To­do o mun­do a pas­sar por cá

JN História - - A Abrir - Pe­dro Ola­vo Simões Co­or­de­na­dor edi­to­ri­al

Di­zer que a cris­tan­da­de me­di­e­val, um si­nó­ni­mo de Eu­ro­pa, sal­vas as dis­tân­ci­as, era o mun­do de en­tão é ab­so­lu­ta­men­te in­cor­re­to e, ho­je, tris­te­men­te eu­ro­cên­tri­co, até por­que a des­com­par­ti­men­ta­ção de épo­cas pos­te­ri­o­res re­ve­la­ria me­lhor avan­ça­dís­si­mas ci­vi­li­za­ções a ori­en­te. Mas era, sem dú­vi­da, o mun­do co­nhe­ci­do dos que por aqui ha­bi­ta­vam, e Por­tu­gal já era, em­bo­ra sem a im­por­tân­cia que o pro­ces­so ex­pan­si­o­nis­ta lhe vi­ria a dar de­pois, uma pe­ça a ter em con­ta no con­cer­to das na­ções (ou­tro con­cei­to ana­cró­ni­co, mas que aju­da a per­ce­ber a ideia). Nes­ta edi­ção, o te­ma prin­ci­pal é de­di­ca­do a um ho­mem – João de Gante, du­que de Len­cas­tre – em tor­no de cu­ja vi­da con­se­gui­mos tra­çar uma pa­no­râ­mi­ca ge­ral des­se uni­ver­so res­tri­to de que os nos­sos an­te­pas­sa­dos (ou an­te­ces­so­res) fa­zi­am par­te. Se há épo­ca, na vas­ti­dão de um mi­lé­nio que é a Ida­de Mé­dia, mais da­da aos cha­vões a es­se tem­po apli­ca­dos – a fo­me, a pes­te, a guer­ra... –, es­sa épo­ca é o sé­cu­lo XIV, com a sua pro­fun­da cri­se. João de Gante, que foi o se­nhor feu­dal mais po­de­ro­so de In­gla­ter­ra mas nun­ca cum­priu o so­nho de rei­nar al­gu­res (ex­ce­tu­an­do um cur­to pe­río­do na Ga­li­za), é, ele pró­prio, cha­ve pa­ra re­tra­tar tem­pos con­tur­ba­dos, mar­ca­dos pe­la Guer­ra dos Cem Anos ou pe­lo Cis­ma do Oci­den­te. Mas é tam­bém, avô que foi da Ínclita Ge­ra­ção e men­tor da ve­lhís­si­ma ali­an­ça en­tre Por­tu­gal e In­gla­ter­ra, de­ter­mi­nan­te pa­ra o tem­po no­vo que se adi­vi­nha­va. Pou­co se fa­la de­le, par­ti­cu­lar­men­te em Por­tu­gal, o que não faz sen­ti­do. É por is­so que lhe da­mos – ou de­vol­ve­mos – to­do o pro­ta­go­nis­mo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.