Massada, sé­cu­lo I: on­de a ci­ên­cia vi­ve da len­da

No pri­mei­ro sé­cu­lo da nos­sa era, es­ma­ga­da pe­los ro­ma­nos a revolta ju­dai­ca e ar­ra­sa­do o tem­plo de Jerusalém, os úl­ti­mos re­sis­ten­tes ze­lo­tas en­con­tra­ram re­fú­gio em Massada, pa­lá­cio-for­ta­le­za er­gui­do por He­ro­des, o Gran­de, jun­to ao Mar Mor­to. Cer­ca­dos e pres

JN História - - A Abrir - Tex­to de Pe­dro Ola­vo Simões

Tal­vez no meio do de­ser­to se ou­ça me­lhor a voz das ruínas, le­va­da pe­lo ven­to que, lá no al­to da­que­la ele­va­ção em for­ma de di­a­man­te, nas mar­gens do Mar Mor­to, var­re o que so­bra da for­ta­le­za on­de os úl­ti­mos ze­lo­tas pre­fe­ri­ram o sui­cí­dio co­le­ti­vo a cair nas mãos das le­giões ro­ma­nas. Is­so é ver­da­de? Se não se po­de di­zer que é, tam­bém não se po­de di­zer que não se­ja. A his­tó­ria do cer­co de Massada, nos anos 73 ou 74 da nos­sa era, é vis­ta de for­mas dis­so­nan­tes, se­ja pe­los que ve­em ali o tes­te­mu­nho de um po­vo he­rói­co e re­sis­ten­te, se­ja pe­los que en­ten­dem ser o epi­só­dio de­mons­tra­ção de que o fun­da­men­ta­lis­mo re­li­gi­o­so con­duz ape­nas ao abis­mo.

Do cer­co de Massada so­bram- nos du­as coi­sas. O re­la­to de Jo­se­fo ( Ti­to Flávio Jo­se­fo, no­me ado­ta­do pe­lo his­to­ri­a­dor do sé­cu­lo I, de ori­gem ju­dai­ca, de­pois de ro­ma­ni­za­do) e as in­ves­ti­ga­ções que vão sen­do fei­tas pe­la ar­que­o­lo­gia. Em di­ver­sos as­pe­tos, es­tas pa­re­cem des­men­tir aque­le, mas de­le te­re­mos de par­tir. Se as fon- tes da An­ti­gui­da­de me­re­cem res­sal­vas, não me­nos as me­re­cem as fon­tes de qual­quer tem­po. Pe­la crí­ti­ca, per­ce­be­mos que o que es­tá es­cri­to não é mais do que o que es­tá es­cri­to, ou se­ja, a sub­je­ti­va ex­pres­são de quem con­ta, con­di­ci­o­na­da pe­lo que re­al­men­te sa­be, pe­lo que pre­ten­de, ao es­cre­ver, ou pe­lo con­tex­to em que o faz. Quan­to ao que re­al­men­te acon­te­ceu, ja­mais o po­de­re­mos di­zer com to­tal exa­ti­dão, sa­bi­do que não é hu­ma­no o dom da om­nis­ci­ên­cia. Mas o que se con­ta que acon­te­ceu não dei­xa de ser in­te­res­san­te, re­ve­lan­do, se não a ver­da­de, os ca­mi­nhos da mi­ti­fi­ca­ção num de­ter­mi­na­do tem­po. Cer­te­zas não há, in­sis­ta- se. Co­me­ce­mos pe­lo fim.

Diz- nos Jo­se­fo que, ao aper­ce­be­rem- se da ine­vi­ta­bi­li­da­de e da imi­nên­cia da der­ro­ta, os re­bel­des ju­dai­cos, que des­de o iní­cio da revolta ( 66 d. C.) ocu­pa­vam Massada, for­ta­le­za er­gui­da por or­dem de He­ro­des, o Gran­de, no úl­ti­mo quar­tel do sé­cu­lo I a. C., de­ci­di­ram que o sui­cí­dio se­ria mais dig­no do que a ren­di­ção ( uma ine­vi­ta­bi­li­da­de, me­nos de mil si­ti­a­dos con­tra al­guns dez mil si­ti­an­tes, en­tre le­gi­o­ná­ri­os, au­xi­li­a­res e es­cra­vos). Só ser­vi­am a Deus, ja­mais ser­vi­ri­am aos in­va­so­res ro­ma­nos. Mas, na ver­da­de (na ver­da­de des­cri­ta por Jo­se­fo, lem­bre­mos sem­pre), só um dos re­bel­des re­al­men­te se sui­ci­dou. Ca­da ho­mem ma­tou a sua fa­mí­lia, dez ho­mens fo­ram de­sig­na­dos pa­ra ma­tar os res­tan­tes ho­mens e, des­ses dez, um foi sorteado pa­ra pôr ter­mo à vi­da dos ou­tros no­ve, após o que in­cen­di­ou os edi­fí­ci­os, pa­ra fi­nal­men­te se entregar à pró­pria es­pa­da.

Len­da re­a­vi­va­da

O con­tex­to do dra­má­ti­co des­fe­cho, re­la­ta­do ou efa­bu­la­do pe­lo cro­nis­ta, é o da Pri­mei­ra Revolta Ju­dai­ca con­tra Ro­ma, ini­ci­a­da no ano 66 e, pa­ra to­dos os efei­tos, es­ma­ga­da pe­las le­giões, que in­cen­di­a­ram Jerusalém e ar­ra­sa­ram o Se­gun­do Tem­plo (ou de He­ro­des), em 70 d.c.. O tem­plo er­gui­do no lo­cal de on­de ra­mi­fi­ca­ram as

três “re­li­giões do li­vro” ( ju­daís­mo, cris­ti­a­nis­mo e is­lão), o sí­tio on­de Abraão se pron­ti­fi­cou a sa­cri­fi­car o fi­lho, Isa­ac ( pa­ra os mu­çul­ma­nos, tal acon­te­ceu em Me­ca e Abraão era Ibrahim). O mon­te so­bre o qual se er­guem du­as im­por­tan­tes mes­qui­tas, o mon­te ao la­do do qual sub­sis­te, sen­do o lu­gar mais sa­gra­do pa­ra os ju­deus, o mu­ro oci­den­tal ( dito “das la­men­ta­ções”), úni­ca re­mi­nis­cên­cia do tem­plo on­de o ain­da me­ni­no Je­sus deu li­ções aos dou­to­res, o mes­mo tem­plo de on­de Je­sus Cris­to ex­pul­sou os ven­di­lhões.

Dei­xe­mos es­ta de­ri­va e vol­te­mos ao lo­cal que nos in­te­res­sa. Massada foi, per­doe- se o pa­ra­le­lis­mo com a cri­a­ção de Re­né Gos­cinny e Al­bert Uder­zo, me­nos do que a ir­re­du­tí­vel e re­sis­ten­te al­deia gau­le­sa, ape­nas o úl­ti­mo re­du­to dos úl­ti­mos ze­lo­tas, que ocu­pa­ram a for­ta­le­za e ali se re­fu­gi­a­ram e per­ma­ne­ce­ram du­ran­te se­te ou oi­to anos. A his­tó­ria do cer­co e do sa­cri­fí­cio co­le­ti­vo, co­nhe­ci­da há per­to de dois mi­lé­ni­os, foi re­lan­ça­da na dé­ca­da de 1960, com a in­ten­si­va cam­pa­nha de es­ca­va­ções li­de­ra­da por Yi­ga­el Ya­din. Foi a par­tir daí que o re­la­to do sui­cí­dio co­le­ti­vo ga­nhou uma au­ra glo­bal, bem co­mo, do ou­tro la­do ( me­nos fa­la­do, pois é o cul­to dos már­ti­res que se im­põe), o mi­to dos in­va­so­res ro­ma­nos, que, su­pu­nha- se, cons­truí­ram uma co­los­sal rampa de aces­so à for­ta­le­za, mi­la­gre da en­ge­nha­ria fei­to à custa de es­cra­vos he­breus.

Ora, os mi­tos são mui­to bo­ni­tos até a ci­ên­cia se en­car­re­gar de os des­mon­tar, mas é im­por­tan­te co­nhe­cê- los e, cla­ro, per­ce­ber o que lhes deu for­ça. Des­mon­tá- los não sig­ni­fi­ca apa­gá- los, pois são par­te im­por­tan­te dos pró­pri­os pro­ces­sos his­tó­ri­cos. E, bem vis­tas as coi­sas, ne­nhu­ma des­mon­ta­gem tem for­ça su­fi­ci­en­te, nes­te ca­so, pa­ra apa­gar o mi­to.

Afir­ma­ção na­ci­o­na­lis­ta

Re­cu­e­mos pou­co. Não va­mos ago­ra ao cer­co, mas às es­ca­va­ções dos anos 60 e ao ho­mem que lhes deu ros­to e âni­mo. Já en­tão os in­ves­ti­ga­do­res te­rão si­do con­fron­ta­dos com fal­ta de evidências que cor­ro­bo­ras­sem o épi­co re­la­to de Jo­se­fo, is­to é, a te­se do sui­cí­dio. Mas es­sa te­se foi man­ti­da e gran­de­men­te am­pli­fi­ca­da. É fá­cil per­ce­ber (ou, pe­lo me­nos, es­pe­cu­lar) porquê. Massada era, pa­ra o jo­vem Es­ta­do de Is­ra­el, uma per­fei­ta au­to­jus­ti­fi­ca­ção. O mi­to na­ci­o­na­lis­ta da va­len­tia, da re­sis­tên­cia, da fi­de­li­da­de de um po­vo ao seu des­ti­no mítico e ex­clu­si­vo ou, pa­ra usar uma pa­la­vra da moda, da sua ina­ba­lá­vel re­si­li­ên­cia era per­fei­ta­men­te re­pre­sen­ta­do pe­la his­tó­ria do cer­co de Massada, tal co­mo Jo­se­fo a re­la­ta­ra.

Olhe­mos por um ins­tan­te o la­do dos in­va­so­res, tal co­mo a fon­te co­e­va o des­cre­via. De­ci­di­dos a to­mar aos ze­lo­tas o re­fú­gio in­ver­nal de He­ro­des, o Gran­de – que ali fizera cons­truir palácios, cis­ter­nas, ca­ser­nas, li­nhas de for­ti­fi­ca­ção e ou­tras es­tru­tu­ras –, os ro­ma­nos ( a “Le­gio X Fre­ten­sis”, um cor­po de ve­te­ra­nos sob or­dens di­re­tas de Flávio Sil­va, en­tão governador

da Ju­deia) er­gue­ram oi­to campos for­ti­fi­ca­dos em re­dor do ob­je­ti­vo, cer­ca­ram to­do o mon­te com uma mu­ra­lha, que ti­nha um pe­rí­me­tro de 25 qui­ló­me­tros e da qual res­tam ves­tí­gi­os, e cons­truí­ram uma co­los­sal rampa, que per­ma­ne­ce a oci­den­te da for­ta­le­za, a fim de po­de­rem che­gar com uma tor­re de as­sal­to às mu­ra­lhas.

Co­mo no­ta Gwyn Da­vi­es, um pro­fes­sor nor­te- ame­ri­ca­no es­pe­ci­a­li­za­do nos tra­ba­lhos de cam­po das le- giões ro­ma­nas, Sil­va e os seus ge­ne­rais te­ri­am a no­ção de que, da­da a ca­pa­ci­da­de de ar­ma­ze­na­men­to, tan­to de água co­mo de man­ti­men­tos, da for­ta­le­za, um cer­co pas­si­vo ( es­pe­rar até os si­ti­a­dos se­rem ven­ci­dos pe­la fo­me, pe­la se­de, pe­lo can­sa­ço) im­pli­ca­ria mui­to mais tem­po do que o que se­ria su­por­tá­vel ou de­se­já­vel, pe­lo que des­de lo­go foi mon­ta­da uma es­tra­té­gia de ata­que. A mu­ra­lha atrás re­fe­ri­da, es­tru­tu­ra pro­vi­só­ria per­ma- nen­te­men­te vi­gi­a­da por sol­da­dos, era ape­nas uma me­di­da pre­ven­ti­va, des­ti­na­da a im­pe­dir even­tu­ais ten­ta­ti­vas de fu­ga dos ze­lo­tas. A rampa é, ela pró­pria, um ele­men­to cen­tral do mi­to, pois des­de o re­la­to de Jo­se­fo foi cri­a­da a con­vic­ção de que a gi­gan­tes­ca es­tru­tu­ra foi construída a par­tir do na­da ou do qua­se na­da, di­ga­mos as­sim, mas a ge­o­lo­gia já de­mons­trou ( ar­ti­go de Dan Gill na “Na­tu­re”, em 1993) que a rampa é, es­sen­ci­al­men­te,

a ro­cha-mãe, que tra­ba­lhos de ater­ro uni­for­mi­za­ram na su­per­fí­cie ( daí a de­te­ção, pe­la ar­que­o­lo­gia, de ele­men­tos de ma­dei­ra usa­dos pa­ra fir­mar es­se “pa­vi­men­to”), sem a di­men­são bí­bli­ca que es­ta­va im­plí­ci­ta na ideia de uma rampa construída de raiz.

Es­sa é, to­da­via, uma ques­tão emi­nen­te­men­te téc­ni­ca e a seu mo­do mar­gi­nal, aten­den­do a que o mi­to de Massada as­sen­ta, es­sen­ci­al­men­te, na heroicidade dos ze­lo­tas e não no po­de­rio mi­li­tar dos ro­ma­nos.

Des­men­ti­dos e con­fir­ma­ções

Vol­te­mos, en­tão, ao re­la­to de Jo­se­fo, no qual se per­ce­be, co­mo atrás re­fe­ri­mos, a or­dem por que os ze­lo­tas per­de­ram a vi­da. Ca­da ho­mem ma­tou a sua fa­mí­lia e, en­tre es­ses, dez fo­ram sor­te­a­dos pa­ra ma­tar os res­tan­tes, sen­do um des­ses dez sorteado pa­ra per­pe­trar o des­fe­cho fi­nal: “Os no­ve fo­ram de­go­la­dos, e o úl­ti­mo so­bre­vi­ven­te so­li­tá­rio, de­pois de exa­mi­nar a mul­ti­dão pros­tra­da, pa­ra ver se, no meio do ca­os, ain­da ha­via al­guém que pre­ci­sas­se da sua mão, e des­co­brin­do que to­dos es­ta­vam mor­tos, in­cen­di­ou o lu­gar e, em se­gui­da, reu­nin­do a for­ça que lhe res­ta­va, tres­pas­sou o pró­prio cor­po com a es­pa­da lim­pa e caiu ao la­do da sua fa­mí­lia”.

Evi­den­te­men­te, em­bo­ra não pos­sa­mos ava­li­ar o grau de fan­ta­sia des­te re­la­to, pa­re­ce evi­den­te que ele te­rá de exis­tir, mais ou me­nos ele­va­do, aten­den­do a que o cro­nis­ta não só es­tá a re­la­tar acon­te­ci­men­tos que não pre­sen­ci­ou, co­mo es­tá a enun­ci­ar de­ta­lhes de al­go de que não so­brou qual­quer ves­tí­gio do­cu­men­tal nem pos­sí­vel des­cri­ção tes­te­mu­nhal, pois to­das as tes­te­mu­nhas es­ta­vam mor­tas, em par­ti­cu­lar o úl­ti­mo so­bre­vi­ven­te, is­to é, o úni­co que te­rá vi­vi­do os acon­te­ci­men­tos até ao der­ra­dei­ro ins­tan­te. Na­da dis­so é su­fi­ci­en­te, su­bli­nhe- se, pa­ra di­zer que o sui­cí­dio co­le­ti­vo, se as­sim lhe po­de­mos cha­mar, ocor­reu, se­ja em que cir­cuns­tân­ci­as for. A úni­ca coi­sa cla­ra, co­mo a pos­te­ri­da­de de­mons­trou, é que es­ta é uma his­tó­ria a que nin­guém fi­ca in­di­fe­ren­te, ou se­ja, com to­dos os in­gre­di­en­tes pa­ra ser ins­cri­ta na mi­to­lo­gia de um po­vo ou de uma na­ção.

Quan­do Yi­ga­el Ya­din em­pre­en­deu, de 1963 a 1965, a gran­de ta­re­fa de re­ve­lar Massada ao mun­do, o que daí re­sul­tou foi, em boa par­te, a con­fir­ma­ção do re­la­to de Jo­se­fo. Por exem­plo, fo­ram re­co­lhi­dos no sí­tio ar­que­o­ló­gi­co 11 frag­men­tos de ce­râ­mi­ca, ca­da qual com um di­fe­ren­te no­me ins­cri­to, sen­do um dos no­mes o de Ele­a­zar Ben Ya’ir, o lí­der dos ze­lo­tas. Pre­su­miu- se, en­tão, que tais frag­men­tos po­de­ri­am ter si­do usa­dos no sor­teio fi­nal, que de­ter­mi­nou qual o ho­mem que ma­ta­ria os seus úl­ti­mos com­pa­nhei­ros, an­tes de pôr ter­mo à

O MI­TO DE MASSADA AS­SEN­TA, ES­SEN­CI­AL­MEN­TE, NA HEROICIDADE DOS ZE­LO­TAS E NÃO NO PO­DE­RIO MI­LI­TAR DOS RO­MA­NOS

pró­pria vi­da.

Na re­a­li­da­de, ques­ti­o­nar a his­tó­ria do au­tor ju­dai­co-ro­ma­no do pri­mei­ro sé­cu­lo da nos­sa era nun­ca te­rá si­do uma pri­o­ri­da­de pa­ra os ar­queó­lo­gos da dé­ca­da de 1960, em­bo­ra, na­tu­ral­men­te, mui­tas dú­vi­das sur­gis­sem. E tais dú­vi­das es­ti­ve­ram bem pre­sen­tes nos tra­ba­lhos fei­tos após a mor­te de Ya­din, em 1984, a fim de com­ple­tar a in­ter­pre­ta­ção do sí­tio. En­tre as dú­vi­das le­van­ta­das pe­la con­fron­ta­ção en­tre a ar­que­o­lo­gia e a cró­ni­ca de Jo­se­fo con­ta­va- se, por exem­plo, o fac­to de não ha­ver ves­tí­gi­os de uma mu­ra­lha de ma­dei­ra e ter­ra que os si­ti­a­dos te­rão cons­truí­do do la­do on­de de­sem­bo­ca­va a atrás re­fe­ri­da rampa, mu­ra­lha es­sa que os ro­ma­nos in­cen­di­a­ram. A is­so era as­so­ci­a­da ou­tra dú­vi­da: co­mo po­de­ri­am os ze­lo­tas, iso­la­dos no to­po de uma ele­va­ção no meio do de­ser­to, ar­ran­jar ma­dei­ra pa­ra cons­truir es­sa pa­li­ça­da?

Em ar­ti­go pu­bli­ca­do na “Bi­bli­cal Ar­cha­e­o­logy Re­vi­ew”, em 1991, Ehud Net­zer propôs e deu co­mo de­mons­tra­da uma ex­pli­ca­ção, que, por sua vez, ser­viu pa­ra cla­ri­fi­car ou­tra per­ple­xi­da­de com que se de­pa­ra­vam os ar­queó­lo­gos: em­bo­ra o re­la­to de Jo­se­fo dê con­ta de que o úl­ti­mo so­bre­vi­ven­te in­cen­di­ou to­dos os edi­fí­ci­os an­tes de se sui­ci­dar, a ver­da­de é que mui­tos edi­fí­ci­os não apre­sen­ta­vam ves­tí­gi­os do fo­go; aliás, sa­las ar­di­das con­fron­tam com ou­tras que pa­re­cem não ter si­do to­ca­das pe­las la­ba­re­das. Es­sa ex­pli­ca­ção, es­pé­cie de ovo de Co­lom­bo, é a de que os ze­lo­tas te­rão des­man­te­la­do as vi­gas de ma­dei­ra de mui­tos dos te­tos pa­ra cons­tuir a es­tru­tu­ra de­fen­si­va e, com is­so, mui­tas sa­las e edi­fí­ci­os fi­ca­ram sem a ma­té­ria in­fla­má­vel que se­ria ne­ces­sá­ria à pro­pa­ga­ção das cha­mas. A ideia de que to­dos, ou qua­se to­dos, os te­lha­dos fo­ram des­man­te­la­dos foi re­for­ça­da por ves­tí­gi­os de acam­pa­men­to dos ro­ma­nos no in­te­ri­or do re­cin­to, ou se­ja, mon­ta­do após a to­ma­da da for­ta­le­za, al­go que se­ria des­ne­ces­sá­rio se os le­gi­o­ná­ri­os ti­ves­sem cons­tru­ções co­ber­tas on­de se pu­des­sem ins­ta­lar.

Net­zer, atra­vés de uma re­fle­xão pro­fun­da so­bre os acha­dos, apre­sen­ta uma pro­pos­ta só­li­da acer­ca dos usos que, ao lon­go de se­te anos, os ze­lo­tas fo­ram dan­do à gran­de quan­ti­da­de de edi­fí­ci­os que He­ro­des man­da­ra er­guer na­que­le tão ina­ces­sí­vel sí­tio. E dá mais sen­ti­do à ad­mis­são de que, in­ter­ca­la­da com al­gu­ma efa­bu­la­ção, co­mo nor­mal é na cro­nís­ti­ca, mui­ta re­a­li­da­de po­de­rá ha­ver no re­la­to fei­to por Ti­to Flávio Jo­se­fo. Con­ti­nu­am a não ser co­nhe­ci­dos, po­rém, tes­te­mu­nhos ar­que­o­ló­gi­cos que apoi­em com se­gu­ran­ça a nar­ra­ti­va do sui­cí­dio co­le­ti­vo.

Vol­te­mos à cam­pa­nha dos anos 60. O ar­queó­lo­go Da­vid Sta­cey, que tra­ba­lhou na equi­pa li­de­ra­da por Yi­ga­el Ya­din, ci­ta­do num ar­ti­go pu­bli­ca­do em 2013 pe­lo jor­nal bri­tâ­ni­co “The Gu­ar­di­an”, não he­si­tou em di­zer que a his­tó­ria “foi com­ple­ta­men­te in­ven­ta­da”, na me­di­da em que “não há qual­quer pro­va que a cor­ro­bo­re”. Ou­tros es­pe­ci­a­lis­tas, co­mo o ar­queó­lo­go is­ra­e­li­ta Guy Sti­e­bel, es­tão con­ven­ci­dos de que o sui­cí­dio efe­ti­va­men­te ocor­reu, mas sem qual­quer pro­pó­si­to sim­bó­li­co, ou se­ja, ape­nas por­que era al­go que fa­zia sen­ti­do à luz da men­ta­li­da­de da épo­ca. Mas a his­tó­ria pa­trió­ti­ca era, en­tão, uma das ban­dei­ras agi­ta­das pe­lo che­fe da ex­pe­di­ção. No­te- se que Ya­din, além de ser o mais emi­nen­te ar­queó­lo­go de Is­ra­el ( o seu tra­ba­lho mais re­le­van­te foi o re­la­ci­o­na­do com os ma­nus­cri­tos do Mar Mor­to), era tam­bém po­lí­ti­co e sol­da­do (che­gou a ser vi­ce-pri­mei­ro­mi­nis­tro e foi che­fe do Es­ta­do Mai­or das For­ças Ar­ma­das is­ra­e­li­tas). Ora, co­mo já o su­ge­ri­mos, ha­via à épo­ca um in­te­res­se patriótico na his­tó­ria dos ze­lo­tas em Massada, tan­to pe­la ne­ces­si­da­de de uma mi­to­lo­gia na­ci­o­na­lis­ta co­mo pe­la fe­ri­da re­a­ber­ta na so­ci­e­da­de is­ra­e­li­ta pe­lo jul­ga­men­to do na­zi Adolf Ei­ch­mann, em 1961.

Mas se­ria a his­tó­ria de Massada um mo­ti­vo de or­gu­lho patriótico as­sim tão gran­de? No mo­men­to, sim, mas a con­tes­ta­ção foi-se tor­nan­do ca­da vez mais evi­den­te. Afi­nal de con­tas, tra­ta-se de glo­ri­fi­car um gru­po que, ao in­vés de lu­tar até à mor­te, pre­fe­riu a mor­te sem lu­ta. Ou en­tão, do pon­to de vis­ta dos se­to­res es­quer­dis­tas de Is­ra­el, Massada ( mi­to ou re­a­li­da­de, não im­por­ta) é a de­mons­tra­ção das con­sequên­ci­as do fa­na­tis­mo re­li­gi­o­so. E Ya­din, em que acre­di­ta­va? Ou, me­lhor, o que o mo­via? Po­dia ser o in­te­res­se na­ci­o­na­lis­ta, cla­ro, mas tam­bém al­go mais pro­sai­co. A no­ção de que uma boa nar­ra­ti­va fa­zia au­men­tar o in­te­res­se pe­las es­ca­va­ções e, con­se­quen­te­men­te, es­ti­mu­lar o fi­nan­ci­a­men­to das mes­mas. E a his­tó-

HA­VIA À ÉPO­CA UM IN­TE­RES­SE PATRIÓTICO PE­LA HIS­TÓ­RIA DOS ZE­LO­TAS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.