“Por­tu­ga­li­da­de” – a ini­mi­ga per­sis­ten­te da lu­so­fo­nia

JN História - - A Abrir - Tex­to de Pe­dro Ola­vo Simões

Não pou­cas ve­zes, a pro­pó­si­to de tu­do e de na­da que a es­te país di­ga res­pei­to, o con­cei­to de “por­tu­ga­li­da­de” é evo­ca­do. Po­de ser­vir tan­to pa­ra ques­tões cul­tu­rais co­mo pa­ra as gló­ri­as – ou fa­ta­li­da­des – do fu­te­bol, tan­to pa­ra exal­ta­ção de uma pos­sí­vel iden­ti­da­de na­ci­o­nal co­mo pa­ra uma de cer­to mo­do lu­so­tro­pi­ca­lis­ta uni­ver­sa­li­za­ção de al­go di­fe­ren­te, úni­co e re­tra­tá­vel, saí­do do nos­so pe­que­no Oci­den­te pe­nin­su­lar pa­ra as se­te par­ti­das do mun­do. Faz sen­ti­do? Vem de lon­ge? Ví­tor de Sou­sa, in­ves­ti­ga­dor da Uni­ver­si­da­de do Mi­nho, des­mon­tou a ideia na sua dis­ser­ta­ção de dou­to­ra­men­to, ago­ra pu­bli­ca­da – “Da ‘Por­tu­ga­li­da­de’ à Lu­so­fo­nia”, Edições Hú­mus, no­vem­bro de 2017 –, que em 2016 va­leu ao au­tor o pré­mio de me­lhor te­se em Ci­ên­ci­as So­ci­ais na Amé­ri­ca La­ti­na e em Por­tu­gal (Ca­sa da Amé­ri­ca La­ti­na/ban­co San­tan­der), en­tre as que se apre­sen­ta­ram a con­cur­so. Tra­tan­do-se de um dou­to­ra­men­to em Ci­ên­ci­as da Co­mu­ni­ca­ção (es­pe­ci­a­li­da­de de Co­mu­ni­ca­ção In­ter­cul­tu­ral), es­te tra­ba­lho, re­a­li­za­do sob ori­en­ta­ção de Moi­sés de Le­mos Mar­tins (au­tor do pre­fá­cio), cons­ti­tui, na­tu­ral­men­te, uma im­por­tan­te re­fe­rên­cia his­to­ri­o­grá­fi­ca, em es­pe­ci­al, co­mo per­ce­be­re­mos, pa­ra o es­tu­do do sé­cu­lo XX por­tu­guês, em par­ti­cu­lar pa­ra en­ten­der as es­tra­té­gi­as pro­pa­gan­dís­ti­cas do Es­ta­do No­vo, num pe­río­do mui­to es­pe­cí­fi­co. Mer­gu­lhan­do em bus­ca das ori­gens des­te con­cei­to de “por­tu­ga­li­da­de”, Ví­tor de Sou­sa não as en­con­tra em épo­ca mais re­cu­a­da do que as dé­ca­das de 1950 e 1960, co­mo es­tra­té­gia de re­sis­tên­cia ao fe­nó­me­no da des­co­lo­ni­za­ção que se im­pu­nha mun­di­al­men­te, tan­to a ní­vel in­ter­no co­mo, so­bre­tu­do, nos fó­runs in­ter­na­ci­o­nais, co­mo as Na­ções Uni­das, de mo­do a ne­gar a pos­si­bi­li­da­de de au­to­no­mia das co­ló­ni­as, in­ven­tan­do-as co­mo par­ce­las na­tu­ral­men­te in­te­gran­tes do ter­ri­tó­rio por­tu­guês e con­cep­tu­a­li­zan­do-as co­mo pro­vín­ci­as ul­tra­ma­ri­nas. Não é, evi­den­te­men­te, na ques­tão do Por­tu­gal uno e in­di­vi­sí­vel, “Do Mi­nho a Ti­mor”, que re­si­de o ine­di­tis­mo e o avan­ço que es­te tra­ba­lho pro­pi­cia, mas sim no que foi a cons­tru­ção des­sa ideia de “por­tu­ga­li- da­de” (com tu­do o que de equí­vo­co acar­re­ta), o mo­do co­mo o con­cei­to é cu­nha­do e, por exem­plo, in­tro­du­zi­do nos dis­cur­sos dos de­pu­ta­dos à As­sem­bleia Na­ci­o­nal. Mas tam­bém, e se­rá es­se o as­pe­to mais im­por­tan­te, na for­ma co­mo a pa­la­vra vai sen­do man­ti­da, aqui e ali, a pro­pó­si­to dis­to e da­qui­lo, e nu­ma con­vic­ção que o au­tor ti­nha des­de o mo­men­to em que pen­sou no as­sun­to e que viu re­for­ça­da pe­la in­ves­ti­ga­ção: “Não po­de ha­ver lu­so­fo­nia com ‘por­tu­ga­li­da­de’”. “Por­tu­ga­li­da­de” – e o au­tor usa sem­pre as­pas, qua­se co­mo que vin­can­do tra­tar-se de al­go que não exis­te – aca­ba por ser ho­je, “mes­mo que se ten­te re­ti­rar a ‘por­tu­ga­li­da­de’ da es­fe­ra na­ci­o­na­lis­ta em que foi cu­nha­da”, uma for­ma de per­pe­tu­ar ou­tros con­cei­tos fa­la­ci­o­sos e da­ta­dos, com o lu­so­tro­pi­ca­lis­mo à ca­be­ça, cons­ti­tuin­do um en­tra­ve à nor­ma­li­za­ção do re­la­ci­o­na­men­to en­tre o ex-co­lo­ni­za­dor e os ex­co­lo­ni­za­dos, ou, co­mo des­cre­ve Ví­tor de Sou­sa, “o ‘ou­tro’ da co­lo­ni­za­ção”. Ora, é es­sa re­la­ção com o ou­tro, ou a união pe­la di­fe­ren­ça, en­qua­dra­da por al­go ve­ri­fi­cá­vel (uma lín­gua co­mum), que cons­ti­tui­rá a ri­que­za da lu­so­fo­nia. “A he­ran­ça da ‘por­tu­ga­li­da­de’ é, as­sim, co­mo que uma es­pé­cie de in­ter­cul­tu­ra­li­da­de ao con­trá­rio, de­cor­ren­te da ten­ta­ti­va de o Es­ta­do No­vo com ela pre­ten­der de­sen­vol­ver uma ho­mo­ge­nei­da­de ar­ti­fi­ci­al por­tu­gue­sa do­mi­nan­te”, es­cre­ve o au­tor. Idei­as co­mo es­ta, que, por exem­plo, já ti­nham si­do de al­gum mo­do in­tuí­das por Edu­ar­do Lourenço, ga­nham aqui o que lhes fal­ta­va – a so­li­dez da sis­te­ma­ti­za­ção e o ri­gor con­cep­tu­al – e cons­ti­tu­em, gra­ças ao es­for­ço de Ví­tor de Sou­sa, fer­ra­men­ta es­sen­ci­al pa­ra en­fren­tar um tem­po em que o es­pe­tro do na­ci­o­na­lis­mo po­pu­lis­ta pai­ra so­bre nós, apoi­a­do em fal­sos so­nhos de gran­de­za que mui­tos en­ten­dem ser fac­tu­ais.

Fa­mo­so ma­pa re­pre­sen­ta­ti­vo do Por­tu­gal uno e in­di­vi­sí­vel ou da di­ta “por­tu­ga­li­da­de”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.