A de­ca­dên­cia do Oci­den­te eu­ro­peu?

JN História - - Pontes No Tempo -

1Há cem anos, a ideia de de­ca­dên­cia do Oci­den­te (o eu­ro­peu em es­pe­ci­al) foi an­te­ci­pa­da pe­lo ale­mão Oswald Spen­gler no pri­mei­ro vo­lu­me de De­run­ter­gang­de­sa­ben­dlan­des (1918), cu­jo im­pac­to foi lar­ga­men­te am­pli­fi­ca­do pe­la apo­ca­líp­ti­ca I Guer­ra Mun­di­al. O tí­tu­lo tem si­do tra­du­zi­do por “de­clí­nio do Oci­den­te”, en­tre nós e em in­glês, mas tam­bém por “de­ca­dên­cia”, no Bra­sil ou em es­pa­nhol. As pa­la­vras não são inó­cu­as. De­ca­dên­cia su­ge­re ima­gens além do me­ro de­clí­nio de po­der ou in­fluên­cia. Re­me­te pa­ra a de­te­ri­o­ra­ção dos pa­drões mo­rais, so­ci­ais, es­té­ti­cos, de dig­ni­da­de, de cren­ça re­li­gi­o­sa ou da ca­pa­ci­da­de de bem go­ver­nar de uma so­ci­e­da­de ou cul­tu­ra. Dá a ideia de de­ge­ne­ra­ção, de cor­rup­ção dos va­lo­res e das ins­ti­tui­ções so­ci­ais e po­lí­ti­cas.

2Es­tá em ex­pan­são, no Oci­den­te, uma li­te­ra­tu­ra “de­ca­den­tis­ta”. Ve­jam-se obras pu­bli­ca­das nos úl­ti­mos 15 anos, a mai­o­ria sem tra­du­ção por­tu­gue­sa: “Sui­ci­de of the West”/ O Sui­cí­dio do Oci­den­te, Ri­chard Ko­ch e Ch­ris Smith (2006); “De­cli­ne&fall:eu­ro­pe’ss­low Mo­ti­on­sui­ci­de”/ De­clí­nio e Que­da: O Len­to Sui­cí­dio da Eu­ro­pa, Bru­ce S. Thorn­ton (2007); “The Last Day­sof Eu­ro­pe: Epi­taph for an Old Con­ti­nent”/ Os Úl­ti­mos Di­as da Eu­ro­pa: Epi­tá­fio pa­ra um Ve­lho Con­ti­nen­te, Wal­ter La­queur (2007); “Ci­vi­li­za­ti­on:the­six­kil­le­rapp­sofwes­tern­power”, Niall Fer­gu­son (2012)/“O De­clí­nio do Oci­den­te. Co­mo as ins­ti­tui­ções se de­gra­dam e a eco­no­mia mor­re” (Dom Qui­xo­te, 2014); “Le­dé­clin.la­cri­se del’uni­o­neu­ro­péen­ne­e­tla­chu­te­de­la­ré­pu­bli­que­ro­mai­ne/ O de­clí­nio. A crise da União Eu­ro­peia e a Que­da da Re­pú­bli­ca Ro­ma­na“, Da­vid En­gels (2013); “Thes­tran­ge­de­atho­feu­ro­pe:im­mi­gra­ti­on,iden­tity,is­lam”/ A Es­tra­nha Mor­te da Eu­ro­pa: Imi­gra­ção, Iden­ti­da­de e Is­lão, Dou­glas Mur­ray ( 2017); “Dé­ca­den­ce. Vie et mort du ju­déo- ch­ris­ti­a­nis­me”/ De­ca­dên­cia. Vi­da e mor­te do ju­dio-cris­ti­a­nis­mo, Mi­chel On­fray (2017).

3Co­mo se ins­ta­lou o sen­ti­men­to de de­ca­dên­cia do Oci­den­te eu­ro­peu? Faz sen­ti­do fa­lar em de­ca­dên­cia ou se­rá es­pe­cu­la­ção, pro­du­to de uma men­ta­li­da­de in­ca­paz de se adap­tar aos no­vos tem­pos? Po­de­mos olhar a questão em ter­mos eco­nó­mi­cos, de­mo­grá­fi­cos e mi­li­ta­res e ten­tar res­pon­der-lhe com da­dos com­pa­ra­ti­vos, ava­li­an­do a evo­lu­ção ao lon­go do tem­po. A ge­ne­ra­li­da­de das es­ta­tís­ti­cas mos­tra um de­clí­nio re­la­ti­vo. A União Eu­ro­peia, com­pa­ra­da com o res­to do mun­do e ou­tras gran­des po­tên­ci­as (EUA, Chi­na, Ín­dia...), tem vin­do a per­der ter­re­no: me­no­res per­cen­ta­gens da pro­du­ção de ri­que­za, da po­pu­la­ção, do po­der mi­li­tar. Mas es­sas fa­ce­tas não são o pon­to crí­ti­co. A questão mais pro­fun­da é a da am­pli­tu­de e sig­ni­fi­ca­do do pro­ces­so: o de­clí­nio de po­der eco­nó­mi­co e de­mo­grá­fi­co tra­duz-se nu­ma de­ge­ne­ra­ção so­ci­al, mo­ral e po­lí­ti­ca, co­mo sus­ten­tam os “de­ca­den­tis­tas”? Ou es­ta­mos, afi­nal, pe­ran­te um be­nig­no pro­ces­so de trans­for­ma­ção so­ci­al e de cor­re­ção de ma­les do pas­sa­do?

4A an­ti­no­mia – de­ca­dên­cia dos pa­drões cul­tu­rais, mo­rais e ins­ti­tu­ci­o­nais ver­sus trans­for­ma­ções de­mo­grá­fi­cas, cul­tu­rais e ins­ti­tu­ci­o­nais be­nig­nas – não tem res­pos­ta ob­je­ti­va e inequí­vo­ca. Va­ria com a vi­são do mun­do de quem res­pon­de. A fa­mí­lia es­tá a re­du­zir-se en­tre os eu­ro­peus/oci­den­tais: é de­ca­dên­cia ou evo­lu­ção so­ci­al? A cren­ça cris­tã na trans­cen­dên­cia do ser hu­ma­no di­mi­nui em so­ci­e­da­des mais se­cu­la­res: de­ca­dên­cia de va­lo­res es­pi­ri­tu­ais ou evo­lu­ção? A na­ci­o­na­li­da­de per­deu sig­ni­fi­ca­do co­mo in­di­ca­dor de per­ten­ça a um gru­po com pas­sa­do, va­lo­res e tra­di­ções co­muns: de­ca­dên­cia ou cri­a­ção de uma so­ci­e­da­de mul­ti­cul­tu­ral? Ire­mos ter um Oci­den­te/eu­ro­pa de­ge­ne­ra­do, em vi­as de ex­tin­ção, ou que se rein­ven­ta e su­pe­ra os ma­les do pas­sa­do? Não sa­be­mos. Mas sa­be­mos que as teses e pro­fe­ci­as de Spen­gler, com os seus mé­ri­tos, caí­ram na fa­lá­cia do de­ter­mi­nis­mo his­tó­ri­co e da ex­tra­po­la­ção li­ne­ar do pas­sa­do. O Oci­den­te eu­ro­peu sou­be rein­ven­tar-se após as guer­ras da pri­mei­ra me­ta­de do sé­cu­lo XX, quan­do pa­re­cia em ine­xo­rá­vel de­ca­dên­cia. Não é im­pos­sí­vel vol­tar a fa­zê-lo no sé­cu­lo XXI.

Cem anos após a pu­bli­ca­ção do pri­mei­ro vo­lu­me de “O de­clí­nio do Oci­den­te”, de Spen­gler (ou “de­ca­dên­cia”, nou­tras tra­du­ções), a li­te­ra­tu­ra “de­ca­den­tis­ta” es­tá em al­ta. Mas es­tá a Eu­ro­pa a ca­mi­nhar pa­ra o fim ou a trans­for­mar-se be­nig­na­men­te?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.