Jac­ques Le Goff 1924-2014

JN História - - Rostos Da História -

Não há, na tra­di­ci­o­nal pe­ri­o­di­za­ção da His­tó­ria, épo­ca mais da­da a fa­lá­ci­as e a pre­con­cei­tos do que a Ida­de Mé­dia. Pu­de­ra! Es­ta­mos a fa­lar, gros­so­mo­do, de dez mil anos, dez sé­cu­los, um mi­lé­nio. A ex­pli­ca­ção é sim­ples e apli­ca-se a mui­tos as­pe­tos da vi­da. Quem qu­er mos­trar que faz al­go de no­vo, de ico­no­clas­ta ou, pa­ra usar o cha­vão pós­mo­der­nis­ta, de mu­dan­ça de pa­ra­dig­ma, em­pe­nha-se em de­ne­grir o que hou­ve ime­di­a­ta­men­te an­tes. As­sim o Es­ta­do No­vo em re­la­ção à Re­pú­bli­ca, as­sim os li­be­rais oi­to­cen­tis­tas em re­la­ção ao An­ti­go Re­gi­me... e, cla­ro, as­sim os ho­mens do Re­nas­ci­men­to, que pro­mo­vi­am o re­en­con­tro com os clás­si­cos an­ti­gos, ar­ra­san­do tu­do o que es­ta­va no meio. No meio, al­go in­de­fi­ni­do, lá es­tá, a Ida­de Mé­dia. Ou, pi­or, a Ida­de das Tre­vas. Não foi as­sim, ab­so­lu­ta­men­te. E um dos his­to­ri­a­do­res que me­lhor nos aju­da­ram a per­ce­ber que nes­ses dez mil anos hou­ve gran­des pro­gres­sos foi o me­di­e­vis­ta francês Jac­ques Le Goff, um dos no­mes mais bri­lhan­tes da ter­cei­ra ge­ra­ção da Es­co­la dos An­na­les.

Le Goff foi, a par de Georges Duby, res­pon­sá­vel por uma es­pé­cie de re­cen­tra­men­to da his­to­ri­o­gra­fia fran­ce­sa, mes­mo no seio da ten­dên­cia di­ta dos An­na­les, na me­di­da em que rom­peu com a se­gun­da ge­ra­ção (foi su­ces­sor de Fer­nand Brau­del na di­re­ção da Éco­le des Hau­tes Étu­des en Sci­en­ces So­ci­a­les), lar­gan­do de cer­to mo­do uma vi­são cen­tra­da nas es­tru­tu­ras eco­nó­mi­cas e so­ci­ais e in­do mais ao en­con­tro, fa­zen­do-a pro­gre­dir, da linha que ha­via si­do tra­ça­da pe­los fun­da­do­res Lu­ci­en Fèb­vre e Marc Blo­ch. Os seus tra­ba­lhos de­ter­mi­nan­tes pa­ra tra­çar um no­vo ca­mi­nho cen­tra­do na an­tro­po­lo­gia his­tó­ri­ca e na His­tó­ria da cul­tu­ra e das men­ta­li­da­des, em que se des­ta­cam tí­tu­los co­mo “O nascimento do pur­ga­tó­rio” ou a in­com­pa­rá­vel bi­o­gra­fia de São Luís (o rei de Fran­ça Luís IX), con­tri­buí­ram de­ci­si­va­men­te pa­ra po­der­mos en­ca­rar de uma for­ma di­fe­ren­te – mais ní­ti­da – o Oci­den­te me­di­e­val.

Nem tan­to ao mar nem tan­to à ter­ra, po­de­rá di­zer-se da Ida­de Mé­dia, ou, me­lhor, do en­ten­di­men­to da Ida­de Mé­dia pós-le Goff. Tão exa­ge­ra­da e er­ró­nea é a vi­são ca­tas­tro­fis­ta, e mais co­mum, des­se pe­río­do (ainda ho­je é mais do que cor­ren­te usar a pa­la­vra “me­di­e­val” pa­ra ad­je­ti­var al­go que se jul­ga pri­mi­ti­vo ou te­ne­bro­so, o que de­no­ta enor­me ig­no­rân­cia) co­mo, de igual mo­do, a vi­são lau­da­tó­ria que nos foi le­ga­da pe­los his­to­ri­a­do­res do ro­man­tis­mo oi­to­cen­tis­ta (que, com mo­ti­va­ções po­lí­ti­cas, enal­te­ci­am as na­ções eu­ro­pei­as atra­vés de uma vi­são fan­ta­si­o­sa do mo­men­to em que ha­vi­am si­do fun­da­das, a Ida­de Mé­dia). Pa­ra dar a en­ten­der is­so, Jac­ques Le Goff con­ce­beu um li­vro – “A Ci­vi­li­za­ção do Oci­den­te Me­di­e­val” – que é e per­ma­ne­ce­rá re­fe­rên­cia ab­so­lu­ta­men­te in­con­tor­ná­vel. Nas­ci­do em Tou­lon, no pri­mei­ro dia do ano de 1924, e ten­do ido de­pois es­tu­dar pa­ra Mar­se­lha, es­te au­tor, que des­per­tou pa­ra a His­tó­ria e pa­ra a Ida­de Mé­dia ainda em ten­ra ida­de, ao ler o ro­man­ce “Iva­nhoe”, de Wal­ter Scott, ce­do co­me­çou, tam­bém, a de­sen­vol­ver cons­ci­ên­cia po­lí­ti­ca. Em 1936, ou se­ja, ape­nas com 12 anos, já se si­tu­a­va à es­quer­da, opôs-se cla­ra­men­te ao re­gi­me de Vi­chy, e em 1943 jun­tou-se à Re­sis­tên­cia. Com as vi­vên­ci­as que ex­pe­ri­men­tou no pós-guer­ra (es­ta­va na Che­cos­lo­vá­quia quan­do se deu o Gol­pe de Pra­ga, is­to é, a to­ma­da de po­der pe­los co­mu­nis­tas), não en­ve­re­dou pe­la linha co­mu­nis­ta que era co­mum a mui­tos in­te­lec­tu­ais da sua épo­ca, em­bo­ra te­nha ti­do mi­li­tân­cia par­ti­dá­ria ( fez par­te, de 1958 a 1952, do Par­ti­do So­ci­a­lis­ta Uni­fi­ca­do francês). His­to­ri­o­gra­fi­ca­men­te, de cer­to mo­do, po­de in­se­rir-se, ini­ci­al­men­te, nu­ma ten­dên­cia de ma­triz mar­xis­ta, mas ra­pi­da­men­te vê a ne­ces­si­da­de de a com­ple­men­tar com ou­tros ca­mi­nhos, que le­va­ram a que, de ple­no di­rei­to, Le Goff se­ja um dos que par­ti­lham a pa­ter­ni­da­de da cha­ma­da “Nou­vel­le His­toi­re”, que ele próprio aju­da a sin­te­ti­zar em obras co­le­ti­vas co­mo “Fa­zer His­tó­ria” ( 1974) e “A No­va His­tó­ria” (1978). Uma cu­ri­o­si­da­de no per­cur­so de Jac­ques Le Goff é o fac­to de não ter fei­to dou­to­ra­men­to, o que não obs­tou às nu­me­ro­sas ma­nifesta­ções da sua ge­ni­a­li­da­de, do seu ri­gor ci­en­tí­fi­co e da sua ca­pa­ci­da­de de cri­ar no­vos ru­mos pa­ra a dis­ci­pli­na. Nem obs­tou a que, em 1969, ti­ves­se as­su­mi­do, em par­ce­ria com um es­pe­ci­a­lis­ta da Épo­ca Mo­der­na, Em­ma­nu­el Le Roy La­du­rie, e ou­tro da con­tem­po­ra­nei­da­de, Marc Fer­ro, a di­re­ção da re­vis­ta “An­na­les”. Com eles, mui­to par­ti­cu­lar­men­te com Le Goff, o diá­lo­go en­tre a His­tó­ria e as res­tan­tes ci­ên­ci­as so­ci­ais e hu­ma­nas tor­nou-se mais aber­to e fru­tí­fe­ro. Es­se po­de­rá ter si­do o prin­ci­pal le­ga­do des­tes ho­mens, não obs­tan­te a ad­mi­ra­ção que Le Goff sus­ci­ta ter de as­sen­tar, so­bre­tu­do, no que trou­xe de ino­va­dor, lo­go de de­sa­fi­a­dor pa­ra to­das as sub­se­quen­tes ge­ra­ções de his­to­ri­a­do­res, em ter­mos de co­nhe­ci­men­to des­se tal mun­do me­di­e­val, na­da me­nos que o nos­so mun­do em de­ter­mi­na­do tem­po, sem qual­quer ró­tu­lo de tre­vas ou bar­bá­rie.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.