Co­mo os li­be­rais de 1820 ele­ge­ram as cor­tes

Cin­co me­ses vol­vi­dos so­bre a re­vo­lu­ção de agos­to de 1820 es­ta­vam já ins­ta­la­das as Cor­tes que da­ri­am a Por­tu­gal a sua pri­mei­ra Cons­ti­tui­ção

JN História - - A Abrir - Tex­tos de Vi­tal Mo­rei­ra Uni­ver­si­da­de Lu­sía­da – Nor­te / Uni­ver­si­da­de de Coim­bra e Jo­sé Do­min­gues Uni­ver­si­da­de Lu­sía­da – Nor­te

No dia 24 de agos­to de 1820, no Por­to, co­me­çou a mo­der­na era po­lí­ti­co-cons­ti­tu­ci­o­nal por­tu­gue­sa. Des­de es­se dia, a ne­ces­si­da­de de uma as­sem­bleia re­pre­sen­ta­ti­va pas­sou a ocu­par um lu­gar cen­tral no sis­te­ma po­lí­ti­co na­ci­o­nal. De fac­to, uma das prin­ci­pais am­bi­ções do cons­ti­tu­ci­o­na­lis­mo era o “go­ver­no re­pre­sen­ta­ti­vo”, o po­der po­lí­ti­co ba­se­a­do no “con­sen­ti­men­to dos ci­da­dãos”, por opo­si­ção ao ab­so­lu­tis­mo.

E nem se­quer se­ria ne­ces­sá­rio cri­ar uma ins­ti­tui­ção de raiz, uma vez que Por­tu­gal ti­nha ti­do uma das mais an­ti­gas tra­di­ções de re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de po­lí­ti­ca da Eu­ro­pa: des­de as Cor­tes de Lei­ria de 1254, pe­lo me­nos, que es­tá do­cu­men­ta­da a par­ti­ci­pa­ção de re­pre­sen­tan­tes do po­vo em Cor­tes, a par dos re­pre­sen­tan­tes do cle­ro e da no­bre­za. Por is­so, a pri­mei­ra ideia, há 200 anos, foi a de “res­sus­ci­tar” as Cor­tes tra­di­ci­o­nais por­tu­gue­sas, que não eram con­vo­ca­das ha­via 123 anos (des­de 1697, em Lis­boa). Ain­da se fi­ze­ram di­li­gên­ci­as nes­se sen­ti­do – a con­vo­ca­tó­ria de 9 de se­tem­bro de 1820 con­vo­ca os três “es­ta­dos” do rei­no ( cle­ro, no­bre­za e po­vo) pa­ra as Cor­tes a re­a­li­zar em 15 de no­vem­bro de 1820 –, mas ra­pi­da­men­te se che­gou à con­clu­são de que os no­vos tem­pos não se com­pa­de­ci­am com “res­sus­ci­tar as an­ti­qua­das for­mas do feu­da­lis­mo e um vão si­mu­la­cro de Cor­tes”.

Do­ra­van­te, a no­va re­pre­sen­ta­ção po­lí­ti­ca dei­xa­ria de con­fe­rir re­pre­sen­ta­ção pró­pria à no­bre­za e ao cle­ro, pas- san­do a re­pre­sen­tar to­da a po­pu­la­ção, sem dis­tin­ção de ca­te­go­ri­as so­ci­ais. Mas não foi por aca­so que se man­te­ve a an­ti­ga designação de “cor­tes” pa­ra a no­va as­sem­bleia re­pre­sen­ta­ti­va na­ci­o­nal, em ho­me­na­gem à an­ti­ga ins­ti­tui­ção que ca­rac­te­ri­zou a mo­nar­quia li­mi­ta­da an­te­ri­or ao ab­so­lu­tis­mo.

Aban­do­na­do o sis­te­ma de re­pre­sen­ta­ção tri­par­ti­da e o mé­to­do tra­di­ci­o­nal de con­vo­ca­tó­ria – ci­ta­ção di­re­ta e pes­so­al dos mem­bros do cle­ro e da no­bre­za; e en­vio de uma car­ta con­vo­ca­tó­ria ape­nas aos con­ce­lhos que ti­nham as­sen­to em Cor­tes (por fo­ral ou pri­vi­lé­gio) pa­ra ele­ge­rem re­pre­sen­tan­tes, se­gun­do um pro­ce­di­men­to elei­to­ral con­su­e­tu­di­ná­rio e não es­cri­to, as­sen­te na li­ber­da­de elei­to­ral con­ce­lhia –, te­ve que se pen­sar num no­vo mé­to­do elei­to­ral pa­ra a es­co­lha dos De­pu­ta­dos às Cor­tes, ade­qua­do à épo­ca e à for­ma dos go­ver­nos re­pre­sen­ta­ti­vos es­ta­be­le­ci­dos na Eu­ro­pa des­de as re­vo­lu­ções li­be­rais. Nes­se en­ca­de­a­men­to, sur­gi­ram as pri­mei­ras leis elei­to­rais de re­pre­sen­ta­ção po­lí­ti­ca na­ci­o­nal – a ní­vel lo­cal (mu­ni­ci­pal), a pri­mei­ra lei elei­to­ral es­cri­ta co­nhe­ci­da con­ti­nua a ser a lei dos pe­lou­ros, de 1391.

O pla­no le­gis­la­ti­vo de re­pre­sen­ta­ção na­ci­o­nal

Os jor­nais li­be­rais, o Juiz do Po­vo e a Ca­sa dos Vin­te e Qua­tro de Lis­boa rei­vin­di­ca­vam que a elei­ção dos de­pu­ta­dos às no­vas Cor­tes cons­ti­tuin­tes se de­via fa­zer pe­lo mé­to­do que es­ta­va de­ter­mi­na­do na Cons­ti­tui­ção es­pa­nho­la (Cons­ti­tui­ção de Cá­dis) de 1812.

A Jun­ta Pro­vi­si­o­nal Pre­pa­ra­tó­ria das Cor­tes ain­da ten­tou um “pla­no de re­pre­sen­ta­ção na­ci­o­nal” di­fe­ren­te do ga­di­ta­no, atra­vés das Ins­tru­ções elei­to­rais de 31 de ou­tu­bro de 1820. Es­se pri­mor­di­al mo­nu­men­to elei­to­ral fi­xa­va a com­po­si­ção das Cor­tes em 100 de­pu­ta­dos, re­par­ti­dos por 42 co­mar­cas plu­ri­no­mi­nais e uni­no­mi­nais, se­gun­do um mé­to­do de mai­o­ria re­la­ti­va a uma vol­ta; atra­vés de um su­frá­gio in­di­re­to em dois graus. Em pri­mei­ro grau, o vo­to era oral­men­te co­mu­ni­ca­do à me­sa e, em se­gun­do grau, o elei­tor de co­mar­ca es­cre­via o no­me do de­pu­ta­do nu­ma ti­ra de pa­pel que era lan­ça­da na ur­na. O di­rei­to de vo­to era re­co­nhe­ci­do a to­dos os che­fes de fa­mí­lia do­mi­ci­li­a­dos nos res­pe­ti­vos dis­tri­tos elei­to­rais (ci­da­des ou vi­las), ex­cluin­do os mem­bros das or­dens mo­nás­ti­cas e men­di­can­tes, os es­tran­gei­ros não na­tu­ra­li­za­dos, os in­ca­pa­ci­ta­dos e os cri­a­dos de ser­vir que não fos­sem che­fes de fa­mí­lia. Eram ele­gí­veis co­mo de­pu­ta­dos to­dos os que eram elei­to­res, mas re­co­men­dan­do-se que deviam pos­suir “a mai­or so­ma pos­sí­vel de co­nhe­ci­men­tos ci­en­tí­fi­cos, mei­os ho­nes­tos de sub­sis­tên­cia” e, sem­pre que pos­sí­vel, se­rem na­tu­rais ou do­mi­ci­liá­ri­os na co­mar­ca pe­la qual fos­sem elei­tos.

Mas, fa­ce a uma for­te re­a­ção ne­ga­ti­va, es­tas Ins­tru­ções não che­ga­ram a ser apli­ca­das, ten­do si­do subs­ti­tuí­das pe­las Ins­tru­ções elei­to­rais de 22 de no­vem­bro de 1820, que se­guem o mé­to­do da Cons­ti­tui­ção es­pa­nho­la, com es­cas­sas adap­ta­ções ao nos­so país. Foi man­ti­do o nú­me­ro de 100 De­pu­ta­dos pa­ra Por­tu­gal con­ti­nen­tal, re­par­ti­dos por 6 pro­vín­ci­as (Mi­nho, 25 de­pu­ta­dos; Trás-

Pros­se­guin­do a evo­ca­ção de dois sé­cu­los de cons­ti­tu­ci­o­na­lis­mo em Por­tu­gal, abor­da-se o mo­do co­mo, no se­gui­men­to da re­vo­lu­ção li­be­ral de 1820, a for­ma­ção de uma as­sem­bleia cons­ti­tuin­te foi, mais do que uma pri­o­ri­da­de, uma ver­da­dei­ra ur­gên­cia. Pa­ra os ho­mens de oi­to­cen­tos, abrir ao país as por­tas da con­tem­po­ra­nei­da­de im­pu­nha, tam­bém, um no­vo mo­do de es­co­lher quem iria re­pre­sen­tar os ci­da­dãos.

os-mon­tes, 9; Bei­ra, 29; Es­tre­ma­du­ra, 24; Alen­te­jo, 10; Al­gar­ve, 3), à pro­por­ção de um de­pu­ta­do por ca­da trin­ta mil al­mas, de acor­do com o cen­so po­pu­la­ci­o­nal de 1801. A ca­pa­ci­da­de elei­to­ral ati­va era atri­buí­da a to­dos os ho­mens mai­o­res de 25 anos, se­cu­la­res ou ecle­siás­ti­cos se­cu­la­res, ex­cluin­do- se os ecle­siás­ti­cos re­gu­la­res, tal co­mo a ca­pa­ci­da­de elei­to­ral pas­si­va, mas es­ta li­mi­ta­da pe­la im­po­si­ção de um vín­cu­lo de ter­ri­to­ri­a­li­da­de aos ele­gí­veis. Não se es­ta­be­le­ci­am re­qui­si­tos de li­te­ra­cia nem de pos­ses, quer pa­ra ser elei­tor quer pa­ra ser ele­gí­vel, o que con­fe­ria às elei­ções uma as­si­na­lá­vel ba­se de­mo­crá­ti­ca (des­con­ta­da a tra­di­ci­o­nal ex­clu­são das mu­lhe­res).

Em su­ma, o de­pu­ta­do às Cor­tes ti­nha de ser ci­da­dão, es­tar em exer­cí­cio dos seus di­rei­tos, ser mai­or de 25 anos, ter nas­ci­do na pro­vín­cia ou ser do­mi­ci­li­a­do ne­la com re­si­dên­cia de, pe­lo me­nos, se­te anos. Na­da obs­ta­va a que fos­sem elei­tos ho­mens de fo­ra das jun­tas de pro­vín­cia. Mas não po­di­am ser elei­tos pa­ra de­pu­ta­dos os con­se­lhei­ros de Es­ta­do, os em­pre­ga­dos da Ca­sa Re­al e os es­tran­gei­ros, ain­da que ti­ves­sem car­ta de ci­da­dão pas­sa­da pe­las Cor­tes; e ne­nhum fun­ci­o­ná­rio pú­bli­co, no­me­a­do pe­lo go­ver­no, po­de­ria ser elei­to de­pu­ta­do pe­la pro­vín­cia em que exer­ces­se as su­as fun­ções.

O su­frá­gio man­te­ve-se in­di­re­to, mas ago­ra a re­a­li­zar-se em qua­tro graus dis­tin­tos: elei­ção de “com­pro­mis­sá­ri­os” lo­cais, elei­ção de elei­to­res de pa­ró­quia, elei­ção de elei­to­res de co­mar­ca e, por úl­ti­mo, elei­ção dos de­pu­ta­dos às Cor­tes cons­ti­tuin­tes.

A re­a­li­za­ção das pri­mei­ras elei­ções li­be­rais

Pe­lo ex­pos­to, fa­cil­men­te se adi­vi­nha que es­ta­mos pe­ran­te um mé­to­do de elei­ção as­saz complexo, ema­ra­nha­do e, à épo­ca, de mui­to di­fí­cil im­ple­men­ta­ção prá­ti­ca em to­da a ex­ten­são do ter­ri­tó­rio por­tu­guês, tan­to ao ní­vel da me­tró­po­le co­mo das ilhas e dos ter­ri­tó­ri­os ul­tra­ma­ri­nos. A pro­pó­si­to da inex­pe­ri­ên­cia elei­to­ral do país, os jor­nais ofi­ci­ais da­vam o aler­ta: “Po­de­mos di­zer que es­te en­saio é a mais di­fí­cil ope­ra­ção do no­vo sis­te­ma cons­ti­tu­ci­o­nal que de­se­ja­mos es­ta­be­le­cer, por­que a pou­ca ex­pe­ri­ên­cia nos po­vos é na­tu­ral os po­nha em gran­de per­ple­xi­da­de so­bre a es­co­lha dos su­jei­tos mais ca­pa­zes pa­ra elei­to­res, dos qu­ais de­vem sair os de­pu­ta­dos da na­ção”.

Ma­lo­gra­da­men­te, ex­ce­tu­an­do es­cas­sos re­gis­tos im­pres­sos, os in­dí­ci­os con­cre­tos do pro­ce­di­men­to elei­to­ral de 1820 de­sa­pa­re­ce­ram na sua qua­se to­ta­li­da­de. E não te­rá si­do tan­to pe­la vo­ra­ci­da­de do tem­po ou in­cú­ria dos ar­qui­vos, mas so­bre­tu­do pe­los tem­pos re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os que se lhe se­gui­ram – por avi­so de 21 de agos­to de 1823, as câ­ma­ras do país es­ta­vam obri­ga­das a “as­par nos li­vros do seu ar­qui­vo to­dos os re­gis­tos dos do­cu­men­tos que obri­guem os ofi­ci­ais da mes­ma câ­ma­ra a pro­me­ter e ju­rar obe­di­ên­cia às ins­ti­tui­ções po­lí­ti­cas, opres­si­vas e ile­gais, fa­zen­do re­du­zir a cin­zas os ori­gi­nais don­de fo­ram ex­traí­dos tais tran­sun­tos” – e por­que che­gou a es­tar em vi­gor uma im­po­si­ção cons­ti­tu­ci­o­nal de se quei­ma­rem pu­bli­ca­men­te as lis­tas de vo­to (art. 56.º in fine, da Cons­ti­tui­ção de 1822).

O sis­te­ma elei­to­ral de 1820 – nu­ma épo­ca em que as des­lo­ca­ções eram di­fí­ceis, em que a in­for­ma­ção dos elei­to­res se con­fi­na­va ao ní­vel lo­cal e em que tam­bém não ha­via re­cen­se­a­men­to elei­to­ral pró­prio nem par­ti­dos po­lí­ti­cos –, es­ta­va pen­sa­do pa­ra, de for­ma gra­da­ti­va, se es­co­lhe­rem os mais idó­ne­os e ca­pa­zes pa­ra ar­car com a ta­re­fa ár­dua de re­pre­sen­ta­ção po­lí­ti­ca de to­da a na­ção. No en­tan­to, co­mo qual­quer sis­te­ma elei­to­ral, es­te­ve per­meá­vel às crí­ti­cas co­e­vas.

A co­me­çar pe­la di­fi­cul­da­de de se efe­tu­ar, em tão cur­to es­pa­ço de tem­po, a elei­ção dos “com­pro­mis­sá­ri­os” nas fre­gue­si­as de mai­or po­pu­la­ção, on­de ca­da elei­tor ti­nha que di­tar à me­sa os no­mes de 11, 21 ou 31 “com­pro­mis­sá­ri­os”. Che­gou a cal­cu­lar-se que “ain­da es­cre­ven­do-se por hora 240 no­mes e mo­ra­das, se­ri­am pre­ci­sas 10 ho­ras pa­ra es­cre­ver 2400 no­mes”. Em al­ter­na­ti­va, su­ge­riu-se que (i) ca­da elei­tor le­vas­se uma lis­ta com os res­pe­ti­vos no­mes, or­de­na­dos por or­dem al­fa­bé­ti­ca, e mo­ra­das dos “com­pro­mis­sá­ri­os” em que vo­ta­va; ( ii) o se­cre­tá­rio re­ce­be­ria as lis­tas as­si­na­das e o pá­ro­co con­fir­ma­ria a iden­ti­fi­ca­ção e re­si­dên­cia do elei­tor; (iii) a lis­ta se­ria nu­me­ra­da, por or­dem de en­tre­ga, re­gis­ta­da em li­vro pró­prio com o no­me do vo­tan­te e en­fi­a­da num cor­del. Des­te mo­do, fi­ca­ria “re­du­zi­do a 1/11, 1/21 e 1/31 o tem­po que se­ria pre­ci­so pa­ra fa­zer a ope­ra­ção das elei­ções dos com­pro­mis­sá­ri­os”. O es­cru­tí­nio tam­bém fi­ca­ria fa­ci­li­ta­do, pas­san­do a se­guir-se o mé­to­do tra­di­ci­o­nal de ( iv) co­lo­car uma li­nha em fren­te de ca­da ele­gí­vel e tra­ci­nhos con­for­me o seu no­me fos­se apa­re­cen­do nas lis­tas. Es­tas lis­tas ti­nham, ain­da, as van­ta­gens de evi­tar er­ros de es­cri­ta da me­sa e “de ser­vi­rem pa­ra, a to­do o tem­po, mos­trar em que su­jei­tos vo­tou es­ta ou aque­la pes­soa, pa­ra evi­tar frau­de, se aca­so se sus­pei­tar”. Não con­se­gui­mos apu­rar se es­te mé­to­do al­ter­na­ti­vo foi se­gui­do em al­gu­ma fre­gue­sia.

Na jun­ta elei­to­ral da co­mar­ca de Coim­bra foi apre­sen­ta­da uma me­mó­ria – da con­je­tu­rá­vel au­to­ria de Fran­cis­co Manuel Tri­go­so de Ara­gão Mo­ra­to – com al­gu­mas crí­ti­cas à no­me­a­ção do elei­tor ou elei­to­res da co­mar­ca im­pos­to pe­las Ins­tru­ções de 22 de no­vem­bro: (i) per­da de vo­tos – ten­do um elei­tor con­fi­an­ça em F., vo­ta pri­mei­ro ne­le e, co­mo não se­ja elei­to, vo­ta ou­tra vez ne­le; (ii) ain­da que mui­tos elei­to­res con­cor­dem em ele­ger o mes­mo in­di­ví­duo, ca­so to­dos ou a mai­or par­te se não ajus­tar em vo­tar ne­le, po­de nun­ca sair elei­to; (iii) com­bi­nan­do-se um gran­de nú­me­ro de elei­to­res pa­ra vo­tar em de­ter­mi­na­dos in­di­ví­du­os e por or­dem de­ter­mi­na­da, ob­te­rão que es­tes sem­pre en­trem em es­cru­tí­nio, tal­vez con­tra a von­ta­de da mai­o­ria. Pa­ra re­me­di­ar es­tes in­con­ve­ni­en­tes pro­pu­nha o au­tor da me­mó­ria que se di­vi­dis­se o ato elei­to­ral em dois graus, pri­mei­ro se­le­ci­o­nar-se-iam os elei­to­res ele­gí­veis atra­vés de uma vo­ta­ção por lis­ta e mai­o­ria re­la­ti­va, de­pois pro­ce­der- se- ia à elei­ção de­fi­ni­ti­va dos elei­to­res de co­mar­ca, por mai­o­ria ab­so­lu­ta, um após o ou­tro, por meio de bilhetes com o no­me es­cri­to da pes­soa que ca­da um ele­ge.

“(i) ca­da um dos elei­to­res vo­te com­pe­ten­te­men­te, por meio de uma lis­ta, em tan­tos in­di­ví­du­os quan­tos os que de­vem ser ele­gi­dos; (ii) es­tas lis­tas, de­pois de apu­ra­das, da­rão o mes­mo nú­me­ro de ele­gí­veis, com a plu­ra­li­da­de re­la­ti­va; (iii) fei­to is­to, pro­ce­de-se à vo­ta­ção con­for­me o art. 73.º das Ins­tru­ções, ten­do o pre­si­den­te o cui­da­do de con­vi­dar os elei­to­res a vo­tar so­bre um de­ter­mi­na­do da­que­les in­di­ví­du­os”.

Es­ta me­mó­ria foi pos­ta a vo­ta­ção em dois di­as con­se­cu­ti­vos – dia 16 e dia 17 de de­zem­bro –, sain­do apro­va­da em am­bas e, na úl­ti­ma, por uma lar­ga mai­o­ria, su­pe­ri­or a dois ter­ços dos vo­tan­tes – 161 vo­tos a fa­vor e 54 vo­tos con­tra. É crí­vel que na co­mar­ca de Coim­bra se te­nha se­gui­do es­ta me­to­do­lo­gia elei­to­ral, al­te­ran­do-se o sis­te­ma le­gal da lei elei­to­ral pa­ra cin­co graus. A ver­da­de é que ca­da jun­ta elei­to­ral ti­nha po­der pa­ra, sem re­cur­so, di­ri­mir con­fli­tos e de­ci­dir dú­vi­das e re­cla­ma­ções que lhe fos­sem pro­pos­tas.

O pro­ces­so elei­to­ral

Em vés­pe­ras de se ini­ci­ar o pro­ces­so elei­to­ral, que le­va­ria às Cor­tes cons­ti­tuin­tes, o “Cor­reio do Por­to” de 4 de de­zem­bro de 1820 di­ri­gia um ma­ni­fes­to aos por­tu­gue­ses, dan­do- lhes con­ta da im­por­tân­cia do que es­ta­ri­am pa­ra vi­ver: “É che­ga­do o mo­men­to em que ides exer­cer, pe­la vez pri­mei­ra, as fun­ções mais au­gus­tas das na­ções li­vres (…) As elei­ções, ca­ros com­pa­tri­o­tas, são a ba­se, são a pe­dra an­gu­lar des­te sis­te­ma”. O pro­ce­di­men­to co­me­ça­va com a con­vo­ca­tó­ria de to­dos os elei­to­res a com­pa­re­cer, no dia

apra­za­do, à igre­ja paroquial ou aos paços do con­ce­lho, pa­ra exer­ce­rem o seu di­rei­to de su­frá­gio.

No Por­to, no dia 3 de de­zem­bro, com pre­gão a to­que de cai­xas mi­li­ta­res, fo­ram afi­xa­dos em lu­ga­res pú­bli­cos da ci­da­de o edi­tal do juiz de fo­ra, Dou­tor Mi­guel Mar­tins de Deus Pereira de Me­lo, con­vo­can­do as se­te fre­gue­si­as da ci­da­de pa­ra – no dia 10, pe­las 8 ho­ras da ma­nhã – ele­ge­rem os res­pe­ti­vos “com­pro­mis­sá­ri­os” e elei­to­res, em con­for­mi­da­de com as Ins­tru­ções elei­to­rais de 22 de no­vem­bro. Em Lis­boa pro­ce­deu­se em con­for­mi­da­de e, no dia 4 de de­zem­bro, a Câ­ma­ra en­vi­ou um edi­tal a ca­da um dos pá­ro­cos, pa­ra ser afi­xa­do na porta das su­as igre­jas pa­ro­qui­ais, con­vo­can­do to­dos os ho­mens mai­o­res de 25 anos (se­cu­la­res ou ecle­siás­ti­cos se­cu­la­res) pa­ra as elei­ções do dia 10, pe­las 9 ho­ras da ma­nhã; no dia 9 de de­zem­bro, saiu um ban­do acom­pa­nha­do de to­das as mú­si­cas re­gi­men­tais, dis­tri­buin­do pe­los ha­bi­tan­tes da ci­da­de um edi­tal que exor­ta­va os elei­to­res a exer­cer o seu di­rei­to de vo­to: «Ama­dos com­pa­tri­o­tas! Vai ama­nhe­cer o dia que fa­rá a pri­mei­ra épo­ca da nos­sa his­tó­ria em que prin­ci­pi­am a ter efei­to os nos­sos es­for­ços pe­la li­ber­da­de na­ci­o­nal, en­tran­do na pos­se e uso dos nos­sos di­rei­tos in­di­vi­du­ais”.

O pro­ces­so elei­to­ral te­rá de­cor­ri­do nor­mal­men­te, pa­ri pas­su às Ins­tru­ções elei­to­rais ( com a ex­ce­ção as­si­na­la­da em Coim­bra). Ten­do em con­ta as for­ma­li­da­des im­pos­tas, o mais co­mum te­rá si­do que o es­cru­tí­nio de ca­da ato elei­to­ral não te­nha ter­mi­na­do no mes­mo dia das elei­ções – v. g., o ca­so do

Por­to: as elei­ções de pa­ró­quia co­me­ça­ram no dia 10 (do­min­go) e ter­mi­na­ram no dia se­guin­te (se­gun­da-fei­ra), a jun­ta elei­to­ral de co­mar­ca ini­ci­ou os seus tra­ba­lhos no dia 17 (do­min­go) e con­cluiu no dia 22 (sex­ta-fei­ra) de de­zem­bro, a jun­ta elei­to­ral da pro­vín­cia do Mi­nho reu­niu-se, pe­la pri­mei­ra vez, no dia 24 (do­min­go) e ter­mi­nou os tra­ba­lhos no dia 30 de de­zem­bro (sá­ba­do). No ca­so de Lis­boa: as elei­ções co­me­çam no dia 10 e os úl­ti­mos elei­to­res de pa­ró­quia fo­ram elei­tos no dia 15 (sex­ta­fei­ra), a elei­ção dos elei­to­res de co­mar­ca pa­ra Lis­boa e seu ter­mo, ini­ci­a­da no dia 17 (do­min­go) fi­cou con­cluí­da no dia 20 ( quar­ta- fei­ra), a jun­ta elei­to­ral da pro­vín­cia da Es­tre­ma­du­ra con­cluiu a elei­ção dos seus 24 de­pu­ta­dos às Cor­tes cons­ti­tuin­tes no dia 24 (do­min­go), por vol­ta das seis ho­ras da tar­de, e no dia 25 de de­zem­bro (se­gun­da) pro­ce­deu à elei­ção dos de­pu­ta­dos subs­ti­tu­tos ou su­ple­men­tá­ri­os, con­cluí­da pe­las du­as da tar­de.

As elei­ções te­rão si­do uma opor­tu­ni­da­de de ne­gó­cio pa­ra as ti­po­gra­fi­as, que re­sol­ve­ram im­pri­mir pan­fle­tos – al­guns che­ga­ram aos nos­sos di­as – com a lis­ta­gem dos no­mes dos elei­to­res e de­pu­ta­dos, que eram ven­di­das por ar­di­nas pe­la mó­di­ca quan­tia de 10 réis.

Em Coim­bra ocor­reu um dos pou­cos in­ci­den­tes que me­re­ce­ram re­gis­to: a ten­ta­ti­va frus­tra­da de afas­tar os es­tu­dan­tes da Uni­ver­si­da­de – cor­res­pon- den­tes a um uni­ver­so de cer­ca de 1500 elei­to­res – das elei­ções pri­má­ri­as de pa­ró­quia, com uma re­pre­sen­ta­ção di­ri­gi­da ao Go­ver­no Su­pre­mo, as­si­na­da por Almeida Gar­rett, que ter­mi­nou con­tes­tan­do ser “mui­to vil o pre­ço das le­tras pa­ra pa­gar os fo­ros de ci­da­dão”. Ou­tro in­ci­den­te ocor­reu na fre­gue­sia de São Ni­co­lau, em Lis­boa, quan­do no dia 14 de de­zem­bro um dos “com­pro­mis­sá­ri­os” elei­tos se te­rá re­cu­sa­do a com­pa­re­cer pa­ra, em jun­ta com os ou­tros “com­pro­mis­sá­ri­os”, se pro­ce­der à elei­ção dos elei­to­res da di­ta fre­gue­sia. Es­te in­ci­den­te deu ori­gem a um mo­tim po­pu­lar, em fren­te da ca­sa do “com­pro­mis­sá­rio” elei­to, que exi­giu a in­ter­ven­ção das for­ças po­li­ci­ais. Os con-

fron­tos vi­o­len­tos só fo­ram evi­ta­dos pe­la ação me­ri­tó­ria do sar­gen­to Ma­tos, da se­gun­da com­pa­nhia de ca­va­la­ria da po­lí­cia. Na ur­na da jun­ta de pro­vín­cia do Mi­nho, reunida na ci­da­de do Por­to, fo­ram co­lo­ca­das três car­tas fe­cha­das, mas a jun­ta de­li­be­rou que fos­sem quei­ma­das fe­cha­das co­mo es­ta­vam.

Con­cluí­mos com o “hi­no” de Jo­sé de Ar­ri­a­ga às elei­ções de de­zem­bro de 1820, so­bre a ge­nui­ni­da­de e es­pon­ta­nei­da­de do ato elei­to­ral de de­zem­bro de 1820, des­de lo­go por não ter es­ta­do su­jei­to às for­mas de pro­pa­gan­da e de ma­ni­pu­la­ção da opi­nião pú­bli­ca que mais tar­de ha­ve­ri­am de sur­gir:

“Nes­tas elei­ções, os elei­to­res não fo­ram as­sal­ta­dos por es­ses ban­dos de pre­ten­den­tes que se apre­sen­tam nas pra­ças pú­bli­cas a so­li­ci­tar pa­ra si os vo­tos dos seus con­ci­da­dãos, fa­zen­do-lhes pro­gra­mas pom­po­sos, en­ca­re­cen­do su­as pes­so­as, e ser­vi­ços, co­mo nas fei­ras o mer­ca­dor de bar­ra­ca, em ter­mos bom­bás­ti­cos, im­pin­ge aos fre­gue­ses su­as mer­ca­do­ri­as fal­sas e de con­tra­ban­do. Nin­guém se ofe­re­ceu às tur­bas pa­ra es­tas os es­co­lhe­rem pa­ra seus re­pre­sen­tan­tes, nin­guém ou­sou mos­trar­se co­mo o úni­co ca­paz de sal­var a pá­tria e de a bem ser­vir. Em to­do es­te pe­río­do no­tá­vel não se ma­ni­fes­ta uma úni­ca am­bi­ção pes­so­al, não apa­re­cem es­ses espíritos in­qui­e­tos e sô­fre­gos de po­si­ções e de for­tu­na, que nos mo­vi­men­tos elei­to­rais vêm à su­per­fí­cie, co­mo o lo­do que nos ma­res agi­ta­dos ar­ran­cam do fun­do. Es­tes sin­to­mas das mo­der­nas so­ci­e­da­des cor­rom­pi­das e de­cré­pi­tas de­bal­de se pro­cu­ram no pe­río­do elei­to­ral que tra­ta­mos. E, fa­zen­do es­te elo­gio, abran­ge­mos quer re­a­lis­tas, quer cons­ti­tu­ci­o­nais e quer de­mo­cra­tas».

E as­sim foi elei­ta, ain­da em 1820, a pri­mei­ra as­sem­bleia cons­ti­tuin­te em Por­tu­gal, que reu­niu lo­go em ja­nei­ro se­guin­te e que, nos dois anos sub­se­quen­tes, ela­bo­rou e apro­vou a nos­sa pri­mei­ra Cons­ti­tui­ção (1822). En­tre a re­vo­lu­ção e a ins­ta­la­ção das Cor­tes cons­ti­tuin­tes de­cor­re­ram so­men­te cin­co me­ses. Um fei­to no­tá­vel, ten­do em con­ta a fal­ta de pre­ce­den­te e as con­di­ções da épo­ca.

Cartoon da­ta­do de 1840 ver­san­do a te­má­ti­ca elei­to­ral que em 1820 en­trou no quo­ti­di­a­no dos por­tu­gue­ses

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.