­tém há anos uma co­lu­na quin­ze­nal de opi­nião. Mas a vi­da, par­ti­cu­lar­men­te a de his­to­ri­a­dor, is­to é, a que aqui nos in­te­res­sa, tem-no le­va­do a pa­rar com mais ou me­nos pe­re­ni­da­de nou­tros pon­tos da Eu­ro­pa, de­sig­na­da­men­te Es­pa­nha e Itá­lia, on­de fez o dou­to­ra­men­to que o lan­çou co­mo re­fe­rên­cia fun­da­men­tal da nos­sa his­to­ri­o­gra­fia so­bre a era dos fas­cis­mos no Oci­den­te. Nun­ca du­vi­dou, des­de bem an­tes de se po­der apre­sen­tar co­mo his­to­ri­a­dor, que o seu ter­ri­tó­rio se­ria o sé­cu­lo XX.

Lá ire­mos. Se­rá a fa­ce­ta de co­men­ta­dor da atu­a­li­da­de – a fa­ce­ta da ci­da­da­nia, sem­pre as­sen­te nos prin­cí­pi­os de al­guém po­li­ti­ca­men­te em­pe­nha­do à es­quer­da, mas tam­bém no ri­gor crí­ti­co e de fun­da­men­ta­ção que qual­quer his­to­ri­a­dor tem de ter – que lhe dá mai­or vi­si­bi­li­da­de, não ape­nas na im­pren­sa, mas tam­bém no co­men­tá­rio te­le­vi­si­vo, par­ti­cu­lar­men­te quan­do as su­as áre­as de es­pe­ci­a­li­za­ção se tor­nam mais re­le­van­tes pa­ra aju­dar a com­pre­en­der o mun­do. E es­ta­mos, jus­ta­men­te, num des­ses tem­pos, co­mo fa­cil­men­te se de­pre­en­de da lei­tu­ra da en­tre­vis­ta aqui pu­bli­ca­da, em que te­mas co­mo o in­de­pen­den­tis­mo ca­ta­lão ou a emer­gên­cia de re­gi­mes po­pu­lis­tas e da ex­tre­ma-di­rei­ta fa­cil­men­te to­ma­ram con­ta da con­ver­sa. Quan­do atrás re­fe­ri­mos “po­li­ti­ca­men­te em­pe­nha­do à es­quer­da”, não hou­ve aí qual­quer in­ten­ção de di­luir a mais do que pú­bli­ca li­ga­ção do uni­ver­si­tá­rio por­tu­en­se ao Par­ti­do Co­mu­nis­ta Por­tu­guês, sen­do co­mum vê-lo li­ga­do às lu­tas elei­to­rais da CDU, par­ti­cu­lar­men­te na ci­da­de do Por­to, on­de já foi man­da­tá­rio de can­di­da­tu­ras e on­de já foi elei­to pa­ra a As­sem­bleia Mu­ni­ci­pal.

Mas vol­te­mos ao ho­mem que, co­mo con­ta nas pá­gi­nas an­te­ri­o­res, ga­nhou o gos­to pe­la His­tó­ria ain­da ra­paz, em par­ti­cu­lar pe­lo fas­cí­nio, de­cor­ren­te da ci­ne­ma­to­gra­fia ou da li­te­ra­tu­ra, pe­la II Guer­ra Mun­di­al. Daí pas­sou à Guer­ra Ci­vil de Es­pa­nha e, cla­ro, ao de­sen­vol­vi­men­to e im­ple­men­ta­ção dos re­gi­mes fas­cis­tas em to­da a Eu­ro­pa, mas par­ti­cu­lar­men­te na Pe­nín­su­la Ibé­ri­ca (adap­ta­ções pa­ra o pú­bli­co das dis­ser­ta­ções de mes­tra­do – “Sa­la­za­ris­mo e fran­quis­mo na épo­ca de Hitler (1936-1942)” – e de dou­to­ra­men­to – “O nos­so sé­cu­lo é fas­cis­ta!” - o mun­do vis­to por Sa­la­zar e Fran­co (1936-1945)” – fo­ram pu­bli­ca­das pe­la ex­tin­ta edi­to­ra Cam­po das Letras, mas os li­vros en­con­tram-se es­go­ta­dos). A His­tó­ria foi, no en­tan­to, uma se­gun­da op­ção, que só se afir­mou de­pois de uma frus­tran­te pas­sa­gem pe­lo cur­so de li­cen­ci­a­tu­ra em Re­la­ções In­ter­na­ci­o­nais, na Uni­ver­si­da­de do Mi­nho. Sem­pre na Fa­cul­da­de de Letras da Uni­ver­si­da­de do Por­to (exe­tua-se o dou­to­ra­men­to no Ins­ti­tu­to Uni­ver­si­tá­rio de Bo­lo­nha), em que é do­cen­te, em­bo­ra após a con­clu­são da li­cen­ci­a­tu­ra te­nha ti­do a ex­pe­ri­ên­cia de dar au­las no En­si­no Se­cun­dá­rio. Os es­tu­dos da me­mó­ria têm ti­do es­pe­ci­al pe­so na mais re­cen­te fa­se da car­rei­ra des­te in­ves­ti­ga­dor, em par­ti­cu­lar no que res­pei­ta à for­ma co­mo são per­ce­bi­dos os tem­pos de opres­são e os pe­río­dos de su­pe­ra­ção da mes­ma.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.