João de Gante, ros­to de um tem­po fer­ven­te em Por­tu­gal e na Eu­ro­pa

João de Gante, du­que de Len­cas­tre, foi, ao seu tem­po, o ho­mem mais po­de­ro­so da In­gla­ter­ra feu­dal. Mar­cou de­ci­si­va­men­te o es­pa­ço da Cris­tan­da­de oci­den­tal, Por­tu­gal in­cluí­do, mas ra­ra­men­te é re­cor­da­do

JN História - - A Abrir - Tex­tos de Má­rio Bru­no Pas­tor In­ves­ti­ga­dor CI­TAR – Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca Por­tu­gue­sa

Es­ta é a his­tó­ria de João de Gante (13401399), John of Gaunt, ter­cei­ro fi­lho do rei in­glês Edu­ar­do III a che­gar à ida­de adul­ta. Re­fe­ri­do as­sim, pou­co di­rá à ge­ne­ra­li­da­de dos por­tu­gue­ses, mas a fa­mi­li­a­ri­da­de se­rá mai­or se o re­fe­ren­ci­ar­mos co­mo du­que de Len­cas­tre (Lan­cas­ter). Len­cas­tre já é no­me que sur­ge nos nos­sos com­pên­di­os, por via da fi­lha mais ve­lha des­te ho­mem, Fi­li­pa, mu­lher de D. João I, de cu­jo ven­tre ra­mi­fi­cou a se­gun­da di­nas­tia rei­nan­te de Por­tu­gal. João de Gante é, afi­nal, de­ci­si­vo no ca­mi­nho por­tu­guês: avô da ge­ra­ção que Ca­mões apo­dou de “Ínclita”, foi tam­bém obrei­ro da mais an­ti­ga ali­an­ça que se co­nhe­ce.

Não foi só por he­ran­ça que de­te- ve imen­sos po­der e in­fluên­cia, mas pe­la sua de­ter­mi­na­ção e, tam­bém, pe­lo aca­so. Quis ser rei mas nun­ca o foi, nem em In­gla­ter­ra nem em Leão e Cas­te­la, ape­sar de as­sim se ter in­ti­tu­la­do, de­pois do se­gun­do ca­sa­men­to com uma in­fan­ta cas­te­lha­na. Por es­sa al­tu­ra, in­te­res­sou­se pe­las po­lí­ti­cas por­tu­gue­sas. Aco­lheu em Lon­dres João Fer­nan­des An­dei­ro e ne­go­ci­ou com D. Fer­nan­do e, de­pois, com D. João I um pro­gra­ma de ali­an­ças que vi­ria a ma­te­ri­a­li­zar-se no afa­ma­do, e ain­da em vi­gor, Tra­ta­do de Wind­sor. Cu­nhou mo­e­da na ci­da­de do Por­to, exi­bin­do o seu no­me co­mo rei de Cas­te­la, e em­pre­en­deu ao la­do do exér­ci­to por­tu­guês uma in­va­são de Leão, che­gan­do a dis­pu­tar a che­fia mi­li­tar com Nuno Ál­va­res Pereira.

Não foi rei, mas a sua descendência mar­cou a Eu­ro­pa do sé­cu­lo XV: o fi­lho mais ve­lho foi o pri­mei­ro mo­nar­ca in­glês da di­nas­tia de Len­cas­tre, Hen­ri­que IV; o ne­to Du­ar­te foi rei de Por­tu­gal; a in­fan­ta Isa­bel, tam­bém ne­ta, foi a du­que­sa de Bor­go­nha e con­des­sa da Flan­dres que de­sa­fi­ou, se­gun­do a tra­di­ção ca­va­lei­res- ca, os reis de Fran­ça, li­ber­tan­do os ter­ri­tó­ri­os fla­men­gos do seu ma­ri­do das obri­ga­ções de vas­sa­la­gem a Pa­ris; na Ca­ta­lu­nha, o con­de Pe­dro, con­des­tá­vel de Por­tu­gal e bis­ne­to de Gante, foi o úni­co se­nhor de Bar­ce­lo­na que con­se­guiu se­pa­rar, por bre­ve pe­río­do, a Ca­ta­lu­nha de Ara­gão, in­ti­tu­lan­do-se tam­bém rei.

O ras­to de es­que­ci­men­to que dei­xou é in­tri­gan­te. A aba­dia de SaintBa­vón, on­de nas­ceu e foi ba­ti­za­do, foi ar­ra­sa­da, 200 anos de­pois, pe­las tro­pas im­pe­ri­ais de Car­los V. Na­da so­brou, tam­bém, do seu lu­xu­o­so pa­lá­cio du­cal, o Sa­voy, nas mar­gens do Ta­mi­sa, cu­jo no­me ain­da ecoa na to­po­ní­mia lon­dri­na, pi­lha­do e de­mo­li­do du­ran­te a mai­or re­vo­lu­ção po­pu­lar ja­mais vis­ta em In­gla­ter­ra. Até o tú­mu­lo des­te ho­mem, um exu­be­ran­te mau­so­léu gó­ti­co na an­ti­ga ca­te­dral de São Pau­lo, foi in­tei­ra­men­te con­su­mi­do pe­las cha­mas do gran­de in­cên­dio de Lon­dres, em 1666. Não há, ho­je, ves­tí­gi­os ma­te­ri­ais da exis­tên­cia do du­que de Len­cas­tre, co­mo que tor­nan­do li­te­ral o pro­ces­so sim­bó­li­co de es­que­ci­men­to de João de Gante. De al­gum mo­do, aqui o res­ga­ta­mos.

do­mí­nio da Aqui­tâ­nia, Gui­e­na e Gas­co­nha aos in­gle­ses, in­te­gran­do es­se gran­de du­ca­do atlân­ti­co na Co­roa de Fran­ça. Em Lon­dres, o Par­la­men­to au­to­ri­za­va Edu­ar­do a guer­re­ar a Fran­ça e re­to­mar a Aqui­tâ­nia. Co­me­ça­va as­sim a Guer­ra dos Cem Anos, afi­nal um lon­go pe­río­do com guer­ras in­ter­ca­la­das.

O pro­ble­má­ti­co pro­ces­so de su­ces­são em Fran­ça, rei­no pul­ve­ri­za­do em feu­dos po­de­ro­sís­si­mos, le­va­ra ao po­der, em 1328, a Ca­sa de Va­lois, de­pon­do os Ca­pe­tos. E a no­va di­nas­tia exi­giu de ime­di­a­to que Edu­ar­do III, de­ten­tor do du­ca­do da Aqui­tâ­nia, pres­tas­se vas­sa­la­gem a Filipe VI, ce­ri­mo­ni­al que Edu­ar­do, en­tão com 15 anos, te­ve de cum­prir. Nes­se tem­po, o pa­pa­do, ine­di­ta­men­te au­sen­te de Ro­ma des­de 1309, es­ta­va ins­ta­la­do em Avi­nhão, man­ten­do uma pro­xi­mi­da­de na­tu­ral aos reis de Fran­ça. Era o prin­cí­pio do que se­ria, em 1370, o Cis­ma do Oci­den­te.

Pe­trar­ca, Dan­te e Boc­ca­cio mar­ca­vam um pro­to-re­nas­ci­men­to bri­lhan­te. Flo­ren­ça, Gé­no­va, Ve­ne­za e Mi­lão flo­res­ci­am com o co­mér­cio no Ori­en­te. To­da­via, si­len­ci­o­sa, a pes­te ne­gra che­ga­va aos por­tos das re­pú­bli­cas ita­li­a­nas, e a pan­de­mia vi­ria a com­pro­me­ter de­fi­ni­ti­va­men­te to­do o sé­cu­lo XIV. No cen­tro da Eu­ro­pa, o Sa­cro Im­pé­rio Ro­ma­no Ger­mâ­ni­co do Oci­den­te dis­ten­dia-se a par­tir de Vi­e­na e as­se­gu­ra­va a pros­pe­ri­da­de han­seá­ti­ca a nor­te. A sul, os bi­zan­ti­nos, que co­me­mo­ra­vam os mil anos da fun­da­ção de Cons­tan­ti­no­pla, tra­va­vam os oto­ma­nos, ins­ta­la­dos já no sul do Bós­fo­ro.

Na Pe­nín­su­la Ibé­ri­ca, o qua­dro ge­o­po­lí­ti­co era tam­bém pe­cu­li­ar. Ha­via cin­co rei­nos: a oci­den­te, com as fron­tei­ras de­fi­ni­das pe­lo Tra­ta­do de Al­ca­ni­ces, Por­tu­gal era es­tá­vel; no gran­de cen­tro, Cas­te­la, que con­tro­la­va Leão e a Ga­li­za; no Nor­des­te, do­mi­nan­do a es­tra­té­gi­ca pas­sa­gem dos Pi­re­néus, Na­var­ra; as ver­ten­tes ori­en­tal e me­di­ter­râ­ni­ca de Va­lên­cia e Ca­ta­lu­nha en­con­tra­vam-se uni­das num só rei­no, o de Ara­gão; no Sul, o re­du­to mu­çul­ma­no do rei­no de Gra­na­da, que per­de­ra Se­vi­lha em 1248, os­ten­ta­va os úl­ti­mos mi­na­re­tes da Pe­nín­su­la.

En­qua­dra­men­to de cas­ta

É uma pe­que­na pe­ça des­te ta­bu­lei­ro que nos in­te­res­sa. Em mar­ço de 1340, em Saint-ba­vón, a rai­nha Fi­li­pa da­va à luz o qu­ar­to fi­lho, John. Se­gun­do a len­da, o fun­da­dor da di­nas­tia Plan­ta­ge­ne- ta, Go­do­fre­do de An­jou, usa­va no cha­péu um ra­mo de gi­es­ta, e daí te­ria nas­ci­do o ape­li­do di­nás­ti­co. Po­rém, os des­cen­den­tes de Go­do­fre­do, in­cluin­do os reis in­gle­ses, não se de­sig­na­vam Plan­ta­ge­ne­tas. As cri­an­ças eram no­me­a­das se­gun­do a ve­lha tra­di­ção de acres­cen­tar ao no­me o lo­cal de nas­ci­men­to: o pri­mo­gé­ni­to de Edu­ar­do III era Edu­ar­do de Wo­ods­tock, prín­ci­pe de Ga­les, o “Prín­ci­pe Ne­gro”, e os res­tan­tes eram Le­o­nel de An­tuér­pia, Edmundo de Lan­gley e To­más de Wo­ods­tock.

Quan­do João de Gante nas­ceu, o pai es­ta­va em Lon­dres, or­ga­ni­zan­do uma ar­ma­da que lhe per­mi­tis­se man­ter a he­ge­mo­nia na­val na Man­cha: lo­go em ju­nho de 1340, a vi­tó­ria so­bre a ar­ma­da fran­ce­sa na Ba­ta­lha de Sluys mar­cou a van­ta­gem in­gle­sa no iní­cio da Guer­ra dos Cem Anos. Lo­go de­pois, Edu­ar­do avan­çou pa­ra o con­ti­nen­te, dan­do iní­cio à cam­pa­nha ter­res­tre. É nes­se con­tex­to, de vol­ta à Flan­dres, que o be­bé João de Gante é apre­sen­ta­do ao pai. A cam­pa­nha mi­li­tar foi curta, cul­mi­nan­do na Tré­gua de Es­plé­chin. Le­va­do pa­ra Lon­dres, o be­bé foi apre­sen­ta­do às cor­tes de West­mins­ter, que fun­ci­o­na­vam re­gu­lar­men­te des­de a ou­tor­ga da Mag­na Car­ta. No ano se­guin­te, com dois anos, era no­me­a­do con­de de Ri­ch­mond, o pri­mei­ro de mui­tos tí­tu­los.

A di­vi­são so­ci­al, na rí­gi­da es­tru­tu­ra me­di­e­val, não de­pen­dia só de tí­tu­los e pro­pri­e­da­des. A cha­ma­da cul­tu­ra de ca­va­la­ria es­ta­va em fran­co res­sur­gi­men­to, e Edu­ar­do III re­fun­da­ra, se­gun­do os seus ter­mos, a No­va Or­dem da Tá­vo­la Re­don­da, de ins­pi­ra­ção ar­tu­ri­a­na. Os prín­ci­pes eram ce­do lan­ça­dos no uni­ver­so cas­tren­se (dis­ci­pli­na e téc­ni­cas de che­fia) e che­ga­vam a ser ex­pos­tos às ba­ta­lhas. Aos seis anos, Gante as­sis­tiu, no cam­po da ba­ta­lha de Ne­vil­le’s Cross, em 1346, à vi­tó­ria do pai e do ir­mão mais ve­lho, que cap­tu­ra­ram Da­vid II, rei dos der­ro­ta­dos es­co­ce­ses. Em se­gui­da, o rei e o prín­ci­pe Edu­ar­do vi­a­ja­ram pa­ra o con­ti­nen­te e, em me­nos de um ano, to­ma­ram Ca­lais, a porta de en­tra­da do Ca­nal da Man­cha pa­ra Fran­ça, que vi­ria a ser con­tro­la­da pe­los in­gle­ses du­ran­te mais de 200 anos.

O batismo de com­ba­te de João, com ape­nas 10 anos, foi na pri­mei­ra ten­ta­ti­va cas­te­lha­na de in­va­são na­val de In­gla­ter­ra. En­quan­to ali­a­da de Fran­ça, Cas­te­la não evi­ta­ra a vi­tó­ria in­gle­sa de Sluys e a que­da de Ca­lais. Os na­vi­os in-

gle­ses atu­a­vam li­vre­men­te não só no Ca­nal, mas nas pró­pri­as cos­tas da Gui­e­na e Aqui­tâ­nia, no Gol­fo da Bis­caia e até no li­to­ral ga­le­go. Pa­ra con­tra­ri­ar o pre­do­mí­nio in­glês, Don Car­los de la Cer­da, al­mi­ran­te de Cas­te­la, pre­pa­rou uma ar­ma­da de cer­ca de 50 co­cas de guer­ra (es­pé­cie de gran­de ga­lé bo­ju­da) pa­ra lan­çar um ata­que de­fi­ni­ti­vo, jun­to a Sus­sex. Aler­ta­dos, os in­gle­ses con­cen­tra­ram to­da a sua ar­ma­da. O pró­prio Edu­ar­do III es­ta­va a bor­do do na­vio re­al, a “Tho­mas”, mas os fi­lhos Edu­ar­do e João es­ta­vam a bor­do de ou­tra em­bar­ca­ção. Era um lu­mi­no­so de agos­to, e o am­bi­en­te, a bor­do da “Tho­mas”, era fes­ti­vo (di­as an­tes, no Loi­re, o ini­mi­go de In­gla­ter­ra, Filipe VI de Fran­ça, mor­re­ra de do­en­ça ful­mi­nan­te). O am­bi­en- te mu­dou mal sur­gi­ram no ho­ri­zon­te os pri­mei­ros pa­vi­lhões de Cas­te­la, e o com­ba­te du­rou to­do o dia. A ar­ma­da in­gle­sa per­deu a pró­pria “Tho­mas” (o rei foi trans­fe­ri­do pa­ra ou­tro na­vio), e o seu mai­or va­so, a “La Sa­le du Roi”, che­gou a ser as­sal­ta­do e re­bo­ca­do por uma na­ve cas­te­lha­na, mas o triun­fo foi in­glês. Du­ran­te os com­ba­tes, a co­ca que le­va­va o Prín­ci­pe Ne­gro e o seu ir­mão so­freu du­ros ata­ques e nau­fra­gou, sen­do Edu­ar­do (20 anos) e João (10) re­co­lhi­dos pe­la em­bar­ca­ção de Hen­ri­que de Gros­mont, con­de de Len­cas­tre, que veio a ser, no­ve anos de­pois, so­gro de Gante. Em 1351, Edu­ar­do III con­ce­dia a Lor­de Hen­ri­que de Gros­mont o tí­tu­lo de pri­mei­ro du­que de Len­cas­tre. O triun­fo de Win­chel­sea re­pre­sen­ta a con­fir­ma­ção do po­de­rio na­val in­glês no iní­cio da Guer­ra dos Cem Anos. Um do­mí­nio efé­me­ro.

Em 1355, João de Gante acom­pa­nhou o pai e o ago­ra du­que Hen­ri­que ao con­ti­nen­te, de­sem­bar­can­do em Ca­lais, e foi in­te­gra­do nu­ma for­ça ex­pe­di­ci­o­ná­ria, co­man­da­da pe­lo pró­prio rei, ao ter­ri­tó­rio fran­cês de João II, o Bom, su­ces­sor de Filipe. Nas pro­xi­mi­da­des de Pi­cardy o gru­po foi ata­ca­do por uma for­ça fran­ce­sa. Após a es­ca­ra­mu­ça, ga­nha pe­los in­gle­ses, João de Gante foi or­de­na­do cavaleiro. No ano se­guin­te hou­ve con­fli­tos na Es­có­cia, im­por­tan­tes aqui en­quan­to ras­ti­lho de uma no­va al­te­ra­ção em Fran­ça. Um sal­vo- con­du­to da­do pe­lo rei ao con­de de Dou­glas, pa­ra po­der vi­si­tar em Lon­dres o rei es-

co­cês, Da­vid Bru­ce, ali ca­ti­vo, per­mi­tiu àque­le es­ca­par pa­ra Fran­ça com um gru­po de es­co­ce­ses fiéis e ofe­re­cer le­al­da­de a João II, in­cen­ti­van­do o avan­ço das hos­tes fran­ce­sas pa­ra as fron­tei­ras da Nor­man­dia e da Aqui­tâ­nia, em ame­a­ça à pre­sen­ça in­gle­sa.

En­vi­a­do pa­ra Fran­ça pa­ra ga­ran­tir a in­te­gri­da­de da Aqui­tâ­nia, o Prín­ci­pe Ne­gro pro­ta­go­ni­zou di­ver­sos epi­só­di­os bé­li­cos, até ini­ci­ar, no fi­nal do ve­rão de 1356, um ata­que rá­pi­do de che­vau­chées, ou fos­sa­do, pe­lo in­te­ri­or da Fran­ça. A cam­pa­nha cul­mi­nou nas ime­di­a­ções de Poi­ti­ers, a 19 de se­tem­bro, quan­do o exér­ci­to do prín­ci­pe Edu­ar­do se en­con­trou com o do rei fran­cês. Dos com­ba­tes des­se dia, de que há re­la­tos por­me­no­ri­za­dos e nos qu­ais foi pre­pon­de­ran­te o po­der dos ar­chei­ros in­gle­ses, re­sul­tou a der­ro­ta fran­ce­sa. João II, o Bom, re­ti­rou um dos anéis dos de­dos e ofe­re­ceu-o a um su­bal­ter­no in­glês, pe­din­do-lhe pa­ra fa­lar com o Prín­ci­pe Ne­gro, seu pri­mo, e apre­sen­tar a ren­di­ção. O fi­lho mais ve­lho do rei, o Del­fim Car­los (fu­tu­ro Car­los V) con­se­guiu es­ca­par à cap­tu­ra, re- gres­san­do a Pa­ris, fi­can­do co­mo re­gen­te de uma Fran­ça de­ca­pi­ta­da e al­go des­mo­ra­li­za­da.

As no­tí­ci­as de vi­tó­ria te­rão che­ga­do re­la­ti­va­men­te ce­do a In­gla­ter­ra. Po­rém, só na pri­ma­ve­ra do ano se­guin­te, 1357, é que em Lon­dres João de Gante e Edu­ar­do III as­sis­ti­ram so­le­ne­men­te à mar­cha triun­fan­te do Prín­ci­pe Ne­gro. À fren­te de­le, de­sar­ma­dos, ca­mi­nha­vam João II de Fran­ça e o seu fi­lho Filipe, pri­si­o­nei­ros de In­gla­ter­ra.

Pri­mei­ro ca­sa­men­to

De­pois de Poi­ti­ers, os ca­ti­vos João II e o seu fi­lho fo­ram ins­ta­la­dos nu­ma pri­são de lu­xo, na­da me­nos do que o me­lhor pa­lá­cio de Lon­dres, o Sa­voy, re­si­dên­cia de Hen­ri­que de Gros­mont que vi­ria a per­ten­cer ao pró­prio João de Gante. Ali, o pri­mei­ro du­que de Len­cas­tre organizava gran­des e os­ten­si­vas fes­tas, fre­quen­ta­das não só pe­los seus re­ais hós­pe­des pri­si­o­nei­ros, co­mo pe­la pró­pria realeza in­gle­sa. Gante era as­sí­duo. Em 1357, pas­sou lá o dia de Na­tal, co­nhe­cen­do en­tão um dos seus mais pró­xi­mos ami­gos, Ge­of­frey Chau­cer, o po­e­ta, nes­sa al­tu­ra tam­bém ado­les­cen­te. Cer­ca de 30 anos de­pois, Chau­cer com­po­ria os “Con­tos de Can­tuá­ria”, uma co­le­tâ­nea sa­tí­ri­ca e pi­ca­res­ca que en­ce­tou, de al­gum mo­do, a mo­der­na li­te­ra­tu­ra in­gle­sa.

No Sa­voy, as du­as fi­lhas do du­que ha­vi­am si­do apre­sen­ta­das à so­ci­e­da­de: Matilde e a jo­vem Bran­ca de Len­cas­tre. Em 1359, ao fa­zer 14 anos, Bran­ca foi es­co­lhi­da pa­ra casar com João de Gante, o que su­ce­deu a 19 de maio des­se ano. Es­te ma­tri­mó­nio foi a gé­ne­se do pro­ces­so que le­va­ria João a ser du­que de Len­cas­tre, o mai­or pro­pri­e­tá­rio de In­gla­ter­ra e a fi­gu­ra po­lí­ti­ca mais pre­do­mi­nan­te, a se­guir ao rei. Bran­ca vi­ria a ser a mãe da rai­nha de Por­tu­gal Fi­li­pa de Len­cas­tre.

Reims e tré­gua de Bré­tigny

Após Poi­ti­ers, a po­si­ção po­lí­ti­ca de Fran­ça fi­ca­ra fra­gi­li­za­da. A re­gên­cia do Del­fim, al­go in­se­gu­ro, as­sis­ti­ra, em 1358, ao pri­mei­ro gran­de mo­vi­men­to de revolta po­pu­lar con­tra os abu­sos feu­dais: a Jac­que­rie, de que re­sul­ta­ram pres­sões re­for­mis­tas que fra­gi­li­za­ram

os ve­lhos se­nho­ri­os feu­dais.

Per­ce­ben­do que era o mo­men­to cer­to pa­ra des­fe­rir um gol­pe fa­tal so­bre Fran­ça, Edu­ar­do III or­ga­ni­zou no­va ex­pe­di­ção ao con­ti­nen­te, de­sem­bar­can­do em Ca­lais, em ou­tu­bro de 1359. O ob­je­ti­vo era to­mar Reims e a sua ca­te­dral, pal­co da tra­di­ci­o­nal co­ro­a­ção e un­ção dos reis de Fran­ça. Edu­ar­do, prín­ci­pe de Ga­les, Le­o­nel de An­tuér­pia, João de Gante e mes­mo o jo­vem Edmundo de Lan­gley, os qua­tro prín­ci­pes adul­tos de In­gla­ter­ra, acom­pa­nha­ram a ex­pe­di­ção.

A mar­cha até Reims foi, de cer­to mo­do, pa­cí­fi­ca. O cro­nis­ta Frois­sart pin­ta um ce­ná­rio de fan­far­ra, com os es­tan­dar­tes de São Jor­ge, em­pu­nha­dos pe­la ca­va­la­ria, mar­chan­do pe­lo in­te­ri­or de Fran­ça. O ce­ná­rio re­al, po­rém, não te­rá si­do tão ope­rá­ti­co. Reims era, co­mo qual­quer gran­de ci­da­de de Fran­ça, um bur­go efi­caz­men­te mu­ra­lha­do. Edu­ar­do III sa­bia que não se­ria fá­cil, e a sua pre­sen­ça nas li­nhas da fren­te des­ti­na­va-se a le­var os po­de­res fran­ce­ses a en­ce­ta­rem um pro­ces­so de ne­go­ci­a­ção, ou mes­mo tré­gua, que per- mi­tis­se aos in­gle­ses as­se­gu­rar a in­te­gri­da­de dos seus do­mí­ni­os na Bre­ta­nha e na Aqui­tâ­nia. O cer­co de Reims du­rou vá­ri­os me­ses, sem re­sul­ta­dos ne­go­ci­ais vi­sí­veis. Edu­ar­do che­gou a ten­tar abrir uma se­gun­da fren­te, em di­re­ção a Pa­ris, che­gan­do a as­se­di­ar a ci­da­de, mas sem efei­tos mi­li­ta­res. O Del­fim re­cu­sa­va-se a de­fron­tar os in­gle­ses em cam­po aber­to e man­ti­nha as ci­da­des si­ti­a­das em ab­so­lu­ta re­sis­tên­cia, sem re­ve­lar qual­quer in­dí­cio de que­rer ne­go­ci­ar. As­sim, o ónus do des­gas­te caía não so­bre as ci­da­des cer­ca­das, mas so­bre os si­ti­an­tes. Pe­la es­tra­té­gia do Del­fim pa­ga­vam as po­pu­la­ções ru­rais, ví­ti­mas da po­lí­ti­ca de ter­ra quei­ma­da dos in­gle­ses. Sem pro­gres­sos, Edu­ar­do II in­sis­tiu no cer­co de Reims, es­pe­ran­do que a pri­ma­ve­ra des­se con­di­ções pa­ra avan­çar so­bre a ci­da­de. Mas não. Na se­gun­da-fei­ra de Pás­coa de 1360 (“Black Mon­day”), uma ter­rí­vel tem­pes­ta­de as­so­lou o ter­ri­tó­rio, des­truin­do os acam­pa­men­tos in­gle­ses e ar­ra­san­do o mo­ral das tro­pas. Is­so levou Edu­ar­do III a abrir uma via de diá­lo­go com o Del­fim. Não es­que­ça­mos que o rei de Fran­ça, João II, per­ma­ne­cia ca­ti­vo em Lon­dres. Pe­lo Tra­ta­do de Bré­tigny: Edu­ar­do re­nun­ci­a­va à co­roa de Fran­ça e Car­los ga­ran­tia-lhe a Bre­ta­nha e a Aqui­tâ­nia.

Car­los com­pro­me­teu-se ain­da a pa­gar o res­ga­te do pai, subs­tan­ci­al­men­te re­du­zi­do. Pa­ra o fa­zer, o Del­fim man­dou ba­ter os pri­mei­ros fran­cos de ou­ro, aque­la que vi­ria a ser a mais fa­mo­sa uni­da­de mo­ne­tá­ria fran­ce­sa. João II aca­ba­ria por re­gres­sar a Pa­ris e ra­ti­fi­car a tré­gua, ain­da em 1360. Con­tu­do, ha­ve­ria de vol­tar vo­lun­ta­ri­a­men­te pa­ra o Sa­voy, co­mo pa­ga­men­to de hon­ra dos in­cum­pri­men­tos dos fi­lhos. A Guer­ra dos Cem Anos es­ta­va em pau­sa.

Du­que de Len­cas­tre

Só mui­to di­fi­cil­men­te po­de­mos con­si­de­rar a cam­pa­nha de 1359-60 um su­ces­so in­glês, não obs­tan­te Edu­ar­do III ter si­do re­ce­bi­do co­mo vi­to­ri­o­so em Lon­dres. O prín­ci­pe de Ga­les fi­ca­ra na Aqui­tâ­nia e Le­o­nel de An­tuér­pia par­ti­ra pa­ra Dublin, on­de fo­ra fei­to governador. João de Gante e o ir­mão Edmundo tam­bém re­gres­sa­ram a In­gla­ter­ra. Gante era, pe­la pri­mei­ra vez, o prín­ci­pe mais ve­lho na cor­te do pai, por is­so sen­do cha­ma­do a exer­cer a sua pri­mei­ra fun­ção po­lí­ti­ca em West­mins­ter,

ain­da em 1360. Se­ma­nas de­pois do en­cer­ra­men­to das cor­tes, em mar­ço de 1361, Gros­mont, du­que de Len­cas­tre, mor­ria no seu cas­te­lo de Lei­ces­ter, coin­ci­den­te­men­te com a en­tra­da em In­gla­ter­ra de um no­vo sur­to de pes­te. O du­ca­do foi di­vi­di­do em du­as par­tes: uma pa­ra a fi­lha mais ve­lha, Matilde, e ou­tra pa­ra Bran­ca, fi­can­do co­mo ti­tu­lar o seu ma­ri­do, João de Gante.

Na pri­ma­ve­ra do ano se­guin­te, Matilde, à épo­ca ca­sa­da com o du­que da Ba­vi­e­ra, re­gres­sa­ra a Lon­dres pa­ra re­cla­mar a sua par­ce­la do le­ga­do do pai, mas a pes­te ne­gra vol­ta­va a eclo­dir, cei­fan­do mi­lha­res de vi­das, en­tre as qu­ais a da pró­pria Matilde. As­sim, Bran­ca e João de Gante her­da­ram to­do o res­tan­te pa­tri­mó­nio dos Len­cas­tre. A sequên­cia de even­tos que le­va­ram Gante a as­su­mir o du­ca­do foi pos­te­ri­or­men­te ques­ti­o­na­da pe­la cró­ni­ca de Wal­singham, que le­van­tou as pri­mei­ras sus­pei­tas so­bre o en­vol­vi­men­to de­le na mor­te da cu­nha­da. Sus­pei­tas que vi­ri­am a cri­ar, anos de­pois, a ima­gem po­pu­lar de um ho­mem im­pla­cá­vel, que não olha­va a mei­os.

Em no­vem­bro, Gante foi re­co­nhe­ci­do, pe­lo Par­la­men­to e pe­lo rei, co­mo se­gun­do du­que de Len­cas­tre. Era ain­da con­de de Derby, Lin­coln e Lei­ces­ter, bem co­mo mor­do­mo-mor do rei­no. Em dois anos, Gante tor­na­ra-se o se­nhor mais po­de­ro­so de In­gla­ter­ra.

Vi­da pú­bli­ca

Ins­ta­la­do de­fi­ni­ti­va­men­te no Sa­voy, o no­vo du­que apu­rou o gos­to pe­la os­ten­ta­ção, uma vai­da­de de­sen­fre­a­da que, a par da per­ce­ção pú­bli­ca da for­ma co­mo ad­qui­ri­ra o po­der, lhe ha­ve­ria de tra­zer amar­gas con­sequên­ci­as. Em Wind­sor, a cor­te do rei era tam­bém opu­len­ta. Con­tu­do, era no Sa­voy, bem no co­ra­ção de Lon­dres, que as gran­des re­ce­ções ocor­ri­am. Ali fo­ram re­ce­bi­dos reis co­mo Val­de­mar III da Di­na­mar­ca, Pe­dro de Lui­sig­nan, rei de Chi­pre, e mes­mo Da­vid II da Es­có­cia, que se via for­ça­do, por in­cum­pri­men­to do pa­ga­men­to do seu res­ga­te, a re­gres­sar ci­cli­ca­men­te a Lon­dres. Em 1364, tam­bém por in­cum­pri­men­to no pa­ga­men­to do res­ga­te, o rei fran­cês João II en­tre­ga­va-se aos cap­to­res in­gle­ses, ins­ta­lan­do-se no Sa­voy. Aí mor­reu, nes­se mes­mo ano.

Chau­cer era ou­tro fre­quen­ta­dor do Sa­voy, as­sim co­mo o cro­nis­ta Jean Frois­sart, ho­je fon­te es­sen­ci­al pa­ra o es­tu­do des­te pe­río­do. Mas, de to­das as per­so­na­li­da­des in­flu­en­tes que se reu­ni­ram na ór­bi­ta do du­que de Len­cas­tre, du­ran­te a tré­gua de Bré­tigny, des­ta­ca­se um clé­ri­go ido de Ox­ford pa­ra ser­vir co­mo ca­pe­lão re­al em Lon­dres, com fa­ma de re­for­mis­ta e de­nun­ci­a­dor dos lu­xos e da si­mo­nia que os pa­pas, em Avi­nhão, ha­vi­am so­bre­pos­to aos prin­cí­pi­os sin­ge­los do cris­ti­a­nis­mo. Era John Wy­clif­fe, aque­le que tra­du­zi­ria pe­la pri­mei­ra vez, em 1383, a Vul­ga­ta do la­tim pa­ra o in­glês. Um pro­to­pro­tes­tan­te, se é per­mi­ti­do o ter­mo, que de­sa­fi­ou os prin­cí­pi­os e os ví­ci­os das hi­e­rar­qui­as ca­tó­li­cas. Na­que­le mo­men­to, Wy­clif­fe não só era es­cu­ta­do co­mo era útil pa­ra ali­cer­çar a po­si­ção de­sa­fi­a­do­ra de In­gla­ter­ra fa­ce a Fran­ça e Avi­nhão.

Gante fi­cou mui­to pró­xi­mo des­te clé­ri­go, tor­nan­do- se o seu prin­ci­pal pro­te­tor. Ha­via ali uma ges­tão de in­te­res­ses mú­tu­os: de na­tu­re­za po­lí­ti­ca pa­ra Gante e, em tro­ca, se­gu­ran­ça e in­fluên­cia pa­ra Wy­clif­fe. Cer­to é que, as­sim que Wy­clif­fe, ine­vi­ta­vel­men­te, co­me­çou a ser acu­sa­do de he­re­sia, já na dé­ca­da de 1370, o du­que foi ar­ras­ta­do. Mas Gante nun­ca o aban­do­nou. Quan­do o re­li­gi­o­so foi pre­so e obri­ga­do a res­pon­der pe­ran­te o bis­po de Lon­dres, es­te­ve lá, com al­to cus­to pes­so­al, pa­ra o de­fen­der. E foi sob a pro­te­ção do du­que que Wy­clif­fe mor­reu, em 1384. Só em 1415, 16 anos após a mor­te de João de Gante, é que a Igre­ja Ca­tó­li­ca con­de­nou for­mal­men­te Wy­clif­fe, exu­man­do as os­sa­das e quei­man­do-as em ato pú­bli­co.

ção e as­sas­sí­nio. Em 1365, após bre­ve pas­sa­gem por Ara­gão, Hen­ri­que es­ta­va exi­la­do em Fran­ça, na cor­te do ago­ra rei Car­los V. Em Avi­nhão, o papa Ur­ba­no V ex­co­mun­ga­ra Pe­dro de Cas­te­la, que re­cu­sa­ra obe­de­cer-lhe. In­flu­en­ci­a­do pe­lo papa, mas re­lu­tan­te, o rei fran­cês reu­niu um exér­ci­to pa­ra apoi­ar Hen­ri­que, com a pre­sen­ça Ber­trand du Gu­es­clin, fu­tu­ro con­des­tá­vel. Com apoio ara­go­nês, Hen­ri­que en­trou em Bar­ce­lo­na, a 1 de ja­nei­ro de 1366. Em se­gui­da, avan­çou pa­ra Cas­te­la, em di­re­ção a Bur­gos, on­de o meio-ir­mão se acoi­ta­ra. Em Ca­lahor­ra, du­ran­te a mar­cha, Hen­ri­que ha­ve­ria de ser acla­ma­do rei de Cas­te­la, co­mo Hen­ri­que II.

In­ca­paz de de­fen­der Bur­gos, Pe­dro es­ca­pou e re­fu­gi­ou-se em Se­vi­lha. Cas­te­la di­vi­dia-se: um rei em Bur­gos, ou­tro em Se­vi­lha, es­te apa­ren­te­men­te sem ali­a­dos ou via pa­ra es­ca­par. Pe­dro de Cas­te­la ape­lou ao au­xí­lio do rei de Por­tu­gal, tam­bém Pe­dro, seu tio. O mo­nar­ca por­tu­guês não deu aju­da mi­li­tar, mas per­mi­tiu que o so­bri­nho cru­zas­se o rei­no ru­mo à Ga­li­za, que lhe era le­al. Ao dei­xar Se­vi­lha, o rei cas­te­lha­no em­bar­cou o te­sou­ro da co­roa, mas, an­tes de a ar­ma­da pas­sar a bar­ra do Gu­a­dal­qui­vir, o al­mi­ran­te ge­no­vês Gil Boc­ca­ne­gra traiu Pe­dro, des­vi­ou o na­vio que trans­por­ta­va o te­sou­ro e en­tre­gou de­pois o sa­que a Hen­ri­que II. Boc­ca­ne­gra aca­bou exe­cu­ta­do por Pe­dro I, em 1367, após a ba­ta­lha de Ná­je­ra.

Che­ga­do à Ga­li­za com o seu al­fe­res, Fer­nan­do de Cas­tro, con­de de Le­mos ( ir­mão de Inês e Jo­a­na de Cas­tro), o “Cru­el” man­dou exe­cu­tar o ar­ce­bis­po de Com­pos­te­la, sus­pei­to de sim­pa­ti­as com a cau­sa de Tras­tâ­ma­ra, e su­biu à Co­ru­nha, on­de em­bar­cou pa­ra a Aqui­tâ­nia. Aí, en­vi­ou emis­sá­ri­os a Bor­déus, pa­ra fa­ze­rem um ape­lo de ali­an­ça a Edu­ar­do, prín­ci­pe de Ga­les. Reu­ni­do o Par­la­men­to de Bor­déus, a que João de Gante as­sis­tiu, o Prín­ci­pe Ne­gro aten­deu ao pe­di­do. As su­as pre­ten­sões coin­ci­di­am com a po­si­ção in­gle­sa so­bre o pa­pa­do de Avi­nhão e evi­ta­vam que um ali­a­do de Fran­ça, Hen­ri­que II, rei­nas­se em Cas­te­la. Era uma opor­tu­ni­da­de pa­ra en­fra­que­cer Car­los V, sem hi­po­te­car a tré­gua de Bré­tigny. Pe­dro com­pro­me­tia-se a pa­gar a aju­da.

Te­rão si­do reu­ni­dos 40 mil ho­mens pa­ra com­ba­ter o Tras­tâ­ma­ra. O ou­ro pa­ra sol­dos, su­bor­nos e fran­qui­as atra­vés do Rei­no de Na­var­ra foi con­se­gui­do, pe­lo Prín­ci­pe Ne­gro, fus­ti­gan­do com im­pos­tos os cam­po­ne­ses aqui­ta­nos e bre­tões. Em fe­ve­rei­ro de 1367, João de Gante cru­zou os Pi­re­néus, e to­do o con­tin­gen­te in­va­sor con­cen­trou-se em Pam­plo­na. Do ou­tro la­do do Ebro, Hen­ri­que

tam­bém mo­vi­men­ta­va as su­as tro­pas. Em mar­ço, per­to de Vi­tó­ria, hou­ve um re­con­tro en­tre as tro­pas de Tras­tâ­ma­ra e um gru­po li­de­ra­do por Gante, que o du­que de Len­cas­tre con­se­guiu re­cha­çar. Só que, de­pois, o gru­po fi­el a Hen­ri­que, li­de­ra­do por Te­lo Afon­so, cru­zou-se com um gru­po de re­co­nhe­ci­men­to que Gante en­vi­a­ra pa­ra sul, às or­dens de Tho­mas Fel­ton. Num com­ba­te rá­pi­do, per­to de Ariñez, os in­gle­ses fo­ram di­zi­ma­dos. O lu­gar ain­da é cha­ma­do In­gles­men­di (o mon­te dos in­gle­ses, em bas­co).

En­tão, a cam­pa­nha en­trou num im­pas­se. Avan­ça­mos, pois, até 3 de abril de 1367, quan­do o exér­ci­to in­va­sor, li­de­ra­do pe­lo Prín­ci­pe Ne­gro e por Pe­dro I, que ru­ma­va a Bur­gos, se con­fron­tou com o de Hen­ri­que Tras­tâ­ma­ra, aguar­dan­do no va­le de Ná­je­ra, a les­te de Lo­groño. Hen­ri­que dis­pu­nha da van­ta­gem de ter já as fi­lei­ras dis­pos­tas, es­pe­ran­do o prín­ci­pe de Ga­les. A van­guar­da in­gle­sa, co­man­da­da por Gante, au­xi­li­a­do por John Chan­dos, ape­ou e dis­pen­sou os ca­va­los. Atrás, o cor­po cen­tral do exér­ci­to, flan­que­a­do por ar­chei­ros, era co­man­da­do pe­lo Prín­ci­pe Ne­gro, por Pe­dro I e por Tho­mas Percy.

Não ca­be aqui a des­cri­ção por­me­no­ri­za­da da ba­ta­lha, mas a van­ta­gem de Tras­tâ­ma­ra de na­da ser­viu. Usa­da pe­la pri­mei­ra vez em ter­ri­tó­rio cas­te­lha­no, a tem­pes­ta­de das fle­chas in­gle­sas, ali­a­da ao fra­cas­so da ca­va­la­ria de Hen­ri­que II, foi de­ter­mi­nan­te pa­ra o de­sen­la­ce, aca­ban­do o con­fron­to com Hen­ri­que a ba­ter em re­ti­ra­da. Os in­gle­ses em­pur­ra­ram o ini­mi­go até às mar­gens do Na­ja­ril­la, pe­que­no aflu­en­te do Ebro, e o afu­ni­la­men­to de uma pon­te gó­ti­ca, que ain­da exis­te, foi fa­tal. Obs­truí­da a tra­ves­sia pe­la in­fan­ta­ria, a ca­va­la­ria, atrás, não po­dia pas­sar. Mui­tos lan­ça­ram-se à água, os que não o fi­ze­ram fo­ram cap­tu­ra­dos ou mas­sa­cra­dos. Pe­dro I ma­tou com as pró­pri­as mãos al­guns dos seus an­ti­gos ca­va­lei­ros que com­ba­ti­am ago­ra por Hen­ri­que II. A 2 de maio, Pe­dro era re­a­cla­ma­do rei de Cas­te­la na ca­te­dral de Bur­gos.

Ain­da que mi­li­tar­men­te a cam­pa­nha te­nha si­do um su­ces­so, o re­sul­ta­do ge­ral não foi bri­lhan­te. O rei não hon­rou a dí­vi­da ao Prín­ci­pe Ne­gro. Mais do que is­so, exi­giu que Edu­ar­do lhe en­tre­gas­se to­dos os no­bres cas­te­lha­nos que cap­tu­ra­ra. O Cru­el que­ria vin­gan­ça.

No fim de mui­tas con­tas, o Prín­ci­pe Ne­gro te­rá per­ce­bi­do a men­sa­gem: aque­la guer­ra não ti­nha si­do de­le, nem de In­gla­ter­ra, nem de Fran­ça. O seu pa- pel fo­ra, em úl­ti­ma aná­li­se, o de um mer­ce­ná­rio ao ser­vi­ço de um se­nhor que até o sol­do lhe de­via. Ain­da em Bur­gos, o exér­ci­to in­glês, por fal­ta de pa­ga­men­to, co­me­ça­ra a amo­ti­nar-se, pi­lhan­do a ci­da­de e de­se­qui­li­bran­do o frá­gil apoio po­pu­lar de Pe­dro. Ain­da por ci­ma, a saú­de do prín­ci­pe de Ga­les de­te­ri­o­ra­ra-se com um sur­to de di­sen­te­ria, o pri­mei­ro epi­só­dio da do­en­ça que o ma­ta­ria uma dé­ca­da de­pois.

Quan­to a Hen­ri­que, vol­tou a exi­lar­se em Fran­ça, on­de re­ce­beu apoio de Car­los V. Co­mo no ano an­te­ri­or, o exí­lio se­ria cur­to. E se­ria o úl­ti­mo.

Por­tu­gal en­tra nas con­tas

Fal­ta­va per­ce­ber a po­si­ção de Por­tu­gal. No iní­cio de 1367, D. Fer­nan­do tor­na­ra-se rei, e o seu go­ver­no se­guia aten­ta­men­te o qua­dro in­ter­na­ci­o­nal. Após a po­lí­ti­ca de neu­tra­li­da­de que D. Pe­dro I (de Por­tu­gal) man­ti­ve­ra fa­ce aos con­fli­tos em Cas­te­la e na Eu­ro­pa, o fi­lho com­pre­en­deu que tal po­si­ção não po­dia du­rar. Em mar­ço, ha­ven­do in­cer­te­za quan­to à cam­pa­nha do Prín­ci­pe Ne­gro, man­dou res­tau­rar to­das as for­ti­fi­ca­ções do rei­no, re­for­çar a pro­vi­são de ar­mas e re­cen­se­ar to­da a po­pu­la­ção mas­cu­li­na. O go­ver­no do rei sa­bia que a guer­ra es­ta­va la­ten­te e fa­cil­men­te po­de­ria che­gar ao ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal.

A vi­tó­ria de Pe­dro I, o Cru­el, e dos in­gle­ses em Ná­je­ra adi­ou o pro­ble­ma de Por­tu­gal, mas não afas­tou a ame­a­ça. Hen­ri­que de Tras­tâ­ma­ra vol­tou a in­va­dir a Pe­nín­su­la em ja­nei­ro de 1368. Com fa­ci­li­da­de, con­se­guiu que as ci­da­des de Leão e Ovi­e­do o re­co­nhe­ces­sem co­mo rei. O pró­prio rei de Na­var­ra, que no ano an­te­ri­or mi­li­ta­ra ao la­do de Pe­dro I, as­se­di­a­va ago­ra Lo­groño e Vi­tó­ria, que vi­ri­am a cair, de­cla­ran­do­se fiéis a Tras­tâ­ma­ra.

No Nor­te, só a Ga­li­za man­te­ve le­al­da­de a Pe­dro I, de no­vo re­fu­gi­a­do em Se­vi­lha, sem apoi­os além dos do Rei­no de Gra­na­da. Iso­la­do, res­ta­va-lhe as­sis­tir à per­da de to­das as su­as ci­da­des. Em fe­ve­rei­ro de 1369, To­le­do era a úl­ti­ma pra­ça da ve­lha Cas­te­la a re­sis­tir, mas aca­bou por cair. En­tão, Pe­dro I dei­xou Se­vi­lha. Mar­chou com o seu par­co exér­ci­to em di­re­ção à Man­cha, on­de con­fron­tou o exér­ci­to do meio-ir­mão em Montiel. Fa­cil­men­te, Hen­ri­que II der­ro­tou Pe­dro. Es­te fu­giu pa­ra o cas­te­lo de Montiel e foi cap­tu­ra­do. Na ten­da de cam­pa­nha on­de os ir­mãos se en­con­tra­ram pa­ra as­si­nar a paz, Pe­dro foi ma­ni­e­ta­do por Du Gu­es­clain, e Hen­ri­que ma­tou-o com as pró­pri­as mãos.

Di­as de­pois, em Évo­ra, D. Fer­nan­do, so­bri­nho-ne­to do “Cru­el” e ne­to do rei San­cho IV, rei­vin­di­ca­va o tro­no de Cas­te­la. Vá­ri­as ci­da­des da Ga­li­za acla­ma­ram-no. Co­me­ça­va a pri­mei­ra das du­as guer­ras fer­nan­di­nas con­tra Hen­ri­que II. D. Fer­nan­do não ima­gi­na­va que se­ria, co­mo Pe­dro I em Cas­te­la, o úl­ti­mo mo­nar­ca da Ca­sa de Bor­go­nha a rei­nar em Por­tu­gal, não sem an­tes se en­vol­ver nu­ma ter­cei­ra e úl­ti­ma guer­ra, con­tra o su­ces­sor de Hen­ri­que II, João I.

De­clí­nio e pre­ten­sões

No la­do in­glês, os tem­pos tam­bém eram de mu­dan­ça. Gante vol­ta­ra a Lon­dres, no ou­to­no de 1367, e no ano se­guin­te não apa­re­ce en­vol­vi­do em ati­vi­da­des po­lí­ti­cas. Em 1368, a du­que­sa Bran­ca mor­reu. O pró­prio Le­o­nel de An­tuér­pia, ir­mão do du­que, tam­bém mor­reu me­ses de­pois, em Itá­lia, even­tu­al­men­te en­ve­ne­na­do.

As gran­des mu­dan­ças co­me­ça­vam a sur­gir na Aqui­tâ­nia. Per­ce­ben­do que nun­ca re­cu­pe­ra­ria os em­prés­ti­mos fei­tos a Pe­dro de Cas­te­la, o prín­ci­pe de Ga­les re­gres­sou à po­lí­ti­ca de sem­pre: su­bir im­pos­tos na Bre­ta­nha e na Aqui­tâ­nia e re­ne­go­ci­ar os res­ga­tes dos no­bres ca­ti­vos. Fa­ce aos au­men­tos fis­cais, a re­a­ção dei­xou de ser só po­pu­lar. Tam­bém des­con­ten­tes, os no­bres gas­cões seus ali­a­dos, reu­nin­do ou­tros ter­ra­te­nen­tes, aban­do­na­ram-no, ofe­re­cen­do le­al­da­de ao rei de Fran­ça. Em Bor­déus, a no­tí­cia en­fu­re­ceu o prín­ci­pe; em Pa­ris, hou­ve fes­ta. O conselho de Car­los V, en­tão, con­vo­cou o Prín­ci­pe Ne­gro pa­ra pres­tar vas­sa­la­gem ao rei, de quem era súbdito, en­quan­to se­nhor da Aqui­tâ­nia. Res­pos­ta do in­glês: iria a Pa­ris, sim, mas le­va­ria na ca­be­ça o seu el­mo e, atrás, 60 mil ho­mens ar­ma­dos. Car­los re­ce­beu a res­pos­ta e li­mi­tou- se a aguar­dar. As cláu­su­las de Bré­tigny ha­vi­am si­do des­con­si­de­ra­das, a guer­ra re­gres­sa­ria.

Em Lon­dres, Edu­ar­do III vol­ta­va a in­ti­tu­lar-se rei de Fran­ça. Uma no­va ar­ma­da foi pre­pa­ra­da pa­ra in­va­dir Fran­ça, mas Car­los V es­ta­va pre­pa­ra­do. Se no Ca­nal, em ter­mos na­vais, Win­chel­sea le­va­ra a um pe­río­do de do­mí­nio in­glês, a paz de Bré­tigny al­te­ra­ra o ce­ná­rio. A ar­ma­da in­gle­sa foi-se tor­nan­do ob­so­le­ta; e Fran­ça pre­pa­ra­va-se pa­ra do­mi­nar o Ca­nal. Car­los V no­me­a­ra Ar­moury de Nar­bon­ne al­mi­ran­te de Fran­ça e en­car­re­ga­ra Jean de Vi­en­ne

de pre­pa­rar a ar­ma­da. Es­te vi­ria a ser o se­guin­te al­mi­ran­te de Fran­ça e um dos mais vi­to­ri­o­sos ca­pi­tães na­vais da Guer­ra dos Cem Anos. E a ali­an­ça com Tras­tâ­ma­ra le­va­ra pa­ra o mar, do la­do fran­cês, a for­te pre­sen­ça cas­te­lha­na.

Ca­lais con­ti­nu­a­va sob do­mí­nio in­glês e foi lá que, em ju­nho de 1369, os pri­mei­ros con­tin­gen­tes de Edu­ar­do III de­sem­bar­ca­ram pa­ra re­co­me­çar a guer­ra, li­de­ra­dos pe­lo du­que de Len­cas­tre, su­pos­ta­men­te pa­ra de­fen­der a ci­da­de do exér­ci­to do du­que de Bor­go­nha, Filipe, o Cal­vo. Es­se foi, po­rém, o iní­cio de um des­gas­tan­te jo­go do ga­to e do ra­to. Filipe evi­ta­va sem­pre o con­fron­to, e Gante aca­bou por re­gres­sar a In­gla­ter­ra. Car­los V, ven­do o du­que de Len­cas­tre par­tir e con­fir­man­do que o Prín­ci­pe Ne­gro nun­ca es­ti­ve­ra em con­di­ções de cum­prir a ame­a­ça de ata­que, de­cla­rou, a 30 de no­vem­bro, que a Aqui­tâ­nia es­ta­va con­fis­ca­da em seu no­me. A In­gla­ter­ra per­dia fô­le­go.

En­cur­ra­la­dos na Aqui­tâ­nia

No fim de 1369, o am­bi­en­te de luto no Sa­voy ( Gante per­de­ra a mu­lher e a mãe) aden­sa­va-se. Chau­cer cap­ta­va a at­mos­fe­ra lú­gu­bre atra­vés da sua per­so­na­gem gó­ti­ca, Ma­nin­black, o cavaleiro des­po­ja­do que chora as su­as per­das. Pa­ra de­fen­der Ca­lais, Edu­ar­do III en­vi­ou Ro­bert Knol­les, um dos mais ca­ros e cruéis mer­ce­ná­ri­os ao seu ser­vi­ço. Em 1358, Knol­les, que se es­ta­be­le­ce­ra em Fran­ça, con­tro­la­va cer­ca de 40 cas­te­los no Loi­re e era te­mi­do pe­las po­pu­la­ções fran­ce­sas. Pi­lha­gem, ter­ror, des­trui­ção. Che­gou a ame­a­çar Avi­nhão e o papa. As ter­ras de­vo­ra­das pe­las la­ba­re­das pon­ti­a­gu­das dos in­cên­di­os eram co­nhe­ci­das por “Knolly’s mi­tres” (as mi­tras de Knolly). Di­zia-se que os cam­po­ne­ses pre­fe­ri­am lan­çar­se aos ri­os a cair- lhe nas mãos. Em

1370, Knol­les che­gou a al­can­çar as por­tas de Pa­ris, mas não ou­sou ata­car. Sem o sa­ber, jo­ga­va o jo­go de Car­los V: em­bre­nha­va-se no in­te­ri­or de Fran­ça, sem en­con­trar um exér­ci­to que o en­fren­tas­se, mas des­gas­tan­do os seus ho­mens.

A guer­ra era só de des­gas­te, não ha­ven­do to­ma­da de ter­ri­tó­ri­os. Pa­ra agra­var a po­si­ção in­gle­sa, Du Gu­es­clin re­gres­sa­ra de Cas­te­la e organizava a ofen­si­va fran­ce­sa. Pou­co a pou­co, as ci­da­des da Aqui­tâ­nia caíam nas mãos de Car­los V. Re­cu­a­do em Bor­déus, o Prín­ci­pe Ne­gro, fra­gi­li­za­do pe­la si­tu­a­ção e pe­la do­en­ça, pa­re­cia per­der o con­tro­lo. João de Gante che­gou en­tão a Bor­déus, não só pa­ra au­xi­li­ar o ir­mão, mas pa­ra to­mar o co­man­do. Pa­ra evi­tar o ca­os, re­vo­gou os im­pos­tos so­bre a Aqui­tâ­nia, mas era de­ma­si­a­do tar­de. Em agos­to, Li­mo­ges en­tre­ga­va- se a Car­los V. Con­fi­na­do a uma li­tei­ra, o Prín­ci­pe Ne­gro em­pre­en­deu uma úl­ti­ma ação de for­ça pa­ra re­cu­pe­rar a ci­da­de, que era de­fen­di­da por al­tas mu­ra­lhas e ti­nha já ca­nhões ru­di­men­ta­res. Tu­do da­va a en­ten­der que o blo­queio se­ria lon­go e in­con­clu­si­vo, mas, por ini­ci­a­ti­va de Gante, os in­gle­ses es­ca­va­ram um tú­nel pa­ra atin­gir as fun­da­ções da mu­ra­lha, con­se­guin­do fa­zer ruir uma lar­ga sec­ção e in­va­din­do a ci­da­de.

Edu­ar­do foi in­cle­men­te. Deu or­dem pa­ra ar­ra­sar tu­do e pu­nir a po­pu­la­ção. De­bal­de, Gante ape­lou à mo­de­ra­ção. Es­ti­ma-se que o Prín­ci­pe Ne­gro te­rá man­da­do exe­cu­tar mais de três mil pes­so­as, ho­mens mu­lhe­res e cri­an­ças. Edu­ar­do ain­da re­gres­sou a Bor­déus, on­de viu mor­rer, di­as de­pois, o seu pri­mo­gé­ni­to de cin­co anos. Em ou­tu­bro, no­me­ou Len­cas­tre seu re­pre­sen­tan­te na Aqui­tâ­nia e vol­tou pa­ra In­gla­ter­ra com a mu­lher, Jo­a­na de Kent, e o fi­lho so­bre­vi­vo, Ri­car­do de Bor­déus.

Pri­mei­ra ali­an­ça com Por­tu­gal

Em fi­nais de 1371, Gante viu-se con­fi­na­do a de­fen­der o ter­ri­tó­rio a par­tir de Bor­déus, sem apoio das eli­tes lo­cais e com os co­fres va­zi­os. Ain­da em de­zem­bro, dia 4, o exér­ci­to de Du Gu­es­clin der­ro­ta­va as tro­pas de Ro­bert Knol­les. Du­ran­te o ano se­guin­te, o du­que de Len­cas­tre não pou­pou es­for­ços pa­ra sal­var as fron­tei­ras da Aqui­tâ­nia, mas sem re­sul­ta­dos: Fran­ça ha­ve­ria de con­quis­tar to­da a re­gião em 1373. Exaus­to, sem com­pro­mis­so com o ter­ri­tó­rio, o du­que de Len­cas­tre pe­diu dis­pen­sa do co­man­do da Aqui­tâ­nia em ju­lho, dei­xan­do a re­gião a car­go de Tho­mas Fel­ton e Jean de Graily, cap­tal de Bush. Es­ta re­sig­na­ção, mui­to mal re­ce­bi­da em Lon­dres, con­di­ci­o­na­ria a res­tan­te car­rei­ra po­lí­ti­ca do du­que.

An­tes de vol­tar pa­ra In­gla­ter­ra, Gante per­ma­ne­ceu uns me­ses em Bor­déus, on­de per­sis­tia uma pe­que­na cor­te dei­xa­da pe­lo ir­mão. Lá vi­vi­am, des­de 1367, as du­as fi­lhas so­bre­vi­ven­tes de Pe­dro I, o Cru­el, Cons­tan­ça e Isa­bel. Cons­tan­ça, re­pre­sen­tan­te mais ve­lha da di­nas­tia cas­te­lha­na de Bor­go­nha, re­cla­ma­va o di­rei­to à Co­roa. De re­fe­rir que, de­pois do Tra­ta­do de Al­cou­tim ( mar­ço de 1371), D. Fer­nan­do ha­via aban­do­na­do a pre­ten­são ao tro­no cas­te­lha­no. Viú­vo e li­ber­to da cau­sa do ir­mão, Gante via um no­vo ca­mi­nho pa­ra as su­as am­bi­ções: em se­tem­bro de 1371 ca­sou- se com Cons­tan­ça, as­su­min­do o tí­tu­lo no­mi­nal de rei de Leão e Cas­te­la.

Já co­mo “mon­seig­neurd’es­paig­ne”, acom­pa­nha­do de uma es­tra­nha co­mi­ti­va de se­nho­res e da­mas exi­la­dos, os­ten- tan­do os leões e as tor­res dou­ra­das de Cas­te­la, Len­cas­tre e Cons­tan­ça de­sem­bar­ca­ram em Ply­mouth, se­guin­do pa­ra Lon­dres. Na che­ga­da do du­que ao Sa­voy, nem a cor­te, nem o Par­la­men­to, nem Edu­ar­do III pa­re­ce­ram em­pol­ga­dos com as no­vas pre­ten­sões. Po­rém, ser ini­mi­go de Hen­ri­que de Tras­tâ­ma­ra sig­ni­fi­ca­va con­ti­nu­ar a com­ba­ter a Fran­ça. Por is­so, a ques­tão ibé­ri­ca vol­tou a ser uma pri­o­ri­da­de in­gle­sa. Gante, em fun­ção da sua rei­vin­di­ca­ção ao tro­no de Cas­te­la, se­ria o exe­cu­tor des­ta no­va fren­te.

A ques­tão ma­rí­ti­ma era cen­tral, e um ele­men­to po­de­ria equi­li­brar as for­ças na­vais pa­ra o la­do in­glês: Por­tu­gal. Des­de o iní­cio do sé­cu­lo XIV, ha­via uma apos­ta por­tu­gue­sa no mar, não só pe­lo co­mér­cio, fei­to com o cus­to in­di­vi­du­al dos mer­ca­do­res, mas tam­bém pe­la cons­tru­ção de uma ar­ma­da de guer­ra. Tan­to Fer­não Lo­pes co­mo Aya­la dão uma ideia da ar­ma­da que D. Fer­nan­do en­vi­ou pa­ra Se­vi­lha, em 1370, pa­ra blo­que­ar o Gu­a­dal­qui­vir. Ain­da

que os nú­me­ros dos cro­nis­tas não se­jam con­di­zen­tes, fa­la­mos de uma es­ti­ma­ti­va en­tre as 16 e as 28 ga­lés e co­cas de guer­ra, e as 24 a 30 naus me­no­res. Em qual­quer dos ca­sos, uma ar­ma­da su­fi­ci­en­te pa­ra to­mar e des­truir Cá­dis. Na re­a­li­da­de, a ar­ma­da de Hen­ri­que, nes­sa al­tu­ra, apre­sen­ta­va ape­nas 20 ga­lés. Os na­vi­os por­tu­gue­ses eram um po­de­ro­so ati­vo pa­ra os in­gle­ses.

En­tre­tan­to, na pri­ma­ve­ra de 1372, uma fro­ta in­gle­sa, que le­va­va re­for­ços e 20 mil li­bras pa­ra pa­gar sol­dos na Aqui­tâ­nia, foi neu­tra­li­za­da e pi­lha­da, jun­to a La Ro­chel­le, pe­los cas­te­lha­nos. A si­tu­a­ção gra­ve nas cos­tas da Bis­caia, Bre­ta­nha e em La Ro­chel­le levou Gante a son­dar a sen­si­bi­li­da­de por­tu­gue­sa, pri­mei­ro em Lon­dres, jun­to de João Fer­nan­des An­dei­ro, pro­cu­ra­dor de D. Fer­nan­do em In­gla­ter­ra, e, de­pois, en­vi­an­do pa­ra Por­tu­gal uma de­le­ga­ção li­de­ra­da por Ro­ger Ho­or, com o pró­prio An­dei­ro. A mis­são era pre­pa­rar um pac­to de ali­an­ça e ami­za­de en­tre Gan- te e D. Fer­nan­do. O tra­ta­do foi as­si­na­do em Ta­gil­de (Vi­ze­la), a 10 de ju­lho de 1372. Ho­or, em no­me de Gante, acor­da­va não le­van­tar ar­mas con­tra Por­tu­gal e au­xi­li­ar, per­pe­tu­a­men­te, o ali­a­do con­tra Cas­te­la, Ara­gão e de­mais ini­mi­gos. D. Fer­nan­do re­tri­buía os vo­tos.

Não obs­tan­te o acor­do, La Ro­chel­le aca­ba­ria por se ren­der aos fran­ce­ses a 15 de agos­to. Edu­ar­do III or­ga­ni­zou lo­go uma cam­pa­nha de re­ta­li­a­ção, re­qui­si­tan­do na­vi­os aos mer­ca­do­res, pra­ti­ca­men­te sob co­a­ção, pa­ra or­ga­ni­zar um de­sem­bar­que na Aqui­tâ­nia, mas a ope­ra­ção não con­tou com apoio por­tu­guês. Em se­tem­bro par­tia a úl­ti­ma ar­ma­da in­gle­sa ru­mo a La Ro­chel­le. Ne­la iam Gante e o Prín­ci­pe Ne­gro, nu­ma pa­di­o­la. Nun­ca de­sem­bar­ca­ram, aten­den­do às su­ces­si­vas tem­pes­ta­des, re­gres­san­do a ca­sa, in­gló­ri­os. Em no­vem­bro, Car­los V deu or­dens pa­ra des­truir o cas­te­lo in­glês de La Ro­chel­le. Só em 1966, aquan­do da cons­tru­ção de um par­que de es­ta­ci­o­na­men­to, o cas­te­lo vol­tou a ser lo­ca­li­za­do.

ali­an­ça fir­ma­da em Ta­gil­de com os in­gle­ses. As­sim, quan­do a ex­pe­di­ção de Gante par­tiu de Sandwi­ch e Do­ver em di­re­ção a Ca­lais, o apoio por­tu­guês es­ta­va ou­tra vez fo­ra de ques­tão. Pi­or: a ar­ma­da por­tu­gue­sa es­ta­va ao ser­vi­ço de Cas­te­la e Fran­ça.

Gante de­sem­bar­cou em Ca­lais em ju­lho. Aí, a his­tó­ria re­pe­tiu-se. Car­los V dei­xa­va os in­gle­ses per­de­rem-se nos seus ter­ri­tó­ri­os, sem ofe­re­cer lu­ta di­re­ta. Len­cas­tre des­truiu campos e po­vo­a­ções, mas a es­cas­sez de ali­men­tos, o ca­lor do ve­rão e os sur­tos epi­dé­mi­cos des­tro­ça­vam as su­as tro­pas. Em se­tem­bro, sem pla­no es­tra­té­gi­co, ru­mou à Aqui­tâ­nia. Quan­do al­can­çou Bor­déus, em no­vem­bro, le­va­va ape­nas oi­to mil ho­mens (ti­nha 15 mil quan­do par­ti­ra de Ca­lais). Dos so­bre­vi­ven­tes, mui­tos apro­vei­ta­ram pa­ra de­ser­tar. No Na­tal de 1373, o du­que es­ta­va em Bor­déus, com um exér­ci­to des­fei­to e sem ter con­quis­ta­do na­da. O seu úl­ti­mo so­nho, po­der ven­cer em Fran­ça e pros­se­guir pa­ra Cas­te­la, es­fu­ma­ra-se. Em ja­nei­ro se­guin­te, em Pé­ri­gueux, as­si­nou uma tré­gua.

Dois par­la­men­tos e dois fu­ne­rais

Em abril de 1374, quan­do vol­tou a In­gla­ter­ra, o du­que ti­nha 34 anos. Che­ga­va ven­ci­do, en­di­vi­da­do e exaus­to. Cris­ti­na de Pi­sa­no re­fe­re que na re­ce­ção que lhe foi fei­ta, em Lon­dres, o pai, Edu­ar­do III, tê-lo-á re­pre­en­di­do pu­bli­ca­men­te. Não obs­tan­te o que diz a au­to­ra me­di­e­val, Edu­ar­do III era já um ho­mem do­en­te, que li­mi­ta­va mui­to as apa­ri­ções em pú­bli­co. Em de­zem­bro de 1375, o Par­la­men­to in­glês anun­ci­a­va no­va reu­nião. Os insucessos mi­li­ta­res e di­plo­má­ti­cos de Len­cas­tre, bem co­mo o seu ca­sa­men­to com a in­fan­ta de Cas­te­la, es­ta­vam nas en­tre­li­nhas da agen­da.

Em fi­nais de abril de 1376 fo­ram ofi­ci­al­men­te aber­tas as cor­tes da­que­le que vi­ria a ser co­nhe­ci­do co­mo o Bom Par­la­men­to. Tan­to o rei co­mo o Prín­ci­pe Ne­gro es­ta­vam de­ma­si­a­do do­en­tes pa­ra po­de­rem as­sis­tir à ce­ri­mó­nia. Pe­la pri­mei­ra vez, em 49 anos de rei­na­do, o ve­lho Edu­ar­do Plan­ta­ge­ne­ta fal­ta­va às cor­tes. e João de Gante re­pre­sen­tou a fa­mí­lia re­al.

Os re­pre­sen­tan­tes do po­vo de Lon­dres fi­ze­ram seu porta-voz Sir Pe­ter de la Ma­re. Os Co­muns as­so­ci­a­ram-se a um co­mi­té de Pa­res do rei­no. De um mo­do ge­ral, De La Ma­re e os Co­muns pro­cu­ra­ram tra­zer pa­ra o de­ba­te dois te­mas cen­trais: a cor­rup­ção do Es­ta­do e os fa­lhan­ços mi­li­ta­res. O pri­mei­ro te­ma atin­giu par­ti­cu­lar­men­te Lor­de La­ti­mer, ca­ma­rei­ro e te­sou­rei­ro do rei, Ri­chard Lyons, al­cai­de da Ca­sa da Mo­e­da de Lon­dres e Ali­ce Per­rers, aman­te do rei. Os três, acu­sa­dos de cor­rup­ção e des­vio de di­nhei­ros, fo­ram con­de­na­dos e des­ti­tuí­do. Ali­ce foi ba­ni­da da cor­te. Ain­da que Gante não te­nha si­do for­mal­men­te con­de­na­do, viu-se en­xo­va­lha­do, ao ter de res­pon­der pe­los de­sai­res em Fran­ça. E sen­tiu as acu­sa­ções con­tra La­ti­mer e Lyons co­mo acu­sa­ções con­tra a ins­ti­tui­ção mo­nár­qui­ca, con­tra ele pró­prio.

Foi nes­te con­tex­to de­li­ca­do, a 8 de ju­nho de 1376, que mor­reu o Prín­ci­pe Ne­gro. Ti­nha 45 anos. O Par­la­men­to exi­giu de ime­di­a­to que o jo­vem her­dei­ro, Ri­car­do, lhe fos­se apre­sen­ta­do e que se de­ter­mi­nas­sem as cláu­su­las su­ces­só­ri­as pa­ra o mo­men­to da even­tu­al mor­te do rei, que pa­re­cia imi­nen­te. Gante e Jo­a­na de Kent, viú­va do prín­ci­pe de Ga­les, apre­sen­ta­ram Ri­car­do de Bor­déus em West­mins­ter. O fu­tu­ro Ri­car­do II de In­gla­ter­ra ti­nha no­ve anos.

Se­ma­nas de­pois, a 10 de ju­lho, o Par­la­men­to en­cer­ra­va os tra­ba­lhos. De la Ma­re e o bis­po de Win­ches­ter, que o apoi­a­ra, ha­vi­am con­se­gui­do ata­car e con­de­nar per­so­na­li­da­des pró­xi­mas da Co­roa, pro­cu­ran­do mo­ra­li­zar o Es­ta­do. Gante es­te­ve in­di­re­ta­men­te sob o fo­co das acu­sa­ções, e is­so agi­tou-o, mas não hou­ve ra­zões pa­ra qual­quer ti­po de san­ção. Por ou­tro la­do, as cir­cuns­tân­ci­as da mor­te do ir­mão e a do­en­ça do pai con­du­zi­ram-no à re­gên­cia de In­gla­ter­ra. Foi nes­sa qua­li­da­de que se re­cu­sou a com­pa­re­cer à fes­ta de en­cer­ra­men­to do Par­la­men­to. O pla­no de vin­gan­ça co­me­çou lo­go a ser pos­to em mar­cha. Em se­tem­bro de 1376 che­ga­va a Ox­ford, ido de Lon­dres, um es­ta­fe­ta com uma men­sa­gem pa­ra John Wy­clif­fe – o rei es­ta­va a pro­ce­der a um inqué­ri­to so­bre os abu­sos e a cor­rup­ção da Igre­ja e con­vo­ca­va o clé­ri­go pa­ra fa­zer as de­nún­ci­as. O conselho de Edu­ar­do III era ago­ra, em ter­mos prá­ti­cos, o conselho de João de Gante. O re­sul­ta­do do inqué­ri­to foi a con­de­na­ção de vá­ri­os apoi­an­tes po­pu­la­res do Bom Par­la­men­to, o bis­po de Win­ches­ter foi des­ter­ra­do pa­ra fo­ra de Lon­dres e Pe­ter de la Ma­re en­car­ce­ra­do em Not­tingham. Pa­ra com­ple­tar a vin­gan­ça, Gante con­vo­cou um no­vo par­la­men­to pa­ra o iní­cio de 1377. Es­tas cor- tes, con­tro­la­das ex­clu­si­va­men­te por pes­so­al da con­fi­an­ça de Len­cas­tre, fi­ca­ram na me­mó­ria co­mo o Mau Par­la­men­to. Só ser­vi­ram pa­ra anu­lar as con­de­na­ções de La­ti­mer, Lyons e Ali­ce Per­rers e ra­ti­fi­car as con­de­na­ções do conselho do rei, de se­tem­bro e ou­tu­bro do ano an­te­ri­or.

Res­pon­den­do ao Mau Par­la­men­to, os bis­pos de In­gla­ter­ra, ofen­di­dos com Wy­clif­fe, pe­ça-cha­ve nos inqué­ri­tos do conselho do rei, reu­ni­ram-se em con­cí­lio ain­da an­tes do en­cer­ra­men­to das cor­tes. De­ci­di­ram re­ta­li­ar a co­roa atra­vés de Wy­clif­fe, con­vo­can­do- o a ser jul­ga­do por he­re­sia na ca­te­dral de São Pau­lo. Foi uma au­di­ên­cia con­tur­ba­da, com enor­me afluên­cia po­pu­lar e com a pre­sen­ça au­toim­pos­ta de João de Gante e Henry Percy, que ame­a­ça­ram ar­ras­tar o bis­po pe­los ca­be­los se não li­ber­tas­se Wy­clif­fe. Con­se­gui­ram re­ti­rar Wy­clif­fe da ca­te­dral, mas, du­ran­te a noi­te e no dia se­guin­te, uma on­da de mo­tins po­pu­la­res alas­trou-se por Lon­dres. Os mo­tins de 1377 fo­ram con­tro­la­dos pe­la pre­sen­ça, ain­da que mui­to dé­bil, de Edu­ar­do III, que re­ce­beu no Pa­lá­cio de She­en al­guns dos re­pre­sen­tan­tes po­pu­la­res e pro­cu­rou ame­ni­zar o des­con­ten­ta­men­to. Qua­tro anos de­pois, em 1381, as fe­ri­das so­ci­ais mal cu­ra­das ha­ve­ri­am de re­a­brir com mais in­ten­si­da­de.

Os per­dões de Edu­ar­do III não te­rão agra­da­do a João de Gante. A pró­pria Ali­ce Per­rers pe­diu ao du­que de Len­cas­tre, com quem nun­ca man­te­ve bo­as re­la­ções, que agis­se à mar­gem da po­si­ção do rei. To­da­via, Gante não com­pro­me­teu a sua le­al­da­de pa­ra com o pai. Na ver­da­de, es­se per­dão aca­ba­ria por ser uma das úl­ti­mas ações do rei. A 21 de ju­nho da­que­le ano, acom­pa­nha­do ape­nas por um men­di­can­te, na sua câ­ma­ra pes­so­al no Pa­lá­cio de She­en, Edu­ar­do III, agar­ra­do a um cru­ci­fi­xo, após lon­gas ho­ras de ago­nia (en­quan­to es­ta­va aca­ma­do e se­mi-in­cons­ci­en­te, Ali­ce Per­rers rou­ba­ra-lhe os anéis dos de­dos), sol­tou o úl­ti­mo sus­pi­ro.

O con­tras­te en­tre o pe­que­no Ri­car­do II e o avô não po­dia ser mai­or. O ve­lho Edu­ar­do, rei du­ran­te 50 anos, fo­ra um mo­nar­ca for­te e de­ter­mi­na­do, que fez de In­gla­ter­ra a gran­de po­tên­cia ri­val de Fran­ça, en­sai­an­do o pre­do­mí­nio na­val e a ex­pan­são mer­can­til. Ri­car­do, co­ro­a­do aos dez anos, era uma cri­an­ça dis­cre­ta, hi­per­pro­te­gi­da e, na­tu­ral­men­te, sem qual­quer ti­po de pro­gra­ma po-

lí­ti­co. Co­mo cri­an­ça, Ri­car­do foi con­du­zi­do a en­ce­tar um pro­ces­so de se­re­na­gem so­ci­al, emi­tin­do os tão es­pe­ra­dos per­dões a Sir Pe­ter e ao bis­po de Win­ches­ter. Em pou­cos anos, Ri­car­do II vi­ria a re­ve­lar-se um mo­nar­ca ins­tá­vel e no­ci­vo. O seu des­ti­no, con­tras­tan­do com os do pai e do avô, aca­ba­ria por ser se­me­lhan­te ao do bi­savô Edu­ar­do II, o rei per­se­gui­do e en­car­ce­ra­do.

Fim das tré­guas

Gante per­ce­beu que o mo­men­to po­lí­ti­co não lhe era fa­vo­rá­vel. Ju­rou fi­de­li­da­de ao so­bri­nho, na ce­ri­mó­nia de co­ro­a­ção, e, dis­cre­ta­men­te, aba­lou pa­ra os seus do­mí­ni­os ru­rais, afas­tan­do-se de Lon­dres e da po­lí­ti­ca. In­ter­na­ci­o­nal­men­te, sem se po­der afir­mar fren­te a Fran­ça e Cas­te­la, pa­re­cia con­de­na­do a não ter qual­quer im­pac­to. A sua in­fluên­cia re­gi­o­nal, co­mo gran­de mag­na­ta feu­dal, não era as­si­na­lá­vel e es­ta­ria lon­ge da es­ca­la das su­as am­bi­ções. Gante sem­pre pro­cu­rou mais in­fluên­cia po­lí­ti­ca fo­ra de In­gla­ter­ra do que nos seus se­nho­ri­os do­més­ti­cos. Ora, pa­ra exer­cer in­fluên­cia ex­ter­na ne­ces­si­ta­ria sem­pre de apoio mi­li­tar da Co­roa. E ape­nas no con­tex­to de guer­ra po­de­ria pôr em prá­ti­ca as su­as am­bi­ções po­lí­ti­cas in­ter­na­ci­o­nais.

Em abril de 1377, Fran­ça e Cas­te­la re­co­me­ça­ram as hos­ti­li­da­des con­tra In­gla­ter­ra. A ar­ma­da de Jean de Vi­en­ne, do­na do Ca­nal, tra­va­va e con­di­ci­o­na­va a na­ve­ga­ção in­gle­sa ru­mo ao con­ti­nen­te. Cas­te­la, be­ne­fi­ci­an­do de uma paz van­ta­jo­sa com Por­tu­gal, re­co­me­ça­ra a fa­zer in­cur­sões na­vais pe­las cos­tas in-

gle­sas. A Guer­ra dos Cem Anos fo­ra re­a­cen­di­da.

A res­pos­ta na­val in­gle­sa foi de­mo­ra­da e pou­co efi­caz, e tu­do o que se se­guiu foi mau pa­ra os in­gle­ses, até ao mo­men­to em que Gante, de­pois de to­mar o Cas­te­lo de Cher­bur­go, na Nor­man­dia, ini­ci­ou o con­tra-ata­que con­ti­nen­tal, em di­re­ção a Saint-ma­lo, por­to bre­tão que se afi­gu­ra­va co­mo me­lhor al­ter­na­ti­va pa­ra os in­gle­ses após a per­da de La Ro­chel­le, em 1372. O cer­co foi um fi­as­co. Co­mo em Li­mo­ges, a tá­ti­ca de as­sal­to pas­sa­va pe­la cons­tru­ção de um tú­nel sob as fun­da­ções da mu­ra­lha, de mo­do a da­ni­fi­car a es­tru­tu­ra. Con­tu­do, o tú­nel foi lo­ca­li­za­do e des­truí­do pe­la de­fe­sa fran­ce­sa. Sem pla­no al­ter­na­ti­vo, Gante deu or­dem de re­ti­ra­da e a ex­pe­di­ção re­gres­sou a Lon­dres.

Fo­go e cin­zas no Sa­voy

Gante che­gou a Lon­dres, em agos­to de 1378, no­va­men­te der­ro­ta­do. Nun­ca fo­ra mui­to po­pu­lar em In­gla­ter­ra, mas o mo­men­to ago­ra era crí­ti­co: a ima­gem pú­bli­ca do du­que pa­re­cia con­cen­trar to­dos os des­con­ten­ta­men­tos so­ci­ais. O cus­to dos seus fa­lhan­ços mi­li­ta­res, a sua in­ge­rên­cia pre­po­ten­te no Par­la­men­to e na Igre­ja, as sus­pei­tas de ten­ta­ti­va de usur­pa­ção do tro­no de Ri­car­do II e, até, o ca­sa­men­to com Cons­tan­ça de Cas­te­la trans­mi­ti­am a uma ple­be can­sa­da de im­pos­tos, guer­ra e pes­te a ideia de um du­que au­to­ri­tá­rio, os­ten­ta­dor e ma­qui­a­vé­li­co. Por opo­si­ção à me­mó­ria de Edu­ar­do III e do Prín­ci­pe Ne­gro, Gante per­so­na­li­za­va to­dos os ma­les da mo­nar­quia.

Agra­van­do a con­jun­tu­ra, a se­gu­ran­ça de In­gla­ter­ra con­ti­nu­a­va em ris­co: Jean de Vi­en­ne de­sem­bar­ca­ra em Has­tings, fa­zen­do in­cur­sões no ter­ri­tó­rio. No Ca­nal, a ilha de Wight, a seis qui­ló­me­tros da cos­ta in­gle­sa, ti­nha si­do in­cen­di­a­da pe­los fran­ce­ses. Em agos­to de 1380, Sán­chez de To­var con­se­gui­ra fa­zer avan­çar a sua es­qua­dra, su­bin­do o Ta­mi­sa, até Gra­ve­send, che­gan­do a me­nos de 30 qui­ló­me­tros da Tor­re de Lon­dres. No mes­mo ve­rão, os es­co­ce­ses ha­vi­am trans­pos­to as fron­tei­ras do Nor­te.

Pa­ra fa­zer fa­ce aos acon­te­ci­men­tos a nor­te, Gante foi des­ta­ca­do pa­ra a fron­tei­ra, on­de aca­bou por ne­go­ci­ar no­va tré­gua . No fim de maio de 1381, com Gante na Es­có­cia, de­fla­gra­va uma ex­plo­são so­ci­al ja­mais vis­ta em In­gla­ter­ra. O cli­ma ge­ral de ins­ta­bi­li­da­de e des­con­ten­ta­men­to, as­sen­te nos au- men­tos de im­pos­tos, na mi­sé­ria e nas de­si­gual­da­des, bem co­mo nos sur­tos de pes­te e de in­se­gu­ran­ça, atin­giu o clí­max, a pro­pó­si­to de uma ques­tão fis­cal em Brentwo­od, con­da­do ru­ral nas ime­di­a­ções de Lon­dres. Ale­ga­da­men­te ta­xa­da du­as ve­zes pe­los mes­mos im­pos­tos, a po­pu­la­ção amo­ti­nou- se no dia 30 de maio de 1381. Os ofi­ci­ais ju­di­ci­ais e fis­cais da Co­roa fo­ram lin­cha­dos pe­lo po­vo ar­ma­do com al­fai­as agrí­co­las. Em se­gui­da, os amo­ti­na­dos ru­ma­ram a Lon­dres, gri­tan­do pa­la­vras de or­dem con­tra as ins­ti­tui­ções ofi­ci­ais. No per­cur­so, fo­ram re­co­lhen­do apoi­os e en­gros­san­do as fi­lei­ras de des­con­ten­tes, no­me­a­da­men­te com a po­pu­la­ção de Kent. A 13 de ju­nho, a mul­ti­dão atra­ves­sou o Ta­mi­sa e al­can­çou Lon­dres. Ri­car­do II, a mãe e o pri­mo Hen­ri­que de Bo­ling­bro­ke, fi­lho de Gante, en­cer­ra­ram- se na Tor­re de Lon­dres, en­quan­to a ci­da­de era pi­lha­da e in­cen­di­a­da. Por to­do o la­do ha­via des­trui­ção e exe­cu­ções. En­tre as fi­gu­ras do po­der con­si­de­ra­das cor­rup­tas que fo­ram ime­di­a­ta­men­te lin­cha­das en­con­tra­mos Ri­chard Lyons, ar­ras­ta­do pe­la mul­ti­dão e de­ca­pi­ta­do em ple­na rua. Os ri­cos mer­ca­do­res es­tran­gei­ros que ha­bi­ta­vam a ci­da­de, co­mo os fla­men­gos, tam­bém fo­ram per­se­gui­dos e as su­as ca­sas con­su­mi­das pe­lo fo­go. Nu­ma das ru­as ri­bei­ri­nhas, con­ta­ram­se 40 ca­dá­ve­res em­pi­lha­dos de mer­ca­do­res fla­men­gos.

No to­po da lis­ta ne­gra dos re­vol­to­sos en­con­tra­va- se, cla­ro, João de Gante. Após as in­cur­sões nos edi­fí­ci­os pú­bli­cos e nas ca­sas e ar­ma­zéns dos mer­ca­do­res, a tur­ba en­ca­mi­nhou-se pa­ra o Sa­voy. O pa­lá­cio foi ar­rom­ba­do e to­do o seu re­cheio des­truí­do. Os lí­de­res da revolta pro­cu­ra­ram ati­va­men­te im­pe­dir as pi­lha­gens, ale­gan­do que não eram la­drões, mas jus­ti­cei­ros. De­bal­de: joi­as, pra­ta­ri­as, pre­ci­o­sos te­ci­dos e bro­ca­dos, obras de ar­te e a do­cu­men­ta­ção do Sa­voy fo­ram des­truí­dos pe­los ca­mar­te­los e pe­lo fo­go. O res­tan­te re­cheio do pa­lá­cio foi lan­ça­do ao rio. Por fim, o Sa­voy foi in­cen­di­a­do. Te­rão si­do mor­tas ali 30 pes­so­as, pes­so­al do­més­ti­co do pa­lá­cio.

No dia se­guin­te, a mul­ti­dão ru­mou à Tor­re, on­de es­ta­va rei. Ri­car­do II, en­tão com 14 anos, foi ao en­con­tro dos re­vol­to­sos, pro­te­gi­do por uma pe­que­na

es­col­ta, e anuiu ou­vir as rei­vin­di­ca­ções. John Bal­le, um pa­dre re­for­mis­ta de Kent, exi­giu o fim das in­jus­ti­ças, co­mo os im­pos­tos in­dis­cri­mi­na­dos e, so­bre­tu­do, o fim dos ser­vos da gle­ba e a li­ber­da­de pa­ra ca­da ho­mem po­der es­co­lher o seu tra­ba­lho e o seu sa­lá­rio. Ri­car­do ga­ran­tiu que as li­ber­da­des se­ri­am atri­buí­das, che­gan­do a pro­mul­gar de­cre­tos re­ais pa­ra o efei­to. A pa­la­vra do rei foi acei­te e a revolta dis­si­pou-se len­ta­men­te.

En­quan­to cen­tro po­lí­ti­co, Lon­dres fo­ra a ci­da­de mais fus­ti­ga­da pe­la re­vo­lu­ção. Con­tu­do, as ações de pro­tes­to e de lu­ta per­cor­re­ram to­da a In­gla­ter­ra. A uni­ver­si­da­de, em Cam­brid­ge, não foi pou­pa­da. A ima­gem de uma cam­po­ne­sa, Mar­gery Star­re, dan­çan­do em ci­ma das cin­zas dos ma­nus­cri­tos e dos có­di­ces qu­ei­ma­dos, pro­cla­man­do o fim da au­to­ri­da­de do cle­ro, tor­nou-se sím­bo­lo da re­vo­lu­ção.

Res­cal­do e mu­dan­ças

Lo­go em 15 de ju­nho co­me­ça­ram as re­ta­li­a­ções. Ro­bert Knol­les, im­pla­cá­vel, foi cha­ma­do pa­ra to­mar con­ta da si­tu­a­ção em Lon­dres. A 30 de ju­nho, o rei de­cre­ta­va no­va­men­te os de­ve­res feu­dais de se­nho­ri­a­gem e ser­vi­dão. A 2 de ju­lho re­vo­ga­va to­dos os de­cre­tos que as­si­na­ra nas ne­go­ci­a­ções. No dia 15, jun­ta­men­te com ou­tros lí­de­res da re­vo­lu­ção, Bal­le foi de­ti­do, jul­ga­do e de­ca­pi­ta­do. O ca­dá­ver foi es­quar­te­ja­do e es­pa­lha­do pe­los campos. No clí­max da revolta, João de Gante en­con­tra­va-se no Nor­te, pró­xi­mo da Es­có­cia. Foi lá que sou­be da des­trui­ção do Sa­voy e da per­se­gui­ção que lhe era mo­vi­da. Ime­di­a­ta­men­te pro­cu­rou re­fú­gio jun­to dos ca­va­lei­ros es­co­ce­ses, com quem ha­via ne­go­ci­a­do a tré­gua. Mais do que is­so, os feu­dais es­co­ce­ses dis­po­ni­bi­li­za­ram­lhe um exér­ci­to pa­ra po­der re­gres­sar a ca­sa e re­ta­li­ar os re­vol­to­sos. Len­cas­tre, apre­en­si­vo, de­cli­nou a ofer­ta. En­trar em In­gla­ter­ra com um exér­ci­to es­tran­gei­ro se­ria um er­ro mo­nu­men­tal.

Quan­to à du­que­sa Cons­tan­ça, es­ta­va em Lon­dres quan­do co­me­çou a revolta. For­ça­da a fu­gir, de noi­te, pa­ra nor­te, pe­diu au­xí­lio a Henry Percy, ma­re­chal do rei­no e ami­go de Gante. Mas Percy ne­gou. Du­ran­te a fu­ga, Cons­tan­ça sou­be ain­da que o Cas­te­lo de Lei­ces­ter tam­bém ha­via si­do to­ma­do e in­cen­di­a­do. Di­ri­giu-se en­tão pa­ra jun­to do ma­ri­do, não sem an­tes ter si­do im­pe­di­da de en­trar num dos seus ou­tros cas­te­los, em Pon­te­fract, pe­lo pró­prio al­cai­de.

A ati­tu­de de Percy e o ca­so de Pon­te­fract re­ve­lou aos du­ques de Len­cas­tre que nem com a le­al­da­de dos an­ti­gos ami­gos e su­bor­di­na­dos po­de­ri­am con­tar. As­sim, Gante per­ma­ne­ceu na Es­có­cia mais um mês. A 10 de ju­lho, a pe­di­do do so­bri­nho, des­ceu fi­nal­men­te pa­ra Lon­dres, es­col­ta­do por um po­de­ro­so exér­ci­to in­glês. Du­ran­te a mar­cha pa­ra sul, fez o seu pri­mei­ro ajus­te de con­tas em Pon­te­fract, pu­nin­do o al­cai­de que se re­cu­sa­ra a abrir as por­tas do cas­te­lo a Cons­tan­ça. Em se­gui­da, pro­cu­rou ou­vir as ex­pli­ca­ções de Percy. Nu­ma au­di­ên­cia com Ri­car­do II, Gante expôs as su­as quei­xas em re­la­ção a Henry Percy, acu­san­do-o de co­bar­dia, trai­ção pes­so­al e trai­ção ao rei. A si­tu­a­ção des­cam­bou em ofen­sas mú­tu­as, ten­do, no en­tan­to, si­do sa­na­da, me­ses de­pois, na aber­tu­ra do Par­la­men­to de no­vem­bro de 1381, com a ci­da­de de Lon­dres ain­da em es­ta­do de sí­tio. Percy des­cul­pou-se pu­bli­ca­men­te, e Gante ga­nhou in­fluên­cia jun­to de Ri­car­do II. De cer­to mo­do, a gran­de revolta de 1381 de­vol­veu Gante ao epi­cen­tro po­lí­ti­co.

das su­as pre­ten­sões ibé­ri­cas. As­sim, en­con­tra­mos na cor­te de Hen­ri­que II, de 31 de ju­lho de 1378 a 15 de maio do ano se­guin­te, uma de­le­ga­ção di­plo­má­ti­ca in­gle­sa che­fi­a­da por Wal­ter Blount. Os ter­mos da lon­ga pre­sen­ça di­plo­má­ti­ca in­gle­sa em Cas­te­la não são cla­ros. Da­da a frá­gil po­si­ção mi­li­tar de In­gla­ter­ra em 1378, a hi­pó­te­se de Gante ter in­ten­ta­do ne­go­ci­ar um acor­do de paz com Cas­te­la, a troco da sua hi­po­té­ti­ca ab­di­ca­ção da co­roa da­que­le rei­no, não es­tá fo­ra de ques­tão.

Du­as se­ma­nas após Blount dei­xat Cas­te­la, a 29 de maio, Hen­ri­que II mor­ria, le­gan­do o tro­no ao fi­lho, João I. Qual­quer acor­do que pos­sa ter ha­vi­do en­tre Blount e Hen­ri­que II saía de ce­na, fac­to de­mons­tra­do pe­lo au­men­to de in­ten­si­da­de dos ata­ques na­vais cas­te­lha­nos so­bre In­gla­ter­ra. Si­mul­ta­ne­a­men­te, sa­be­mos que Gante nun­ca aban­do­nou a ti­tu­la­tu­ra de Rey de Cas­til­la y Léon na­que­le pe­río­do. E em Por­tu­gal a mor­te de Hen­ri­que II le­van­tou ou­tras am­bi­ções: Fer­nan­do I via- se dis­pen­sa­do da Paz de San­ta­rém, re­ne­go­ci­an­do no­vos ter­mos com os cas­te­lha­nos, co­mo o ca­sa­men­to da sua fi­lha, a in­fan­ta Be­a­triz, com o rei João de Cas­te­la.

O ano de 1378 mar­ca um mo­men­to de mu­dan­ça, com o iní­cio do Cis­ma do Oci­den­te. Em 1370, o papa Gre­gó­rio XI ha­via reins­ta­la­do a San­ta Sé em Ro­ma, o que, des­de a fi­xa­ção do pa­pa­do em Avi­nhão, em 1309, não mais ha­via ocor­ri­do. To­da­via, o colégio car­di­na­lí­cio e gran­de par­te da cú­ria con­ti­nu­a­ram em Avi­nhão. Com a mor­te de Gre­gó­rio, em mar­ço de 1378, a su­ces­são do papa tor­nou- se me­lin­dro­sa. O colégio em Avi­nhão reu­niu- se pa­ra es­co­lher o no­vo papa, mas em Ro­ma, an­te­ci­pan­do- se a to­dos, Ur­ba­no VI fez- se acla­mar papa, man­ten­do- se fir­me na Ci­da­de Eter­na. Não acei­tan­do Ur­ba­no, os car­de­ais de Avi­nhão ele­ge­ram Cle­men­te VII. De um mo­men­to pa­ra o ou­tro, os ca­tó­li­cos di­vi­di­am- se en­tre dois pa­pas e du­as cú­ri­as: uma de Avi­nhão, com Cle­men­te VII, mais tar­de cha­ma­do de an­ti­pa­pa, e ou­tra em Ro­ma, com Ur­ba­no VI.

Pa­ra In­gla­ter­ra, a to­ma­da de po­si­ção era sim­ples: Ri­car­do II e o Par­la­men­to apoi­a­ri­am quem se opu­ses­se a Avi­nhão. Por seu tur­no, Cas­te­la e Fran­ça não he­si­ta­ram em man­ter a fi­de­li­da­de pa­ra com Cle­men­te VI. Pa­ra Por­tu­gal, con­tu­do, na en­cru­zi­lha­da en­tre a di­nâ­mi­ca ibé­ri­ca e con­ti­nen­tal, con­tra a di­nâ­mi­ca atlân­ti­ca e in­gle­sa, a ques­tão era de­li­ca­da. Lo­go em 1378, num con­tex­to ain­da da Paz de San­ta­rém, D. Fer­nan­do to­mou par­ti­do por Cle­men­te VII, con­tem­po­ri­zan­do com o ei­xo fran­co-cas­te­lha­no.

No­vos acor­dos com In­gla­ter­ra

A mor­te de Hen­ri­que II, em 1379, al­te­rou o jo­go di­plo­má­ti­co. D. Fer­nan­do as­su­mi­ra no­vas con­di­ções de paz com João I de Cas­te­la, pro­me­ten­do-lhe até a mão da fi­lha. To­da­via, a po­lí­ti­ca fer­nan­di­na fa­zia-se em mais do que uma fren­te. En­quan­to li­da­va com o mo­nar­ca cas­te­lha­no, o rei por­tu­guês es­cre­via ao con­de An­dei­ro, exi­la­do em Lon­dres, pe­din­do-lhe que son­das­se uma no­va opor­tu­ni­da­de de re­no­var os la­ços de ami­za­de com In­gla­ter­ra, jun­to de João de Gante e do seu ir­mão Edmundo de Lan­gley.

Fer­não Lo­pes diz-nos que não en­con­trou qual­quer do­cu­men­ta­ção que pu­des­se es­cla­re­cer os ter­mos das di­li­gên­ci­as en­tre An­dei­ro, Gante e Lan­gley. To­da­via, em ter­mos ge­né­ri­cos, os acor­dos fo­ram di­re­ci­o­na­dos pa­ra no­va ra­ti­fi­ca­ção de Ta­gil­de. As­sim, se em maio de 1380 ain­da con­se­gui­mos lo­ca- li­zar João Fer­nan­des An­dei­ro em Lon­dres, na cor­te de Ri­car­do II, lo­go em ju­lho es­tá ins­ta­la­do em Es­tre­moz, on­de se en­con­tra­va si­gi­lo­sa­men­te a ne­go­ci­ar com D. Fer­nan­do e Do­na Le­o­nor Te­les aque­le que vi­ria a ser o Tra­ta­do de Es­tre­moz, as­si­na­do a 15 do mes­mo mês. An­dei­ro, a ex­pen­sas de João de Gante, des­lo­ca­ra-se se­cre­ta­men­te de Lon­dres pa­ra o Por­to, e daí pa­ra Es­tre­moz, pa­ra de­fi­nir com D. Fer­nan­do uma no­va ali­an­ça. As cláu­su­las prin­ci­pais fo­ram a re­no­va­ção do Tra­ta­do de Ta­gil­de em fa­vor de Ri­car­do II, a ali­an­ça com Gante na lu­ta con­tra Cas­te­la e a pro­mes­sa de ca­sa­men­to da jo­vem in­fan­ta Be­a­triz (me­ses an­tes pro­me­ti­da a João de Cas­te­la) com o tam­bém ain­da cri­an­ça Edu­ar­do de Norwi­ch, so­bri­nho de Gante.

A es­ta­dia de An­dei­ro em Es­tre­moz, ocul­to na tor­re, jun­to à câ­ma­ra do rei e da rai­nha, es­tá en­vol­ta num ane­do­tá- rio nem sem­pre fá­cil de in­ter­pre­tar. Fer­não Lo­pes re­fe­re que a li­ga­ção amo­ro­sa de An­dei­ro com D. Le­o­nor Te­les, se não co­me­çou aí, ter-se-á, pe­lo me­nos, in­ten­si­fi­ca­do, ou até con­su­ma­do se­xu­al­men­te. Ao mes­mo tem­po, Lo­pes diz-nos que o rei não re­a­giu aos rumores do adul­té­rio, ou por­que o ne­ga­va, ou por não que­rer as­su­mir pu­bli­ca­men­te um es­cân­da­lo. Pa­ra to­dos os efei­tos, os emis­sá­ri­os que D. Fer­nan­do en­vi­ou a Lon­dres, pa­ra con­fir­mar a as­si­na­tu­ra do Tra­ta­do de Es­tre­moz fo­ram ou­tros. Eram o chan­ce­ler Lourenço Anes Fo­ga­ça e o es­cu­dei­ro do rei, Rui Cra­vo, que, em maio de 1381, as­si­na­vam com Ri­car­do II a con­fir­ma­ção do no­vo tra­ta­do. Ao mes­mo tem­po, des­co­ber­tas as ne­go­ci­a­ções se­cre­tas de D. Fer­nan­do com In­gla­ter­ra, João I de Cas­te­la ini­ci­ou a guer­ra con­tra Por­tu­gal, cer­can­do Almeida e in­va­din­do, mais a sul, a fron­tei­ra alen­te­ja­na. Ra­pi­da­men-

te, o du­que de Len­cas­tre e o ir­mão Edmundo co­me­ça­ram a apron­tar a ar­ma­da e o exér­ci­to pa­ra au­xi­li­ar Lis­boa.

A úl­ti­ma guer­ra de D. Fer­nan­do

Di­as an­tes da lar­ga­da da ar­ma­da de Edmundo, con­de de Cam­brid­ge, Rui Cra­vo par­tiu de Ply­mouth ru­mo a Por­tu­gal. De­sem­bar­cou dis­cre­ta­men­te em Bu­ar­cos e daí se­guiu pa­ra Lis­boa, pa­ra in­for­mar o rei de que o au­xí­lio in­glês vi­nha a ca­mi­nho: Edmundo de Lan­gley tra­ria 48 naus com qua­tro mil ho­mens. Lo­go a se­guir, o pró­prio du­que de Len­cas­tre tam­bém iria pa­ra Lis­boa com mais re­for­ços. De to­das as ma­nei­ras, par­te do con­tin­gen­te de Edmundo era já efe­ti­va­men­te com­pos­ta pe­lo exér­ci­to len­cas­tri­a­no. Lan­gley che­ga­ria, mas sem mon­ta­das pa­ra os seus ca­va­lei­ros, o que com­pli­ca­ria a lo­gís­ti­ca mi­li­tar.

Es­tá­va­mos noi­ní­cio de ju­nho de 1381. Se, nu­ma pri­mei­ra fa­se, a in­va­são do Alen­te­jo por Cas­te­la não ti­nha ti­do con­sequên­ci­as de mai­or, a guer­ra na­val co­me­ça­ra a sur­tir efei­tos. D. Fer­nan­do, an­te­ci­pan­do-se à che­ga­da in­gle­sa, en­vi­a­ra uma ar­ma­da, co­man­da­da pe­lo con­de de Bar­ce­los, João Afon­so Te­lo, ir­mão de Le­o­nor Te­les, a Se­vi­lha, pa­ra tra­var a ma­ri­nha de Cas­te­la. Con­tu­do, quan­do a ar­ma­da já se en­con­tra­va bem além da cos­ta al­gar­via, jun­to à ilha de Sal­tes, o al­mi­ran­te Sán­chez de To­var in­ter­ce­tou e cap­tu­rou os na­vi­os por­tu­gue­ses. Um mês de­pois, já sem pos­si­bi­li­da­de de po­der au­xi­li­ar os na­vi­os por­tu­gue­ses, Edmundo de Lan­gley e a fa­mí­lia che­ga­vam a Lis­boa.

Os já co­nhe­ci­dos acon­te­ci­men­tos re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os em Lon­dres, nas pri­mei­ras se­ma­nas de ju­nho de 1381, es­ti­ve­ram na ori­gem do atra­so da ar­ma­da in­gle­sa. Aliás, os efei­tos da revolta, no­me­a­da­men­te o in­cên­dio do Sa­voy e a fu­ga do du­que de Len­cas­tre pa­ra a Es­có­cia, aca­ba­ri­am por se re­ve­lar fa­tais pa­ra o pla­no lu­so-in­glês de guer­ra con­tra Cas­te­la. A che­ga­da de Edmundo per­mi­tiu, pe­lo me­nos, que o al­mi­ran­te To­var não ou­sas­se en­trar no Te­jo. Ao mes­mo tem­po, re­ce­bi­do por D. Fer­nan­do em São Jor­ge, o prín­ci­pe in­glês punha o seu exér­ci­to à dis­po­si­ção do, lo­go em se­gui­da pe­din­do a mão da in­fan­ta Be­a­triz pa­ra o seu fi­lho Edu­ar­do. Os es­pon­sais dos noi­vos cri­an­ças (tan­to Be­a­triz co­mo Edu­ar­do ti­nham cer­ca de oi­to anos de ida­de) re­a­li­za­ram-se a 19 de agos­to, à ma­nei­ra in­gle­sa: os dois me­ni­nos fo­ram dei- ta­dos em ci­ma de uma ca­ma ador­na­da e ju­ra­dos na pre­sen­ça do bis­po de Lis­boa e da al­ta no­bre­za. D. Fer­nan­do, co­mo for­ma de anu­la­ção do con­tra­to de ca­sa­men­to da fi­lha com João de Cas­te­la, re­jei­tou obe­di­ên­cia a Cle­men­te VII de Avi­nhão e re­co­nhe­ceu o papa Ur­ba­no VI de Ro­ma.

Se­la­da a ali­an­ça com a pro­mes­sa dos noi­vos, Edmundo aguen­tou o seu exér­ci­to em Lis­boa. As di­fi­cul­da­des que D. Fer­nan­do sen­tiu em reu­nir mon­ta­das su­fi­ci­en­tes pa­ra os in­gle­ses e su­as ba­ga­gens fez com que to­do o pro­ces­so se atra­sas­se, im­pe­din­do as tro­pas ali­a­das de se des­lo­ca­rem pa­ra os pon­tos de fron­tei­ra on­de os cas­te­lha­nos já es­ta­vam. Efe­ti­va­men­te, as tro­pas de João de Cas­te­la já ha­vi­am mon­ta­do cer­co a Miranda do Dou­ro e Mo­ga­dou­ro. A sul, a raia alen­te­ja­na con­ti­nu­a­va ocu­pa­da, e El­vas en­con­tra­va- se tam­bém cer­ca­da. A in­di­ca­ção cla­ra de D. Fer­nan­do pa­ra o exér­ci­to por­tu­guês não res­pon­der aos ata­ques co­me­ça­va a cau­sar im­pa­ci­ên­cia. De fac­to, es­ta pas­si­vi­da­de es­tra­té­gi­ca era sen­ti­da não só pe­los in­gle­ses em Lis­boa, mas pe­las pró­pri­as hos­tes na­ci­o­nais po­si­ci­o­na­das no Alen­te­jo. É, aliás, nes­te pe­río­do (ju­lho e agos­to de 1381) que nos sur­gem as pri­mei­ras no­tí­ci­as das ações de Nuno Ál­va­res Pereira. O fu­tu­ro con­des­tá­vel do rei­no en­con­tra­va-se em Vi­la Vi­ço­sa, jun­to do ir­mão Pe­dro Ál­va­res, fron­tei­ro- mor. Im­pa­ci­en­te, Nuno Ál­va­res ten­tou or­ga­ni­zar um com­ba­te pes­so­al con­tra o fron­tei­ro de Ba­da­joz, mas D. Fer­nan­do proi­biu-o de­ter­mi­nan­te­men­te de efe­tu­ar qual­quer ação de com­ba­te, cha­man­do-o pa­ra Lis­boa.

No fim do ve­rão, João I de Cas­te­la, per­ce­ben­do que, não ha­ven­do con­fron­to mi­li­tar, po­de­ria ge­rir a cam­pa­nha de mo­do mais efi­ci­en­te, deu in­di­ca­ções pa­ra que as su­as tro­pas re­cu­as­sem pa­ra o la­do cas­te­lha­no da fron­tei­ra, on­de po­de­ri­am mais fa­cil­men­te ser ali­men­ta­das e abas­te­ci­das, man­ten­do a pos­si­bi­li­da­de de, a qual­quer mo­men­to, re­en­tra­rem ra­pi­da­men­te em Por­tu­gal. Mes­mo sem ter qual­quer no­tí­cia da che­ga­da do du­que de Len­cas­tre, D. Fer­nan­do apro­vei­tou o re­cuo cas­te­lha­no pa­ra agir: au­to­ri­zou Edmundo de Lan­gley a mar­char com os seus ho­mens pa­ra o Alen­te­jo, en­quan­to a ar­ma­da in­gle­sa es­ta­ci­o­na­da no Te­jo re­ce­beu or­dens pa­ra re­gres­sar a Lon­dres.

Mal co­man­da­do, sem apoio lo­gís­ti­co efi­caz ( con­ti­nu­a­va o pro­ble­ma da fal­ta de mon­ta­das) e sem um ob­je­ti­vo mi­li­tar con­cre­to (a in­va­são de Cas­te­la não era as­su­mi­da até João de Gante che­gar a Por­tu­gal), o exér­ci­to in­glês ra­pi­da­men­te co­me­çou a cau­sar pro­ble­mas. No Alen­te­jo, a sol­da­des­ca aca­bou até por to­mar a vi­la de Monsaraz, o Re­don­do e Évo­ra. Pi­lhan­do tu­do o que ha­via pa­ra le­var e obri­gan­do os mo­ra­do­res a pe­ga­rem em ar­mas pa­ra se de­fen­de­rem dos ali­a­dos in­gle­ses.

Em maio de 1382, ten­do as su­as fron­tei­ras pro­te­gi­das e as­sis­tin­do ao des­ca­la­bro in­glês no in­te­ri­or de Por­tu­gal, João de Cas­te­la lan­çou por mar o ata­que der­ra­dei­ro, or­de­nan­do a To­var que avan­ças­se com os seus 80 na­vi­os so­bre o Te­jo e to­mas­se Lis­boa. O al­mi­ran­te en­trou no Te­jo, des­pro­te­gi­do, e cer­cou a ci­da­de, in­cen­di­an­do os paços re­ais de Xa­bre­gas e de Fri­e­las. D. Fer­nan­do, en­cur­ra­la­do, per­ce­beu que o du­que de Len­cas­tre ja­mais che­ga­ria e en­ce­tou ne­go­ci­a­ções de paz com Cas­te­la, dei­xan­do Edmundo de Lan­gley fo­ra do pro­ces­so.

Os reis ibé­ri­cos fir­ma­ram a paz em El­vas, a 10 de agos­to de 1382. João I com­pro­me­teu-se a de­vol­ver Miranda do Dou­ro e Mo­ga­dou­ro, bem co­mo Almeida. Com­pro­me­teu-se ain­da a entregar os na­vi­os por­tu­gue­ses apre­en­di­dos em Sal­tes, no ano an­te­ri­or. Por seu tur­no, D. Fer­nan­do com­pro­me­teu­se a re­nun­ci­ar a Ur­ba­no VI e a ju­rar obe­di­ên­cia a Avi­nhão e Cle­men­te VII. A in­fan­ta Be­a­triz, mais uma vez, se­ria usa­da co­mo mo­e­da de tro­ca. Que­bra­da a pro­mes­sa de ca­sa­men­to com o fi­lho do con­de de Cam­brid­ge, a cri­an­ça era pro­me­ti­da ago­ra ao in­fan­te Fer­nan­do, ter­cei­ro fi­lho de João I de Cas­te­la. Acor­da­ram ain­da trans­por­tar, em na­vi­os cas­te­lha­nos, Edmundo e os seus ho­mens de vol­ta pa­ra Lon­dres. A con­tra­gos­to, hu­mi­lha­do pe­la trai­ção do ali­a­do por­tu­guês, o ir­mão do du­que de Len­cas­tre dei­xou as­sim Por­tu­gal.

Se­tem­bro tra­ria ain­da mais um even­to que al­te­rou o jo­go di­plo­má­ti­co: a rai­nha Le­o­nor de Ara­gão, mu­lher de João I, mor­reu, de com­pli­ca­ções na gra­vi­dez. A viu­vez do rei, à épo­ca com ape­nas 24 anos, per­mi­tiu que os ter­mos de El­vas fos­sem mo­di­fi­ca­dos: Be­a­triz já não ca­sa­ria com o in­fan­te Fer­nan­do, mas sim com o pró­prio João I de Cas­te­la, o que tra­ria, a cur­to pra­zo, con­sequên­ci­as ines­pe­ra­das.

A sequên­cia dos even­tos é rá­pi­da: os cons­pi­ra­do­res fa­zem cor­rer por Lis­boa o ru­mor de que o mes­tre de Avis cor­ria pe­ri­go de vi­da. A po­pu­la­ção, en­fu­re­ci­da e mo­ti­va­da pe­lo ódio a Le­o­nor Te­les e An­dei­ro, apres­sa-se a con­cen­trar-se jun­to ao pa­ço, exi­gin­do a li­ber­ta­ção do mes­tre. Con­fir­ma­do o apoio po­pu­lar, o mes­tre mos­tra-se a uma das ja­ne­las do pa­ço, é acla­ma­do pe­la mul­ti­dão e trans­por­ta­do em apo­te­o­se pe­las ru­as da ci­da­de. No mes­mo dia, a Sé de Lis­boa foi as­sal­ta­da, e o bis­po D. Mar­ti­nho, cis­má­ti­co de Avi­nhão, foi lin­cha­do, sen­do o seu ca­dá­ver pro­fa­na­do pe­la po­pu­la­ção. Num tur­bi­lhão de vi­o­lên­cia, o po­vo aca­ba­ria ain­da a mo­les­tar a co­mu­ni­da­de ju­dai­ca, sen­do, no en­tan­to, tra­va­da a tem­po pe­lo pró­prio mes­tre.

Nos di­as se­guin­tes, o mes­tre de Avis quis des­lo­car-se pes­so­al­men­te a Lon­dres, pa­ra son­dar a po­si­ção in­gle­sa ou mes­mo pa­ra ne­go­ci­ar apoio mi­li­tar. Mas, te­men­do ser is­so interpretado co­mo uma fu­ga, aca­bou, sob for­te pres­são, por per­ma­ne­cer em Lis­boa. As­sim, lo­go na se­ma­na se­guin­te ao as­sas­si­na­to de An­dei­ro, uma as­sem­bleia po­pu­lar em São Do­min­gos, com­pos­ta, pri­mei­ro, pe­la ar­raia miú­da e, de­pois, pe­los ho­mens bons do con­ce­lho e pe­lo cle­ro fi­el a Ur­ba­no VI, acla­mou o mes­tre de Avis co­mo Re­ge­dor e De­fen­sor do Rei­no. O país di­vi­diu-se. O mun­do se­nho­ri­al ru­ral, so­bre­tu­do no Mi­nho e Trás- os- Mon­tes, mas tam­bém os se­nho­ri­os da Es­tre­ma­du­ra e Ri­ba­te­jo, apoi­a­vam D. Le­o­nor e a re­po­si­ção da rai­nha D. Be­a­triz. O mun­do ur­ba­no de Lis­boa, Por­to, Coim­bra e Évo­ra pro­cla­mou-se pe­lo mes­tre, tal co­mo as prin­ci­pais or­dens mi­li­ta­res do rei­no, mai­o­ri­ta­ri­a­men­te pro­pri­e­tá­ri­as no Alen­te­jo (a ex­ce­ção fo­ram os hos­pi­ta­lá­ri­os). Nas Bei­ras, a si­tu­a­ção era dis­tin­ta: quem con­tro­la­va a si­tu­a­ção era já João de Cas­te­la, que ocu­pa­ra a Guar­da.

Nes­se con­tex­to, o mes­tre de Avis or­ga­ni­zou ra­pi­da­men­te o seu go­ver­no: no­me­ou pa­ra che­fe da sua chan­ce­la­ria o dou­tor João das Re­gras, mes­tre de câ­no­nes na uni­ver­si­da­de; ini­ci­ou um pro­gra­ma de re­co­lha de fi­nan­ci­a­men­to ex­ter­no e in­ter­no, lan­çou a re­co­lha das si­sas so­bre a pro­pri­e­da­de, mas tam­bém so­bre a pro­du­ção; cu­nhou mo­e­da des­va­lo­ri­za­da pa­ra pa­gar sol­dos; con­traiu avul­ta­dos em­prés­ti­mos nas ci­da­des. Si­mul­ta­ne­a­men­te, or­ga­ni­zou a de­fe­sa, com o apoio de Nuno Ál­va­res Pereira.

D. Le­o­nor re­fu­gi­a­ra- se em San­ta­rém, on­de re­ce­beu, já em 1384, o gen­ro, João de Cas­te­la. Es­te, no en­tan­to, es­ta­va em es­ta­do de guer­ra, pois já que­ria re­cla­mar os seus pró­pri­os di­rei­tos so­bre Por­tu­gal. Na sequên­cia, man­dou de­ter D. Le­o­nor e cha­mou até si o ve­lho chan­ce­ler e di­plo­ma­ta de D. Fer­nan­do, Lourenço Anes Fo­ga­ça. O rei cas­te­lha­no pre­ten­dia que o chan­ce­ler lhe le­vas­se os se­los do rei fa­le­ci­do pa­ra se­rem que­bra­dos e que daí se fi­zes­sem

no­vas chan­ce­las em seu no­me, co­mo rei de Por­tu­gal. Fo­ga­ça en­tre­gou os se­los ao rei, mas ape­nas pa­ra fu­gir lo­go pa­ra Lis­boa, on­de se en­tre­gou à cau­sa do mes­tre de Avis. Do exí­lio em Cas­te­la, o in­fan­te D. João, tam­bém meio ir­mão do mes­tre, fi­lho de D. Pe­dro e de Inês de Cas­tro, da­va in­di­ca­ções aos seus par­ti­dá­ri­os pa­ra se jun­ta­rem ao mes­tre. Os cen­tros ur­ba­nos eram to­ma­dos pe­las po­pu­la­ções. A pre­sen­ça de João de Cas­te­la, ago­ra em San­ta­rém e in­vo­can­do o tí­tu­lo de rei de Por­tu­gal, unia par­te da pen­dên­cia ci­vil por­tu­gue­sa em tor­no do mes­tre de Avis.

No ini­cio de 1384, o mes­tre en­vi­ou Lourenço Anes Fo­ga­ça pa­ra Ply­mouth, li­de­ran­do uma mis­são di­plo­má­ti­ca com­ple­men­tar a uma pri­mei­ra, que saí­ra de Lis­boa em de­zem­bro, li­de­ra­da por Lourenço Mar­tim e Tho­mas Daniel, um re­si­den­te in­glês. O ob­je­ti­vo era ne­go­ci­ar o apoio de Ri­car­do II e do pró­prio du­que de Len­cas­tre à cau­sa de Avis. Gante es­ta­va en­tão em Ca­lais, pe­lo que não hou­ve, nes­ta fa­se, con- ver­sa­ções di­re­tas com o du­que. Por ou­tro la­do, Ri­car­do II re­ce­be­ria a embaixada do mes­tre de Avis e ce­de­ria al­gum apoio mi­li­tar (bem re­du­zi­do, fa­ce à ex­pec­ta­ti­va por­tu­gue­sa) e um aval fi­nan­cei­ro, ga­ran­ti­do, con­tu­do, pe­lo ar­res­ta­men­to de na­vi­os mer­can­tes por­tu­gue­ses no Ta­mi­sa.

Em San­ta­rém, João de Cas­te­la co­or­de­na­va no­vos ata­ques em ter­ri­tó­rio por­tu­guês, mo­ven­do tro­pas pa­ra a vi­la de Fron­tei­ra, a nor­te de Es­tre­moz. Foi es­se o mo­men­to dos pri­mei­ros con-

fron­tos en­tre a de­fe­sa por­tu­gue­sa, já re­for­ça­da com efe­ti­vos in­gle­ses, e a in­va­são cas­te­lha­na. O en­con­tro cul­mi­na­ria na Ba­ta­lha dos Ato­lei­ros ( 6 de abril), em que Nuno Ál­va­res, en­fren­tan­do os ho­mens de To­var, en­tre os qu­ais o seu pró­prio ir­mão, Pe­dro Ál­va­res Pereira, ob­te­ve a pri­mei­ra gran­de vi­tó­ria mi­li­tar.

Em maio, um con­tin­gen­te li­de­ra­do pe­lo ar­ce­bis­po de Com­pos­te­la mar­chou ru­mo ao Por­to, pi­lhan­do no Mi­nho o que ha­via pa­ra pi­lhar, mas a de­fe­sa por­tu­en­se, mai­o­ri­ta­ri­a­men­te po­pu­lar, re­cha­çou o in­va­sor.

João I de Cas­te­la, po­rém, só pen­sa­va nu­ma in­va­são na­val re­lâm­pa­go de Lis­boa. Ain­da em maio, en­vi­ou os seus ho­mens pa­ra cer­car a ca­pi­tal por­tu­gue­sa. O co­man­dan­te do exér­ci­to cas­te­lha­no, o mes­tre da Or­dem de San­ti­a­go, Pe­dro Fer­nán­dez Ca­be­za de Va­ca, acam­pou em Lou­res e aí mon­tou um ex­ten­so ar­rai­al, que cer­cou a gran­de mu­ra­lha de Lis­boa du­ran­te vá­ri­os me­ses. A efi­caz e de­ter­mi­na­da de­fe­sa lis­bo­e­ta per­mi­tiu a re­sis­tên­cia da ci­da­de du­ran­te pra­ti­ca­men­te to­do o ve­rão de 1384. No Te­jo, uma fro­ta por­tu­gue­sa, or­ga­ni­za­da no Por­to e con­du­zi­da por Rui Pereira, con­se­guiu que­brar o blo­queio cas­te­lha­no e le­var ví­ve­res à ci­da­de si­ti­a­da. Con­tu­do, ha­ve­ria de ser um agres­si­vo sur­to de pes­te, que gras­sou nas fi­lei­ras cas­te­lha­nas, a de­ter­mi­nar a re­ti­ra­da to­tal. Tan­to o afa­ma­do al­mi­ran­te To­var co­mo Pe­dro Fer­nán­dez mor­re­ram du­ran­te o cer­co.

Se­gui­do de um sé­qui­to fú­ne­bre que trans­por­ta­va as de­ze­nas de ca­dá­ve­res dos fi­dal­gos mor­tos pe­la pes­te, João de Cas­te­la re­fu­gi­ou-se em Tor­res Ve­dras e San­ta­rém. No iní­cio de ou­tu­bro, o mes­tre de Avis e Nuno Ál­va­res Pereira ain­da con­cer­ta­ram um pla­no pa­ra ata­car di­re­ta­men­te o rei de Cas­te­la. Con­tu­do, João con­se­guiu re­gres­sar a Cas­te­la, le­van­do com ele a lon­ga e té­tri­ca pro­cis­são dos mor­tos. Com a par­ti­da dos cas­te­lha­nos, al­gu­mas po­vo­a­ções ri­ba­te­ja­nas fiéis a D. Be­a­triz de­cla­ra­ram- se, após cur­tos cer­cos, pe­lo mes­tre de Avis. San­ta­rém, no en­tan­to, man­ter-seia por D. Be­a­triz até ao res­cal­do de Al­ju­bar­ro­ta. O Nor­te, com a ex­ce­ção do Por­to, ci­da­de bur­gue­sa e mer­can­til, con­ti­nu­a­va hos­til ao mes­tre.

As Cor­tes de 1385

Co­lhen­do apoi­os con­so­li­da­dos no Sul e no Cen­tro, o mes­tre de Avis re­ce­beu, ain­da em Lis­boa, em ou­tu­bro de 1384, re­pre­sen­tan­tes dos três Es­ta­dos. O ob­je­ti­vo era or­ga­ni­zar cor­tes ge­rais pa­ra de­fi­nir e re­sol­ver ju­ri­di­ca­men­te a si­tu­a­ção do rei­no. Reu­ni­das em Coim­bra, en­tre mar­ço e abril de 1385, es­tas cé­le­bres cor­tes ha­ve­ri­am de ser o mo­men­to de acla­ma­ção le­gal (fal­ta­ria ain­da a con­sa­gra­ção mi­li­tar), de D. João, mes­tre de Avis, co­mo rei de Por­tu­gal.

As cor­tes me­di­e­vais por­tu­gue­sas eram um ór­gão con­sul­ti­vo e de­li­be­ra­ti­vo que re­mon­ta­va ao sé­cu­lo XIII, an­te­ce­den­do até o Par­la­men­to in­glês. De um mo­do ge­ral, jun­ta­vam os três bra­ços so­ci­ais da na­ção: os re­pre­sen­tan­tes dos con­ce­lhos (o po­vo), o cle­ro e a no­bre­za se­nho­ri­al. Das ques­tões fis­cais às ju­di­ci­ais, pas­san­do pe­la po­lí­ti­ca ex­ter­na, co­mo se­ja a guer­ra, até à acla­ma­ção dos reis, de­ba­ti­am e vo­ta­vam di­ver­sos as­sun­tos. Des­ta vez o as­sun­to mais pal­pi­tan­te era, cla­ro, a elei­ção do rei de Por­tu­gal. Os pre­ten­den­tes ao tro­no eram D. Be­a­triz, fi­lha le­gí­ti­ma de D. Fer­nan­do e Le­o­nor Te­les, e o seu ma­ri­do João I de Cas­te­la; o in­fan­te D. João, fi­lho de D. Pe­dro e Inês de Cas­tro; D. João, mes­tre de Avis, tam­bém fi­lho de D. Pe­dro, meio- ir­mão tan­to do in­fan­te D. João co­mo do fa­le­ci­do D. Fer­nan­do.

Apre­sen­ta­ram-se nas cor­tes os par­ti­dá­ri­os do mes­tre de Avis e do in­fan­te D. João, de­ti­do em Cas­te­la des­de o ano an­te­ri­or. D. Be­a­triz e João de Cas­te­la não ti­ve­ram re­pre­sen­tan­tes em Coim­bra. Tan­to as ci­da­des que man­ti­nham voz por Cas­te­la co­mo os feu­dais e al­guns bis­pos pró-cas­te­lha­nos não es­ti­ve­ram re­pre­sen­ta­dos. A fa­ção do mes­tre, bem de­fen­di­da pe­la re­tó­ri­ca do dou­tor João das Re­gras e pe­las ar­mas de Nuno Ál­va­res, saiu vi­to­ri­o­sa. O mes­tre de Avis foi acla­ma­do rei de Por­tu­gal a 6 de abril, e Nuno Ál­va­res Pereira era no­me­a­do con­des­tá­vel do rei­no. Por es­sa al­tu­ra, atra­ca­va no Te­jo uma ar­ma­da in­gle­sa com re­for­ços mi­li­ta­res.

Al­ju­bar­ro­ta

Lo­go após as cor­tes, D. João ini­ci­ou um rá­pi­do e in­ten­so pé­ri­plo pe­lo Nor­te, pa­ra to­mar as vi­las que ain­da le­van­ta­vam voz por Cas­te­la. No dia 25 de abril, en­trou em apo­te­o­se no Por­to, on­de se reu­niu com o conselho da ci­da­de e com Nuno Ál­va­res Pereira, que o pre­ce­de­ra em al­guns di­as. Em ope­ra­ções se­pa­ra­das, o exér­ci­to de D. João I e o con­des­tá­vel con­quis­ta­ram Guimarães, Pon­te de Li­ma, Vi­a­na e Bra­ga. Nuno Ál­va­res pre­ten­dia pros­se­guir pa­ra a Ga­li­za, mas as cir­cuns­tân­ci­as in­ter­rom­pe­ram-no. João de Cas­te­la, em res­pos­ta às Cor­tes de Coim­bra, vol­tou a in­va­dir Por­tu­gal, cru­zan­do a fron­tei­ra em Almeida. D. João I es­ta­va en­tão se a co­man­dar o cer­co de Guimarães, e o con­des­tá­vel cer­ca­va as mu­ra­lhas de Pon­te de Li­ma. Co­mo tal, a pri­mei­ra de­fe­sa das Bei­ras foi fei­ta por no­bres e po­pu­la­res afe­tos a D. João I, co­man­da­dos ape­nas por per­so­na­li­da­des lo­cais. O pri­mei­ro con­fron­to com os cas­te­lha­nos deu-se já em Trancoso, a 29 de maio. Pa­ra o Alen­te­jo fo­ram en­vi­a­dos os re­for­ços in­gle­ses que se en­con­tra­vam em Lis­boa.

O rei por­tu­guês e Nuno Ál­va­res re­gres­sa­ram ao Cen­tro e Sul do país, pa­ra or­ga­ni­zar o con­fron­to com os cas­te­lha­nos. D. João reu­niu tro­pas em Alen­quer, so­bre­tu­do os con­tin­gen­tes que vi­nham de Lis­boa, e Nuno Ál­va­res Pereira des­ceu ao Alen­te­jo, on­de tam­bém re­cru­tou sol­da­dos e agre­gou os in­gle­ses que lá es­ta­vam. Após vá­ri­os de­sen­con­tros e di­ver­gên­ci­as, as hos­tes de D. João I e de Nuno Ál­va­res Pereira en­con­tra­ram-se, fi­nal­men­te, no iní­cio de agos­to, jun­to a To­mar.

A 13 de agos­to de 1385, Nuno Ál­va­res lo­ca­li­zou o acam­pa­men­to cas­te­lha­no, a sul de Lei­ria. Pa­ra in­ter­ce­tar o pas­so cas­te­lha­no pa­ra Lis­boa, o con­des­tá­vel es­co­lheu e pre­pa­rou o ter­re­no pa­ra o con­fron­to, per­to da al­deia de Al­ju­bar­ro­ta. Na ma­nhã se­guin­te, a co-

lu­na mi­li­tar cas­te­lha­na, ago­ra em mar­cha, de­pa­rou-se com a de­fe­sa por­tu­gue­sa. O rei cas­te­lha­no en­vi­ou emis­sá­ri­os, pa­ra ne­go­ci­ar, mas Nuno Ál­va­res e D. João I não acei­ta­ram os ter­mos de paz, que pas­sa­vam pe­lo re­co­nhe­ci­men­to de D. Be­a­triz co­mo rai­nha de Por­tu­gal. O tem­po da di­plo­ma­cia ha­via pas­sa­do. O con­fron­to mi­li­tar era ine­vi­tá­vel, e a ba­ta­lha te­ve iní­cio ao fim da tar­de. Apro­vei­tan­do o des­ní­vel do ter­re­no, bem co­mo a sua pre­pa­ra­ção pré­via, com fos­sos e bar­rei­ras de­fen­si­vas, Nuno Ál­va­res con­se­guiu su­pe­rar a des­van­ta­gem nu­mé­ri­ca do exér­ci­to por­tu­guês e in­fli­gir uma pe­sa­da der­ro­ta a Cas­te­la.

A fu­ga dra­má­ti­ca dos ca­va­lei­ros cas­te­lha­nos ge­rou o pâ­ni­co nas alas de in­fan­ta­ria, que tam­bém aca­ba­ram por dis­per­sar. As per­se­gui­ções por­tu­gue­sas aos cas­te­lha­nos em fu­ga fo­ram igual­men­te vi­o­len­tas – com a ex­ce­ção de no­bres cu­jas cap­tu­ras per­mi­ti­ri­am bons res­ga­tes, a res­tan­te pe­o­na­gem de Cas­te­la foi mas­sa­cra­da.

Len­cas­tre na Ga­li­za

Al­ju­bar­ro­ta re­for­çou a po­si­ção D. João I. Além de rei acla­ma­do em cor­tes, era tam­bém um lí­der le­gi­ti­ma­do pe­la for­ça das ar­mas. E os ecos da ba­ta­lha fo­ram che­gan­do ao ex­te­ri­or. Em Lei­ces­ter, João de Gante re­ce­bia Lou­re­ço Anes de Fo­ga­ça e Fer­não Afon­so de Al-

bu­quer­que, mes­tre da Or­dem de San­ti­a­go. Os dois le­va­vam uma car­ta de D. João I com as no­tí­ci­as da vi­tó­ria e uma re­no­va­da ofer­ta de ali­an­ça. D. João re­lem­bra­va ao du­que as van­ta­gens que o mo­men­to tra­zia pa­ra que ele re­cla­mas­se o tro­no de Leão e Cas­te­la.

Com a si­tu­a­ção es­co­ce­sa re­sol­vi­da e a si­tu­a­ção da Aqui­tâ­nia re­la­ti­va­men­te es­ta­bi­li­za­da, João de Gante e Ri­car­do II ti­nham mar­gem de ma­no­bra pa­ra re­lan­çar uma in­ves­ti­da ibé­ri­ca. E a ques­tão do fi­nan­ci­a­men­to da in­va­são de Cas­te­la foi lo­go de­ba­ti­da no Par­la­men­to de West­mins­ter. Em ou­tu­bro,quan­do, em ter­ri­tó­rio cas­te­lha­no, Nuno Ál­va­res in­fli­gia uma úl­ti­ma der­ro­ta a João de Cas­te­la, na Ba­ta­lha de Val­ver­de, o Par­la­men­to In­glês apro­va­va, com re­ser­vas fi­nan­cei­ras, a in­va­são de Gante a Cas­te­la. Era a pri­mei­ra vez que o rei in­glês re­co­nhe­cia ao seu tio o tí­tu­lo de rei de Leão e Cas­te­la. Ago­ra, Gante pre­si­dia ao conselho re­al sen­ta­do num tro­no, ao la­do do so­bri­nho, e, a 8 de abril, as­si­nou e ju­rou um pro­to­co­lo de paz en­tre Cas­te­la e In­gla­ter­ra. No do­min­go de Pás­coa de 1386, Ri­car­do II ofe­re­ceu ao tio uma co­roa de ou­ro, ges­to sim­bó­li­co que era a as­sun­ção pú­bli­ca de fé na vi­tó­ria so­bre Cas­te­la.

É após o re­co­nhe­ci­men­to do tio co­mo rei que Ri­car­do II, a 9 de maio de 1386, as­si­na com Lourenço Anes Fo­ga­ça e Fer­não Afon­so de Al­bu­quer­que o cé­le­bre Tra­ta­do de Wind­sor, na prá­ti­ca, a re­no­va­ção da ali­an­ça de ami­za­de e con­fe­de­ra­ção en­tre Por­tu­gal e In­gla­ter­ra en­sai­a­da, 14 anos an­tes, em Ta­gil­de. O tra­ta­do vi­ria a ser ra­ti­fi­ca­do em fe­ve­rei­ro do ano se­guin­te, com o ca­sa­men­to de D. João I com Do­na Fi­li­pa de Len­cas­tre. A con­fir­ma­ção, ou do­a­ção de Ba­be, Bra­gan­ça, as­si­na­da pe­lo du­que de Len­cas­tre, a 26 de mar­ço de 1387, po­de ser en­qua­dra­da na di­nâ­mi­ca de re­for­ço da ali­an­ça an­glo-por­tu­gue­sa. Con­tu­do, só a 12 de agos­to da­que­le ano é que D. João I, pes­so­al­men­te, con­fir­mou e as­si­nou o Tra­ta­do de Wind­sor, em Coim­bra. O do­cu­men­to foi trans­por­ta­do de no­vo pa­ra Lon­dres, on­de se en­con­tra atu­al­men­te.

Um as­pe­to nem sem­pre ti­do em con­ta no tra­ta­do é o seu dis­cur­so cru­za­dís­ti­co. In­gla­ter­ra e Por­tu­gal de­cla­ram que lu­ta­rão con­tra os ini­mi­gos do ver­da­dei­ro papa, en­ten­di­do co­mo Ur­ba­no VI, em Ro­ma. Um dos ar­gu­men­tos de João de Gante pa­ra ob­ter apoio par­la­men­tar na sua de­man­da pe­lo tro- no de Cas­te­la foi o ape­lo à li­ber­ta­ção da­que­le rei­no pe­nin­su­lar da tu­te­la dos an­ti­pa­pas de Avi­nhão. O pró­prio Ur­ba­no VI pro­mul­ga­ra uma bu­la de cru­za­da, apoi­an­do os in­gle­ses na con­quis­ta de Cas­te­la.

Re­sol­vi­dos al­guns pro­ble­mas fi­nan­cei­ros, a ar­ma­da de Gante co­me­çou a ser pre­pa­ra­da em ju­nho de 1386. No dia 30, um con­tin­gen­te na­val por­tu­guês, co­man­da­do por Afon­so Fur­ta­do (fu­tu­ro he­rói da con­quis­ta de Ceu­ta) jun­tou­se a Gante em Ply­mouth. Ao to­do, te­rão em­bar­ca­do de se­te a dez mil ho­mens, en­tre ca­va­lei­ros, peões e ar­chei­ros. No dia 9 de ju­lho, os na­vi­os le­van­ta­ram fer­ros.

O per­cur­so de Ply­mouth pa­ra a cos­ta ga­le­ga era co­nhe­ci­do de to­dos os ma­ri­nhei­ros in­gle­ses. Tra­ta­va-se não só de uma ro­ta co­mer­ci­al mui­to usa­da, co­mo era tam­bém a ro­ta po­pu­lar de trans­por­te dos pe­re­gri­nos pa­ra Com­pos­te­la. Con­tu­do, a ar­ma­da de Len­cas­tre não na­ve­gou di­re­ta­men­te pa­ra o seu des­ti­no. O du­que fez pri­mei­ro uma es­ca­la em Brest, na Bre­ta­nha, on­de dei­xou al­guns dos seus ho­mens pa­ra au­xi­li­a­rem a guar­ni­ção in­gle­sa des­se por­to. A ver­da­de é que o des­ti­no da ar­ma­da era se­cre­to, o que per­mi­tiu ao du­que fa­zer um de­sem­bar­que sur­pre­sa na Co­ru­nha, a 25 de ju­lho, dia de San­ti­a­go, to­man­do ra­pi­da­men­te a ci­da­de. Du­as ou três se­ma­nas após o de­sem­bar­que, Gante mar­chou até San­ti­a­go de Com­pos­te­la. O ar­ce­bis­po cle­men­tis­ta, João Gar­cia Man­ri­que, re­li­gi­o­so por­tu­guês exi­la­do na Ga­li­za des­de 1383, re­fu­gi­a­va-se ago­ra em Leão, dei­xan­do a ci­da­de de San­ti­a­go nas mãos dos seus mo­ra­do­res, que pron­ta­men­te a en­tre­ga­ram a Gante. Foi as­sim que, na ca­te­dral com­pos­te­la­na, às mãos de uma cu­ri­o­sa ima­gem ar­ti­cu­la­da de São Tiago, João de Gante e Cons­tan­ça fo­ram con­fir­ma­dos reis de Leão e Cas­te­la. Des­de os tem­pos de Afon­so IX, a co­ro­a­ção dos mo­nar­cas de Leão e Cas­te­la, fei­ta em Bur­gos, era tam­bém tra­di­ci­o­nal­men­te ra­ti­fi­ca­da em Com­pos­te­la, pe­la ima­gem ar­ti­cu­la­da do após­to­lo. Mas a ver­da­de é que ape­nas a Ga­li­za, e só de­pois da to­ma­da rá­pi­da de Pon­te­ve­dra e da con­quis­ta de­mo­ra­da e vi­o­len­ta de Ou­ren­se, é que es­ta­va sob ad­mi­nis­tra­ção de João de Gante. Pa­ra re­cla­mar o seu di­rei­to, e o de D. Cons­tan­ça, ao tro­no de Cas­te­la, “mon­seig­neur d’es­paig­ne” viu- se na con­tin­gên­cia de ne­go­ci­ar com João de Tras­tâ­ma­ra, o úni­co rei re- co­nhe­ci­do de Leão e Cas­te­la.

Res­pon­den­do às ne­go­ci­a­ções, João I en­vi­ou, de Za­mo­ra, uma embaixada de ca­va­lei­ros à cor­te de João de Gante, ago­ra em Ou­ren­se. Os em­bai­xa­do­res le­va­vam uma pro­pos­ta do rei: o ca­sa­men­to do seu her­dei­ro com Catarina de Len­cas­tre, fi­lha de João de Gante e Cons­tan­ça. In­de­pen­den­te­men­te do res­pei­to aos acor­dos com Por­tu­gal e das su­as ex­pec­ta­ti­vas fa­ce a uma vi­tó­ria so­bre Cas­te­la, Gante to­mou uma po­si­ção am­bí­gua, re­me­ten­do uma res­pos­ta fi­nal pa­ra mais tar­de.

O ca­sa­men­to de D. João I

Lo­go após as ne­go­ci­a­ções fa­lha­das com os em­bai­xa­do­res de Cas­te­la, João de Gante re­ce­beu na sua cor­te, em ou­tu­bro de 1386, uma de­le­ga­ção por­tu­gue­sa, che­fi­a­da pe­lo ve­lho chan­ce­ler Lourenço Anes Fo­ga­ça. O en­con­tro di­plo­má­ti­co ti­nha co­mo prin­ci­pal fi­na­li­da­de a pre­pa­ra­ção de um en­con­tro en­tre D. João I de Por­tu­gal e o du­que de Len­cas­tre. Ao mes­mo tem­po, Gante pro­me­tia a D. João I a mão de uma das su­as fi­lhas, Fi­li­pa ou Catarina. As­sim, no fi­nal de ou­tu­bro de 1386 che­ga­ram à pe­que­na lo­ca­li­da­de de Pon­te de Mou­ro, Mel­ga­ço, o du­que de Len­cas­tre e a sua co­mi­ti­va. Lo­go de­pois, no pri­mei­ro dia de no­vem­bro, ido da ci­da­de do Por­to, che­ga­va o rei de Por­tu­gal, acom­pa­nha­do por dois mil ho­mens, qua­se to­dos mem­bros da Or­dem de Avis. O ce­ná­rio era de pom­pa mi­li­tar: os frei­res, com as su­as tú­ni­cas bran­cas, cruzadas com a in­síg­nia de São Jor­ge, en­tra­ram em Pon­te de Mou­ro jun­ta­men­te com o exér­ci­to de Nuno Ál­va­res Pereira, que se ha­via reu­ni­do com D. João I em Pon­te da Bar­ca.

O en­con­tro en­tre Gante e D. João I re­a­li­zou- se em ple­no acam­pa­men­to mi­li­tar, on­de se or­ga­ni­zou um ban­que­te. No dia se­guin­te, 2 de no­vem­bro, foi le­van­ta­da a ten­da re­al de Cas­te­la que D. João ha­via cap­tu­ra­do em Al­ju­bar­ro­ta. Nes­se es­pa­ço sim­bó­li­co, evo­ca­ti­vo da vi­tó­ria so­bre o ini­mi­go co­mum, os dois ho­mens ne­go­ci­a­ram os ter­mos de apoio mú­tuo. O du­que de Len­cas­tre re­no­va­va os pac­tos de ali­an­ça e re­qui­si­ta­va apoio mi­li­tar do rei de Por­tu­gal, pa­ra po­der fa­zer um in­va­são con­jun­ta a Leão e Cas­te­la. O rei de Por­tu­gal pro­me­tia o au­xí­lio de cin­co mil ho­mens pa­ra a in­va­são. Co­mo for­ma de fir­mar os acor­dos, foi tra­ta­do o ca­sa­men­to de D. João I.

Fi­li­pa de Len­cas­tre ti­nha 27 ou 28 anos, o que, no qua­dro das po­lí­ti­cas e prá­ti­cas ma­tri­mo­ni­ais do sé­cu­lo XIV, era já uma ida­de avan­ça­da. Catarina era uma in­fan­ta com ape­nas 13 anos, mais pró­xi­ma da fai­xa etá­ria tra­di­ci­o­nal das rai­nhas nu­ben­tes. A al­ta ta­xa de mor­ta­li­da­de, no­me­a­da­men­te no par­to, e a bai­xa es­pe­ran­ça de vi­da da épo­ca su­ge­ri­ri­am que, pa­ra ga­ran­tir mai­or se­gu­ran­ça na ges­ta­ção de descendência, fun­da­men­tal pa­ra a no­va di­nas­tia, a in­fan­ta Catarina de Len­cas­tre se­ria a es­co­lha mais cer­ta. Con­tu­do, D. João I op­tou por acor­dar o ma­tri­mó­nio com Fi­li­pa. Fi­li­pa era fi­lha da du­que­sa Bran­ca de Len­cas­tre, en­quan­to Catarina era fi­lha de Cons­tan­ça e ne­ta do rei Pe­dro I, o Cru­el, o que, por ques­tões de di­rei­to di­nás­ti­co, fa­zia de­la pre­ten­den­te di­re­ta à co­roa de Cas­te­la. Na­da con­vi­nha, à no­vís­si­ma ca­sa de Avis, ge­rar descendência de li­nha­gem cas­te­lha­na.

Por­tan­to, a pro­mes­sa de ca­sa­men­to en­tre D. João I e Fi­li­pa de Len­cas­tre con­fir­mou os pro­to­co­los da ali­an­ça com In­gla­ter­ra. No en­tan­to, o rei por­tu­guês era ain­da mes­tre da Or­dem de Avis, por tal su­jei­to a vo­to de cas­ti­da­de. En­quan­to is­so não foi re­sol­vi­do, Fi­li­pa fi­cou re­co­lhi­da no Con­ven­to de São Fran­cis­co, no Por­to. O ques­tão da dis­pen­sa pa­pal atra­sou o ca­sa­men­to. Pa­ra com­pli­car a si­tu­a­ção, a Qu­a­res­ma apro­xi­ma­va- se, o que adiaria ain­da mais o en­la­ce. Mas mo­ve­ram-se as in­fluên­ci­as ne­ces­sá­ri­as, e os noi­vos fo­ram apre­sen­ta­dos e re­ce­be­ram as bên­çãos na Sé do Por­to, a 2 de fe­ve­rei­ro de 1387. Du­as se­ma­nas de­pois, no dia de São Va­len­tim, era ce­le­bra­do o ca­sa­men­to, en­tre gran­de pom­pa e fes­ta po­pu­lar, que du­rou se­ma­nas. Só em mar­ço rei e rai­nha se­gui­ram pa­ra nor­te, pa­ra se jun­ta­rem a João de Gante e Cons­tan­ça, que os aguar­da­vam em Ba­be, Bra­gan­ça.

A der­ra­dei­ra in­ves­ti­da

Gante con­cen­tra­ra em Trás-os-mon­tes, jun­to à fron­tei­ra, o que res­ta­va do seu exér­ci­to ori­gi­nal, cer­ca de 1200 ho­mens. Mon­ta­ra um acam­pa­men­to mi­li­tar on­de aguar­da­va os efe­ti­vos do gen­ro e do con­des­tá­vel Nuno Ál­va­res Pereira, no­ve a dez mil tro­pas por­tu­gue­sas (qua­se du­pli­can­do o con­tin­gen­te pro­me­ti­do em Pon­te de Mou­ro). D. João e D. Fi­li­pa che­ga­ram a Bra­gan­ça pe­lo dia 20 de mar­ço, al­tu­ra em que João de Cas­te­la es­ta­va can­sa­do de sa-

ber da in­va­são imi­nen­te, do­cu­men­tos há a ates­tá-lo.

Quan­do, a 28 ou 29 de mar­ço, os exér­ci­tos atra­ves­sa­ram a fron­tei­ra le­o­ne­sa, cru­zan­do o Rio Ma­çãs. D. João I pre­ten­deu entregar o co­man­do da van­guar­da ao so­gro, mas aca­bou por não o fa­zer, en­tre­gan­do a che­fia a Nuno Ál­va­res Pereira. Gante es­pe­ra­va uma vi­tó­ria rá­pi­da e uma acla­ma­ção ful­gu­ran­te em ter­ri­tó­rio cas­te­lo-le­o­nês. Os exér­ci­tos avan­ça­ram, ten­ta­ram sem êxi­to to­mar Be­na­ven­te, e , pro­cu­ran­do um ca­mi­nho al­ter­na­ti­vo pa­ra Leão, pas­sa­ram por Val­de­ras, ci­da­de que caiu. D. João I ofe­re­ceu a pri­ma­zia do sa­que ao exér­ci­to in­glês, não sem an­tes Nuno Ál­va­res Pereira ter re­ti­ra­do os mo­ra­do­res pa­ra uma dis­tân­cia se­gu­ra dos in­gle­ses. Foi no epi­só­dio do sa­que de Val­de­ras que se re­gis­tou o pri­mei­ro mo­men­to de ten­são en­tre os dois exér­ci­tos ali­a­dos. Os por­tu­gue­ses de­ve­ri­am dar pri­ma­zia aos in­gle­ses, pa­ra de­pois bus­ca­rem na ci­da­de o seu pró­prio sa­que, mas só en­tra­ram a pi­lhar a ci­da­de an­tes do tem­po, co­mo rou­ba­ram o que os in­gle­ses le­va­vam com eles. O rei por­tu­guês aca­bou por pu­nir com as pró­pri­as mãos al­guns dos seus sol­da­dos, mas a fric­ção en­tre exér­ci­tos es­ta­va ins­ta­la­da. Além dis­so, co­me­ça­ram a emer­gir os pri­mei­ros sur­tos de pes­te e di­sen­te­ria no exér­ci­to in­glês. Sem ru­mo bem de­fi­ni­do, os exér­ci­tos fo­ram mar­chan­do e ob­ten­do vi­tó­ri­as ir­re­le­van­tes em po­vo­a­dos por que pas­sa­vam. O rei de Cas­te­la se­guia a es­tra­té­gia que apren­de­ra com o pai: evi­tou o con­fron­to di­re­to e dei­xou que a pes­te, a di­sen­te­ria, a fo­me e o de­ses­pe­ro do­mi­nas­sem os sol­da­dos ini­mi­gos.

Diz- nos o cro­nis­ta Tho­mas Wal­singham­que quan­do D. João con­fron­tou o du­que de Len­cas­tre com a ne­ces­si­da­de de aban­do­na­rem a cam­pa­nha, es­te te­rá des­mon­ta­do do seu ca­va­lo co­me­çou a so­lu­çar. O ca­so não era pa­ra me­nos, o seu exér­ci­to es­ta­va mi­na­do. Vá­ri­os dos seus prin­ci­pais ca­va­lei­ros ti­nham mor­ri­do sem se­quer com­ba­te­rem, e os por­tu­gue­ses, seus ali­a­dos, tam­bém não en­con­tra­vam mais mo­ti­vos pa­ra lu­tar. Qua­se 15 anos de­pois do fa­lhan­ço da mar­cha de 1373, en­tre Ca­lais e Bor­déus, o du­que de Len­cas­tre vol­ta­va a sen­tir uma der­ro­ta se­me­lhan­te, só que des­ta vez, agra­van­do a si­tu­a­ção, ti­nha ex­pos­to a to­dos aque­les pe­ri­gos e ve­xa­ções a sua pró­pria mu­lher e fi­lha, que, de­am­bu­lan­do com os exér- ci­tos em mar­cha, as­sis­ti­am à der­ro­ca­da do ob­je­ti­vo ibé­ri­co.

Fi­nal­men­te con­ven­ci­do a aban­do­nar a cam­pa­nha, Len­cas­tre con­cor­dou com D. João I em re­gres­sar a Por­tu­gal. O per­cur­so de re­ti­ra­da se­ria di­fe­ren­te do da in­va­são. O pla­no era atra­ves­sar o Tor­mes, jun­to a Sa­la­man­ca, e atra­ves­sar a fron­tei­ra por Ciu­dad Ro­dri­go. Na mar­cha de re­gres­so, o exér­ci­to por­tu­guês ain­da foi ata­ca­do pe­los ho­mens do in­fan­te D. João, fi­lho de Inês de Cas­tro e meio- ir­mão de D. João I, ago­ra ali­a­do do rei de Cas­te­la.

Um ca­sa­men­to e 47 mu­las com ou­ro

Ape­sar das ten­sões, a re­ti­ra­da dos dois exér­ci­tos aca­bou por ame­ni­zar a si­tu­a­ção. Em ju­nho, de­pois de pas­sa­rem por Almeida, Nuno Ál­va­res Pereira des­mo­bi­li­zou os seus ho­mens e ru­mou so­zi­nho pa­ra Évo­ra. Len­cas­tre e D. João se­gui­ram pa­ra Trancoso. Aí, na vi­la mu­ra­lha­da, o du­que ins­ta­lou- se com a fa­mí­lia e en­vi­ou emis­sá­ri­os a con­tac­tar João de Cas­te­la, pa­ra ini­ci­ar o pro­ces­so de ne­go­ci­a­ções de paz. D. João I, cum­prin­do uma pro­mes­sa que fizera, par­tiu pa­ra fa­zer uma ro­ma­gem a pé até San­ta Ma­ria de Oli­vei­ra, em Guimarães.

Re­com­pos­to da der­ro­ta, o du­que de Len­cas­tre re­ce­beu, ain­da em Trancoso, no ve­rão de 1387, os le­ga­dos de João de Cas­te­la. A pri­mei­ra alí­nea do acor­do de paz era a re­nún­cia, por Gante e Cons­tan­ça, a qual­quer in­ten­ção de re­cla­ma­rem o tro­no de Leão e Cas­te­la e o com­pro­mis­so de entregar to­das as pos­ses­sões con­quis­ta­das na Ga­li­za. Ou­tra das exi­gên­ci­as era a ve­lha pro­pos­ta apre­sen­ta­da em Ou­ren­se, um ano an­tes: o ca­sa­men­to da in­fan­ta Do­na Catarina com o prín­ci­pe her­dei­ro de Cas­te­la, o in­fan­te D. Hen­ri­que. Com o Tra­ta­do de Trancoso, João de Cas­te­la con­se­guia unir a li­nha­gem de Tras­tâ­ma­ra à ve­lha di­nas­tia de Bor­go­nha, re­pre­sen­ta­da por Catarina. Co­mo con­tra­par­ti­da, Gante exi­giu que vá­ri­as ci­da­des e res­pe­ti­vas ren­das fos­sem do­a­das à fi­lha, bem co­mo uma enor­me quan­tia de dinheiro pa­ra ele e Cons­tan­ça: 600 mil fran­cos de ou­ro de uma vez, e 40 mil fran­cos anu­ais até à sua mor­te.

As úl­ti­mas se­ma­nas do du­que de Len­cas­tre em Por­tu­gal, en­tre se­tem­bro e ou­tu­bro de 1387, es­tão en­vol­tas em al­gu­ma po­lé­mi­ca. As crónicas re­fe­rem uma ten­ta­ti­va de en­ve­ne­na­men­to do du­que, por um cas­te­lha­no, mas o te­ma mais de­li­ca­do é le­van­ta­do por Aya­la, que apre­sen­ta vá­ri­as ra­zões pa­ra uma se­pa­ra­ção amar­ga en­tre D. João I e João de Gante (ques­tões de pa­ga­men­to de sol­dos, ques­ti­o­na­men­to pe­lo du­que da le­gi­ti­mi­da­de do ca­sa­men­to da fi­lha mais ve­lha, etc.). Fer­não Lo­pes dá ou­tra vi­são, pro­cu­ran­do, es­cla­re­cer (ou re­es­cre­ver) a me­mó­ria dos acon­te­ci­men­tos e dos seus pro­ta­go­nis­tas. Num ca­pí­tu­lo em que dá res­pos­ta a al­gu­mas ra­zões que um his­to­ri­a­dor pôs em sua cró­ni­ca, di­re­ci­o­na­do sem dú­vi­da al­gu­ma pa­ra o tex­to de Aya­la, Lo­pes ne­ga ter exis­ti­do qual­quer ti­po de ten­são en­tre João de Gante e D. João I. É des­se ca­pí­tu­lo a cé­le­bre e re­dun­dan­te ex­pres­são do cro­nis­ta de Avis: is­to não so­men­te é fal­so e de to­do con­tra a ver­da­de, mas ain­da é cla­ra men­ti­ra.

Em ou­tu­bro de 1387, Gante par­tiu pa­ra o Por­to, on­de em­bar­cou pa­ra Bayon­ne, na Bre­ta­nha. Foi aí, em agos­to do ano se­guin­te, que o Tra­ta­do de Trancoso foi re­vis­to e ra­ti­fi­ca­do. En­tão, o du­que de Len­cas­tre en­tre­gou a

João de Cas­te­la a co­roa que o so­bri­nho lhe de­ra e que usa­ra em San­ti­a­go de Com­pos­te­la. Foi tam­bém en­tão que re­ce­beu o pri­mei­ro pa­ga­men­to cas­te­lha­no, trans­por­ta­do em 47 mu­las car­re­ga­das de ou­ro. João de Gante e João de Cas­te­la nun­ca se en­con­tra­ram pes­so­al­men­te.

O le­ga­do de Len­cas­tre

João de Gante ha­ve­ria de re­gres­sar da Aqui­tâ­nia a In­gla­ter­ra em 1389, cha­ma­do à cor­te num mo­men­to par­ti­cu­lar­men­te di­fí­cil do rei­na­do de Ri­car­do II, com du­as fa­ções a dis­pu­tar o po­der. Por um la­do, um gru­po de jo­vens aris­to­cra­tas, en­tre os qu­ais Ro­bert de Ve­re, ba­ju­la­do­res do jo­vem Ri­car­do, exer­ci­am gran­de in­fluên­cia po­lí­ti­ca jun­to da co­roa (Wal­singham che­ga a re­fe­rir que De Ve­re man­ti­nha uma re­la­ção ho­mos­se­xu­al com Ri­car­do). Por ou­tro la­do, uma fa­ção mais con­ser­va­do­ra da ve­lha no­bre­za pro­cu­rou do­mi­nar o po­der. O gru­po con­ser­va­dor, li­de­ra­do por To­más de Wo­ods­tock, ir­mão mais no­vo de Gante, aca­ba­ria por se im­por, pro- cu­ran­do mo­ra­li­zar a cor­te. Ro­bert de Ve­re fu­giu pa­ra a Flan­dres, on­de mor­reu, em 1392. En­tre­tan­to, a tré­gua com Fran­ça es­ta­va a ex­pi­rar, e o es­pec­tro da guer­ra vol­ta­va a pai­rar so­bre os in­gle­ses. Foi nes­se con­tex­to que o du­que de Len­cas­tre foi cha­ma­do à cor­te, pa­ra sa­nar a si­tu­a­ção.

Gante exer­cia um po­der mui­to for­te jun­to do rei, e a sua pre­sen­ça em Lon­dres, nes­ta fa­se, te­ve o efei­to pre­ten­di­do. Ri­car­do con­cen­trou-se na de­fe­sa dos in­te­res­ses de In­gla­ter­ra, no­me­a­da­men­te nas ne­go­ci­a­ções de paz com a Fran­ça. Em 1390 aca­bou por no­me­ar o tio co­mo du­que da Aqui­tâ­nia e, no ano se­guin­te, se­ria o pró­prio Par­la­men­to a in­di­car o du­que co­mo em­bai­xa­dor da paz jun­to de Fran­ça. O pro­ces­so aca­ba­ria por ser um su­ces­so: Gante con­se­guiu uma re­no­va­ção das tré­guas lo­go em 1392. No âm­bi­to do pro­to­co­lo, foi ex­pos­ta a ne­ces­si­da­de de os rei­nos ca­tó­li­cos se uni­rem pa­ra tra­var as in­ves­ti­das ca­da vez mais in­ten­sas do Im­pé­rio Oto­ma­no, nas cos­tas do Mar Ne­gro. Co­mo es­ta­dos ful­crais, Fran­ça e In­gla- ter­ra de­ram as mãos, jun­ta­men­te com a Es­có­cia, a Hun­gria, o Sa­cro Im­pé­rio e as re­pú­bli­cas ita­li­a­nas, e pre­pa­ram uma cru­za­da con­tra os Oto­ma­nos. O con­fron­to aca­ba­ria por re­dun­dar na Ba­ta­lha de Ni­có­po­lis, em 1396, com uma der­ro­ta es­tron­do­sa pa­ra a co­li­ga­ção cris­tã.

Ain­da an­tes da der­ro­ta de Ni­có­po­lis, o com­por­ta­men­to de Ri­car­do II re­co­me­ça­ra a dar no­vos in­dí­ci­os pre­o­cu­pan­tes. Em 1395, man­dou tras­la­dar pa­ra In­gla­ter­ra o ca­dá­ver em­bal­sa­ma­do de Ro­bert de Ve­re, que mor­re­ra na Flan­dres três anos an­tes. O cor­po de De Ve­re foi ve­la­do em Lon­dres em câ­ma­ra- ar­den­te, nu­ma ur­na aber­ta, pa­ra que Ri­car­do pu­des­se bei­jar a fa­ce do mor­to, em fren­te àque­les que, anos an­tes, o ha­vi­am per­se­gui­do. No ano se­guin­te, o rei co­me­çou a per­se­guir e pren­der os lor­des que se ha­vi­am im­pos­to an­te­ri­or­men­te. Em 1397, o ar­ce­bis­po de Can­tuá­ria foi con­de­na­do ao exí­lio e o seu ir­mão exe­cu­ta­do. Ain­da nes­se mes­mo ano, o pró­prio tio, To­más de Wo­ods­tock foi de­ti­do e exe­cu­ta­do.

Hen­ri­que de Bo­ling­bro­ke, fi­lho de Gante, foi ex­pul­so do rei­no em 1398.

Nes­te con­tex­to, João de Gante, que após a mor­te de Cons­tan­ça, em 1394, ain­da ca­sa­ra no­va­men­te, des­ta vez com a sua eter­na aman­te, Kathe­ri­ne Swyn­ford, ir­mã de Chau­cer, man­ti­ve­ra-se sem­pre em In­gla­ter­ra, pró­xi­mo de Ri­car­do II. O seu ob­je­ti­vo se­ria as­se­gu­rar a paz a qual­quer cus­to, ou ape­nas uma ques­tão de le­al­da­de pa­ra com aque­le que, pa­ra to­dos os efei­tos era o rei de In­gla­ter­ra e seu so­bri­nho? Es­ta­ria can­sa­do das dis­pu­tas in­ter­nas? Aguar­da­ria um mo­men­to mais opor­tu­no pa­ra po­der re­gres­sar aos pal­cos do po­der?

Na re­a­li­da­de, Gante es­ta­va do­en­te. Em 1398, a 3 de fe­ve­rei­ro, man­dou di­tar e se­lar o seu lon­go tes­ta­men­to.mor­reu exa­ta­men­te um ano de­pois. Ti­nha 58 anos. De acor­do com a sua von­ta­de ex­pres­sa, o seu cor­po foi ve­la­do na Ca­te­dral de São Pau­lo du­ran­te 40 di­as. Ex­pon­do, co­mo an­te­ri­or­men­te já man­da­ra fa­zer o seu ir­mão Edu­ar­do, o Prín­ci­pe Ne­gro, a de­com­po­si­ção da car­ne, co­mo sím­bo­lo, a re­cor­dar aos vi­vos a sua ine­xo­rá­vel de­ca­dên­cia. Após o lon­go ve­ló­rio, foi se­pul­ta­do no tú­mu­lo com du­plo ja­cen­te que man­da­ra cons­truir na Ca­te­dral de São Pau­lo, 25 anos an­tes, pa­ra a pri­mei­ra mu­lher, a du­que­sa Bran­ca de Len­cas­tre.

Após os fu­ne­rais do du­que, as ten­sões po­lí­ti­cas em In­gla­ter­ra pre­ci­pi­ta­ram- se. Ri­car­do con­fis­cou to­das as pro­pri­e­da­des que Hen­ri­que de Bo­ling­bro­ke her­da­ra. Co­mo re­fe­ri­mos, o fi­lho de Gante es­ta­va exi­la­do. Não pu­de­ra acom­pa­nhar o pai, nos úl­ti­mos di­as de vi­da, nem se­quer as­sis­tir às ce­ri­mó­ni­as fú­ne­bres. Re­a­gin­do à afron­ta de Ri­car­do II, Hen­ri­que reu­niu um pe­que­no exér­ci­to e ou­tros apoi­os, en­tre os qu­ais o do des­ti­tuí­do ar­ce­bis­po de Can­tuá­ria, e de­sem­bar­cou em In­gla­ter­ra. Em pou­cos me­ses, Bo­ling­bro­ke pren­dia Ri­car­do II. Em ou­tu­bro de 1399, o fi­lho mais ve­lho de João de Gante era co­ro­a­do co­mo Hen­ri­que IV, rei de In­gla­ter­ra. De­ti­do na Tor­re de Lon­dres, Ri­car­do II aca­ba­ria por mor­rer, mui­to pro­va­vel­men­te de fo­me, qua­tro me­ses de­pois.

Em Cas­te­la, o le­ga­do de Gante foi a descendência, por via de Catarina, na li­nha­gem dos Tras­tâ­ma­ras. Os des­cen­den­tes em Leão e Cas­te­la, João II e Hen­ri­que IV de­ram cor­po a mais uma di­nas­tia do­en­te e in­ca­paz. Os Tras­tâ­ma­ras se­ri­am subs­ti­tuí­dos pe­los Reis Ca­tó­li­cos e a sua con­tras­tan­te fér­rea von­ta­de Na Ga­li­za, on­de Gante fo­ra, de fac­to, rei du­ran­te cer­ca de 10 me­ses, a si­tu­a­ção não foi mais ani­ma­do­ra. Após uma cam­pa­nha mui­to bre­ve de D. João I de Por­tu­gal so­bre Tui, em 1390, a Ga­li­za foi sen­do pau­la­ti­na­men­te per­den­do o in­te­res­se dos po­de­res cen­trais.

Em Por­tu­gal, o le­ga­do de Len­cas­tre, pro­ta­go­ni­za­do pe­los fi­lhos de Do­na Fi­li­pa e de D. João I, tam­bém es­tá en­vol­to em al­gum con­fli­to e disputa pe­lo po­der. Re­cor­de­mos, por exem­plo, a ques­tão do in­fan­te D. Pe­dro na lu­ta pe­la re­gên­cia e a sua der­ro­ta em Al­far­ro­bei­ra. To­da­via, mes­mo con­si­de­ran­do o rei­na­do cur­to de D. Du­ar­te, os prín­ci­pes de Avis, de um mo­do ge­ral, pa­re­cem ter re­pre­sen­ta­do não a de­ca­dên­cia da di­nas­tia – co­mo ocor­reu em In­gla­ter­ra e em Cas­te­la com os her­dei­ros de Gante – mas o co­me­ço de uma no­va con­jun­tu­ra. Con­jun­tu­ra que vi­ria a mol­dar o mun­do de um mo­do ir­re­ver­sí­vel. Re­fe­ri­mo-nos à ex­pan­são ul­tra­ma­ri­na, o le­ga­do mais evo­ca­do da cha­ma­da Ínclita Ge­ra­ção, des­cen­den­te di­re­ta de João de Gante.

O du­que de Len­cas­tre, em bai­xo, ao cen­tro, fi­gu­ra cen­tral de uma com­ple­xa ge­ne­a­lo­gia de po­der

Re­tra­to de Gante fei­to em fi­nais do sé­cu­lo XVI, tal­vez ins­pi­ra­do na efí­gie tu­mu­lar do du­que

Ar­mas de Gante (vi­tral). A flor de lis tra­duz as as­pi­ra­ções em Fran­ça.

Vá­ri­as re­pre­sen­ta­ções do rei de In­gla­ter­ra Edu­ar­do III Plan­ta­ge­ne­ta, pai de Gante

Edu­ar­do de Wo­ods­tock, o Prín­ci­pe Ne­gro

Pe­dro I (es­quer­da) e Hen­ri­que II (Tras­tâ­ma­ra), ir­mãos que lu­ta­ram pe­lo tro­no de Cas­te­la e Leão até o se­gun­do ma­tar o pri­mei­ro

Ta­gil­de (Vi­ze­la): lá­pi­de evo­ca­ti­va do pri­mei­ro tra­ta­do de ali­an­ça en­tre Por­tu­gal e In­gla­ter­ra

Mi­ni­a­tu­ra re­pre­sen­tan­do cer­co a Ca­lais, que os in­gle­ses con­tro­la­ram du­ran­te 200 anos

Ri­car­do II a ne­go­ci­ar com os re­vol­to­sos de 1381 Per­ga­mi­nho com a aber­tu­ra do Bom Par­la­men­to (1376)

D. Fer­nan­do, úl­ti­mo rei da pri­mei­ra di­nas­tia por­tu­gue­sa, re­ce­ben­do in­gle­ses em Lis­boa Co­ro­a­ção do papa Gre­gó­rio XI por Guy de Bou­log­ne

Re­pre­sen­ta­ção ar­tís­ti­ca da mor­te de João Fer­nan­des An­dei­ro às mãos do mes­tre de Avis

Re­pre­sen­ta­ção do mo­men­to em que um men­sa­gei­ro de D. João I, no­vo rei de Por­tu­gal, en­tre­ga car­ta a João de Gante Con­fe­rên­cia de Pon­te de Mou­ro, jun­tan­do D. João I e o fu­tu­ro so­gro, o du­que de Len­cas­tre

Al­ju­bar­ro­ta: mi­ni­a­tu­ra mos­tran­do co­mo as tro­pas lu­so-in­gle­sas ven­ce­ram as cas­te­lha­nas

Ca­sa­men­to de D. João I e Fi­li­pa de Len­cas­tre, re­a­li­za­do a 14 de fe­ve­rei­ro de 1387, na Sé do Por­to

João de Gante re­ce­be car­ta pe­la mão do men­sa­gei­ro de D. João I,

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.