Lu­te­ro

JN História - - Evocação - Mi­guel Gon­çal­ves Co­or­de­na­dor Na­ci­o­nal da So­ci­e­da­de Pla­ne­tá­ria

num úl­ti­mo mo­men­to, três pa­pas em si­mul­tâ­neo (Ro­ma, Avi­nhão e Pi­sa).

Não apro­fun­da­re­mos aqui es­ses tem­pos de pa­pas e an­ti­pa­pas ou de co­mo a ade­são a uns e a ou­tros tra­du­zia ali­an­ças ou ri­va­li­da­des po­lí­ti­cas (exem­plo ób­vio, Por­tu­gal es­ta­va com Ro­ma, Cas­te­la com Avi­nhão). Mas mar­que­mos o Gran­de Cis­ma co­mo re­fe­rên­cia de um tem­po agi­ta­do. Des­de o Con­cí­lio de Cons­tan­ça, que de­cor­reu en­tre 1414 e 1418 e pôs fim a es­sa di­vi­são, to­das as reu­niões mag­nas da Igre­ja eram usa­das pa­ra a pro­pos­ta de pro­gra­mas re­for­mis­tas, que, por inép­cia ou fal­ta de von­ta­de, mor­ri­am à nas­cen­ça. E mes­mo os pri­mei­ros mo­vi­men­tos re­for­mis­tas, sur­gi­dos no sé­cu­lo XV, co­mo o lol­lar­dis­mo, em In­gla­ter­ra, ou a re­vol­ta hus­si­ta, na Boé­mia, não lo­gra­ram ex­pan­dir-se. Ain­da não era o mo­men­to.

Pa­ra ha­ver ter­re­no pe­lo qual as idei­as pro­gres­sis­tas pos­sam avan­çar com êxi­to, há que ter an­te­ci­pa­da­men­te ga­ran­ti­da, ou pos­ta em pron­ti­dão pe­las cir­cuns­tân­ci­as, uma ba­se de apoio sig­ni­fi­ca­ti­va. Ou se­ja, se teó­lo­gos gi­za­vam re­for­mas por mo­ti­vos es­tri­ta­men­te re­li­gi­o­sos, por mais per­ti­nen­tes que pu­des­sem ser, di­fi­cil­men­te ul­tra­pas­sa­ri­am a re­sis­tên­cia da or­to­do­xia. To­da­via, es­tan­do cri­a­do um cli­ma de des­con­ten­ta­men­to alar­ga­do fa­ce a com­por­ta­men­tos li­ga­dos à atrás re­fe­ri­da opu­lên­cia e ao fi­nan­ci­a­men­to da mes­ma, o ca­so mu­dou de fi­gu­ra. O cul­to das re­lí­qui­as, as pe­re­gri­na­ções e, so­bre­tu­do, a ven­da de in­dul­gên­ci­as (o per­dão dos pe­ca­dos a tro­co de di­nhei­ro) cri­a­vam a ideia de um mer­can­ti­lis­mo religioso, ge­ra­vam des­con­fi­an­ça em re­la­ção às cú­pu­las da Igre­ja e co­lo­ca­vam em dú­vi­da até que pon­to as ne­ces­si­da­des, ma­te­ri­ais e es­pi­ri­tu­ais, dos cren­tes eram pri­o­ri­tá­ri­as pa­ra os ecle­siás­ti­cos. Es­se con­tex­to era ide­al, tam­bém, pa­ra que os po­de- res se­cu­la­res ata­cas­sem a he­ge­mo­nia da Igre­ja, pro­cu­ran­do des­pres­ti­giá-la e apos­sar- se de mui­to do seu vas­to pa­tri­mó­nio.

A pas­sa­gem de po­der da Igre­ja pa­ra os es­ta­dos, não de for­ma ra­di­cal, cla­ro, fa­zia par­te de um tem­po de vi­ra­gem, de ru­tu­ra com o pa­ra­dig­ma me­di­e­val, de cho­que en­tre hu­ma­nis­tas e es­co­lás­ti­cos, de ra­di­cais e mo­de­ra­dos, de to­le­ran­tes e dog­má­ti­cos. A re­for­ma da Igre­ja era su­ge­ri­da por nu­me­ro­sos teó­lo­gos, mas de for­mas dis­tin­tas, que po­de­mos vin­car pe­las di­ver­gên­ci­as en­tre o pró­prio Mar­ti­nho Lu­te­ro e Eras­mo de Ro­ter­dão, que em 1509 usa­va “O Elo­gio da Lou­cu­ra” (de­di­ca­do a Thomas Mo­re, um apo­lo­gis­ta da re­for­ma po­lí­ti­ca e so­ci­al) pa­ra ape­lar a uma re­for­ma da Igre­ja. En­quan­to Eras­mo, que via a re­li­gião mais co­mo um guia pa­ra a vi­da do que um mis­ti­cis­mo dog­má­ti­co e ri­tu­a­li­za­do, ape­la­va à au­to­dis­ci­pli­na co­mo for­ma de me­lho­ra-

pe­te, há ten­dên­ci­as que pa­re­cem per­ma­ne­cer. Ve­ja­mos: em­bo­ra es­ti­vés­se­mos, nes­se iní­cio do sé­cu­lo XVI, mui­to lon­ge da pos­si­bi­li­da­de de uma Ale­ma­nha uni­fi­ca­da, ha­via nes­se ter­ri­tó­rio uma cer­ta uni­da­de no que res­pei­ta ao sen­ti­men­to an­ti­pa­pal, não só pe­los abu­sos do cle­ro, mas pe­la ideia de que as ri­que­zas alemãs es­ta­vam a ser su­ga­das pa­ra en­cher os co­fres do pa­pa­do. A is­so so­ma­va-se um cli­ma de agi­ta­ção ge­ral, dos cam­po­ne­ses aos no­bres, mas par­ti­cu­lar­men­te no seio da cres­cen­te – em nú­me­ro e po­de­rio eco­nó­mi­co – bur­gue­sia, que, sa­tu­ra­da dos abu­sos do cle­ro, to­ma­va o par­ti­do e a pro­te­ção dos prín­ci­pes lo­cais, pro­mo­ven­do o afas­ta­men­to em re­la­ção ao im­pe­ra­dor Carlos V.

Uma das mais pal­pá­veis con­sequên­ci­as do mo­vi­men­to re­for­mis­ta, a que já vol­ta­re­mos, foi, jus­ta­men­te, po­lí­ti­ca. Ali, com as di­vi­sões di­ta­das pe­la re­li­gião, ini­cia-se o pro­ces­so de de­sa­gre­ga­ção do Sa­cro Im­pé­rio Ro­ma­no- Ger­mâ­ni­co. Mais de um sé­cu­lo de con­fli­tos re­li­gi­o­sos (com ou­tros in­gre­di­en­tes à mis­tu­ra, cla­ro), de que o mais sig­ni­fi­ca­ti­vo é a sé­rie de con­fron­tos que fi­cou uni­da sob o no­me ge­né­ri­co de Guer­ra dos Trin­ta Anos, re­sul­ta­ram no in­sa­ná­vel en­fra­que­ci­men­to do ou­tro­ra gran­de im­pé­rio, que foi per­du­ran­do até ao seu de­fi­ni­ti­vo des­man­te­la­men­to em 1806, no âm­bi­to das guer­ras na­po­leó­ni­cas.

Ex­co­mun­ga­do em 1521

Ora, veio is­to a pro­pó­si­to da po­pu­la­ri­da­de al­can­ça­da por Mar­ti­nho Lu­te­ro e pe­la dou­tri­na que ele de­sen­vol­veu, na sequên­cia do im­pac­to das 95 te­ses. Co­mo já de­mos a en­ten­der, era um ho­mem pro­fun­da­men­te pi­e­do­so. Mon­ge des­de 1505, con­tra a von­ta­de

ins­tru­men­tos re­gu­la­do­res das prá­ti­cas hu­ma­nas, a pre­mis­sa de que ca­da um de­via de­di­car- se à lei­tu­ra da Bí­blia foi es­sen­ci­al pa­ra pro­mo­ver a li­te­ra­cia de for­ma mui­to mais rá­pi­da do que veio a su­ce­der no mun­do ca­tó­li­co. E to­do es­te pro­ces­so foi de­ter­mi­nan­te pa­ra o ca­mi­nho se­gui­do, de um mo­do ge­ral, pe­la cul­tu­ra ale­mã.

A Re­for­ma ga­nha­va vi­da pró­pria e, de al­gum mo­do, o pró­prio Lu­te­ro era ul­ta­pas­sa­do pe­los acon­te­ci­men­tos. Um dos seus mais fer­vo­ro­sos e ra­di­cais dis­cí­pu­los, An­dre­as Karls­tadt, co­me­çou lo­go a to­mar me­di­das em Wit­ten­berg: aca­bou com o ce­li­ba­to dos sa­cer­do­tes, ba­niu as ima­gens de san­tos, sim­pli­fi­cou a li­tur­gia e in­tro­du­ziu a co­mu­nhão nas du­as es­pé­ci­es (pão e vi­nho, cor­po e san­gue de Cris­to). Mas, no fun­do, Lu­te­ro não era mui­to me­nos ra­di­cal. Ve­ja-se co­mo des­de lo­go re­jei­tou qua­tro dos se­te sa­cra­men­tos, por não os con­si­de­rar jus­ti­fi­ca­dos no Evan­ge­lho, man­ten­do ape­nas o ba­tis­mo ( o úni­co que con­si­de­ra­va es­sen­ci­al, por tra­du­zir o res­ga­te do cris­tão ao pe­ca­do ori­gi­nal, es­ta­do em que to­do o ser hu­ma­no nas­cia), a co­mu­nhão e a pe­ni­tên­cia (que vi­ria de­pois a dei­xar cair).

Cla­ro que nem to­dos os ho­mens que in­vo­cam a fé são ho­mens de fé. Por ou­tras palavras, não são es­tri­ta­men­te mís­ti­cos, co­mo o era o pró­prio Lu­te­ro. Mui­tos prín­ci­pes ale­mães, do Nor­te e do Cen­tro apro­vei­ta­ram o im­pul­so pa­ra se apro­pri­a­rem de bens da Igre­ja, co­mo an­tes ti­nha si­do ten­ta­do pe­los ca­va­lei­ros do Sul, que ha­vi­am ade­ri­do des­de a pri­mei­ra ho­ra à ten­dên­cia lan­ça­da pe­lo mon­ge re­for­ma­dor.

Ao to­mar o par­ti­do dos gran­des se­nho­res, Lu­te­ro deu um pas­so de­ter­mi­nan­te pa­ra o mo­do co­mo a sua re­for­ma se ex­pan­diu nos ter­ri­tó­ri­os ale­mães. En­quan­to is­so, cla­ro, es­ta­va mais do que aber­to o es­pa­ço pa­ra que ou­tras cor­ren­tes dou­tri­nais, to­das de ru­tu­ra com Ro­ma, fos­sem sur­gin­do. Os ter­mos “protestante” e “pro­tes­tan­tis­mo” só co­me­ça­ram a ser usa­dos em 1529, na sequên­cia de um pro­tes­to que os prín­ci­pes lu­te­ra­nos apre­sen­ta­ram, na Di­e­ta de Es­pi­ra ( Speyer), con­tra a mai­o­ria ca­tó­li­ca do Sa­cro Im­pé­rio Ro­ma­no-ger­mâ­ni­co.

Mui­tos ou­tros mo­vi­men­tos de ca­rac­te­rís­ti­cas dis­tin­tas fo­ram apa­re­cen­do a par­tir daí, sen­do os exem­plos

is­so da al­ma de um po­vo? Es­se é um con­cei­to per­fei­ta­men­te ana­cró­ni­co, es­ta­mos aqui a ad­mi­ti- lo, tí­pi­co da pro­pa­gan­da do re­gi­me to­ta­li­tá­rio que ocu­pou me­ta­de do sé­cu­lo XX por­tu­guês, con­ti­nu­a­mos aqui a ad­mi­ti- lo, mi­ti­fi­ca­ção ran­ço­sa de um co­le­ti­vo que só é di­fe­ren­te dos res­tan­tes co­le­ti­vos do mun­do por ser o nos­so, não se­rá ex­ces­si­vo in­sis­tir em que es­ta­mos aqui a ad­mi­ti- lo. Ora, es­se con­cei­to faz to­do o sen­ti­do, na me­di­da em que a His­tó­ria con­so­li­da a ideia de vo­ca­ção ma­rí­ti­ma dos por­tu­gue­ses, e a exal­ta­ção na­ci­o­na­lis­ta do sé­cu­lo XX coin­ci­de com a cons­tru­ção pro­pa- gan­dís­ti­ca da gran­de epo­peia ba­ca­lho­ei­ra, na­da me­nos do que o cer­ne da pró­pria ins­ti­tui­ção, que es­te ano ce­le­brou 80 anos de exis­tên­cia, ao lon­go dos quais pas­sou de pe­que­no nú­cleo de vo­ca­ção et­no­grá­fi­ca a re­fe­rên­cia mu­se­o­ló­gi­ca e ci­en­tí­fi­ca.

Sen­do Ílha­vo uma ter­ra um­bi­li­cal­men­te li­ga­da à pes­ca do ba­ca­lhau, mais de ma­ri­nhei­ros do que de pes­ca­do­res, foi des­sa iden­ti­fi­ca­ção – não há fa­mí­lia que não guar­de a me­mó­ria de quem te­nha “ido ao ba­ca­lhau” – que nas­ceu a von­ta­de de um gru­po de ho­mens que, em 1937, viu nas­cer a obra, um es­pa­ço que hon­ras­se e des­se a co­nhe­cer

Por ve­zes, na His­tó­ria dos po­vos, o céu tem im­por­tan­te pa­pel ins­tru­men­tal, e não ape­nas co­mo au­xi­li­ar da na­ve­ga­ção. Ser­viu, por exem­plo, pa­ra o re­cru­ta­men­to de guer­rei­ros. Os pri­mei­ros po­vos ín­di­os nor­te-ame­ri­ca­nos da­vam es­pe­ci­al aten­ção às Plêi­a­des, po­pu­lar­men­te co­nhe­ci­das por “Se­te Ir­mãs”, um lin­dís­si­mo guar­da-jói­as es­te­lar vi­sí­vel em pra­ti­ca­men­te to­do o pla­ne­ta (no he­mis­fé­rio nor­te pon­ti­fi­ca so­bre­tu­do no in­ver­no), re­la­ti­va­men­te per­to da cons­te­la­ção do Tou­ro. Ape­sar de tal en­xa­me ter mais de 500 es­tre­las, são se­te as mais vi­sí­veis. Os ín­di­os sa­bi­am dis­so, e jo­vem que só con­se­guis­se con­tar cin­co es­tre­las se­ria lí­der guer­rei­ro, ao con­trá­rio da­que­le que vis­lum­bras­se no di­to en­xa­me mais es­tre­las. Du­ran­te qua­se 2000 anos, gra­ças à au­to­ri­da­de dou­tri­ná­ria da es­co­la aris­to­té­li­ca, o Cos­mos per­man­ceu imu­tá­vel, in­son­dá­vel pa­ra o Ho­mem. As es­tre­las eram eter­nas, cons­tan­tes. Ti­ve­mos de es­pe­rar pe­lo fim do sé­cu­lo XVI pa­ra o ale­mão David Fa­bri­cius des­con­fi­ar que tal cons­tân­cia não ba­tia cer­to com a ob­ser­va­ção da es­tre­la Mi­ra, cu­jo bri­lho apa­ren­ta­va al­te­rar-se pe­ri­o­di­ca­men­te. Mas Fa­bri­cius não era uma fi­gu­ra de re­co­nhe­ci­do des­ta­que e pro­vas da­das na co­mu­ni­da­de as­tro­nó­mi­ca. De tal mo­do que ele mes­mo co­me­çou por du­vi­dar das su­as pró­pri­as con­clu­sões. Mas a te­má­ti­ca não fi­ca por aqui e apa­re­ce com im­pac­to na dé­ca­da de 1830, atra­vés de um as­tró­no­mo bem mais re­pu­ta­do, John Hers­chel, fi­lho de ou­tro no­tá­vel as­tró­no­mo bri­tâ­ni­co, Wil­li­am Hers­chel. Tra­ba­lhan­do de per­to com o pai, fo­cou-se ini­ci­al­men­te nas ob­ser­va­ções de es­tre­las du­plas (es­tre­las li­ga­das gra­vi­ta­ci­o­nal­men­te, que se or­bi­tam mu­tu­a­men­te), al­go que o pai an­tes co­me­ça­ra. A sua de­di­ca­ção aos céus é tão in­ten­sa que o he­mis­fé­rio nor­te pa­re­cia-lhe in­su­fi­ci­en­te e, em mar­ço de 1938, es­ta­be­le­ceu-se com a fa­mí­lia nas re­don­de­zas do Ca­bo da Boa Es­pe­ran­ça, Áfri­ca do Sul. Aí, iden­ti­fi­ca e ca­ta­lo­ga mais de 68 mil es­tre­las, inú­me­ras ne­bu­lo­sas e es­tre­las du­plas e faz ob­ser­va­ções cui­da­do­sas do co­me­ta Hal­ley, dos anéis de Sa­tur­no e de du­as ga­lá­xi­as sa­té­li­tes da Via Lác­tea: a Gran­de e a Pe­que­na Nu­vem de Ma­ga­lhães. Mas uma es­tre­la em par­ti­cu­lar agu­ça­va-lhe a cu­ri­o­si­da­de: Be­tel­geu­se, a se­gun­da mais bri­lhan­te es­tre­la da cons­te­la­ção de Óri­on, uma su­per gi­gan­te ver­me­lha. Se subs­ti­tuís­se­mos o Sol por es­ta es­tre­la, o seu in­crí­vel di­â­me­tro co­me­ria Mer­cú­rio, Vé­nus, Ter­ra, Mar­te, a Cin­tu­ra de As­te­rói­des e che­ga­ria mui­to per­to da ór­bi­ta de Jú­pi­ter. Hers­chel no­tou al­go es­tra­nho no seu bri­lho apa­ren­te (o bri­lho que ob­ser­va­mos da Ter­ra). Em 1836, es­cre­veu: “As va­ri­a­ções de Alpha Ori­o­nis [Be­tel­geu­se], que fo­ram mais mar­can­tes e inequí­vo­cas nos anos 1836-1840, nos anos trans­cor­ri­dos tor­na­ram-se mui­to me­nos vi­sí­veis”. Po­rém, em de­zem­bro de 1952, o mes­mo

Re­pre­sen­ta­ção do mo­men­to em que Lu­te­ro quei­mou a bu­la “de Leão X

Leão X, o Pa­pa que es­ta­va do ou­tro la­do da ru­tu­ra que nas­ceu com Lu­te­ro, mas cu­jas raí­zes vi­nham já bem de trás

Lu­te­ro, na cé­le­bre Di­e­ta de Worms, jus­ti­fi­can­do e rei­te­ran­do as su­as po­si­ções fa­ce ao im­pe­ra­dor Carlos V

LEONEL DE CAS­TRO/GLO­BAL IMA­GENS

MA­RIA JOÃO GA­LA / GLO­BAL IMA­GENS

MA­RIA JOÃO GA­LA / GLO­BAL IMA­GENS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.