Mui­tas fa­ces de um ra­di­cal li­vre Per­fil

JN História - - Entrevista -

Nas pa­re­des do es­cri­tó­rio de ho­mem de ne­gó­ci­os, quin­to an­dar em rua cal­ma da Bai­xa pom­ba­li­na de Lis­boa, ve­mo-lo em fo­to­gra­fi­as com gen­te de fi­li­a­ções dís­pa­res e na­ci­o­na­li­da­des mui­tas. Com Cu­nhal, com Sa­vim­bi, com Chis­sa­no, com Ni­xon, com João Pau­lo II... Não é, po­rém, pes­soa de idei­as in­de­fi­ni­das ou des­co­nhe­ci­das. Nou­tras pa­re­des, mos­tra re­fe­rên­ci­as. Sa­la­zar em bron­ze sal­ta lo­go aos olhos, mas é jun­to a uma ca­pa de jor­nal de­di­ca­da a Si­dó­nio que mais quer ser fo­to­gra­fa­do. Na es­tan­te com li­vros (é em ca­sa que mo­ra a ver­da­dei­ra bi­bli­o­te­ca), fo­to­gra­fi­as de fa­mí­lia. Cha­ma a aten­ção pa­ra um re­tra­to da mu­lher, fa­la qua­se sem­pre em Ze­zi­nha, pre­ma­tu­ra­men­te de­sa­pa­re­ci­da, que dis­pen­sa apre­sen­ta­ções. Jai­me No­guei­ra Pin­to, que nas­ceu no Por­to há 72 anos, sain­do aos 17 pa­ra es­tu­dar Di­rei­to e não re­gres­san­do, é, de­cla­ra­da­men­te, uma pes­soa di­fí­cil de ro­tu­lar, co­mo o são to­das as pes­so­as in­te­res­san­tes, in­de­pen­den­te­men­te das opi­niões que te­nham. Mos­tran­do-se pa­tri­o­ta, tra­di­ci­o­na­lis­ta, con­ser­va­dor, é das pes­so­as que em Por­tu­gal me­lhor pen­sam o que é e de­ve ser a Di­rei­ta. E não é às co­res po­lí­ti­cas que olha, ne­ces­sa­ri­a­men­te, pa­ra ver com quem se dá. Po­li­tó­lo­go, en­saís­ta, em­pre­sá­rio e até ro­man­cis­ta, tem tam­bém uma faceta de his­to­ri­a­dor, na me­di­da em que tem pu­bli­ca­do a sua lei­tu­ra da His­tó­ria, em par­ti­cu­lar do sé­cu­lo XX por­tu­guês.

É bem co­nhe­ci­da a sua his­tó­ria de vi­da. No uni­ver­so es­tu­dan­til, era “sub­ver­si­vo” por ser si­tu­a­ci­o­nis­ta. De­fen­dia Áfri­ca e o Im­pé­rio, ter­mi­na­da a li­cen­ci­a­tu­ra foi in­cor­po­ra­do e, ven­do que as bo­as clas­si­fi­ca­ções o man­te­ri­am em Lis­boa, ofe­re­ceu-se pa­ra com­ba­ter. Es­ta­va aquar­te­la­do em Lis­boa quan­do se deu o 25 de Abril, e só de­pois foi en­vi­a­do pa­ra An­go­la. A mu­lher, já ofi­ci­al­men­te Ma­ria Jo­sé No­guei­ra Pin­to, sus­pen­deu o cur­so pa­ra ir com ele. Em An­go­la foi con­tra-re­vo­lu­ci­o­ná­rio, quan­do o qui­se­ram pren­der fu­giu pa­ra a Áfri­ca do Sul, aí es­te­ve num cam­po de re­fu­gi­a­dos, vi­veu de­pois exi­la­do, pri­mei­ro no Bra­sil, de­pois em Es­pa­nha. Re­gres­sa­do a Por­tu­gal no fim de 1978, já com o fer­vor re­vo­lu­ci­o­ná­rio es­mo­re­ci­do, fez a sua vi­da em mui­tos pla­nos pa­ra­le­los. Dou­to­rou-se em Ci­ên­cia Po­lí­ti­ca pe­lo Ins­ti­tu­to de Ci­ên­ci­as So­ci­ais e Po­lí­ti­cas da Uni­ver­si­da­de de Lis­boa, com uma te­se so­bre “Ide­o­lo­gia e Re­al­po­li­tik na for­ma­ção da po­lí­ti­ca ex­ter­na das po­tên­ci­as”, foi ad­mi­nis­tra­dor da Ber­trand e um dos úl­ti­mos di­re­to­res do diá­rio “O Sé­cu­lo”. Deu au­las na Uni­ver­si­da­de, en­vol­veu-se na po­lí­ti­ca afri­ca­na, de­sen­vol­veu a sua re­de de con­tac­tos in­ter­na­ci­o­nais. Fun­dou uma re­vis­ta de idei­as con­ser­va­do­ra, a “Fu­tu­ro pre­sen­te”, tem pu­bli­ca­do obra mui­to di­ver­si­fi­ca­da e ex­ten­sa, do pen­sa­men­to po­lí­ti­co à His­tó­ria, pas­san­do até pe­la fic­ção, de­di­cou-se ain­da aos ne­gó­ci­os, da con­sul­to­ria à se­gu­ran­ça pri­va­da em Áfri­ca.

É, sem dú­vi­da, uma das mais co­nhe­ci­das e ro­tu­la­das per­so­na­li­da­des da Di­rei­ta na­ci­o­nal, es­pe­ci­al­men­te de­pois de ter acei­ta­do de­fen­der Oli­vei­ra Sa­la­zar (que vi­ria a ga­nhar) no pro­gra­ma da RTP “Gran­des Por­tu­gue­ses”, mas tam­bém pe­la as­si­dui­da­de nos me­dia, sen­do ho­je no­tó­rio pe­los pro­gra­mas em que par­ti­ci­pa re­gu­lar­men­te, fa­zen­do du­pla com ad­ver­sá­ri­os po­lí­ti­cos: o co­mu­nis­ta Ru­ben de Car­va­lho, em “Ra­di­cais li­vres”, na An­te­na 1, e o so­ci­a­lis­ta Jai­me Ga­ma, em “Con­ver­sas à quin­ta”, no jor­nal ele­tró­ni­co “Ob­ser­va­dor”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.