A AS­CEN­SÃO DE AVIS

JN História - - Tema De Capa -

EM Lon­dres, o du­que de Len­cas­tre e o ir­mão Edmundo fo­ram cha­ma­dos ao Par­la­men­to pa­ra ex­pli­car o fra­cas­so ibé­ri­co. Edmundo trans­mi­tiu uma ima­gem pou­co abo­na­tó­ria do rei de Por­tu­gal. Atri­buía o fra­cas­so da ex­pe­di­ção à fal­ta de or­ga­ni­za­ção por­tu­gue­sa, ao im­pas­se pro­vo­ca­do por D. Fer­nan­do e, por fim, à mu­dan­ça de po­si­ção do rei e ao acor­do de paz com Cas­te­la, fei­to nas su­as cos­tas. A ver­da­de, con­tu­do, é que a im­pos­si­bi­li­da­de de João de Gante ter vi­a­ja­do pa­ra Lis­boa, bem co­mo a for­ma in­su­bor­di­na­da com que os exér­ci­tos in­gle­ses de Lan­gley atu­a­ram no Sul de Por­tu­gal, pe­sa­ram for­te­men­te na de­ci­são de D. Fer­nan­do.

A con­jun­tu­ra po­lí­ti­ca em Lis­boa tam­bém mu­da­va. Al­te­ra­dos os ter­mos da paz de El­vas, D. Fer­nan­do en­tre­gou a mão da fi­lha Be­a­triz a João de Cas­te­la. O ca­sa­men­to, acor­da­do em Sal­va- ter­ra de Ma­gos, em abril de 1383 e efe­ti­va­do em El­vas, no mês se­guin­te, dei­xa­va a si­tu­a­ção da su­ces­são di­nás­ti­ca por­tu­gue­sa me­lin­dro­sa: a her­dei­ra do tro­no de Por­tu­gal es­ta­va ca­sa­da com o rei de Leão e Cas­te­la; qual­quer des­cen­den­te que nas­ces­se des­se ma­tri­mó­nio her­da­ria os dois rei­nos..

En­qua­dra­men­to de cas­ta

D. Fer­nan­do sa­bia que não te­ria mui­to tem­po pa­ra adi­ar pro­ble­mas. A tu­ber­cu­lo­se que o con­su­mia ti­nha-se agra­va­do, e as de­ci­sões da­que­le mo­men­to se­ri­am o seu le­ga­do po­lí­ti­co. É, pois, com­pre­en­sí­vel a von­ta­de de dei­xar a si­tu­a­ção com Cas­te­la re­sol­vi­da com um ca­sa­men­to que unis­se os tro­nos. A per­ce­ção de que es­sa de­ci­são po­de­ria le­van­tar mais pro­ble­mas do que so­lu­ções não es­ta­ria no ho­ri­zon­te do rei mo­ri­bun­do. Mas quan­do, a 22 de ou­tu­bro des­se ano, o rei mor­reu, Por­tu­gal mer­gu­lhou num tur­bi­lhão de acon­te­ci­men­tos. Pa­ra­fra­se­an­do Oli­vei­ra Mar­tins (e tam­bém An­tó­nio Borges Co­e­lho), a re­vo­lu­ção co­me­çou mal a tam­pa do cai­xão de D. Fer­nan­do caiu. Se­guin­do os di­ta­mes de Sal­va­ter­ra, D. Be­a­triz foi acla­ma­da rai­nha de Por­tu­gal. Sen­do me­nor, e ain­da de acor­do com o tra­ta­do, D. Le­o­nor Te­les as­su­mi­ria a re­gên­cia. João Fer­nan­des An­dei­ro co­me­ça­va a exer­cer uma in­fluên­cia de go­ver­na­ção as­su­mi­da, ao la­do da sua aman­te e rai­nha viú­va. A pre­sen­ça de An­dei­ro na re­gên­cia, com­pro­me­ten­do até o fu­tu­ro po­lí­ti­co da pe­que­na Be­a­triz, per­tur­bou não só par­te da no­bre­za por­tu­gue­sa, fi­el às pre­dis­po­si­ções dei­xa­das por D. Fer­nan­do, co­mo pro­vo­cou a ira de João de Cas­te­la, que de ime­di­a­to pre­pa­rou no­va in­va­são de Por­tu­gal, pa­ra re­cla­mar os di­rei­tos da sua es­po­sa cri­an­ça.

Pre­pa­ran­do a de­fe­sa de Por­tu­gal, Le­o­nor Te­les or­de­nou o des­ta­ca­men­to do mes­tre de Avis, D. João, meio ir­mão de D. Fer­nan­do, pa­ra a de­fe­sa da fron­tei­ra alen­te­ja­na. Con­tu­do, o mes­tre man­te­ve-se em Lis­boa e, im­pe­li­do por uma ação de re­vol­to­sos (Nuno Ál­va­res Pereira e o seu tio, Rui Pereira, Ál­va­ro Pais e o con­de de Ar­rai­o­los, pri­mei­ro con­des­tá­vel de Por­tu­gal), ade­riu a uma cons­pi­ra­ção pa­ra ma­tar João Fer­nan­des. As­sim, a 6 de de­zem­bro de 1383, o mes­tre, com uma es­col­ta de 20 ho­mens ar­ma­dos, des­lo­cou-se ao pa­ço de São Mar­ti­nho, em Lis­boa, e as­sas­si­nou o con­de An­dei­ro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.