O his­to­ri­a­dor que saiu do frio Per­fil

JN História - - Entrevista -

Lo­go no ar­ran­que da en­tre­vis­ta que ocu­pa es­tas pá­gi­nas, Filipe Ri­bei­ro de Meneses dei­xa cla­ro não ser ou­tra coisa que não por­tu­guês, mas te­re­mos tam­bém de dei­xar ní­ti­do que o his­to­ri­a­dor vi­veu em Por­tu­gal ape­nas uma pe­que­na par­ce­la dos 48 anos que le­va de exis­tên­cia. Nas­ci­do em Lis­boa, é o mais no­vo dos dois fi­lhos do em­bai­xa­dor Pe­dro Ri­bei­ro de Me­ne­zes, e tam­bém aque­le que rom­peu com a veia di­plo­má­ti­ca da fa­mí­lia, já que o ir­mão, Fran­cis­co Ri­bei­ro de Me­ne­zes, é o atu­al em­bai­xa­dor de Por­tu­gal em Es­pa­nha. To­das as an­dan­ças são re­le­van­tes pa­ra ro­tu­lar o his­to­ri­a­dor não co­mo ci­da­dão do mun­do, um lu­gar-co­mum pou­co re­le­van­te, mas co­mo al­guém cu­jo ter­ri­tó­rio é, ou po­de­ria ser, o mun­do to­do. Tal não fa­rá de­le me­lhor nem pi­or, ape­nas aju­da a ca­rac­te­ri­zá-lo, a ele, Filipe, aque­le que não quis ser di­plo­ma­ta por­que já ha­via di­plo­ma­tas que che­gas­sem na fa­mí­lia, aque­le que es­co­lheu es­tar fo­ra de Por­tu­gal e aí fa­zer-se a si próprio, ou pa­ra is­so foi em­pur­ra­do pe­las cir­cuns­tân­ci­as, o único dos três que trocou a le­tra zê do ape­li­do por um mais pro­sai­co es­se (não há gra­lhas nos no­mes atrás re­fe­ri­dos), se é que is­so sig­ni­fi­ca al­go im­por­tan­te (cu­ri­o­sa­men­te, a mu­lher de Filipe, Ali­son Ri­bei­ro de Me­ne­zes, bri­tâ­ni­ca e pro­fes­so­ra de li­te­ra­tu­ra, as­si­na com zê o no­me par­ti­lha­do com o ma­ri­do). Dei­xe­mos es­sas mi­nu­dên­ci­as, pois, pa­ra re­cen­trar nes­te ho­mem que, en­quan­to ra­paz, já sa­bia que que­ria es­tu­dar His­tó­ria e já ti­nha ape­tên­cia por fa­zê-lo em lín­gua in­gle­sa, com a qu­al ce­do se fa­mi­li­a­ri­zou quan­do vi­veu em Washing­ton, on­de o pai es­te­ve co­lo­ca­do. A vi­ver em Du­blin des­de os 18 anos, aí se li­cen­ci­ou, no ve­tus­to Tri­nity Col­le­ge, on­de tam­bém con­cluiu o dou­to­ra­men­to, aos 26 anos, com uma dis­ser­ta­ção de­di­ca­da à par­ti­ci­pa­ção por­tu­gue­sa na I Guer­ra Mun­di­al [pu­bli­ca­da em Por­tu­gal sob o tí­tu­lo “União Sa­gra­da e Si­do­nis­mo: Por­tu­gal em guer­ra (1916-18)” (Edi­ções Cos­mos)]. Em Du­blin per­ma­ne­ce des­de en­tão, sen­do pro­fes­sor nu­ma ou­tra ins­ti­tui­ção, a May­no­oth Uni­ver­sity, em que assume ago­ra a di­re­ção do Departamento de His­tó­ria. Es­ta vi­vên­cia ir­lan­de­sa de três dé­ca­das te­ve um bre­ve in­ter­reg­no, em 2012 e 2013, quan­do foi pro­fes­sor vi­si­tan­te na Brown Uni­ver­sity (Pro­vi­den­ce, Rho­de Island), uma das oi­to ins­ti­tui­ções que for­mam a eli­tis­ta Ivy Le­a­gue, no Nor­des­te dos Es­ta­dos Uni­dos. A I Guer­ra Mun­di­al, a que ago­ra re­gres­sa com “De Lis­boa a La Lys”, es­tá no centro da car­rei­ra de in­ves­ti­ga­ção des­te his­to­ri­a­dor, que, tam­bém por es­tar fo­ra (o que não cor­res­pon­de­rá to­tal­men­te a es­tu­dar o país a par­tir de uma perspetiva ex­ter­na), di­vi­de o aplau­so que tem ti­do em Por­tu­gal (é cer­to que con­ta com uma boa má­qui­na pro­mo­ci­o­nal) com a des­con­fi­an­ça de al­guns dos seus pa­res nas uni­ver­si­da­des por­tu­gue­sas. Is­so acon­te­ceu, mais do que pe­lo que es­cre­veu so­bre a Gran­de Guer­ra ou so­bre a Re­pú­bli­ca, no mo­men­to em que quis avan­çar na cro­no­lo­gia e se aba­lan­çou a fa­zer uma ex­ten­sa bi­o­gra­fia po­lí­ti­ca de Oli­vei­ra Salazar. Ele próprio, nes­ta en­tre­vis­ta, ex­pli­ca mé­ri­tos e ca­rên­ci­as des­se tra­ba­lho, de­cor­ren­tes da cir­cuns­tân­cia de ter si­do escrito ori­gi­nal­men­te pa­ra o mer­ca­do ame­ri­ca­no e tra­du­zi­do, de­pois, pa­ra por­tu­guês. Paiva Cou­cei­ro e Afon­so Cos­ta são ou­tras fi­gu­ras que me­re­ce­ram es­pe­ci­al aten­ção des­te aca­dé­mi­co, por cu­jos pla­nos não pas­sa­rá fa­zer car­rei­ra em Por­tu­gal, mas que se­rá sem­pre um his­to­ri­a­dor des­te país.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.