Quan­do qui­se­ram com­prar a Mir

JN História - - Histórias Cósmicas - Mi­guel Gon­çal­ves Co­or­de­na­dor Na­ci­o­nal da So­ci­e­da­de Pla­ne­tá­ria

S “e to­das as con­di­ções es­ti­ve­rem reu­ni­das, se o cash­flow for trans­pa­ren­te, se eles tra­ba­lha­rem con­nos­co e não con­tra nós, se não hou­ver má­fia ou ou­tros pro­ble­mas... en­tão eu dis­po­ni­bi­li­zo lo­go 20 mi­lhões de dó­la­res pa­ra co­me­çar­mos o pro­je­to” – Es­ta fra­se de um mi­li­o­ná­rio ame­ri­ca­no, que adi­an­te se­rá iden­ti­fi­ca­do, po­de bem in­tro­du­zir a mais lou­ca e des­co­nhe­ci­da es­tó­ria da ex­plo­ra­ção es­pa­ci­al, que tem co­mo in­gre­di­en­tes a NASA, com­pa­nhi­as rus­sas, trai­ções, jo­vens so­nha­do­res e am­bi­ci­o­sos, re­a­lityshows, Hollywo­od e a que­da de uma es­ta­ção es­pa­ci­al. Num tem­po em que se fa­la na cons­tru­ção de uma no­va es­ta­ção, mais per­to da Lua, e no de­sin­ves­ti­men­to na ac­tu­al Es­ta­ção Es­pa­ci­al In­ter­na­ci­o­nal e sua even­tu­al ren­ta­bi­li­za­ção co­mer­ci­al, lem­bra­mos que a ideia não é no­va. Le­va-nos ao fim da dé­ca­da de 90 e aos ca­pí­tu­los fi­nais da es­ta­ção es­pa­ci­al so­vié­ti­ca/rus­sa Mir, ge­ri­da pe­la com­pa­nhia es­ta­tal Energia. Apre­sen­te­mos du­as per­so­na­gens cen­trais: os ame­ri­ca­nos Wal­ter An­der­son e Jef­frey Man­ber. An­der­son, mul­ti­mi­li­o­ná­rio, tão ar­ro­gan­te co­mo in­te­li­gen­te, di­re­to, in­for­mal no tra­to e no ves­tuá­rio, fez for­tu­na, nos anos 80 e 90, na área das te­le­co­mu­ni­ca­ções, nos EUA e na Eu­ro­pa, e nas fa­mo­sas “dot com”, que en­che­ram os bol­sos de tan­tos. Vi­si­o­ná­rio e so­nha­dor, te­ve sem­pre fas­cí­nio pe­lo es­pa­ço. In­ves­tiu em tec­no­lo­gi­as emer­gen­tes, em pe­que­nas com­pa­nhi­as ani­ma­das pe­la ex­plo­ra­ção es­pa­ci­al fei­ta por pri­va­dos. Um Howard Hughes da co­mer­ci­a­li­za­ção do es­pa­ço, um Elon Musk do seu tem­po, que, ain­da de­di­ca­va mui­to do seu tem­po a cri­ti­car, fe­roz e pu­bli­ca­men­te, a NASA e a po­lí­ti­ca es­pa­ci­al ame­ri­ca­na, que, pa­ra ele, na­da fa­zi­am pe­lo em­pre­en­de­do­ris­mo no te­a­tro es­pa­ci­al e eram um for­te obs­tá­cu­lo aos vo­os tri­pu­la­dos pri­va­dos. Com is­so co­le­ci­o­nou ini­mi­gos, o que se veio a re­ve­lar fa­tal... Man­ber, em­pre­en­de­dor, co­men­ta­dor e ana­lis­ta da po­lí­ti­ca es­pa­ci­al e tec­no­ló­gi­ca ame­ri­ca­na, fun­da­dor de uma em­pre­sa que fez con­tra­tos com a NASA e, so­bre­tu­do, mui­to pró­xi­mo das eli­tes po­lí­ti­cas e eco­nó­mi­cas de Washing­ton, mas tam­bém de Mos­co­vo. Foi o úni­co ame­ri­ca­no a sen­tar-se em vá­ri­os de­par­ta­men­tos da em­pre­sa Energia, o que com­pro­va a con­fi­an­ça ex­tre­ma que as au­to­ri­da­des es­pa­ci­ais rus­sas ti­nham ne­le. A Mir ti­nha ór­bi­tas ca­da vez mais bai­xas e ca­mi­nha­va pa­ra o seu fim con­tro­la­do, ser in­ci­ne­ra­da pe­la at­mos­fe­ra. Mais do que res­ga­tá-la, An­der­son que­ria lu­crar mui­to com ela, e re­cor­reu à aju­da de Man­ber, que en­con­trou em se­tem­bro de 1999, ques­ti­o­nan­do-o sem ro­dei­os: “Quan­to custa com­prar a Mir?”. Man­ber, co­nhe­ce­dor pro­fun­do da al­ma so­vié­ti­ca/rus­sa, re­pli­cou pron­ta-

men­te: “É im­pos­sí­vel com­prar a Mir!”. Era mes­mo. A Mir sem­pre foi, pa­ra os po­lí­ti­cos e pa­ra a po­pu­la­ção rus­sa, mui­to mais do que uma es­ta­ção “lá em ci­ma”. Foi uma ban­dei­ra do or­gu­lho na tec­no­lo­gia so­vié­ti­ca/rus­sa. Ven­dê-la, e lo­go a um ame­ri­ca­no, pa­re­cia não fa­zer sen­ti­do. Qu­ais os pla­nos de An­der­son pa­ra a Mir? Man­ber pre­ci­sa­va de res­pos­ta a es­sa per­gun­ta. O em­pre­sá­rio ti­nha, apa­ren­te­men­te, fun­dos fi­nan­cei­ros pa­ra so­nhos es­pa­ci­ais ar­ro­ja­dos e es­ta­va ro­de­a­do de mei­os hu­ma­nos e em­pre­sa­ri­ais com know how téc­ni­co pa­ra re­a­bi­li­tar a ve­lhi­nha es­ta­ção es­pa­ci­al. Sa­bia-se que que­ria lu­crar com vi­a­gens es­pa­ci­ais de mi­li­o­ná­ri­os. Mas, pas­sa­ria a Mir a ser um me­ro ho­tel pa­ra ri­cos? Tal ideia con­cre­ti­zou­se em 2001, quan­do o mi­li­o­ná­rio ame­ri­ca­no Den­nis Ti­to pa­gou 20 mi­lhões de dó­la­res pa­ra ser o pri­mei­ro tu­ris­ta es­pa­ci­al, mas An­der­son que­ria mui­to mais. É cer­to que o pro­je­to era, tam­bém, uma for­ma pes­so­al e vin­ga­ti­va de afron­tar a NASA, mas ele ima­gi­na­va, à es­ca­la co­mer­ci­al, um pa­pel de van­guar­da. A ren­ta­bi­li­za­ção da Mir te­ria de ser em vá­ri­as fren­tes. As­sim, fir­mou com­pro­mis­sos com es­ta­ções de te­le­vi­são e com gi­gan­tes de Hollywo­od, com o ci­ne­as­ta James Ca­me­ron à ca­be­ça. Es­ta­va pra­ti­ca­men­te tu­do acer­ta­do pa­ra que o ven­ce­dor da edi­ção do realityshow “Sur­vi­vor” ga­nhas­se uns di­as de fé­ri­as na fu­tu­ra es­ta­ção pri­va­da Mir. E ain­da pa­ra que a Mir fos­se o es­tú­dio de ro­da­gem de fil­mes e do­cu­men­tá­ri­os. E se­ria o mais ca­ro ho­tel da Hu­ma­ni­da­de, cla­ro. Só fal­ta­va com­prá-la. No fim de 1999, a Mir bai­xou 14 qui­ló­me­tros em ape­nas um mês, e a Rús­sia não ti­nha ver­bas pa­ra a re­cu­pe­rar. Nu­ma reu­nião (mais ou me­nos) se­cre­ta em Mos­co­vo po­dia es­tar a úl­ti­ma es­pe­ran­ça de sal­va­ção da es­ta­ção es­pa­ci­al. De um la­do Yuri Se­me­nov, o lí­der da Energia e os seus fiéis co­la­bo­ra­do­res. Do ou­tro, Wal­ter An­der­son, a sua equi­pa e Jef­frey Man­ber. Se­me­nov es­ta­va de­ce­ci­o­na­do com o Krem­lin. Ti­nha, cla­ra­men­te, uma li­ga­ção mais do que pro­fis­si­o­nal à Mir, via-se ali a emo­ção pu­ra de quem se des­pe­de de um fi­lho con­de­na­do. Mas tam­bém sen­tia des­con­for­to por es­tar a ne­go­ci­ar com in­ves­ti­do­res ame­ri­ca­nos. An­der­son ti­nha in­te­ri­o­ri­za­do bem os con­se­lhos de Man­ber e, num diá­lo­go fron­tal, ex­pli­cou que não que­ria com­prar a Mir. Pre­ten­dia alu­gá-la aos rus­sos, uma es­pé­cie de con­tra­to de ex­plo­ra­ção da es­ta­ção, fei­to por uma em­pre­sa com se­de na Ho­lan­da e ca­pi­tais ame­ri­ca­nos e rus­sos – a fa­mo­sa Mir­corp. Apre­sen­tou o pla­no de ne­gó­ci­os e deu con­ta da sua enor­me des­con­fi­an­ça fa­ce à NASA e ao go­ver­no ame­ri­ca­no, al­go que, cer­ta­men­te, foi mui­to apre­ci­a­do pe­la de­le­ga­ção rus­sa. Ven­ci­da a des­con­fi­an­ça, foi cla­ra a em­pa­tia en­tre Se­me­nov e An­der­son. So­nha­ram mui­to, con­fi­a­ram mui­to. Se­me­nov per­ce­beu que li­da­va com al­guém con­fiá­vel em ter­mos fi­nan­cei­ros e de vi­são. O que An­der­son não per­ce­beu é que li­da­va com um re­fém da “re­al­po­li­tik”, que iria afe­tar am­bos. Con­ta-se que, em tem­pos, Chur­chill dis­se a um jo­vem de­pu­ta­do, apon­tan­do a ban­ca­da dos tra­ba­lhis­tas: “Ali sen­tam-se os nos­sos ad­ver­sá­ri­os; os nos­sos ini­mi­gos sen­tam-se ao nos­so la­do, nes­ta mes­ma ban­ca­da”. Se­me­nov e An­der­son sen­ti­ri­am is­so na pe­le. Ape­sar de to­da a ope­ra­ção fi­nan­cei­ra e de ren­ta­bi­li­za­ção, con­du­zi­da pe­la Mir­corp nos tem­pos que se se­gui­ram, os ini­mi­gos do­més­ti­cos de An­der­son con­se­gui­ram mes­mo aca­bar com a Mir. A NASA, o go­ver­no e os gi­gan­tes da ae­ro­náu­ti­ca ame­ri­ca­na não es­que­ce­ram o ódio a Wal­ter An­der­son e exer­ce­ram (e en­che­ram os bol­sos!) to­da a sua for­ça po­lí­ti­ca jun­to do Krem­lin pa­ra que a es­ta­ção fos­se con­su­mi­da pe­lo fo­go. Mo­ti­vo vi­sí­vel: re­ceio de que a agên­cia es­pa­ci­al rus­sa ca­na­li­zas­se fun­dos pa­ra Mir e não pa­ra a Es­ta­ção Es­pa­ci­al In­ter­na­ci­o­nal. Mo­ti­vo in­vi­sí­vel: An­der­son não po­dia triun­far. As­sim foi. A 23 de Mar­ço de 2001, a Mir co­me­çou a sua ope­ra­ção con­tro­la­da de des­ci­da pe­la at­mos­fe­ra ter­res­tre, sen­do a se­gun­da es­ta­ção es­pa­ci­al con­su­mi­da pe­la ca­ma­da ga­so­sa da at­mos­fe­ra (de­pois da ame­ri­ca­na Sky­lab, em ju­lho de 1979). E – coin­ci­dên­ci­as, iro­ni­as ou per­si­gui­ções do des­ti­no e dos ho­mens – Wal­ter An­der­son foi acu­sa­do e con­si­de­ra­do cul­pa­do do mai­or ca­so de eva­são fis­cal na his­tó­ria dos EUA, em fe­ve­rei­ro de 2005, sen­do li­ber­ta­do da ca­deia em de­zem­bro de 2012 – ape­sar de sem­pre ter pro­cla­ma­do a sua ino­cên­cia.

A reu­nião de Mos­co­vo com os rus­sos à es­quer­da (Se­me­nov olhan­do os pa­péis) e os ame­ri­ca­nos à di­rei­ta (Man­ber em pri­mei­ro pla­no e An­der­son ao fun­do)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.